CAPES e HRAC-USP: parceria fortalece formação de referência

Programa de Pós-Graduação no HRAC-USP em Bauru forma profissionais que atuam em todo País na reabilitação de anomalias craniofaciais; Acordo de Cooperação prevê investimentos de R$ 4,7 milhões, distribuídos ao longo de quatro anos, entre bolsas, recursos de custeio e capital

Com informações da Coordenação-Geral de Comunicação Social (CGCOM/CAPES)

Desde 1987, o Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC) da Universidade de São Paulo (USP), conhecido como Centrinho, recebe apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), por meio de bolsas e recursos de custeio. Nos próximos dias, a Fundação e a USP assinarão um acordo de cooperação que garantirá as condições necessárias para que o Programa de Pós-Graduação (PPG) em Ciências da Reabilitação possa manter seu padrão de qualidade e aumentar o número de atendimentos da unidade ao público-alvo.

Foto: Klaus Aires/Acervo HRAC-USP

Fundado em 1967, o HRAC-USP – reconhecido pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e certificado como Hospital de Ensino pelo Ministério da Saúde e Ministério da Educação – é um centro de referência do País no tratamento da fissura labiopalatina, uma anomalia craniofacial que atinge uma em cada 650 crianças nascidas no Brasil. Além do atendimento a cerca de 130 mil pacientes, no local são formados profissionais de alto nível. A investigação acadêmico-científica proporcionada pelo PPG em Ciências da Reabilitação, já titulou 403 mestres e doutores de diversas partes do País.

A CAPES, que já atua no HRAC-USP com seus programas institucionais, identificou a necessidade de apoiar de forma estratégica o PPG em função de sua contribuição na formação de excelência para o País. O Programa de Pós-graduação tem características singulares, especialmente no atendimento local e reabilitação de anomalias craniofaciais. O PPG se diferencia também ao considerar os critérios de solidariedade previstos pela Avaliação da CAPES, oferecendo apoio a instituições de outras regiões, principalmente, Norte e Nordeste.

O atendimento do HRAC-USP tem uma forte ligação com a investigação acadêmico-científica e técnicas desenvolvidas pelos estudantes e professores. O PPG, que tem nota 5 na avaliação da CAPES, é interdisciplinar e recebe alunos de diferentes áreas do conhecimento de todo o País, que reproduzem essa experiência no atendimento de sua região. O hospital contribuiu com a criação do Instituto Yaçuri da Amazônia, que conta com egressos do HRAC-USP, inclusive a diretora da instituição, que realiza, além de cirurgias de fissuras, o aconselhamento, apoio nutricional e fonoterapia, além de outros atendimentos a crianças da região.

Atualmente, dos 124 alunos matriculados, 27 são beneficiados pelos Programas institucionais da CAPES (11 de mestrado e 16 de doutorado). Com o acordo de cooperação, o PPG em Ciências da Reabilitação passará a receber também o financiamento dos Programas estratégicos da CAPES. Estão previstos investimentos no valor de R$ 4,7 milhões, distribuídos ao longo de quatro anos, entre bolsas, recursos de custeio e capital. Para o HRAC-USP, esta ação será de extrema importância, pois a falta de recursos é a principal causa de abandono do curso, apresentada por 66% dos alunos.

Cláudia Queda de Toledo, presidente da CAPES, que fez visita técnica ao HRAC-USP, em Bauru (SP), com Zena Martins, diretora de Programas e Bolsas no País, destaca que “o trabalho do HRAC é de altíssima complexidade, tornando-o singular no Brasil e no mundo. São programas de pós-graduação como este que formam pesquisadores de alta verticalidade no conhecimento, que atendem, por meio de seus estudantes, pessoas de todo o território nacional, vítimas de lesões labiopalatinas e craniofaciais, que são estratégicos tecnicamente”. Para a presidente, o Brasil precisa melhorar a vida e a saúde das pessoas com os seus mestrados, doutorados e pós-doutorados. “Reconhecer este PPG como estratégico é um dever da gestão da CAPES. O sistema de pós-graduação precisa ser protagonista das transformações sociais na Federação”, conclui.

Excelência
“Esta é uma conquista importantíssima para o HRAC-USP, que beneficiará tanto a permanência dos nossos pós-graduandos e o desenvolvimento de pesquisas, como a assistência aos pacientes. Evidencia o nível de excelência do nosso Programa de Pós-Graduação, seja na formação dos mestrandos e doutorandos, qualificação do corpo docente, qualidade da pesquisa, impacto da produção cientifica, captação de fomento, além de sua contribuição para o tratamento e a qualidade de vida das pessoas com anomalias craniofaciais e deficiência auditiva”, pontua o professor Carlos Ferreira dos Santos, superintendente do HRAC-USP. “Agradecemos à CAPES, na pessoa da presidente Cláudia Queda de Toledo, pelo reconhecimento e por tão relevante cooperação”, ressalta o dirigente.

“Além da viabilidade de incremento à formação dos mestrandos e doutorandos e ao fomento à pesquisa aqui realizada, representa um reconhecimento dos esforços e da qualidade da nossa Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação”, conclui a professora Ivy Trindade, coordenadora do Programa.

 

Fonte: https://www.gov.br/capes/pt-br/assuntos/noticias/capes-e-usp-parceria-fortalece-formacao-de-referencia

 

(Imagem de capa: Visita técnica ao HRAC-USP em 18/10/2022: Julio Siqueira, coordenador-geral de Programas Estratégicos da CAPES; Zena Martins, diretora de Programas e Bolsas no País da CAPES; Ivy Trindade-Suedam, coordenadora do Programa de Pós-Graduação do HRAC-USP; Claudia Toledo, presidente da CAPES; e Carlos Ferreira dos Santos, superintendente do HRAC-USP. Foto: Divulgação HRAC-USP)

Assessoria de Imprensa HRAC-USP

Assessoria de Imprensa HRAC-USP