Pesquisadores da USP-Bauru recebem dois prêmios em congresso no México

Trabalhos avaliam uso de obturador faríngeo em fonoterapia intensiva e resultados de fala em indivíduos com fissura labiopalatina          

Pesquisadores do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC/Centrinho) e da Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB) da USP-Bauru receberam os dois prêmios concedidos pelo 18º Congresso Nacional da Associação Mexicana de Fissura Labiopalatina e Anomalias Craniofaciais, realizado de 23 a 26 de outubro de 2019, na cidade de Monterrey, no México.

O trabalho “Obturador faríngeo em fonoterapia intensiva em indivíduos com fissura labiopalatina”, de autoria das professoras Maria Inês Pegoraro-Krook e Jeniffer de Cassia Rillo Dutka (do Programa de Pós-Graduação do HRAC-USP e do Departamento de Fonoaudiologia da FOB-USP), de Gabriela Zuin Ferreira (doutora pela FOB-USP) e de Viviane Cristina de Castro Marino (pós-doutora pelo HRAC-USP), obteve o primeiro lugar na modalidade Pôster.

O prêmio foi um kit de instrumental cirúrgico para fissura labiopalatina, outorgado pela ONG Smile Train, e o pagamento da inscrição para participação na 19ª edição do Congresso, que ocorrerá em 2020, na Cidade do México. Segundo a professora Maria Inês Pegoraro-Krook, a intenção é formalizar e realizar a doação do kit de instrumental cirúrgico ao HRAC-USP.

Já o trabalho “Medidas do arco maxilar pré-palatoplastia primária como preditoras de resultados de fala em indivíduos com fissura labiopalatina”, de autoria de Ana Flávia Rodrigues da Silva (doutora pelo HRAC-USP) e da professora Maria Inês Pegoraro-Krook, ficou em primeiro lugar na modalidade Trabalhos Livres.

O prêmio foi uma bolsa no valor de 1.500 dólares para apresentar trabalho científico em evento internacional relacionado à fissura labiopalatina, também outorgado pela Smile Train.

A professora Maria Inês Pegoraro-Krook ministrou ainda, juntamente com o cirurgião-dentista Homero Carneiro Aferri (do serviço de Prótese de Palato do HRAC-USP), o curso teórico-prático “Bulbos palatinos e fonoterapia intensiva”, e foi uma das debatedoras da mesa-redonda “Terapia de linguagem eficaz para articulação compensatória”.

(Foto: Arquivo pessoal / Maria Inês Pegoraro-Krook)