Cursos de Extensão Universitária

 

Formação Profissional (Atualização e Prática Profissionalizante) 

Desde 1990 o HRAC-USP oferece diversos cursos de extensão universitária voltados à formação, aperfeiçoamento e qualificação de profissionais da saúde, com o objetivo de capacitá-los para atuarem nas áreas específicas de anomalias craniofaciais, síndromes e saúde auditiva, em serviços de outras partes do Brasil e até mesmo no exterior. 

Para a Universidade de São Paulo, os cursos de Formação Profissional são atividades que visam qualificar, desenvolver ou aperfeiçoar habilidades próprias de uma profissão, com caráter eminentemente prático e projetos de formação desenvolvidos por meio do treinamento em serviço. São exemplos desta modalidade os cursos de Atualização Prática Profissionalizante, além da Residência Médica e Residência Multiprofissional

 

Atualmente o HRAC-USP oferece os seguintes cursos de AtualizaçãoPrática Profissionalizante:

Prática Profissionalizante em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial (ver mais)

 

A Prática Profissionalizante em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial visa atender a demanda de cirurgia oral menor existente no HRAC-USP, possibilitando ao aluno participar dos processos pré, trans e pós-operatórios de cirurgias mais complexas. O objetivo do curso é capacitar o profissional de Odontologia em cirurgia bucal para assistir, com cirurgia oral menor, pacientes com necessidades especiais e de alta complexidade, além de iniciar seu treinamento para cirurgias mais complexas, como enxerto ósseo alveolar e ortognática. 

Coordenador: Prof. Dr. Renato Yassutaka Faria Yaedú  

Natureza da formação profissional: Prática Profissionalizante 

Forma: Presencial / Gratuito 

Público-alvo (pré-requisito): Cirurgiões-Dentistas (graduação em Odontologia) 

Duração: 12 meses 

Carga horária semanal: 40 horas 

Carga horária total: 1.800 horas 

Objetivos da formação: Formar mão de obra capacitada em cirurgia bucal e capaz de assistir, com cirurgia oral menor, pacientes com necessidades especiais e de alta complexidade; iniciar o treinamento para cirurgias mais complexas, como enxerto ósseo alveolar e cirurgias ortognáticas. 

Programa do curso: 

Cirurgia e traumatologia buco-maxilo-facial (ver mais)

Atividades: Atividades teórico-práticas obrigatórias, com periodicidade de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h ou de acordo com escala definida pela coordenação do curso, totalizando 40 horas semanais. 

Objetivos: Proporcionar treinamento clínico em atividades de cirurgia oral menor, aperfeiçoando e aprimorando os fundamentos da cirurgia oral menor; iniciar treinamento e conhecimento de atividades hospitalares, participando do preparo pré-operatório, auxiliando e/ou instrumentando cirurgias e cuidados pós-operatórios em pacientes de alta complexidade e submetidos a cirurgias em âmbito hospitalar. 

Metodologia: Assistir e auxiliar cirurgias realizadas em ambiente hospitalar; realizar, sob supervisão, cirurgias relativas a Odontologia em ambiente ambulatorial. 

Conteúdo programático:

1 – Classificação, etiologia e prevenção das fissuras labioplatinas. 
2 – Avaliação pré-operatória. 
3 – Princípios de técnica cirúrgica. 
4 – Exodontia simples. 
5 – Exodontia de dentes não irrompidos. 
6 – Acidentes e complicações em exodontia. 
7 – Tracionamento. 
8 – Tratamento cirúrgico dos cistos e tumores odontogênicos. 
9 – Expansão rápida da maxila assistida cirurgicamente. 
10 – Princípios do enxerto ósseo alveolar. 
11 – Princípios da cirurgia ortognática. 
12 – Anestesia local: anestésicos, vasocontrictores e técnica anestésica. 

Cirurgia e traumatologia buco-maxilo-facial (clique para fechar)

Prática Profissionalizante em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial (clique para fechar)

Prática Profissionalizante em Implante Coclear e Próteses Auditivas Implantáveis (ver mais)

 

O HRAC-USP é um centro de referência no tratamento das deficiências auditivas e anomalias craniofaciais, tendo sido pioneiro na realização das cirurgias de Implante Coclear Multicanal. Como hospital de ensino, procura por profissionais que desejam se especializar e se tornar multiplicadores da aplicação das condutas e protocolos aqui adotados, nas dezenas de anos de pesquisas interdisciplinares. 

O programa proposto visa promover a difusão do conhecimento sobre Implante Coclear e Próteses Auditivas Implantáveis, área em que há necessidade de ampliação do acesso a condições de formação de recursos humanos especializados. 

Coordenador: Prof. Dr. Rubens Vuono de Brito Neto  

Vice-Coordenador: Prof. Dr. Luiz Fernando Manzoni Lourençone  

Natureza da formação profissional: Prática Profissionalizante 

Forma: Presencial / Gratuito 

Público-alvo (pré-requisito): Médicos Otorrinolaringologistas (graduação em Medicina com residência concluída em Otorrinolaringologia) 

Duração: 12 meses 

Carga horária semanal: 40 horas 

Carga horária total: 1.805 horas (1.618h de atividades práticas ou de campo e 187h de seminários clínicos) 

Objetivo da formação: Capacitar o profissional para o diagnóstico e condutas com pacientes com deficiência auditiva, por meio de Implante Coclear e Próteses Auditivas Implantáveis, mediante atuação prática nas rotinas de avaliação e intervenção da Seção de Implante Coclear, da Divisão de Saúde Auditiva e do Ambulatório do HRAC-USP.

Programa do curso: 

Práticas Clínicas em Implante Coclear; Seminários em Otorrinolaringologia (ver mais)

Atividades: Atividades teórico-práticas obrigatórias, com periodicidade de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h ou de acordo com escala definida pela coordenação do curso, totalizando 40 horas semanais. 

Objetivo: Capacitar o aluno para o diagnóstico e as condutas com pacientes com deficiência auditiva por meio de Próteses Auditivas Implantáveis e Implante Coclear. 

Metodologia: Acompanhamento supervisionado de rotinas e procedimentos de avaliação e intervenção da Seção de Implante Coclear, da Divisão de Saúde Auditiva e do Ambulatório do HRAC-USP. Participação em seminários clínicos e discussão de casos. 

Conteúdo programático:

1 – Atividades na Seção de Implante Coclear do HRAC-USP 
Acompanhamento das atividades ambulatoriais; participação do Ambulatório de Otologia (orelhas malformadas); acompanhamento dos casos cirúrgicos (pré e pós-operatórios).

2 – Atividades no Centro Cirúrgico do HRAC-USP 
Acompanhamento das cirurgias de implante coclear e próteses auditivas implantáveis. 

3 – Atividades na Divisão de Saúde Auditiva HRAC-USP 
• Ambulatório de diagnóstico diferencial em deficiência auditiva com os residentes de otorrinolaringologia. 
• Participação dos procedimentos de avaliação otoneurológica e Potencial Evocado Auditivo do Tronco Encefálico. 

4 – Atividades no Ambulatório do HRAC-USP 
• Ambulatório didático com presença dos residentes de otorrinolaringologia. 
• Ambulatórios de otorrinolaringologia. 

5 – Seminários clínicos do Programa de Residência em Otorrinolaringologia do HRAC-USP 
• Capacitação de técnicas cirúrgicas de orelha média, mastoide e orelha interna no osso temporal e estruturas correlatas. 
• Participação e colaboração nos seminários semanais sobre os temas: Fisiologia da Audição; Fisiologia do sistema vestibular; Monitorização neurofisiológica intra-operatória; Radiologia do Osso Temporal; Eletrofisiologia do Nervo Facial; Malformação congênita da orelha; Trauma de Osso Temporal; Neoplasia da Orelha; Próteses auditivas implantáveis, Impante Coclear e ABI; Otospongiose; Paralisia facial. 

6 – Outras atividades relacionadas 
• Participação e atendimento nos programas especiais organizados pelo HRAC-USP. 
• Participação e colaboração em cursos e eventos científicos da área, por indicação da coordenação do curso. 
• Participação e atendimento na Clinica Integrada de Fonoaudiologia e no Ambulatório de Otorrinolaringologia da Clínica de Fonoaudiologia.

Práticas Clínicas em Implante Coclear; Seminários em Otorrinolaringologia (clique para fechar)

Prática Profissionalizante em Implante Coclear e Próteses Auditivas Implantáveis (clique para fechar)

Ortodontia Preventiva e Interceptiva (ver mais)

 

Os cursos de pós-graduação raramente incluem o treinamento prático em pacientes de alta complexidade, como os pacientes com anomalias craniofaciais. Esse programa visa oportunizar o treinamento de profissionais altamente qualificados para o exercício da ortodontia interceptiva em pacientes com más oclusões severas, como os pacientes com fissuras labiopalatinas.

NATUREZA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: Prática Profissionalizante em Ortodontia Preventiva e Interceptiva

PRÉ-REQUISITO: Graduados em Odontologia

COORDENADORA: Dra. Daniela Gamba Garib Carreira

DURAÇÃO: 09 meses

VAGAS OFERECIDAS: até 8 (mínimo de 1 vaga)

CARGA HORÁRIA TOTAL: 1.090 horas de aulas e atividades práticas (ou de campo).

OBJETIVO DA FORMAÇÃO: Propiciar treinamento prático-clínico em Ortodontia Interceptiva em pacientes com fissuras labiopalatinas.

PROGRAMA:

Mecânica Ortodôntica na Clínica de Alta Complexidade (ver mais)

Oferecer uma visão teórica, laboratorial e clínica de conhecimentos atualizados em Mecânica Ortodôntica, assim como o aprimoramento das habilidades técnicas da especialidade ortodôntica com especificidade de atuação nos estágios de dentadura decídua e mista, e proporcionar também o aprimoramento profissional para o exercício clínico em pacientes com fissuras labiopalatinas.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: 

Mecanoterapia com aparelhos fixos
1 – Acessórios em ortodontia
2 – Colagem direta em ortodontia
3 – Bandagem
4 – Arcos de nivelamento
5 – Barra transpalatina
6 – Molas Cantlever
7 – Mini-implantes
8 – Expansão rápida da maxila na fissura
9 – Tracionamento de dentes retidos

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (ver mais)

ACKERMAN, J. L. et al. A controlled light continuous force technique. Amer.J.Orthodont., v. 56, p. 233, 1969.

ANDREASDEN, G. F., QUEVEDO, F. R. Evaluation of friction forces in the 0,022 x 0,028 Edgewise bracket in vitro. J.Biomechan., v. 3, p. 151-160, 1970.

ANDREWS, L. F. The straight wire appliance. AAO Film. Library.

ANDREWS, L. F. The straight wire appliance. J.clin.Orthodont., v. 24, n. 8, p. 493-508, 1976.

ANDREWS, L. F. The straight wire appliance. PCSO. Bulletin, 1970.

ANDREWS, L. F. The straight wire appliance: extraction brackets and “classification of treatment”. J.clin.Orthodont., v. 10, p. 360-379, 1976.

ANGLE, E. H. The latest and best in orthodontic mechanisms. Dent.Cosmos, v. 70, p. 1143, 1928.

BATTAGEL, J. M. Profile changes in Class II, division 1 malocclusions: a comparison of the effects of Edgewise and Frankel appliance therapy. Europ.J.Orthodont., v. 11, n. 3, p. 243-253, Aug. 1989.

BATTAGEL, J. M. The relationship between hard and soft tissue changes following treatment of Class II division 1 malocclusion using Edgewise and Frankel appliance techniques. Europ.J.Orhtodont., v. 12, n. 2, p. 154-165, May 1990.

CHABRE, C. Combined orthopedic-orthodontic treatment of Class II. Rev.Orthop.Dento Fac., v. 25, n. 1, p. 109-115, 1991.

COOKE, M. S., WREAKES, G. The face mask: a new form a reverse headgear. Brit.J.Orthodont., v. 4, n. 4, p. 163-168, Oct. 1977.

EPKER, B. N., FISH, L. C. Dentofacial deformities – integrated orthodontic and surgical correction. Saint Louis: Mosby, 1986. v. I.

EPKER, B. N., FISH, L. C. Dentofacial deformities – integrated orthodontic and surgical correction. Saint Louis: Mosby, 1986. v. II.

INTERLANDI, S. Mecânica de arco de canto. Introdução à técnica. São Paulo: Sarvier, 1986.

LOGN, J. R. et al. Corrective methods for Class II patients. Pediat.Dent., v. 10, n. 4, p. 342-344, Dec. 1988.

McNEILL, R. W. The Edgewise appliance. In: SALZMANN, J. A. Orthodontics in daily practice. Philadelphia: Lippincott, 1974. p. 408-433.

MULLIGAN, T. F. Common sense mechanics. J.clin.Orthodont., v. 14, p. 180-189, 1980.

RAUCH, E. D. Torque and its applications to orthodontics. Amer.J.Orthodont., v. 45, p. 817-830, 1959.

SILVA FILHO, O.G.; CANÊDO, A.T.M.; FERRARI JUNIOR, F.M. Mecânica do movimento dentário / Tradução /. Ortodontia, v. 29, n. 2, p. 72-84, 1996.

SMITH, R. J., BURSTONE, C. J. Mechanics of tooth movement. Amer.J.Orthodont., v. 85, n. 4, p. 294-307, 1984.

STONER, M. M., LINDQUIST, O. T. The Edgewise appliance today. In: GRABER, T. M., SWAIN, B. F. Current orthodontic concepts and techniques. 2.ed. Philadelphia: Saunders, 1975. p. 453-464.

THUROW, R. C. Edgewise orthodontics. 2.ed. Saint Louis: Mosby, 1966.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (clique para fechar)

Mecânica Ortodôntica na Clínica de Alta Complexidade (clique para fechar)

Ortodontia na Fissuras Labiopalatinas: Diagnóstico, Tratamento e Reabilitação (ver mais)

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Ortodontia Pré-enxerto
2. Enxerto ósseo alveolar
3. Ortodontia Pós-enxerto
4. Cirurgia Ortognática

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (ver mais)

ASHER-McDADE, C. et al. A six-center internacional study of treatment outcome in patients with clefts of the lip and palate. IV. Assessment of nasolabial appearance. Cleft Palate Craniofac J., v. 29, p. 409-412, 1992.

BRODER H. L., SMITH, F. B., STRAUSS, R. P. Habilitation of patients with clefts: parent and child ratings of satisfaction with appearance and speech. Cleft Palate Craniofac.J., v. 29, p. 262-267, 1992.

BRODER, H. L. , SMITH, F. B., STRAUSS, R. P. Effects of visible and invisible orofaicial defects on self-perception and adjustment across developmental eras and gender. Cleft Palate Craniofac. J., v. 31, p. 429-36, 1994.

CAPELOZZA FILHO, L. et al. Conceitos vigentes na etiologia das fissuras lábio-palatinas. Rev.Bras.Cirurg., v. 78, n. 4, p. 223-230, 1988.

CAPELOZZA FILHO, L. et. al. Ortodontia na dentadura mista em pacientes com fissura: avaliação da efetividade pelo exame da oclusão na dentadura permanente. Ortodontia, v. 28, n. 2, p. 71-78, 1995.

CAPELOZZA FILHO, L. et. al. Rapid maxillary expansion in cleft lig and palate petients. J. Clin. Orthodont., v. 28 n. 1 p. 34-39, 1994.

CAPELOZZA FILHO, L.; CAVASSAN, A..O., SILVA FILHO; O. G. Avaliação do crescimento craniofacial em portadores de fissuras transforame incisivo unilateral. Estudo transversal. Rev.Bras.Cirurg., v. 77, n. 1, p.97-106, 1987.

CAPELOZZA FILHO, L.; MARTINS, D.R., BROSCO, H. Alterações do arco mandibular em portadores de fissura transforame incisivo unilateral. Ortodontia, v. 11, n. 3, p.160-168, 1978.

CAPELOZZA FILHO, L.; MARTINS, D.R., MAZZOTTINI, R. Análise do diâmetro transverso do maxilar superior de portadores de fissura transforame incisivo unilateral. Ars Curandi Odont., v. 66, n. 6, p. 42-51,1979.

CAPELOZZA FILHO, L.; MAZZOTTINI, R., ABDO, R. C. C. Expansão rápida da maxila em fissurados adultos. Ars Curandi Odont., v. 7, n. 5, p. 209-224, 1980.

CAPELOZZA FILHO, L.; SILVA FILHO, O.G. Fissuras lábio-palatais. In: PETRELLI, E. Ortodontia para fonoaudiologia. Curitiba: Lovise, 1992. p. 195-239.

CAPELOZZA FILHO, L.; SOUZA FREITAS, J. A., SILVA FILHO, O. G. Avaliação do crescimento mandibular em fissurados transforame incisivo unilateral. Ortodontia, v. 14,n. 3, p.199-210, 1981.

CAPELOZZA FILHO, L.; TANIGUCHI, S. M.; SILVA FILHO, O. G. Craniofacial morphology of adult unoperated complete unilateral cleft lip and palate patients. Cleft Palate Craniofac., v. 30, n. 4, p.376-381, 1993.

CLIFFORD, E., CHOCKER, E. C., POPE, B. Psychological findngs in the adulthood of 98 cleft lip-palate children. Plast reconstr Surg., v. 50, p. 234-237, 1972.

HELLER, A., TIDMARSH, W., PLESS, I. B. A psychological functioning of young adults born with cleft lip or palate. A follow up sutdy. Clin Pediat., v. 20, p. 459-65,1981.

KAPP, K. Self concept of the cleft lip and palate child. Cleft Palate J., v. 16, p. 1712-76,1979.

MARS, M. et al. A six-center international study of treatment outcome in patients with clefts of the and palate. III. Dental arch relationships. Cleft Palate Craniofac.J., v. 29, p. 405-408, 1992.

MARS, M. et al. The Goston Yardstick: a new system of assessing dental arch relatioships in children with unilateral clefts of the lip and palate. Cleft Palate J., v. 24, p. 314-322, 1987.

MOLSTED, K. et al. A six-center international study of treatment outcome in patients with clefts of the lip and palate. II. Craniofacial form and soft tissue profile. Cleft Palate Craniofac.J., v. 29, p. 398-404, 1992.

MOLSTED, K. et al. A six-center international study of treatment outcome in patients with clefts of the lip and palate: evalution of maxillary asymmetry. Cleft Palate Craniofac.J., v. 30, p. 22-28, 1993.

NAGEM FILHO, H., MORAES, N., ROCHA, R. G.F. Contribuição para o estudo da prevalência das malformações congênitas lábio-palatais na população escolar de Bauru. Rev. Fac. Odont. S.Paulo, v. 6, p. 111-128, 1968.

NOAR, J. A. A questionnaire survey of attitudes and concerns of three professional groups involved in the cleft palate team. Cleft Palate Craniofac.J., v. 29, p. 92-95, 1992.

RICHMAN, L. C. Self-reported social, speech, and facial concerns and personality adjustment of adolescents with cleft lip and palate. Cleft Palate J., v. 20, p. 108-12,1983.

SHAW, W. C. et al. A six-center international study of treatment outcome in patient with clefts of the lip and apalte. V. General.

SHAW, W. C. et al. A six-center international study of treatment outcome in patients with clefts of the lip and palate. I. Principles and study design. Cleft Palate Craniofac.J., v. 29, p. 393-397, 1992a.

SILVA FILHO, O G. et al. – Enxerto ósseo alveolar em pacientes fissurados e perspectiva. Ortodontia, v. 28, n. 1, p. 34-35, 1995.

SILVA FILHO, O. G., ALMEIDA, R. R. Fissuras lábio-palatais: o que o cirurgião dentista precisa saber. Univ. Fed. Odont., Lins, v. 5, n. 2, p. 7-18, 1992.

SILVA FILHO, O. G., NORMANDO, A. D. C., CAPELOZZA FILHO, L. Enfoque geométrico na avaliação das bases apicais do paciente portador de fissura de palato (fissura pós-forame incisivo). Ortodontia, v. 24, n. 1, p. 52-60, 1991.

SILVA FILHO, O. G., NORMANDO, A. D. C.; CAPELOZZA FILHO, L. Mandibular growth in patients with cleft lip and/or cleft palate – the influence of cleft type. Amer.J.Orthodont. Dentofac.Orthop., v. 104, n. 3, p. 269-275, 1993.

SILVA FILHO, O. G., RAMOS, A. L., ABDO, R. C. C. The influence of unilateral cleft lip and palate on maxillary dental arch morphology. Angle Orthodont., v. 62, n. 4, p. 283-290, 1992.

SILVA FILHO, O. G.; BOAS, M. C. V.; CAPELOZZA FILHO, L. Rapid maxillary in the primary and mixed dentition: a cephalometric evaluation. Amer.J.Orthodont.Dentofac.Orthop., v. 100, n. 2, p. 171-81, 1991.

SILVA FILHO, O. G.; CAVASSAN, A. O., NORMANDO, A. D. C. Influência da palatoplastia no padrão facial de pacientes portadores de fissura pós-forame incisivo. Rev.bras.Cirurg., v. 79, n. 6, p. 315-322, 1989.

SILVA FILHO, O. G.; CAVASSAN, A. O., SAMPAIO, L. L. Avaliação do padrão cefalométrico em pacientes portadores de fissura pós-forame incisivo não operados. Rev.bras.Cirurg., v. 79, n. 3, p. 137-147, 1989.

SILVA FILHO, O. G.; NORMANDO, A. D. C.; CAPELOZZA FILHO, L. Mandibular morphology and spatial position in patients with clefts: intrinsic of iatrogenic? Cleft PalateCraniofac., v. 29, n. 4, p. 369-375, 1992.

SILVA FILHO, O. G.; OKADA, T., PEREIRA, A. M. L. Avaliação morfológica e quantitativa do arco dentário superior de adultos portadores de fissura pré-forame completa, não operados. Rev. Bras.Cirurg., v. 81, n. 6, p. 279-285, 1991.

SILVA FILHO, O. G.; RAMOS , A. L., CAPELOZZA FILHO, L. La influencia de la queiloplastia y de la palatoplastia en la determinción de la forma del arco dentario superior en fissurados de labio y paladar. Rev.esp.Otodonc., v. 21, n. 3, p. 237-249, 1991.

SILVA FILHO, O. G.; RAMOS, A. L., CAPELOZZA FILHO, L. Influência da queiloplastia nas dimensões e forma do arco dentário superior em adultos fissurados de lábio e palato. Rev. Soc. bras.Ortodont., v. 1, n. 9, p. 269-275, 1991.

SILVA FILHO, O. G.; ROCHA, R., CAPELOZZA FILHO, L. Padrão facial do paciente portador de fissura pré-forame incisivo unilateral completa. Rev.bras.Cirurg., v. 79, n. 4, p.197-205, 1989.

SILVA FILHO, O.G. et. al. Classificação das fissuras lábio-palatais: breve histórico, considerações clínicas e sugestões de modificação. Rev.bras.Cirurg., v. 82, n. 2, p. 51-65, 1992.

SILVA FILHO, O.G.; RAMOS, A. L.; ABDO, R. C. C. Morfologia dos arcos dentários em pacientes portadores de fissura de lábio e palato, não operados. Ortodontia, v. 24, n. 1, p. 9-17, 1991.

SOUZA FREITAS, J. A. et. al. Avaliação das alterações do arco dentário superior em indivíduos portadores de fissura transforame incisivo unilateral. Ortodontia, v. 25, n. 1, p. 18-26, 1995.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (clique para fechar)

Ortodontia na Fissuras Labiopalatinas: Diagnóstico, Tratamento e Reabilitação (clique para fechar)

Ortodontia Preventiva e Interceptiva (clique para fechar)