(Português do Brasil) Audiência pública discute reconhecimento de pacientes com fissura labiopalatina não reabilitados como pessoas com deficiência

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil.

Promovida pela Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados, audiência ocorreu no dia 07/12/2021 e contou com a participação do superintendente do HRAC-USP

A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados realizou, na tarde do dia 07/12/2021, audiência pública para debater o Projeto de Lei nº 11.217/2018, que dispõe sobre o reconhecimento dos pacientes que apresentam fissura palatina ou labiopalatina não reabilitados como pessoas com deficiência. O debate foi realizado por videoconferência e pode ser assistido neste link.

A audiência pública contou com a participação do professor Carlos Ferreira dos Santos, superintendente do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC/Centrinho) da USP; do advogado Thyago Cezar, doutorando e paciente reabilitado do HRAC-USP; e de Carlos Nicolau Feitosa de Albuquerque Lima Babadopulos, especialista em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial e doutorando do HRAC-USP.

Entre os convidados também estavam especialistas de outros serviços de fissura labiopalatina, além de representantes de associação de pacientes; e da Secretaria Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

“O HRAC-USP, por meio da Superintendência, manifesta seu apoio ao Projeto de Lei 11.217/2018. O reconhecimento dos pacientes com fissura labiopalatina e anomalias craniofaciais não reabilitados como pessoas com deficiência vem assegurar direitos de cidadania dessa população, acesso ao tratamento, acesso a transporte e acesso a outros benefícios das políticas públicas intersetoriais – como saúde, educação, assistência social, previdência social, habitação –, promovendo a inclusão social”, destacou o dirigente do HRAC-USP.

“O referido PL propiciará acesso a direitos fundamentais e consequente transformação social e qualidade de vida às pessoas com fissuras e anomalias craniofaciais”, completou Santos.

Atendimento de criança com fissura labiopalatina no HRAC-USP. Foto: Adauto Nascimento/Acervo HRAC-USP

O Projeto de Lei
De autoria do deputado Domingos Neto, o referido Projeto de Lei pretende assegurar às pessoas com fissura palatina ou labiopalatina não reabilitadas os mesmos direitos e garantias das pessoas com deficiência.

A Lei nº 13.146/2015, que instituiu a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, estabelece em seu artigo 2º que “considera-se pessoa com deficiência aquela que tem impedimento de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, o qual, em interação com uma ou mais barreiras, pode obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas”.

Os parágrafos 1º e 2º desse dispositivo definem ainda que “a avaliação da deficiência […] será biopsicossocial, realizada por equipe multiprofissional e interdisciplinar”, e considerará: “os impedimentos nas funções e nas estruturas do corpo”; “os fatores socioambientais, psicológicos e pessoais”; “a limitação no desempenho de atividades”; e “a restrição de participação”.

O Projeto de Lei nº 11.217/2018 está em tramitação na Câmara dos Deputados. Já passou pela Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência, atualmente aguarda parecer da Comissão de Seguridade Social e Família, e ainda deverá ser analisada em caráter conclusivo pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Assessoria de Imprensa HRAC-USP

Assessoria de Imprensa HRAC-USP