Metodologias Ativas de Ensino Aprendizagem na Educação Superior • HRB4100

 

DOCENTE RESPONSÁVEL:

Gerson Alves Pereira Júnior

Alessandra Mazzo

Alessandra de Andrade Lopes

Izabel Cristina Meister Martins Coelho

Manuela Costa Melo

 

NÚMERO DE CRÉDITOS: 4

 

CARGA HORÁRIA:

Teórica
(por semana)
Prática
(por semana)
Estudos
(por semana)
Duração Total
1h 2h 2h 12 semanas 60h

OBJETIVOS:

Compreender o uso das diversas metodologias de ensino-aprendizagem aplicadas na educação superior e desenvolver as habilidades para sua utilização prática, identificando as melhores situações de uso de cada uma delas.

 

JUSTIFICATIVA:

A necessidade de mudança no ensino das profissões de saúde tem sido sentida desde a década de 50, quando se originou na Case Western Reserve University, a Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP). Desde então, diversas universidades, principalmente na América do Norte, adotaram estratégias semelhantes. Em 1960, a McMaster University do Canadá reformou seu currículo com base na ABP e tornou-se uma de suas principais vitrines para o mundo. 

As tendências da área da Educação apontam para a utilização de metodologias ativas de ensino, que têm no aluno o centro do processo ensino-aprendizagem, sendo este o protagonista do seu próprio processo de formação. 

As metodologias ativas se tornaram um mote para falar de inovação pedagógica. Seu uso teórico é tão recorrente quanto à afirmação de que “precisamos formar estudantes críticos”. Contudo, identificar a devida aplicação prática é um desafio. Como afirmou Paulo Freire, precisamos repensar a distância entre o que se fala e o que se faz ao ponto de o fazer refletir no que se diz. 

O aprendizado ativo tem recebido atenção considerável nos últimos anos. Apresentado frequentemente ou percebido como uma mudança radical da instrução tradicional, o tópico polariza frequentemente o corpo docente. Aprendizagem ativa atraiu fortes defensores entre professores à procura de alternativas aos métodos de ensino tradicionais, enquanto os professores céticos consideram o aprendizado ativo como outro em uma longa linha de modismos educacionais. 

O profissional deve ser competente para a formação de novos recursos humanos ou de novos profissionais para o exercício de atividades referentes à saúde da população, pautado em princípios éticos, legais e na compreensão da realidade social, cultural e econômica do seu meio, dirigindo sua atuação para a transformação da realidade em benefício da sociedade. Para este nível de formação, fica clara a necessidade de modelos pedagógicos que possibilitem a construção ativa do conhecimento, que deverá prolongar-se por toda a vida profissional. A integração ensino-serviço-comunidade e a utilização de metodologias ativas de ensino-aprendizagem são apontadas como estratégias para a formação de profissionais voltados para o mundo do trabalho e para as necessidades da população, visando o aprendizado significativo. 

A inovação só acontecerá através de uma mudança fundamental na cultura de nossas escolas, conduzida, em parte, pelos próprios professores, dependendo do seu papel crítico e em evolução. É fundamental, portanto, que o docente repense seu papel de educador, reformule seus pensamentos e suas práticas. 

A proposta dessa disciplina é trabalhar com a estratégia de sala de aula invertida com gravação prévia da apresentação sobre os temas específicos por um professor convidado para estudo prévio e preparo da atividade presencial. Nessa última, os estudantes inscritos aplicaram o conhecimento e demonstrarão a metodologia de aprendizagem estudada, sendo realizada por um docente do programa de pós-graduação assessorado pelo convidado externo. Os estudantes inscritos irão assistir online em casa e vão para a parte presencial para executar a metodologia proposta. Neste momento presencial dos alunos, o professor convidado (que gravou a apresentação) entrará ao vivo por videoconferência para orientação da atividade.

 

CONTEÚDO:

Estudo e aplicação das diversas metodologias de ensino aprendizagem para a educação superior: 

Metodologia da Problematização
Team Based Learning
Aprendizagem Baseada em Problema
Simulação clínica 
Aprendizagem colaborativa baseada em casos (CBCL) 
Aprendizagem Baseada em projetos
Design Thinking 
Mapas conceituais
Aprendizagem por pares (Peer Instruction) e Just in time teaching
Flipped classroom
Ambiente virtual de aprendizagem
Gameficação

Na tabela abaixo podemos ver a sequência de temas a serem discutidos ao longo da disciplina: 

Temas
1 Neurociência aplicada à educação e Desenho Instrucional 
2 Andragogia e Metodologias Ativas
3 Paradigmas educacionais e as mudanças na educação no último meio século
4 Metodologia da Problematização
5 Team Based Learning
6 Aprendizagem Baseada em Problema
7 Simulação clínica 
8 Aprendizagem colaborativa baseada em casos (CBCL)
9 Aprendizagem Baseada em projetos
10 Design Thinking
11 Mapas conceituais
12 Aprendizagem por pares (Peer Instruction) e Just in time teaching
13 Flipped classroom
14 Ambiente virtual de aprendizagem 
15 Gameficação 

 

BIBLIOGRAFIA:

ARAUJO, I. S.; MAZUR, E. Instrução pelos colegas e ensino sob medida: uma proposta para o engajamento dos alunos no processo de ensino-aprendizagem de física. Cad. Bras. Ens. Fís., v. 30, n. 2, p. 362-384, 2013.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial, Brasília, 23 de dezembro de 1996. Seção 1, p. 27.833-41.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Superior. Diretrizes Curriculares para os cursos de graduação. [internet]. Brasília, 2004.

FRANÇA, F. C. de V.; MELO, M. C.; MONTEIRO, S. de N. C.; GUILHEM, D. O Processo de Ensino e Aprendizagem de Profissionais de Saúde: a Metodologia da Problematização por Meio do Arco de Maguerez – 1ª Ed. – Brasília, Coleção Metodologias Ativas, 2016.

KANEKO RMU, et al. Simulação in Situ, uma Metodologia de Treinamento Multidisciplinar para Identificar oportunidades de Melhoria na Segurança do Paciente em uma Unidade de Alto Risco. Rev. bras. educ. med. 2015; vol.39 n.2. p:286-293.

MESTRINHO, M. de G. Modelos de Formação em Enfermagem e Desenvolvimento Curricular: Transição para um novo profissionalismo docente. Pensar Enfermagem vol. 16 n 1. 1º Semestre de 2012. Disponível em: http://pensarenfermagem.esel.pt/files/PE16-2_Artigo1_2-30(1).pdf. Acesso em: 12/08/2013.

VALENTE, J. A. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Edição Especial n. 4. Editora UFPR. p. 79-97; 2014.

RUIZ-PRIMO, M.A., Briggs, D., Iverson, H., Talbot, R., Shepard, L.A. (2011). Impact of undergraduate science course innovations on
learning. Science 331, 1269–1270.

LUMPKIN, A., Achen, R., and Dodd,R. (2015). Student perceptions of active learning. College Student Journal 49, 121-133.

FREEMAN, S., Eddy, S.L., McDonough, M., Smith, M.K., Okoroafor, N., Jordt, H., and Wenderoth, M.P. (2014). Active learning increases student performance in science, engineering, and mathematics. Proceedings of the National Academy of Sciences USA 111, 8410-8415.

CARR, R., Palmer, S., and Hagel, P. (2015). Active learning: the importance of developing a comprehensive measure. Active Learning in Higher Education 16, 173-186.

BRAME, C.J. and Biel, R. (2015). Test-enhanced learning: the potential for testing to promote greater learning in undergraduate science courses. CBE Life Sciences Education, 14, 1-12.

DETERDING, Sebastian. Gamification: using game design elements in non-gaming contexts. CHI, p. 7-12, 2011.

BARELL, John. Problem-based learning: The foundation for 21st century skills. In: BELANCA, James. 21st Century skills: rethinking how students learn, 174–199. 2010.

 

 

<<< voltar para o índice de Disciplinas

 

Seção de Pós-Graduação HRAC-USP

Horário de atendimento: de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h30 e das 13h30 às 18h (exceto feriados) | e-mail: secpghrac@usp.br | telefone: (14) 3235-8434 | endereço: rua Sílvio Marchione, 3-20 • Vila Universitária • CEP 17.012-900 • Bauru - SP (piso superior da Unidade I, no corredor acadêmico)