Hospital das Clínicas deverá iniciar atividades com 40 leitos para média complexidade

Anúncio ocorreu com a participação do superintendente do HRAC-USP, do secretário executivo de Desenvolvimento Regional, do prefeito de Bauru, entre outras autoridades

A partir da esquerda: Prof. Carlos Ferreira dos Santos (superintendente HRAC-USP), Antonio Rugolo Junior (diretor presidente Famesp), Sérgio Henrique Antonio (secretário municipal de Saúde), Clodoaldo Gazzetta (prefeito de Bauru), Enilson Komono (promotor de Justiça), Rubens Cury (secretário executivo de Desenvolvimento Regional do Estado) e Marcos Antonio de Souza (vereador). Foto: Priscila Medeiros, Prefeitura de Bauru

Foi anunciado, na manhã de hoje, 09/04/2020, o início das atividades do Hospital das Clínicas (HC) de Bauru, com 40 leitos para média complexidade não-Covid-19, como retaguarda para o Hospital Estadual de Bauru (HEB), que é a referência para Covid-19 de Bauru e região.

O anúncio ocorreu na Prefeitura Municipal de Bauru e contou com a participação do superintendente do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC/Centrinho-USP) e diretor da Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB-USP), professor Carlos Ferreira dos Santos; do secretário executivo de Desenvolvimento Regional do Estado de São Paulo, Rubens Emil Cury; e do prefeito de Bauru, Clodoaldo Gazzetta, entre outras autoridades.

“A abertura do Hospital das Clínicas, nesse momento, iniciando com 40 leitos, não é pouco. Esses 40 leitos de retaguarda vão absorver os pacientes do Hospital Estadual [de Bauru] não-Covid, para que o Hospital Estadual tenha mais leitos para atender os pacientes Covid”, afirmou o secretário executivo de Desenvolvimento Regional do Estado, Rubens Cury.

“Esses 40 leitos são para média complexidade. São pacientes estáveis, que já estão no Hospital Estadual internados, e seriam transferidos para o Hospital de Clínicas. De primeiro momento, não tem UTI, porque é um tipo de paciente que não necessita isso. Então é um hospital de média complexidade, clínico, que não tem cirurgia, e de retaguarda, para aliviar nesse momento o Hospital Estadual”, explanou.

O secretário informou também que “o que o Governo [do Estado] decidiu ao anunciar isso é passar a gestão desses 40 leitos [do HC] para a Famesp [Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar], porque eles já estão em Bauru, têm um know-how sobre a cidade, a complexidade do atendimento, já fazem a gestão no [Hospital] Estadual e no Hospital de Base, então era mais simples e rápido”.

“Uma vez aberto esse Hospital de Clínicas, lá na frente vai ser um hospital que todos nós sonhamos, com cirurgia, com alta complexidade, um hospital que a cidade de Bauru e a região merece”, completou.

O superintendente do HRAC-USP, Prof. Carlos F. Santos. Foto: Priscila Medeiros, Prefeitura de Bauru

O professor Carlos Ferreira dos Santos, superintendente do HRAC-USP e diretor da FOB-USP, agradeceu ao Dr. Rubens Cury, ao prefeito Clodoaldo Gazzetta e também à diretora do Departamento Regional de Saúde de Bauru (DRS 6), Doroti da Conceição Vieira Alves Ferreira, “que há muitos anos trabalha pelo HC de Bauru”. “Doroti e eu, há muito tempo, trabalhamos nesse projeto. Ela antes, com outros superintendentes do HRAC”.

“Também gostaria de fazer um apelo ao Dr. Rubens Cury e a todos que estão aqui, Dr. Enilson [Komono, promotor de Justiça da Saúde Pública de Bauru], e o nosso prefeito. Nós entendemos que esses 40 leitos que emergencialmente vão ser criados representam um pontapé, mas, para que o HC dos sonhos que o Dr. Rubens Cury nos colocou exista, é necessária a assinatura de um termo de cooperação técnica entre a Secretaria de Estado da Saúde e a Reitoria da Universidade de São Paulo. São falas que eu repito do secretário [de Estado] da Saúde – ele já falou com a imprensa de Bauru sobre esse termo de cooperação – e também do nosso Magnífico Reitor. Então, Dr. Rubens, o senhor está lá no Governo. Essa interlocução é importante que o senhor faça, junto com o nosso prefeito e o promotor, porque esse termo de cooperação técnica é o documento que significa: ‘a Secretaria de Estado da Saúde assume o Hospital das Clínicas de Bauru’. Mas eu preciso agradecer porque entendo que já é uma ação estratégica da Secretaria de Estado da Saúde, com certeza, mirando a assinatura desse termo”, pontuou o superintendente.

O professor Carlos Ferreira dos Santos acrescentou ainda que “para esse momento, emergencialmente, a assinatura do termo de cooperação não é necessária. É uma decisão do Governo do Estado, porque a área física do HRAC – Unidades 1 e 2, Unidade 2 é o predião, onde os 40 leitos serão colocados – já foi cedida à Secretaria de Estado da Saúde, então cabe a ela destinar o uso dessa segunda unidade, que hoje tem poucos andares ocupados. Foi uma decisão estratégica, em função da pandemia e da emergência. Passando esse momento, aí sim a assinatura é necessária para todas as outras ações que o Governo planeja para esse Hospital de Clínicas”.

“Todos estamos unidos, a USP de Bauru está aberta, seja com o HRAC, seja com a FOB, para ajudar. Ninguém aqui quer ser protagonista, nós queremos ser mais uma mão para que esse exército ganhe essa guerra contra esse inimigo invisível [coronavírus]”, assinalou o dirigente.

Também presente na coletiva, o diretor presidente da Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar (Famesp), Dr. Antonio Rugolo Junior, explicou que “no momento, a contratação [de profissionais para o HC] terá que ser via currículo, sem processo seletivo, até porque não daria tempo hábil e nem poderíamos fazer porque teria aglomeração de pessoas. Serão contratados, inicialmente, por tempo determinado, em todas as áreas que forem necessárias, para que, no final desse momento [emergencial], a gente possa fazer uma contratação definitiva, por tempo indeterminado”.

“Eu estimo, nós ainda temos que conversar no Estado qual o modelo que a gente vai usar para assumir esse hospital, mas vou fazer força para que em 30 dias esse hospital esteja aberto. Pela experiência que temos, em 30 dias acho que a gente consegue contratar as pessoas. E também a gente vai depender dos fornecedores, porque tem um tempo para a entrega de equipamentos”, complementou Rugolo.

O prefeito municipal de Bauru, Clodoaldo Gazzetta, destacou que o Hospital das Clínicas “vai ser uma retaguarda importante e decisiva [no contexto de enfrentamento da Covid-19 no município], porque vai acolher pacientes [não-Covid-19] que estão no Hospital Estadual”.

Veja, no link a seguir, discurso do Prof. Carlos Ferreira dos Santos:
https://drive.google.com/file/d/12r6ZXNedp55-EbRqU2txPsi6crlw9T4V/view

A íntegra da coletiva de imprensa pode ser assistida em:
https://www.facebook.com/prefeituradebauruoficial/videos/610196996246273/