Workshop debate cooperação entre universidade e poder público

Na pauta, instrumentos de cooperação para a formação e oferta de serviços à população com mais qualidade   

Foto: Denise Guimarães, FOB-USP

Em uma iniciativa do Curso de Medicina da FOB-USP, foi realizado, nos dias 29 e 30 de março, no campus da USP em Bauru, o workshop “Universidade e Poder Público: Relação entre Universidade e Sistema Único de Saúde. Saúde, Educação e Trabalho Interprofissional”. O evento teve apoio da Diretoria da Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB), Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC/Centrinho), Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual Paulista (Unesp), Ministério da Saúde e Organização Pan-Americana da Saúde (Opas/OMS).

O encontro reuniu universidades, autoridades dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, Tribunal de Contas, Receita Federal e dos sistemas Educacional, de Assistência Social, de Segurança Pública e de Saúde, além de representantes de associações e conselhos e de organizações do terceiro setor.

Segundo o professor José Sebastião dos Santos, coordenador do Curso de Medicina da FOB-USP e superintendente do Centrinho-USP, o objetivo do workshop foi provocar uma reavaliação das relações e da cooperação entre entes públicos, sobretudo em função da realidade locorregional e sob a perspectiva da implementação do novo Curso de Medicina e da instalação do Hospital das Clínicas de Bauru.

“De acordo com as últimas diretrizes curriculares, não se pensa mais um curso da área da saúde restrito ao âmbito do campus universitário. Os futuros profissionais precisam ser formados conhecendo a realidade dos serviços, o dia a dia. Para tanto, é preciso uma interação mais próxima entre a Universidade e as áreas de execução na saúde, educação, assistência social e segurança pública, em interface com o Legislativo, Judiciário e Ministério Público, porque essas relações precisam ser formatadas com instrumentos legais de cooperação e de acompanhamento”, pontua o professor.

A programação teve início no dia 29, no período da manhã, no Bloco Didático 3 da FOB-USP, com dois pré-eventos: a conferência “Marcos teórico-conceituais e metodológicos da educação e do trabalho interprofissional em saúde”, ministrada pelo professor Marcelo Viana da Costa, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN); e atividades práticas de simulação, que tiveram como facilitadores os professores Marcelo Viana da Costa (UFRN), Alessandra Mazzo (FOB-USP), Alessandra de Andrade Lopes (Unesp) e Caio Cavassan de Camargo (USC).

A abertura oficial do workshop “Universidade e Poder Público” aconteceu no período da tarde, no Teatro Universitário da FOB-USP. Compuseram a mesa de abertura: Antonio Carlos Hernandes, vice-reitor da USP; Maria Aparecida de Andrade Moreira Machado, pró-reitora de Cultura e Extensão Universitária da USP; Carlos Ferreira dos Santos, diretor da FOB-USP; José Sebastião dos Santos, coordenador do Curso de Medicina da FOB-USP e superintendente do Centrinho-USP; José Henrique Rubo, prefeito do Campus USP de Bauru; Gladis Massini-Cagliari, pró-reitora de Graduação da Unesp (representando o reitor Sandro Roberto Valentini); Eduardo Aguilar Arca, diretor do Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Sagrado Coração (USC); Amanda Sierra Sardi Martuchi, diretora de Redes do Departamento Regional de Saúde de Bauru – DRS 6 (representando o secretário de Estado da Saúde de São Paulo, José Henrique Germann); e Andréa Salcedo Monteiro dos Santos Gomes, corregedora geral da Prefeitura Municipal de Bauru (representando o prefeito Clodoaldo Gazzetta).

Foto: Denise Guimarães, FOB-USP

O vice-reitor da USP, Antonio Carlos Hernandes, destacou a importância do processo de implementação do Curso de Medicina e do Hospital das Clínicas em Bauru, com a perspectiva de transformar e ampliar o polo de saúde no município e região. “Associados às Faculdades de Medicina [de Ribeirão Preto e São Paulo], temos complexos hospitalares de atendimento à comunidade que são o que há de melhor no país. Trabalhamos para que isso aconteça também em Bauru, onde o Curso de Medicina tem uma lógica diferente. E a essência desse processo passa pela participação e interação dos estudantes com a sociedade, desde o primeiro ano”, afirmou Hernandes.

De acordo com o vice-reitor, esse processo é consonante com o lema da atual gestão da USP, Excelência para a sociedade. “Vamos trabalhar para que aquilo que nós temos de melhor na Universidade seja colocado à disposição da sociedade. E é com esse espírito que realizamos esse workshop. Fazer uma reflexão conjunta traz sempre um resultado muito positivo. Estamos aqui para que cada um, dentro da sua visão e da sua competência, possa contribuir. Nós vamos ter um sistema de saúde aqui em Bauru que vai ser referência”, declarou.

Foto: Denise Guimarães, FOB-USP

Já Maria Aparecida de Andrade Moreira Machado, pró-reitora de Cultura e Extensão Universitária da USP, ressaltou que “as universidades têm um compromisso com a sociedade. É na universidade que fazemos a inovação que deve chegar à população que contribui de forma árdua com o que temos aqui”.

“E só em uma iniciativa como essa nós podemos, juntos, pensar como a universidade poderá trazer as soluções para os desafios que vemos no dia a dia. Esse momento é muito importante para pensarmos em inovações”, completou a professora.

Foto: Denise Guimarães, FOB-USP

Para o diretor da FOB-USP, Carlos Ferreira dos Santos, “reunir pessoas tão gabaritadas e de tantas instituições não é fácil, e isso tem um significado, por si só, de que todos entenderam que estamos aqui para trabalharmos de mãos dadas, juntos, porque sozinhos nós não chegamos a lugar nenhum. E, trabalhando de forma interdisciplinar, a tendência é de que nós acertemos, na maioria das vezes”.

O diretor acrescentou ainda: “o que estamos fazendo aqui, em resumo, tem dois sentidos: primeiro, para que os estudantes sejam mais bem formados; e segundo, para que a população seja mais bem atendida. É com esse intuito que todos os atores aqui, juntos, devem encarar essa oportunidade. É um dia histórico para Bauru e região, termos tantas pessoas importantes aqui representando instituições que nos fiscalizam ou que são responsáveis pela administração do ensino, da pesquisa e da extensão”.

Foto: Denise Guimarães, FOB-USP

José Sebastião dos Santos, coordenador do Curso de Medicina da FOB-USP e superintendente do Centrinho-USP, explicou que a organização desse workshop teve o objetivo não só de sensibilizar, mas de mostrar o que já está sendo feito em termos de relação e cooperação entre a Universidade e outros entes públicos.

Um exemplo é o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde/Interprofissionalidade), da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES) do Ministério da Saúde. “[Esse programa] envolve educação, trabalho na saúde, mas, para participar desse edital e conseguir recursos, nós precisamos juntar esforços da USP, da Unesp e da Universidade do Sagrado Coração. E também precisa ter um esforço entre Secretarias Municipais e Estaduais de Saúde, para poder dialogar com o Ministério da Saúde. Para formar, a gente precisa trabalhar em sistema”, pontou o professor.

“Precisamos planejar tanto o ensino, como a assistência, a pesquisa e a inovação de maneira mais integrada, senão não vamos conseguir dialogar com as políticas públicas. Precisamos fazer mais, juntos, porque vamos, provavelmente, acertar mais. E a sociedade vai ver que vale a pena pagar imposto, para ter profissionais bem formados e oferta de serviços com mais qualidade”, finalizou José Sebastião dos Santos.

Foto: Denise Guimarães, FOB-USP

O prefeito do Campus USP de Bauru, José Henrique Rubo, desejou aos presentes um excelente encontro e que “todos possam sair com uma visão bastante ampla do tema e entender a sua importância para a Universidade”.

Foto: Denise Guimarães, FOB-USP

Em seu discurso, a pró-reitora de Graduação da Unesp, Gladis Massini-Cagliari, enfatizou a importância e orgulho que a instituição tem de estar participando com três grupos nesse edital do PET Saúde, em Bauru, Botucatu e Araraquara. “Para nós, da Unesp, a participação no Programa PET Saúde é imprescindível, no que diz respeito à formação dos nossos alunos. Nesse momento histórico que vivemos e diante das demandas e problemas tão complexos da nossa sociedade, é cada vez mais indispensável oferecermos um aprendizado que parta do ‘aprender fazendo’, principalmente quando a gente pensa nas profissões da área da saúde. Nesse sentido, quando a gente pode oferecer uma oportunidade de formação como essa do Programa PET Saúde, que se baseia na interdisciplinaridade, isso é crucial do ponto de vista da formação”, assinalou.

“Para terminar, quero ressaltar a importância de duas palavras essenciais para o trabalho no Programa PET Saúde: a primeira é colaboração, em razão dessa ampla interdisciplinaridade; e a segunda é compartilhamento, porque é uma oportunidade de aproximação das universidades envolvidas”, frisou.

Foto: Denise Guimarães, FOB-USP

Eduardo Aguilar Arca, diretor do Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Sagrado Coração (USC), destacou que “é uma honra a USC participar como parceira no Programa PET Saúde. Entendemos a importância desse trabalho interprofissional e interdisciplinar. Esse aprendizado na prática, com os profissionais trabalhando em conjunto, vai contribuir muito com a formação dos estudantes e ajudará a rede de saúde no município”.

Foto: Wallace Ronald das Neves, HRAC-USP

A diretora de Redes do Departamento Regional de Saúde de Bauru (DRS 6), ressaltou que “a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo acredita muito nesse projeto. Acreditamos que a expertise da Universidade na formação dos alunos, aliado com o conhecimento da gestão, só tem a melhorar o sistema fragmentado que temos. Promover essa integralidade entre todos os níveis de atenção e todos os profissionais, para que tenhamos um atendimento mais humanizado, esse é o nosso objetivo”.

Foto: Denise Guimarães, FOB-USP

Para Andréa Salcedo Monteiro dos Santos Gomes, corregedora geral da Prefeitura Municipal de Bauru, “[o município] só tem a agradecer essa semente plantada lá atrás – através do professor Sebastião, do professor Gerson [Alves Pereira Júnior, docente do Curso de Medicina da FOB-USP e coordenador do PET Saúde na USP-Bauru], em conjunto com a Secretaria Municipal de Saúde, a Prefeitura e outras instituições, incluindo o Legislativo municipal, com a aprovação de Projeto de Lei –, que agora começa a dar frutos”. “Em nome do prefeito, espero que o workshop seja positivo em todos os sentidos e, como município, nos colocamos à disposição de todos”, concluiu.

Integração ensino-serviço-comunidade
O workshop “Universidade e Poder Público” marcou o início, em Bauru, do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET Saúde), do Ministério da Saúde. Após a abertura oficial do evento, o professor José Sebastião dos Santos, coordenador do Curso de Medicina da FOB-USP e superintendente do Centrinho-USP, fez uma breve apresentação sobre o PET Saúde. “É a primeira vez que Bauru é contemplada, em um esforço conjunto da Universidade de São Paulo, da Unesp e da Universidade do Sagrado Coração”.

Foto: Denise Guimarães, FOB-USP

Os dois projetos de Bauru contam com 120 bolsas concedidas pelo Ministério da Saúde (totalizando cerca de R$ 1,5 milhão em dois anos). O projeto da USP, que tem a USC como instituição convidada, conta com 60 bolsas para integrantes dos cursos de Medicina, Odontologia e Fonoaudiologia (FOB-USP) e Enfermagem, Fisioterapia e Nutrição (USC). O projeto envolverá as áreas de Atenção Primária em Saúde, Vigilância em Saúde, Urgência e Emergência, Oncologia e Gestão em Saúde. Tem a participação de 30 estudantes de graduação, 20 preceptores da rede pública de saúde – da Secretaria Municipal de Saúde, do Departamento Regional de Saúde de Bauru (DRS 6) e do setor terciário – e dez docentes.

Já o projeto da Unesp conta com mais 60 bolsas e a participação dos cursos de Ciências Biológicas, Educação Física e Psicologia. A proposta do PET Saúde Bauru é que os dois projetos trabalhem em conjunto e se complementem.

De acordo com o professor José Sebastião dos Santos, os compromissos assumidos envolvem: cooperação entre Secretarias Municipais e Estaduais de Saúde e instituições de ensino superior; mudanças na formação profissional alinhadas às diretrizes curriculares nacionais; organização das ações de integração ensino-serviço-comunidade; desenvolvimento de competências colaborativas; e diretrizes de contratualização sobre a integração ensino-serviço-comunidade, por meio do instrumento Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde (COAPES), na perspectiva do desenvolvimento regional para enfrentamento de problemas de saúde prevalentes com desenvolvimento do trabalho colaborativo em saúde.

“Esse projeto é importante porque amplia a interação da Universidade com os serviços municipais e estaduais de saúde. É bom para uma reavaliação da oferta quantitativa e qualitativa, e, ao mesmo tempo, para formar melhor os futuros profissionais e capacitar aqueles que já estão atuando”, reforçou o professor José Sebastião dos Santos.

Ao todo, 120 projetos foram selecionados em todo o país, para implementarem, nos próximos dois anos, ações de integração ensino-serviço-comunidade utilizando os pressupostos teóricos e metodológicos da Educação Interprofissional em Saúde, com foco no desenvolvimento do Sistema Único de Saúde (SUS).

Foto: Denise Guimarães, FOB-USP

Painéis e conferências
Na sequência, ainda na tarde do dia 29 de março, foi realizado o painel “Universidade e Sistema de Saúde”. Por meio de videoconferência, de Washington (Estados Unidos), José Rodrigues Freire Filho, consultor internacional em Recursos Humanos em Saúde da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas/OMS), trouxe reflexões sobre educação interprofissional e as suas contribuições para o trabalho na área da saúde, e apresentou como a Opas está trabalhando com o tema.

Foto: Wallace Ronald das Neves, HRAC-USP

O painel também contou com a participação de Maria Aparecida de Andrade Moreira Machado, pró-reitora de Cultura e Extensão Universitária da USP; Gladis Massini-Cagliari, pró-reitora de Graduação da Unesp; Rafael Arruda Alves, diretor do Departamento de Urgência do município de Bauru (representando o secretário Municipal de Saúde, José Eduardo Fogolin Passos); Luiz Carlos Aparecido Anézio, delegado da Receita Federal em Bauru; e Alcides Augusto Mendonça Junior, diretor administrativo da Fundação Astronauta Marcos Pontes.

Esse painel teve ainda apresentações de Gerson Alves Pereira Júnior, docente do Curso de Medicina da FOB-USP e coordenador do PET Saúde USP/USC; Alessandra de Andrade Lopes, coordenadora do PET Saúde Unesp-Bauru; e do professor José Sebastião dos Santos, que foi o moderador do painel.

A programação do workshop prosseguiu no dia 30 de março, no período da manhã. Foram realizados os painéis e debates: “Desafios para a integração entre currículos na educação de profissionais da saúde: A potência para educação interprofissional na graduação”, com Jair Lopes Junior (diretor da Faculdade de Ciências da Unesp-Bauru), Marcia Aparecida Nuevo Gatti (USC), Gerson Alves Pereira Júnior (FOB-USP) e Alessandra de Andrade Lopes (Unesp-Bauru); e “Trabalho interprofissional em saúde: Perspectiva atual e capacidade de movimento dentro do processo de educação permanente. Experiências exitosas”, com Alessandra Mazzo (FOB-USP), Cristiano Tonello (FOB-USP e HRAC-USP), Valéria Drumond Nagem Aragão (Hospital Estadual de Bauru), Maira Camila Félix de Freitas (gerente de risco do Hospital Estadual de Bauru), Maria Aparecida Miranda de Paula Machado (FOB-USP) e Rafael Arruda Alves (Departamento de Urgência do município de Bauru).

Foram ministradas ainda as conferências: “Intencionalidade da educação interprofissional na formação em saúde: Caminhos possíveis”, com Marcelo Viana da Costa (UFRN) e Roosevelt da Silva Bastos (FOB-USP); e “Competências colaborativas nas iniciativas de educação interprofissional”, com Marcelo Viana da Costa (UFRN) e Alessandra Mazzo (FOB-USP).