Feira USP e as Profissões auxilia jovens na difícil escolha da carreira

Milhares de alunos participaram da Feira USP e as Profissões em Bauru, realizada em agosto        

Para grande parte dos jovens, a escolha da carreira a seguir é um momento difícil. Normalmente, é uma fase marcada por dúvidas, incertezas, indecisão, pressão e, em muitos casos, até angústia. É nessa etapa importante da vida que a Feira USP e as Profissões vem auxiliar os alunos do ensino médio e vestibulandos em suas decisões, propiciando o acesso a informações sobre os cursos e o mercado de trabalho, além do contato direto com estudantes e professores.

Milhares de jovens tiveram essa oportunidade na 16ª edição da Feira USP e as Profissões Interior, realizada em Bauru nos dias 30 e 31 de agosto.

A partir das esq.: Natália Yassue Honma, estudante de Medicina da USP-Bauru; Graziele Albuquerque, mãe de Rebeca; David Cassavara Albuquerque, pai de Rebeca; a aluna Rebeca Santana de Albuquerque, 15; e Maria Eduarda Ramos, 15, amiga de Rebeca / Foto: Tiago Rodella, HRAC/USP-Bauru

Rebeca Santana de Albuquerque, 15 anos, aluna do primeiro ano do ensino médio em escola pública de Sumaré (SP), a cerca de 250 quilômetros de Bauru, ficou sabendo da Feira da capital no último dia, já perto do encerramento. Depois, pesquisando na internet, a família descobriu que a Feira aconteceria em Bauru e, dessa vez, aproveitou a oportunidade.

“Estou em dúvida entre Psicologia, Medicina e Música. Gosto de cantar. Mas gosto bastante da área de Psicologia também. Gosto de entender o jeito das pessoas. Às vezes converso com as minhas amigas para saber os problemas delas, tento ajudar. Elas vão contando e eu gosto muito de ouvir”, relatou. “É difícil escolher, gosto de várias profissões, me identifico um pouco com cada uma. Mas aqui eu fui conversando com as pessoas que são especializadas nas áreas, nas profissões, e fui entendendo mais. Isso ajuda muito”.

O pai de Rebeca, David Cassavara Albuquerque, contou que “ela já vem falando em Psicologia desde o ano passado. Mas daí se depara com outra profissão, se identifica com algumas coisas dessa outra profissão, aí fica na dúvida: ‘será que é isso mesmo?’”. Para ele, a Feira possibilita conhecer melhor as áreas e cursos para ajudar nessa escolha.

Foto: Tiago Rodella, HRAC/USP-Bauru

Já para a aluna Laura Julia Sant’Ana de Aquino, 16 anos, que cursa o segundo ano do ensino médio em escola pública de Bauru, a Feira ajudou a consolidar a decisão de prestar vestibular para Medicina e de, posteriormente, se especializar em Psiquiatria. Após receber orientações no estande de Medicina da USP-Bauru, ela afirmou que a experiência “ajudou eu a ter certeza, porque agora tenho noção de como funciona o método de ensino, que não vai ser muito maçante. Os métodos convencionais, ficar sentado apenas ouvindo, não dá para absorver tanto a informação”.

Sobre receber as informações e ter contato direto com um estudante do curso, ela ressaltou que “é a experiência da própria pessoa que está estudando, achei bem significativo, muito mais do que um papel escrito como é o curso. Valeu a pena vir à Feira, ajudou muito na minha decisão”.

Laura explicou que a escolha sobre a futura especialização na área de Psiquiatria é em razão de que “ultimamente, nessa nossa geração, tem sido muito comum doenças como a depressão ou a ansiedade. E eu sinto que é importante ter mais profissionais nessa área para ajudar essas pessoas”.

Foto: Denise Guimarães, FOB-USP

‘Decisão segura’
Presente na abertura do evento em Bauru, o vice-reitor da USP, Antonio Carlos Hernandes, destacou que “a Feira possibilita ao aluno do ensino médio conhecer os cursos que são oferecidos nos campi do interior e também as oportunidades que a Universidade oferece, não só do ponto de vista de formação profissional, de carreira, mas, particularmente, de bolsas, de apoio. São informações que vão ajudar o aluno e a própria família a tomar uma decisão mais segura daquilo que ele vai seguir”.

Hernandes afirmou também que “Medicina ainda é o curso mais procurado. O curso de Medicina de Bauru, que vai agora para o segundo ano, teve [no vestibular] do ano passado mais de 100 candidatos por vaga, e a expectativa é que continue nessa faixa. Existe a percepção dos alunos, da própria família, de você ajudar o próximo com o tratamento. E há também a percepção financeira, de ser uma carreira em que há um bom retorno. Mas eu sempre falo para os alunos: o mais importante não é aquilo que vai te dar retorno financeiro, e sim aquilo que você realmente gosta”.

Foto: Denise Guimarães, FOB-USP

Para Edmund Chada Baracat, pró-reitor de Graduação da USP, “a Feira de Profissões da USP é um evento extremamente importante. Ela é realizada na capital, mas um foco importantíssimo é no interior também. E o número de participantes mostra a relevância de sua realização aqui em Bauru, uma região muito forte”.

“Vou insistir num aspecto que é importante e que muita gente não sabe: a USP é pública e gratuita. Existe o programa Vem pra USP!, em que os alunos do ensino médio da rede pública podem participar da Competição USP de Conhecimentos, a CUCo. Os do terceiro ano que tiverem aprovação não pagam inscrição na Fuvest, participam gratuitamente do vestibular”, reforçou.

Foto: Denise Guimarães, FOB-USP

Já a pró-reitora de Cultura e Extensão Universitária da USP, Maria Aparecida de Andrade Moreira Machado, salientou que “a USP tem um papel social muito importante, que é levar a expertise e a qualidade da Universidade para fora de seus muros. Os estudantes estão num momento crucial da vida deles, que é escolher que profissão vão seguir. E essa Feira leva toda a informação das profissões, das carreiras, tem um impacto social enorme”.

“Essa, para mim, é a manifestação mais exitosa da extensão na Universidade. Aqui nós temos professores, estudantes de graduação e pós-graduação e servidores conversando com os alunos do ensino médio do Estado, de escolas públicas e privadas, para levar o que a USP tem de melhor para a vida deles, e quiçá muitos deles estarão conosco no ano que vem como calouros”, declarou a pró-reitora.

Foto: Denise Guimarães, FOB-USP

Diretor da Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB) da USP, o professor Carlos Ferreira dos Santos lembrou que “uma das metas da gestão minha e do professor Guilherme Janson, na área de cultura e extensão, era a realização de uma edição da Feira de Profissões, e temos a grata surpresa de já fazer no primeiro semestre do nosso mandato, a partir do convite da nossa pró-reitora, professora Maria Aparecida Machado. Nós nos organizamos, chamamos o professor Vinicius Porto, presidente da Comissão de Cultura e Extensão da nossa Escola, lançamos o desafio, e, como grupo, abraçamos a causa, com o apoio da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária e das unidades do campus de Bauru, a FOB, a Prefeitura do Campus e o HRAC”.

“O que nós esperamos é que esses jovens venham aqui, tirem suas dúvidas, conheçam a Universidade de São Paulo, e tenham a USP como uma realidade nas suas vidas, quer seja aluno de escola pública ou privada. Tirar o mito de que a USP é impossível. A USP é possível! Eu sou fruto da USP, assim como vários outros professores. E a gente quer que esses jovens acreditem que eles podem entrar na Universidade de São Paulo e definir um futuro profissional para eles”, frisou o diretor da FOB-USP.

Foto: Denise Guimarães, FOB-USP

O professor Vinicius Carvalho Porto, presidente da Comissão de Cultura e Extensão da FOB-USP e coordenador da Feira USP e as Profissões de Bauru, revelou que “uma das principais dúvidas dos alunos ainda é se curso da USP é pago ou não. Além disso, há dúvidas corriqueiras: como é o mercado de trabalho, se precisa estudar muito. Embora o público-alvo seja ensino médio, tem alunos que chegam aqui com 13, 14 anos de idade, do ensino fundamental dois, e que ainda têm muito a aprender e a amadurecer. E essas dúvidas são sanadas a partir do momento em que eles encontram profissionais capacitados para esclarecer”.

“A tomada de decisão [da carreira a seguir], geralmente, é feita aos 17 anos. Além da dúvida natural que os adolescentes possuem, há a pressão dos pais, que querem que os filhos tenham uma decisão. E também há uma pressão da própria sociedade para que a pessoa decida o quanto antes. Por isso a USP abriu suas portas com as Feiras e as visitas monitoradas, e tem conseguido uma resposta muito positiva de alunos que estão trilhando um caminho, uma decisão mais acertada em um momento tão difícil da vida. Aqui o nosso papel é esse: tentar elucidar, sanar as dúvidas e incertezas que eles têm”, pontuou.

Foto: Denise Guimarães, FOB-USP

Palestras, orientação vocacional e muito mais
A Feira USP e as Profissões é uma promoção da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária. Realizada no Recinto Mello Moraes em Bauru, a Edição Interior reuniu os 67 cursos oferecidos por seis campi da USP localizados no interior do Estado de São Paulo, nas cidades de Bauru, Lorena, Piracicaba, Pirassununga, Ribeirão Preto e São Carlos.

Além disso, o evento ofereceu ampla infraestrutura e programação diversificada aos visitantes, como atividades interativas, culturais e artísticas, além de palestras sobre as diversas áreas da educação e tenda para orientação vocacional.

 

(Reportagem: Tiago Rodella, HRAC/USP-Bauru)