Programas de Pós-Graduação da USP-Bauru elevam nota de avaliação

Resultado demonstra melhora qualitativa e quantitativa na pesquisa, produção científica, formação dos alunos e internacionalização |

Dois programas de Pós-Graduação do campus da USP em Bauru tiveram suas notas elevadas na Avaliação Quadrienal 2017 da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Os resultados foram divulgados no dia 20 de setembro.

O Programa de Ciências Odontológicas Aplicadas da Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB) alcançou, pela primeira vez, a nota 6 (a nota anterior era 5), e o Programa de Ciências da Reabilitação do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC/Centrinho) elevou sua nota de 4 para 5. Já o Programa de Fonoaudiologia da FOB manteve nota 5.

Para a professora Maria Aparecida de Andrade Moreira Machado, diretora da FOB e superintendente do HRAC, é uma conquista muito importante para o campus USP-Bauru alcançar e manter as notas que representam nível de excelência pela Capes (a nota máxima é 7).

“Isso mostra que estamos no caminho certo para fazer ciência hoje e usufruir de recursos financeiros de pós-graduação em um momento em que o país passa por grandes limitações, sobretudo na área da pesquisa”, afirma. “É um grande êxito para a Faculdade e para o Hospital. Isso aumenta nossa visibilidade e também nossa responsabilidade na formação e capacitação de recursos humanos para a pesquisa e para o ensino da Odontologia, Fonoaudiologia e Ciências da Reabilitação. Só temos a agradecer a todos os coordenadores de programas, professores, alunos e servidores que nos ajudam”.

O professor Guilherme dos Reis Pereira Janson, presidente da Comissão de Pós-Graduação da FOB, destaca que o resultado demonstra uma elevação na qualidade e quantidade das publicações e um maior relacionamento com instituições do exterior, ou seja, uma maior internacionalização dos programas.

“Temos mais cooperação internacional, realizamos trabalhos em conjunto com universidades dos Estados Unidos, da Europa, da Ásia. Estamos publicando mais em revistas internacionais, em Inglês, o que aumenta nossa visibilidade e reconhecimento mundial”, explica. De acordo com o professor, “essa conquista traz mais recursos financeiros da Capes para serem aplicados no desenvolvimento dos programas, e também impacta positivamente junto a outros órgãos de fomento. São mais bolsas de estudo para os alunos e mais recursos para equipamentos de pesquisas”.

Já a professora Ana Paula Fukushiro, presidente da Comissão de Pós-Graduação do HRAC, ressalta que essa é a primeira avaliação do Programa de Ciências da Reabilitação na área Interdisciplinar (antes era avaliado na área de Educação Física), e que o resultado representa um reconhecimento do amadurecimento do programa.

“A elevação da nota mostra que melhoramos nesses últimos quatro anos avaliados, na formação dos mestrandos e doutorandos, na produção cientifica, na captação de fomento, na realização de pesquisa, na qualificação do corpo docente e na liderança do nosso programa em fissura labiopalatina, sendo o único no país e no mundo com área de concentração em Fissuras Orofaciais e Anomalias Relacionadas”, pontua. “Essa conquista é fruto do trabalho conjunto de todos os orientadores, pesquisadores, alunos, da Coordenação do Programa que nos antecedeu – liderada pela professora Daniela Garib – e do apoio constante da Superintendência do HRAC, da Diretoria da FOB e da Pró-Reitoria de Pós-Graduação da USP. E esse resultado vem em um momento muito especial, em que comemoramos os 20 anos do Programa de Ciência da Reabilitação”.

Na área de Odontologia (em que está inserido o Programa de Ciências Odontológicas Aplicadas), foram avaliados 101 cursos. Já na área de Educação Física (que inclui os programas de Fonoaudiologia), 62 cursos foram avaliados. E, na área Interdisciplinar (onde está o Programa de Ciências da Reabilitação), foram 335.

A avaliação
A Avaliação Quadrienal 2017 da Capes foi realizada por 1.550 consultores, que avaliaram os 4.175 programas de todo o país e seus 6.303 cursos, sendo 3.398 de mestrado, 2.202 de doutorado e 703 de mestrado profissional. As comissões utilizam como base para a avaliação as informações fornecidas de forma contínua pelos programas durante o período avaliado, por meio da Plataforma Sucupira.

(Com informações da CCS/CAPES)