Residências multiprofissionais

Segundo o Ministério da Edução (MEC), as Residências Multiprofissionais e em Área Profissional da Saúde foram criadas a partir da promulgação da Lei n° 11.129 de 2005 e são orientadas pelos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS), a partir das necessidades e realidades locais e regionais, e abrangem as profissões da área da saúde diversas à medicina. (fonte: http://portal.mec.gov.br/residencias-em-saude/residencia-multiprofissional)

No HRAC, os Programas de Residências Multiprofissionais contemplam as áreas de: Enfermagem, Fonoaudiologia, Odontologia, Psicologia e Serviço Social. As inscrições e processo seletivo são realizados presencialmente no HRAC e consistem em duas fases de avaliações: prova escrita e análise/discussão de Currículo Lattes documentado. As bolsas de estudo são oferecidas e administradas pelo Ministério da Saúde.

São oferecidos dois Programas de Residências Multiprofissionais, no HRAC:

Residência Multiprofissional em Saúde – Síndromes e Anomalias Craniofaciais (ver mais)

 

NATUREZA da Formação Profissional: Residência em Área Profissional da Saúde – Modalidade Multiprofissional

DURAÇÃO: 24 meses

CARGA HORÁRIA:

Aulas Teóricas em sala de aula Aulas Práticas ou de campo Total Ministrado Monografia
(não ministrado)
Carga Horária Total
1.152h 4.608h 5.760h 163h 5.923h

PRÉ-REQUISITO: Graduados em Enfermagem, Fonoaudiologia, Odontologia, Psicologia ou Serviço Social.

COORDENADORA / Responsável Institucional: Dra. Simone Soares

VICE-COORDENADOR / Coordenador Técnico: Dr. Renato Yassutaka Faria Yaedú

O Programa de Residência Multiprofissional em Saúde – Síndromes e Anomalias Craniofaciais, oferecido no HRAC-USP, teve início no ano de 2010 e são oferecidas, anualmente, 17 vagas com processo seletivo realizado, presencialmente, no HRAC. As bolsas de estudo são oferecidas e administradas pelo Ministério da Saúde.

É estruturado com dois anos de duração (R-1 e R-2) e pretende formar profissionais de saúde, especialistas em Síndromes e Anomalias Craniofaciais, com visão humanista, reflexiva e crítica, qualificados para o exercício nas profissões de Enfermagem, Fonoaudiologia, Odontologia, Psicologia e Serviço Social, com rigor científico e pautados em princípios éticos, visando a atuação integrada, por meio do treinamento em serviço. Permite, ainda, ao HRAC disseminar o seu vasto conhecimento e experiência, solidificada por anos de trabalho e pesquisas, de forma a ampliar os serviços necessários para o diagnóstico/prognóstico e a reabilitação das pessoas com anomalias craniofaciais, repassando competência técnica e a filosofia de trabalho humanizada, que atende os princípios do Sistema Único de Saúde (SUS), da integralidade e do modelo de vigilância à saúde.

O programa visa, ainda, colaborar com a formação de profissionais especializados capazes de realizar os planejamentos, intervenções e, em nível administrativo, assessorar os gestores e demais autoridades, no que concerne às síndromes e anomalias craniofaciais.

OBJETIVO: Ao fim do programa, o profissional de saúde deverá estar capacitado a: exercer ações multi e interdisciplinares nos campos de saber e prática de atenção à saúde; a divulgar o conhecimento e a experiência dos profissionais especializados nas áreas de atuação do HRAC em atendimentos, pesquisas e resultados de condutas e técnicas terapêuticas; a oportunizar aos profissionais interessados complementarem sua formação para diagnóstico/prognóstico, tratamentos ambulatoriais, internações e cirúrgicos, nas áreas oferecidas; e também, a ampliar a oferta e o acesso das pessoas com síndromes e anomalias craniofaciais a serviços de qualidade em todo o país.

PROGRAMA:

NÚCLEO COMUM (NC), para alunos R-1 de todas as especialidades: (ver mais)

NC - Aspectos psicossociais e reabilitação das fissuras orofaciais: (ver mais)

Abrange:
1. Curso de Malformação
2. Aspectos Psicossociais das FLP
3. Prótese de Palato
4. Etapas e Condutas Terapêuticas
5. Tratamento Cirúrgico das FLP
6. Aspectos Psicossociais e Legais da Reabilitação
7. Telessaúde

Objetivos:
1. Compartilhar experiências e provocar reflexões que possam contribuir para a implementação de outros serviços, nesta área tão específica, pelo Brasil afora.
2. Trazer ao conhecimento do residente as teorias do desenvolvimento psicossocial e suas fases; Caracterizar os aspectos da pessoa com fissuras; dar condições para sua compreensão, investigação e favorecer sua participação neste processo, como integrante da equipe. A psicologia Hospitalar e o papel do psicólogo nesta interdisciplinaridade. Caracterizar, discutir e compartilhar questões direcionadas a compreensão dos aspectos psicossociais relevantes a estruturação do desenvolvimento e a reabilitação da pessoa com fissura labiopalatina e sua família. Propor estratégias de atuação interdisciplinar que visem o bem-estar e a qualidade de vida.
3. Fornecer conhecimentos teórico-práticos sobre o processo de reabilitação da fala por meio de prótese de palato e obturadores faríngeos. Fornecer conhecimentos sobre o processo de confecção das próteses de palato e obturadores faríngeos.
4. Propiciar aos residentes do Curso Multiprofissional em Saúde, a compreensão das etapas e condutas terapêuticas em pacientes com fissuras labiopalatinas.
5. Conhecer o diagnóstico, o protocolo de tratamento atual no HRAC-USP, as cirurgias indicadas para os pacientes portadores de anomalias craniofaciais e cronologia de tratamento, com finalidade de orientar e encaminhar adequadamente os pacientes para serviços de saúde especializados. Adquirir maior conhecimento sobre os atendimentos: caso novo, ambulatorial e exames de diagnóstico (nasofaringoscopia), adequando a atuação do profissional de saúde.
6. Analisar as políticas sociais brasileiras; Discutir e analisar a Política de Seguridade Social no Âmbito da Saúde, Previdência Social e Assistência Social; Operacionalizar os conceitos de política social, cidadania, dentre outros. Adentrar no seara do direito e conhecer as diversas normas jurídicas existentes no brasil, que disciplinam a vida do ser humano em sociedade e que possibilitam a garantia do exercício de sua cidadania, proporcionando assim, que aluno venha a analisar a exclusão social e as políticas de inclusão. para tanto o curso utiliza uma bibliografia básica à disposição dos alunos para pesquisas e aprofundamento no tema específico das aulas. também serão utilizados recursos áudio visuais durante a aula para melhor compreensão dos assuntos discutidos.
7. Compartilhar conhecimentos e experiências envolvendo ações em telessaúde nas síndromes e anomalias craniofaciais; Possibilitar a análise dos aspectos clínicos e práticos de telessaúde para o gerenciamento dos casos; Favorecer a integração entre práticas em alta complexidade e serviços de atenção básica oferecidos nas cidades de origem dos pacientes.

Programa de atividades:
1. Fissuras labiopalatinas: classificação e crescimento craniofacial; Etapas e condutas terapêuticas do HRAC/USP; Conceito atual de embriologia relacionada as fissuras orofaciais; Aspectos etiológicos das fissuras labiopalatinas e a genética clínica; Protocolos internacionais e estudos em multicêntricos na reabilitação da fissura labiopalatina.
2. As fases desenvolvimento psicossocial e suas aprendizagens. Os aspectos psicossociais: da pessoa com fissura em seu desenvolvimento O papel da Psicologia e o contexto Hospitalar. A integração da criança fissurada em seu meio familiar, escolar e na adolescência. Desempenho psicossocial avaliado em pacientes na fase final do tratamento no HRAC/USP. Os aspectos psicossociais: conceituação e aplicabilidade no campo interdisciplinar. A participação da psicologia no processo interdisciplinar: recursos e possibilidades. Os aspectos psicossociais relevantes para a pessoa com fissura labiopalatina nas diversas fases do desenvolvimento. Qualidade de vida e avaliação psicossocial. Ajustamento psicossocial e resiliência.
3. Função normal e disfunção velofaríngea; Diagnóstico e Tratamento das alterações de fala nas fissuras labiopalatais; Reabilitação protética em odontologia e técnicas de confecção das próteses de palato e obturadores faríngeos; Reabilitação de fala por meio de fonoterapia intensiva de pacientes que fazem uso de prótese de palato ou obturadores faríngeos.
4. Etapas e condutas terapêuticas dos diferentes tipos de fissuras: Fissura pré-forame incisivo unilateral – completa e incompleta, Fissura pré-forame incisivo bilateral – completa e incompleta, Fissura pós-forame – completa e incompleta, Fissura de palato submucosa isolada sintomática ou Fissura de palato submucosa + Pré-forame, Fissura labiopalatina – Fissura transforame incisivo unilateral, Fissura labiopalatina – Fissura transforame incisivo bilateral / fissura préforame unilateral ou bilateral + pós-forame. Etapas e condutas terapêuticas para as diferentes fases: Gestante e caso novo, 0a4 semanas, 1ª 6 meses, 12 a 18 meses, 18 a 24 meses, A partir de 2 anos, 4ª 6 anos, A partir de 7ª 8 anos, 10ª 12 anos, 12 a 16 anos, 16 a 18 anos, A partir de 18 anos, Alta definitiva.
5. Cirurgias primárias de lábio (unilateral e bilateral) e de palato; Tratamento cirúrgico secundário;Disfunção Velofaríngea – exames para diagnóstico; Reabilitação cirúrgica da fala; Rumos futuros da reabilitação cirúrgica das Fissuras Labiopalatinas; Projetos de pesquisa em andamento na área; Protocolos de tratamento nos serviços ao redor do mundo; Protocolo baseado em evidências – novo Protocolo HRAC/USP; Sequência de Robin – diagnóstico e tratamento; Diagnóstico das anomalias craniofaciais; Protocolos de tratamento cirúrgico das anomalias craniofaciais no HRAC/USP.
6. As políticas sociais e o Serviço Social: Conceitos: Estado/Sociedade civil/Política social, A sociedade civil no espaço público: relação Estado/Sociedade, Pobreza, cidadania, direitos sociais. A política de Seguridade Social e a Constituição Federal de 1988: A Constituição Federal de 1988, A Lei Orgânica da Assistência Social – LOAS, A descentralização e municipalização da Assistência Social, O Sistema Único de Assistência Social – SUAS. A Constituição Federal de 1988: Direitos e garantias fundamentais; Princípio da igualdade; Princípio da legalidade; Direito à vida. Código Civil: Das Pessoas – sujeitos do direito, Personalidade jurídica, Capacidade, Casamento, União Estável, Separação, Divórcio. O Estatuto da Criança e do Adolescente: Abrangência, Pátrio Poder, Guarda, Adoção, Conselho Tutelar. Direitos das Pessoas com deficiência: Benefício de prestação continuada, Transporte gratuito, Reserva de cotas no mercado de trabalho e concursos públicos.
7. Noções básicas sobre telessaúde no Brasil; noções básicas sobre teleducação no HRAC; noções básicas sobre teleassistência no HRAC; noções básicas sobre serviços de alta complexidadee de atenção básica à saúde.

NC – Aspectos psicossociais e reabilitação das fissuras orofaciais: (clique para fechar)

NC - Dinâmica das Relações Interpessoais e do trabalho em equipe: (ver mais)

Abrange:
1. Apresentação programa / HRAC
2. Humanização em saúde
3. Perspectiva interdisciplinar em saúde

Objetivos:
1. Promover a integração e o conhecimento da filosofia e funcionamento do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da USP.
2. Informar sobre os principais aspectos da Política Nacional de Humanização e diretrizes para implantação de um Grupo de Trabalho da Humanização Hospitalar.
3. Possibilitar uma aproximação teórica acerca da temática e seu rebatimento na prática profissional; Refletir sobre o papel da equipe no cotidiano profissional; Analisar as possibilidades e dificuldades da prática interdisciplinar na saúde.

Programa de atividades:
1. Apresentação do HRAC/USP. O que é e como funciona o do Serviço de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão do HRAC/USP. Obrigações éticas e humanização no HRAC- USP. Considerações gerais sobre as fissuras labiopalatinas. O que é e como funciona a Divisão de Sindromologia do HRAC/USP? Primeiros socorros. Infecção Hospitalar e Biossegurança. Filosofia do Tratamento (Etapas e Condutas e Abordagem Multidisciplinar). O que é e como funciona a Divisão de Apoio Hospitalar do HRAC/USP? 16h30 – “O Serviço Social na equipe interdisciplinar do HRAC-USP . O envolvimento dos profissionais com o serviço do prontuário do paciente. Normas/Orientações gerais. O que é e como funciona o Departamento Hospitalar do HRAC/USP? Atenção à Saúde Auditiva do HRAC/USP.
2. A trajetória da Humanização Hospitalar: história dos hospitais antes e depois do século XVIII. Conceito de Hospital pela Organização Mundial da Saúde. Vertentes da Humanização. Impactos da Humanização nas Instituições Hospitalares. Processo Geral de implantação da Humanização. Política Nacional da Humanização. Objetivos do Humanizasus. Princípios da Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Diretrizes para implementação do Humanizasus. Implantação do Grupo de Trabalho da Humanização do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (GTH-HRAC-USP). Ações do GTH-HRAC-USP. Diagnóstico Institucional “Roteiro para o Olhar”. Atividades e programas de humanização do HRAC-USP. Leituras dirigidas.
3. Os estudos sobre a interdisciplinaridade e seu processo histórico. Os diferentes níveis de relações de equipe: multi, inter e transdisciplinar. A interdisciplinaridade: conceitos, características e perspectivas. As relações da equipe no contexto hospitalar: multi, inter ou trans? A importância do estudo socioeconômico para o planejamento e intervenção da equipe. Equipe: gestão, liderança e estratégias.

NC – Dinâmica das Relações Interpessoais e do trabalho em equipe: (clique para fechar)

NC - Ética e Bioética: (ver mais)

Objetivos:
• Refletir sobre os fundamentos filosóficos que influenciam a construção do pensamento e da prática profissional na área da Saúde na realidade social brasileira.
• Propor subsídios que apontam para uma nova práxis profissional fundamentada na Bioética.
• Estimular uma postura ética comprometida com os usuários diante dos aspectos da política da saúde.
• Refletir sobre as Diretrizes Bioéticas que envolvem o ser humano em todas as fases de sua vida.

Programa de atividades:
Unidade I – Pressupostos filosóficos da Ética Profissional:
    • Ética e Filosofia.
    • Ética e Moral.
    • Critérios de Moralidade.
    • Aspectos fundantes da visão humanista.
Unidade II – Ética e Bioética em saúde:
    • Bioética: Conceito, princípios básicos e campo de atuação.
    • Discussão e Análise sobre a Resolução nº. 196/96.
Unidade III – Ética Profissional no mundo de hoje:
    • As relações éticas diante da finitude humana: O Direito de morrer humanamente.
    • Estudos sobre os aspectos éticos da pesquisa envolvendo seres humanos.

NC – Ética e Bioética: (clique para fechar)

NC - Etiologia, epidemiologia, classificação das fissuras labiopalatinas e suas considerações morfológicas, funcionais e estéticas: (ver mais)

Objetivo:
Propiciar aos residentes do Curso Multiprofissional em Saúde, a compreensão da etiologia, epidemiologia das fissuras labiopalatinas e anomalias craniofaciais, os diferentes tipos de fissuras e suas implicações morfológicas , funcionais e estéticas.

Programa de atividades:
Etiologia das fissuras labiopalatinas.
Epidemiologia das fissuras labiopalatinas.
Classificação das fissuras labiopalatinas.
Considerações morfológicas, funcionais e estéticas das fissuras labiopalatinas.

NC – Etiologia, epidemiologia, classificação das fissuras labiopalatinas e suas considerações morfológicas, funcionais e estéticas: (clique para fechar)

NC - Família e desenvolvimento humano: (ver mais)

Objetivos:
Dar subsídios aos residentes para que possam conhecer e identificar características de famílias de pessoas com deficiência e seu funcionamento, para reconhecer aspectos relacionados à saúde das mesmas e posteriormente encaminhar para atendimento especializado.
Possibilitar o conhecimento do desenvolvimento neurocognitivo, nas diferentes fases do ciclo vital referentes à infância e adolescência.

Programa de atividades:
Conceito de família.
Finalidades da família.
A importância da família na identidade do indivíduo.
A família como sistema que se desenvolve no tempo e em contexto cultural específico.
Um esquema para avaliar a família.
Desenvolvimento, crescimento e os processos de mudança: aspectos biopsicossociais.
Períodos do desenvolvimento cognitivo.
Teorias do desenvolvimento.
Desenvolvimento neurocognitivo na infância.

NC – Família e desenvolvimento humano: (clique para fechar)

NC - Genética das Síndromes e Anomalias Craniofaciais: (ver mais)

Objetivo:
Fornecer aos alunos a oportunidade de adquirir os fundamentos necessários ao completo entendimento das técnicas, ao acompanhamento da literatura na área e ao aperfeiçoamento metodológico com a abertura de novas possibilidades de investigação.
Contribuir para a formação profissional na área da Biologia Molecular voltada a diversas áreas de ensino, pesquisa e extensão.

Programa de atividades:
Introdução a genética Sindromologia.
Citogenética Humana.
Herança Mendeliana, Herança Multifatorial, Herança Mitocondrial.
Cromossomopatias.
Genética das Fissuras Lábio-Palatinas.
Sindromologia e Disformologia.
Aconselhamento Genético.
Estrutura da molécula de DNA e sua organização no núcleo celular.
Abordagens para Análise Molecular do DNA.

NC – Genética das Síndromes e Anomalias Craniofaciais: (clique para fechar)

NC - Metodologia de Pesquisa e Bioestatística: (ver mais)

Abrange:
1. Recursos Informacionais
2. Construção do Conhecimento
3. Bioestatística

Objetivo:
1. Informar ao residente os recursos disponíveis para realização de pesquisas bibliográficas e os passos para realização de pesquisas no HRAC, relacionadas à aprovação do projeto de pesquisa e à publicação de artigos científicos.
2. Oportunizar o aluno a refletir sobre o uso da pesquisa na construção de conhecimento e na qualificação da prática profissional.
3. Introduzir conceitos básicos de estatística dentro de um trabalho científico. Fazer registros objetivos das variáveis que compõem as pesquisas em saúde. Possibilitar a organização, a interpretação e a análise crítica de estudos na área e suas aplicações. Fazer avaliações qualitativas e quantitativas.

Programa de atividades:
1. PESQUISA BIBLIOGRÁFICA (AULA TEÓRICA): Definição, Finalidade, Fases da Pesquisa Bibliográfica, Buscas bibliográficas, Palavras chaves/Descritores/Key words, Fontes de Informações Online; Base de Dados Bibliográficas: PubMed e Lilacs; Bases de Dados Bibliográficas Institucionais / ThotLine e Delfos; Localização de Documentos, Obtenção de Documentos, Comutação Bibliográfica, Empréstimo entre Biblioteca. PESQUISA BIBLIOGRÁFICA ( AULA PRÁTICA). PROJETO DE PESQUISA: Resolução Nº 196/96 (Ministério da Saúde/Conselho Nacional de Saúde) sobre pesquisa envolvendo seres humanos, Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos do HRAC/USP, impressos que acompanham os projetos, cadastramento do projeto no SISNEP. PUBLICAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO: Critérios de seleção de periódicos para publicação de artigo; Autoria e co-autoria em trabalhos científicos.
2. A construção do conhecimento e a pesquisa. Paradigmas da pesquisa: empirismo lógico e a teoria crítica. A tipologia da pesquisa: quantitativa e qualitativa. O débito social da ciência. A ética e a legitimidade do saber. Critérios de cientificidade. Qualidade formal e política
3. Introdução: definição, evolução histórica, localização da estatística no trabalho científico e diferença entre estatística descritiva e inferencial. Tipos de variáveis: qualitativas (nominais e ordinais) e quantitativas (discretas e contínuas). Tabelas: componentes, características gerais e tipos de tabelas. Gráficos: características gerais e tipos de gráficos. Medidas de tendência central. Medidas de variabilidade. Teste de hipótese: definição, nível de significância e poder do teste. Escolha do teste estatístico adequado: algumas considerações. Amostragem probabilística e não probabilística. Determinação do tamanho da amostra. Pesquisa Qualitativa X Pesquisa Quantitativa.

NC – Metodologia de Pesquisa e Bioestatística: (clique para fechar)

NC - Políticas Públicas de Saúde: (ver mais)

Objetivos:
Propiciar aos residentes a compreensão da organização, funcionamento e desafios do SUS e a avaliação crítica da relação entre os modelos de atenção à saúde com a evolução das políticas de saúde no Brasil.
Propiciar a compreensão da organização, funcionamento e desafios da Política de Atenção à Saúde da Criança e do Adolescente, da Política de Saúde Mental, das ações em Saúde Bucal, das práticas de Saúde do Trabalhador e do Programa de Atenção à Saúde da Mulher nos Serviços de Saúde, no âmbito do SUS.
Propiciar o conhecimento e aplicação das políticas públicas em Saúde Auditiva na atenção básica, média e alta complexidade, no âmbito do SUS.
Compreender conceitos de promoção e recuperação da saúde do adulto e idoso e a importância do perfil epidemiológico para planejar e implementar ações direcionadas.
Proporcionar a discussão dos problemas nacionais e regionais de Assistência na Urgência e Emergência, oferecendo conhecimentos para investigar e melhorar a qualidade dos serviços.
Propiciar ao aluno conhecimento sobre Vigilância em Saúde e sua importância na assistência à saúde da população.
Propiciar ao aluno conhecimento sobre a Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF).

Programa de atividades:
Conceitos de saúde, processo saúde-doença e os modelos de atenção à saúde no contexto nacional; a evolução das políticas públicas de saúde no Brasil, a implementação do Sistema Único de Saúde; princípios do SUS, leis que regem sua organização e financiamento; níveis de atenção em saúde, a importância da Atenção Primária (Unidades Básicas de Saúde – UBS e Estratégia de Saúde da Família – PSF); as políticas de saúde para grupos específicos (saúde da mulher, criança, adolescente, adulto, idoso, vigilância em saúde, saúde mental, entre outros).
Política de Saúde do Trabalhador no SUS. Notificação dos Agravos em Saúde do Trabalhador.
Política Nacional de Atenção a Saúde Auditiva, Conhecimento e aplicação das portarias ministeriais GM/MS 2073 de setembro de 2004 e Portarias GM/MS, 587 e 589 de outubro de 2004.
Transição epidemiológica e demográfica. Determinação social do processo saúde-doença. Programas públicos de controle das doenças crônicas não transmissíveis. Programa Municipal de Atenção ao Idoso. Política Nacional de Atenção a pessoa Idosa. Caderneta da Pessoa Idosa.
Panorama da infância e da adolescência no Brasil, indicadores demográficos, socioeconômicos e morbi-mortalidade, coeficientes de mortalidade infantil, principais problemas de saúde por faixa etária. Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), objetivo, aplicabilidade e ações específicas. Programas voltados para a saúde da criança e do adolescente.
Política Nacional de Atenção às Urgências. Dificuldades de implantação e estratégias de ação. Princípios, diretrizes e missão do SAMU 192. Perfil e competências dos profissionais envolvidos. Veículos, tripulações e outras características das ambulâncias.
Serviços na rede de Saúde Mental. O trabalho em equipe nos serviços territoriais. Reabilitação psicossocial no Brasil. Reforma Psiquiátrica.
Política Nacional de Saúde Bucal: Brasil Sorridente, histórico, equipe de saúde bucal na Estratégia de Saúde da Família (ESF). Centro de Especialidades odontológicas (CEO). Fluoretação das águas. Ações Programáticas: Epidemiologia do SB Brasil 2010. Ações educativas, preventivas e de recuperação de saúde.
Perfil de morbi-mortalidade da mulher e Mortalidade Materna local e nacional e o Pacto do SUS. Programa de Atenção à Saúde da Mulher nos Serviços de Saúde.
Conceito de Vigilância em Saúde no contexto histórico da Saúde Pública. Vigilância Epidemiológica, Sanitária, Ambiental.
Fundamentos da CIF, com a identificação de sua utilidade e aplicação prática como ferramenta para acompanhamento/avaliação dos aspectos biopsicossociais durante a reabilitação auditiva.

NC – Políticas Públicas de Saúde: (clique para fechar)

NC - Seminário de Acompanhamento e Avaliação do Programa I: (ver mais)

Objetivos:
Acompanhar o desenvolvimento do programa de residência em Síndromes e Anomalias Craniofaciais.
Identificar junto aos residentes, preceptores e tutores, as dificuldades e facilidades encontradas.
Levantar necessidades de adequações a fim de aperfeiçoar o andamento do programa e a formação dos residentes.
Colher sugestões dos residentes, preceptores, tutores, docentes e colaboradores, que contribuam para o melhor desenvolvimento do programa de residência.

Programa de atividades:
Reuniões com os residentes ao final de cada bimestre, para discussão sobre o andamento do programa e disponibilização dos questionários a serem preenchidos e devolvidos posteriormente.
Reuniões periódicas sempre que necessário, dos tutores com os preceptores de cada área, para orientação, esclarecimento de dúvidas e discussão de propostas de melhoria.
Reuniões eventuais com todos os preceptores, para acompanhamento das atividades.

NC – Seminário de Acompanhamento e Avaliação do Programa I: (clique para fechar)

NC - Seminários de Estudos Interdisciplinares: (ver mais)

Objetivos:
1.
Ampliar a base de informações em Síndromes e Anomalias Craniofaciais. Introduzir conceitos básicos de metodologia científica. Possibilitar a análise dos aspectos éticos na pesquisa em saúde. Oportunizar experiências compartilhadas de estudo sobre diferentes temas e pesquisas. Possibilitar a análise crítica de estudos na área e suas aplicações.
2. Discutir as etapas e a elaboração de um projeto de pesquisa; possibilitar aos alunos apresentarem e discutirem os temas e aspectos relativos ao seu projeto pesquisa e Trabalho de Conclusão de Curso; possibilitar a discussão multidisciplinar dos temas específicos do programa; gerar perguntas e discutir possibilidades de pesquisa; possibilitar a atualização sobre os temas da área de Síndromes e Anomalias; compartilhar experiências de estudos de caso e pesquisa; exercitar o uso e manuseio de fontes de informação; propiciar oportunidades para os residentes reconhecerem a importância da pesquisa e sua aplicabilidade na área da saúde.

Programa de atividades:
1. Será construído de acordo com os artigos selecionados pelos alunos e as análises e discussões durante as apresentações.
2. Será construído no decorrer das apresentações dos alunos, abrangendo tópicos de metodologia: os tipos de pesquisa, as etapas de elaboração do projeto e aspectos relacionados ao desenvolvimento das pesquisas.

NC – Seminários de Estudos Interdisciplinares: (clique para fechar)

NC - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (ver mais)

ABDO, RCC e MACHADO, MAAM. Odontopediatria nas fissuras labiopalatais. São Paulo : Editora Santos, 2005.
ABYHOLM F, D´ANTONIO L, DAVIDSON WARD SL, KJOLL L, SAEED M, SHAW W, ET AL. Pharyngeal flap and sphincterplasty for velopharyngeal insufficiency have equal outcomo at 1 year postoperatively: results of a randomizedtrial. Cleft Palate Craniofac J 2005; 42:501-11.
AIELLO CA, SILVA FILHO OG, FREITAS JAS. Fissuras lábio palatais uma visão contemporânea do processo reabilitador. In: Mugayar LRF, coordenador. pacientes portadores de necessidades especiais: manual de odontologia e saúde oral. São Paulo: Pancast; 2000. p. 111-39.
ALLAYÓN, N. Assistência e Assistencialismo Controle dos Pobres e Erradicação da Pobreza. São Paulo: Cortez, 1992.
ANDERL H. Simultaneous repair of lip and nose in unilateral cleft (a long term report). In: Jackson IT, Sommerland BC. Editors. Recent advances in plastic sugery. Edinburgh: Churchill Livingstone; 1985. p. 1-11.
ANDRADE CRF. Fonoaudiologia preventiva – teoria e vocabulário técnico científico. São Paulo: Lovise, 1996.v1. 165p.
ANDRAUS, R.C. Olhando para o Serviço Social numa perspectiva interdisciplinar. Bauru: EDUSC, 1996.
ANTILA J, SIPILA J, TSHUSHIMA Y, PÓLO O, LAURIKAINEN E, SUONPAA J. The effect of laseruvulopalatopharyngoplasty on the nasal and nasopharyngeal volume measured with acostic rhinometry. Acta Otolaryngol Suppl 1997; 529:202-5.
ARAÚJO LAD. O direito das pessoas com deficiência e as convenções internacionais. In: O STF e o direito internacional dos direitos humanos. Amaral Junior A, Jubilut LL, organizadores. 1ª ed. São Paulo: Editora Quartier Latin do Brasil, 2009.
ARGAMASO RV, SHPRINTZEN RJ, STRAUCH B, LEWIN ML, DANILLER AL, SHIP AG, ET AL. The role of lateral pharyngeal wall movement in pharyngeal flap sugery. Plast Reconstr Surg 1980; 66:214-9.
ARGUS, A. A interdisciplinaridade como instrumento de gestão para o terceiro setor. 2001. Tese (Doutorado em Serviço Social) Faculdade de História, Direito e Serviço Social – Campus de Franca, Universidade Estadual Paulista, Franca, São Paulo.
ASSIS O Q, POZZOLI L. Pessoa portadora de deficiência: direitos e garantias. 2ª ed. São Paulo: Damásio de Jesus; 2005.
BABU, A.; VERMA, R.S. Human chromosomes: principles and techniques. London: McGraw-Hill, 1994. 419p.
BACHEGA M I. Indicadores psicossociais e repercussões na qualidade de vida de adolescentes com fissura labiopalatal [tese]. Botucatu: Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista; 2002
BALLONE GJ. Humanização do Atendimento em Saúde, in. PsiqWeb, Internet. Disponível em: , 2004
BARCHIFONTAINE, C.P. Bioética, ética da vida. Serviço Social & Realidade, Franca, 6(1): 141-146, 1997-1998.
BARDACH J, CUTTING C. Anatomy of the unilateral and bilateral cleft lip and nose. In: Bardach J, Morris HL, editors. Multidisciplinary management of cleft lip and palate. Philadelphia: W.B. Saunders; 1990. p. 150-5.
BARDENHEUER D. (1892) apud Hogan VM, Schwartz MF. Velopharyngeal incompetence. In: Converse JM editor: Reconstructive plastic surgery: principles and procedures in correction, reconstruction, and transplantation. Philadelphia: WB Saunders Company; 1977. p. 2268-95.
BEE, H. A criança em desenvolvimento. SP: Harper & Row, 2003.
BEE, H. O ciclo vital. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997
BENJAMIM, C. Reforma, nação e barbárie. Inscrita, v.1, n. 1, p. 7-14, jul. 1997.
BERQUÓ, E.S.; SOUZA, J.M.P.; GOTLIEB, S.L.D. – Bioestatística *
BERTOLLI F.C. História da Saúde Pública no Brasil. 3° ed. Ática: São Paulo, 1999.
BLAIR VP, BROWN JB. Mirault operation for single harelip. Surg Gynecol Obstet 1930; 51:81-98.
BOFF, L. Saber Cuidar – Ética do humano – compaixão pela terra. Petrópolis: Vozes, 1999.
BORGAONKAR, D.S. Chromosomal variation in man: a catalog of chromosomal variants and anomalies. 4.ed. New York : A.R. Liss, 1984. 965p.
BRAITHWAITE F, MAURICE DG. The importance of the levator palati muscle in cleft palate closure. Br J Plast Surg 1968; 21:60-2.
BRAITHWAITE F. Cleft palate repair. In: Gibson R. Modern trends in plastic sugery. London: Butterworths; 1964. Cap. 2.
BRASIL, Conselho Nacional de Assistência Social. Resolução n.145, 15 de outubro de 2004, publicada no DOU de 28 de outubro de 2004. In: Política Nacional de Assistência Social. Revista Serviço Social & Sociedade, n.80, novembro, 2004. São Paulo: Cortez.
BRASIL, Constituição 1988. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 05 de outubro de 1988. São Paulo: IMESP, 1988. p. 36-38. (Da seguridade social).
BRASIL, Ministério da Saúde. O SUS de A a Z: garantindo saúde nos municípios. Brasília: Ministério da Saúde, 344p. 2005.
BRASIL, Presidência da República. Lei Orgânica da Assistência Social, n. 8.742, de 7 de dezembro de 1993, publicada no DOU de 8 de dezembro de 1993.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988.
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Disponível em: www.saude.gov.br. Acesso em 19 jul. 2011.
BRASIL. Ministério da Saúde. Ações do Governo. Disponível: site www.saude.gov.br Consultado em 22 de set. 2003.
BRASIL. Ministério da Saúde. AIDPI Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância. Ministério da Saúde, Organização Mundial de Saúde, Organização Pan-Americana da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2003
BRASIL. Ministério da Saúde. Anuário Estatístico de Saúde do Brasil. Disponível: site http://portal.saude.gov.br/saude/aplicacoes/anuario2001/lateral.cfm. Consultado em 22 de set. 2003.
BRASIL. Ministério da Saúde. Caderneta de Saúde. Departamento de Atenção à Saúde. Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno. 5ª edição. Brasília: Editora MS, 2008.
BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos da Atenção Básica – Programa de Saúde da Família: A implantação da unidade de saúde da família. Secretaria de Políticas de Saúde. Ministério da Saúde. Cadernos da Atenção Básica nº 1. Ministério da Saúde. Brasília. 2000.
BRASIL. Ministério Da Saúde. Doenças Ocupacionais Relacionadas ao Trabalho. Manual de Procedimentos para os Serviços de Saúde. (Capítulo 10) ( Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doencas_relacionadas_trabalho1.pdf).
BRASIL. Ministério da Saúde. Estatuto da Criança e do Adolescente. Ministério da Saúde. 3ª edição. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2008.
BRASIL. Ministério da Saúde. Guia dos direitos do consumidor de seguros e planos de saúde. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 1999. 47 p.
BRASIL. Ministério da Saúde. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Disponível: site Ministério da Saúde. URL: http://www.saude.gov.br/doc/lei8080.htm. Consultado em 1 de jul. 2001.
BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de Vigilância do óbito infantil e fetal e do Comitê de Prevenção do óbito infantil e fetal. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas. Saúde da Criança e Aleitamento Materno. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009.
BRASIL. Ministério da Saúde. O SUS de A a Z: garantindo saúde nos municípios. Ministério da Saúde, Conselho Nacional das Secretarias Municipais de Saúde. 3ª ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009.
BRASIL. Ministério da Saúde. Política de Educação e Desenvolvimento para o SUS Caminhos para a Educação Permanente em Saúde: Pólos de Educação Permanente em Saúde. 1 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2004, 66p. (Série C: Projetos, Programas e Relatórios).
BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização. Humaniza SUS. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2004, 49p. (Série B: Textos Básicos de Saúde).
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 2073/o4 – Dispõe sobre a Instituir a Política Nacional de Atenção à Saúde Auditiva a ser implantada em todas as unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 587 e 589 de outubro de 2004 – Regulamentam a Atenção à Saúde Auditiva.
BRASIL. Ministério Da Saúde. Portaria GM/MS No. 2437, de 07 de dezembro de 2005 – Dispõe sobre a ampliação e o fortalecimento da Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador – RENAST no Sistema Único de Saúde – SUS e dá outras providências.
BRASIL. Ministério Da Saúde. Portaria GM/MS No. 2728, de 11 de novembro de 2009 – Dispõe sobre a Rede Nacional de Atenção Integral Á Saúde do Trabalhador (RENAST) e dá outras providências.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria Nº 399/GM. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 – Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Brasília. 2006.
BRASIL. Ministério da Saúde. Programas e projetos de saúde. Disponível: site www.saude.gov.br. Consultado em 22 de set. 2003.
BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde: Evolução do indicadores. Disponível: site www.brasil.gov.br/acoesdogoverno. Consultado em 22 de set. 2003.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde (Série B. Textos Básicos de Saúde) Brasília: Ed. Ministério da Saúde, 2006.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Departamento de Apoio à Descentralização. Pacto de gestão: garantindo saúde para todos (Série B. Textos Básicos de Saúde) – Brasília: Ed. Ministério da Saúde, 2005.
BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 8080, de 19 de setembro de 1990: Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília. 1990.
BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 8142, de 28 dezembro de 1990: Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Brasília. 1990.
BRASIL. Senado Federal – Constituição Federal de 1988. Titulo VIII – Capítulo II – Seção II, da Saúde, Artigos 196; 197; 198: Brasília, 1988.
BRASIL.. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa – Cadernos de Atenção Básica nº 19 (Série A. Normas e Manuais Técnicos) – Brasília: Ed. Ministério da Saúde, 2006.
BRAVO, M.I.S. As políticas brasileiras de seguridade social. In: Programa de Capacitação Continuada para Assistentes Sociais. CAPACITAÇÃO em Serviço Social e Política Social. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social. UnB, Centro de Educação Aberta, 2001. (Programa de Capacitação Continuada). Módulo 3, 104-115, 259, p.
BRIAN C. SCHUTTE, JEFFREY C. MURRAY -The many faces and factors of orofacial clefts Human Molecular Genetics Human Molecular Genetics, 1999, Vol. 8, No. 10 1853-1859
BROWN JB, MCDOWELL F. Simplified design for repair of single cleft lips. Surg Gynecol Obstet 1945; 80:12-6.
BRUNNER M, GEORGOPOULOU A, VERRES R, KOMPOSCH G, MÜSSIG E. [Psychosocial problems and coping strategies of young patients with cleft lip and palate] Psychother Psychosom Med Psychol. 2004; 54(11): 423-30.
BZOCH, K. R. Communicative disorders related to cleft lip and palate. 5ª ed., Austin: Pro-ed, 2004.
CAPELLOZZA FILHO, L., SILVA FILHO, O.G. Fissuras lábio-palatais. In: PETRELLI, E. Ortodontia para fonoaudiologia. Curitiba: Lovise, 1992. p.197-239.
CAPELOZZA FILHO, L. et al. Conceitos vigentes na epidemiologia das fissuras lábio-palatais. Rev. bras. Cirurg., v. 77, n. 4, p. 223-30, jul./ago. 1987.
CAPELOZZA FILHO, L. et al. Conceitos vigentes na etiologia das fissuras lábio-palatinas. Rev. Bras.Cirurg., v. 78, n. 4, p. 223-230, 1988.
CAPELOZZA FILHO, L. et al. Rapid maxillary expansion in cleft lip and palate patients. J.clin. Orthodont., v. 28, n. 1, p. 34-39, 1994.
CAPELOZZA FILHO, L., CAVASSAN, A.de O., SILVA FILHO, O.G. Avaliação o crescimento craniofacial em portadores de fissuras transforame incisivo unilateral. Estudo transversal. Rev.bras.Cirurg., v. 77, n. 1, p. 97-106, 1987.
CARDOSO S. A. C. Qualidade de vida nos protocolos clínicos do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais [dissertação]. Bauru: Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais. Universidade de São Paulo; 2008.
CARRIJO, D.; PORTO, E. L.; BERTANI, I.F. Ensaio sobre tema da prática do Serviço Social, na área da saúde: a interdisciplinaridade. Serviço Social & Saúde. Campinas, n.2, v. 2, p. 9-38.
CARTER, B.; MAC GOLDRICK, M. (1995). As mudanças no ciclo de vida familiar. Porto Alegre: Artes Médicas.
CAVASSAN, A.O., ALBUQUERQUE, M. D., CAPELOZZA FILHO, L. Rapid maxillary expansion after secondary alveolar bone graft in a patient with bilateral cleft lip and palate. Cleft Palate Craniofac.J., Pittsburgh, v. 41, n. 3, p. 332-339, May 2004.
CERVENY, C.M.O.; BERTHOUD, C. (2002). Visitando a família em diferentes fases do ciclo vital. São Paulo: Casa do Psicólogo.
CERVENY; C.M.O. (2002). A família como modelo. Campinas: Livro Pleno.
CERVO, A. L.;BERVIAN, P. A. Metodologia Científica.4ed. São Paulo: Makron Boooks,1996.
CHA, S.C. Medicina fetal. São Paulo : Atheneu, 1993. 356p.
CHEN PK, WU JT, CHEN YR, NOORDHOFF MS. Correction of secondary velopharyngeal in sufficiency in cleft palate patients with the Furlow palatoplasty. Plast Reconstr Surg 1994; 94:933-43.
CHIZZOTTI, A. Pesquisas em ciências humanas e sociais. 3 ed.São Paulo:Cortez, 1998.
CNPQ. Arquivos de Ajuda da Plataforma Lattes. Disponível em: http://ajuda.cnpq.br/index.php/M%C3%B3dulo_Projetos. Acesso em 08 jul. 2011.
COHEN JUNIOR, M.M. – Syndromes of cleft lip and cleft palate. Cleft Palate J., v.15, n.4, p.306-328, Oct. 1978.
COHEN JUNIOR, M.M. An etiologic and nosologic overview of craniosynostosis syndromes. BD:OAS., v.11, n.2: 137-189, 1973.
COHEN JUNIOR, M.M. Cleft palate, micrognathia and glossoptosis. In: BERGSMA, D. (ed.) Birth defects compendium. 2. ed. New York: A.R. Liss, 1979. p228.
COHEN JUNIOR, M.M. The child with multiple birth defects. 2.ed. New York: Oxford University Press, 1997. 267p. (Oxford monographs on medical genetics, 31).
COHEN JUNIOR, M.M., GORLIN, R.J. Pseudo-trisomy 13 syndrome. Amer. J. med. Genet., v. 39, n.3, p.332-337, June 1991.
COHEN JUNIOR., M.M. – Craniosynostoses : phenotypic/molecular correlations. Amer. J. med. Genet., v.56, n.3, p.334-339, Apr. 1995.
COHEN, M. Syndromes with cleft lip and cleft palate. Cleft Palate J., v.15, p.306-327, 1978.
COMPÊNDIO DE introdução à ciência do direito. 19ª ed. rev e atual. São Paulo: Saraiva, 2008.
Costa SC; Figueiredo MRB; Schaurich D. Humanization within adult
COSTELLO BJ, EDWARDS SP, CLEMENS M. Fetal diagnosis and treatment of craniomaxillofacial anomalies. J Oral Maxillofac Surg. 2008 Oct;66(10):1985-95.
CRONIN TD, DENKLER KA, CRONIN ED. Correction of secundary unilateral and bilateral nasal deformities: Cronin technique. In: Bardach J, Morris HL, editors. Multidisciplinary management of cleft lip and palate. Philadelphia: WB Saunders; 1990. p. 264-73.
D´ANTONIO LL, EICHENBERG BJ, ZIMMERMAN GJ, PATEL S, RISKI JE, HERBER SC, HARDESTY RA. Radiographic and aerodynamic measures of velopharyngeal anatomy and functions following Furlow Z-plasty. Plast Reconstr Surg 2000; 106:539-49.
DALLARI DA. Elementos de teoria geral do Estado. 24ª ed. São Paulo: Saraiva; 2003.
DALSTON RM, WARREN DW, DALSTON ET. A preliminarystudy of nasal airway patency and its potential effect on speech performance. Cleft Palate Craniofac J 1992; 29: 330-5.
DAVIES, K.E.; READ, A.P. Molecular basis of inherited diseases. Oxford: IRL, 1988. 77p.
DAVIES, K.G. (ed.) Human genetic diseases: a practical approach. Oxford: IRL, 1986.
DEMO, P. “Interdisciplinaridade”. In: “Conhecimento moderno sobre ética e intervenção no conhecimento. Petrópolis: Vozes, 1997”.
DEMO, P. Metodologia científica em ciências sociais.3ed. ampliada. São Paulo:Atlas,1995.
DEMO, P. Participação é conquista. São Paulo: Cortes, 1993. 176p.
DI NINNO, CQMS, JESUS, MSV. Abordagem fonoaudiológica atual nas fissuras labiopalatinas. São Paulo: Roca, 2009.
DINIZ, MH. Manual de direito civil. São Paulo: Saraiva, 2011.
DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA. São Paulo: Moderna, 2002.
Dorrance GM. Lengthening of the soft palate operations. Ann Surg 1925; 82: 208-21.
DOSSIÊ genética e ética. Revista USP, n.24, dez,fev.1994/1995.
DRAKE AF, DAVIS JU, WARREN DW. Nasal airway size in cleft and noncleft children. Laryngoscope 1993; 103:915-5.
DRANE, J; PESSINI, L. Bioética, Medicina e Tecnologia: Desafios éticos na fronteira do conhecimento humano. São Paulo: Loyola, 2005.
DRETTNER B. The nasal airway and hearing in patients with cleft palate. Acta Otolaryngol 1960; 57:131-45.
DUPAS, G. Ética e poder na Sociedade da informação. São Paulo: UNESP, 2001.
ECO, U. Cinco escritos morais. Rio de Janeiro: Record. 1998.
ELKAIM, M. (1998). Panorama das terapias familiares. São Paulo: Summus.
EPPLEY BL, VAN AALST JA, ROBEY A, HAVLIK RJ, SADOVE AM. The spectrum of orofacial clefting. Plast Reconstr Surg 2005; 115(7):101-4.
ETGES, N. J. (1993) Produção do conhecimento e interdisciplinaridade. Educação e Realidade. Porto Alegre. 18 (2): 73-82, jul./dez.
FÁVARO, C.R. Algumas considerações sobre a política de saúde no Brasil. Serviço Social & Realidade, Franca, 11 (2): 81-92, 2002.
FÁVERO EAG. Direitos das pessoas portadoras com deficiência: garantia de igualdade na diversidade. Rio de Janeiro: WVA, 2004.
FALEIROS V.P, SILVA J.F.S. VASCONCELOS L.C.F SILVEIRA R.M.G, A construção do SUS – Histórias da Reforma Sanitária e do Processo Participativo. Brasília, 2006: 300p
FAZENDA, I. C. “Interdisciplinaridade: Dicionário em construção”. São Paulo/SP: Cortez, 2001. 270p.
FAZENDA, I. C. “Integração como proposta de uma nova ordem na educação”. In: “Linguagens, espaços e tempos, no ensinar e aprender”. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.
FAZENDA, I. C. (org.) “A pesquisa em educação e as transformações do conhecimento”. Campinas/SP: Papirus, 1995.
FAZENDA, I. C. (org.) “A virtude da força nas práticas interdisciplinares”. Campinas/SP: Papirus, 1999.
FAZENDA, I. C. (org.). “Novos enfoques da pesquisa educacional”. São Paulo: Cortez, 1992.
FAZENDA, I. C. (org.). Interdisciplinaridade: definições, projeto, pesquisa. In._______ “Práticas Interdisciplinares na Escola”. São Paulo: Cortez, 1991.
FAZENDA, I. C. Interação e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade e ideologia. São Paulo: Loyola, 1979.
FAZENDA, I. C. Projeto individual na parceria com os teóricos. In._______ “Interdisciplinaridade: um projeto em parceria”. São Paulo: Loyola, 1991.
FAZENDA, I. C. Revisão histórico-crítica dos estudos sobre interdisciplinaridade. In._______ “Interdisciplinaridade: História, teoria e pesquisa”. Campinas/SP: Papirus, 1994.
FERREIRA DE LIMA, R. L. L.; MORETTI-FERREIRA, D.; RICHIERI-COSTA, A.; MURRAY, J. C. : Identity by descent and candidate gene mapping of Richieri-Costa and Pereira syndrome. Am. J. Med. Genet. 122A: 56-58, 2003
FERREIRA, M.E.; GRATTAPAGLIA, D. Introdução ao uso de marcadores moleculares em análise genética. 2.ed. Brasília: EMBRAPA, 1995. 200p.
FERREIRA, RBM. Adoção; comentários a nova lei nº 12.010 de 03 de agosto de 2009. 1ª ed. Leme: CL EDIJUR, 2009.
FILHO, N.A. Transdisciplinaridade e o paradigma pós-disciplinar na saúde. Saúde e Sociedade, v.14, n.3, p.30-50, set./dez. 2005.
FONTANA, M. I.. Pesquisa em Serviço Social: a vinculação da investigação e da intervenção na prática profissional do assistente social.
FREIRE-MAIA, N. – Genética de populações humanas. São Paulo: Hucitec/EDUSP, 1974. 216p.
FUKUSHIRO AP, SAMPAIO ACM, TRINDADE IEK. Efeito da rinosseptoplastia sobre a permeabilidade nasal estimada por rinomanometria anterior. In: Anais do V Encontro Científico de Pós-Graduação do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo; 2003; 21-23 nov. Bauru, Brasil. Bauru: Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo; 2003. p.31.
FUKUSHIRO AP, TRINDADE IEK. Nasal airways dimensions of adults with cleft lip and palate: differences among cleft types. Cleft Palate Craniofac J 2005; 42:396-402.
FUKUSHIRO AP. Dimensões das vias aéreas nasais de indivíduos com fissura labiopalatina (dissertação). Bauru: Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo; 2002.
FURLOW JR. LT. Cleft palate repair by Double opposing Z-platy. Plast Reconstr Surg 1986: 78:724-38.
FURLOW JUNIOR LT. Cleft palate repair by double opposing Z-plasty. Plast Reconstr Surg 1986; 78:724-38.
FURLOW JUNIOR LT. Double reversing Z-plasty for cleft palate. In: Millard Dr, editor. Cleft craft: alveolar and palatal deformities. Boston: Little Brown; 1980. v.3. p. 519-20.
FURLOW LT. Cleft palate repair: preliminary reporto n lengthning and muscle transposition by Z-plasty. In: Presented at the Annual Meeting of the South-Eastern Society of Plastic and Reconstructive Surgery. May 16, 1978; Boca Raton, FI.
GARCIA MAA, SOUZA PINTO ATBC, ODONI APC, LONGUI BS, MACHADO LI, LINEK MDS, ET AL. A interdisciplinaridade necessária à educação médica. Rev. bras. educ. med. 2007; 31(2): 147-55.
GARRAFA, V; KOTTOW, M,; SAADA, A. Bases conceituais da Bioética: enfoque latino-americano. São Paulo: Gaia, 2006.
GATTI, M. A. A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília:plano Editora, 200277p. ( Série Pesquisa em Educação, v.1).
GENARO KF, YAMASHITA RP, TRINDADE IEK. Avaliação clínica e instrumental na fissura labiopalatina. In: Ferreira LP, Befi-Lopes DM, Limongi SCO, organizadoras. Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo: Roca; 2004. p.456-77.
GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social.São Paulo: Atlas , 1991.
GILLEROT, Y.; KOULISCHER, L. – Oro-facial-digital syndrome II. Clinic. Genet., v.33, p.140-43, 1987.
GIOVANELLA, L (org.) Políticas e Sistemas de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2008.
GOLDING-KUSHNER KJ. Therapy techniques for cleft palate speech and related disorders. San Diego: Singular Thompson Learning, 2001.
GORLIN, R.J., COHEN JUNIOR, M.M.; LEVIN, L.S. Syndromes of the head an neck. New York: Oxford University Press, 1990, 977 p. (Oxford monographs on medical genetics; 19).
GRACIANO MIG, CUSTÓDIO SAM, BLATTNER SHB, GARCIA RCM. Os programas do serviço social do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo na atualidade. Constr. Serv. Social 2001; (8); 43-50.
GRACIANO MIG, TAVANO,LD, BACHEGA MI. Aspectos psicossociais da reabilitação. In: Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. Coordenadores: Trindade IEK, Silva Filho OG. Ed. Santos, São Paulo. 2007 (16) p 311-33.
GRACIANO MIG. De cliente a agente: os pais coordenadores e a sua ação multiplicadora num programa com portadores de lesões lábio-palatais (disssertação). São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; 1988.
GRACIANO, M.I.G. Desafios do serviço social no Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais – USP: assistência, ensino e pesquisa. Serv. Soc. Hosp., v. 6/7, p. 17-24, 1999/2000.
GRACIANO, M.I.G., FIGUEIRA, E. A deficiência: aspectos sociais da reabilitação e trabalho interdisciplinar. Temas Desenvolvidos, V. 9, n.49, p. 40-51, 2000.
GRACIANO, M.I.G., LEHFELD, N.A. de, NEVES FILHO, A. Critérios de avaliação para classificação sócio-econômica: elementos de atualização. Serv. Social Realid., v. 8, n. 1, p. 109-128, 1999.
GRIGOLLI, A. A. G. Metodologia do trabalho científico e recursos informacionais na área da saúde. São Paulo: Editora Santos, 2008. 208p.
GROUCHY, J. de; TURLEAU, C. Clinical atlas of human chromosomes. 2.ed. New York : John Wiley, 1984. 487p.
GUBISCH W. Functional and aesthetic nasal reconstruction in unilateral CLP-deformity. Facial Plast Surg 1995; 11:159-65.
HAIRFIELD WM, WARREN DW. Dimensions of the cleft nasal airway in adults: a comparison with subjects without Cleft Palate J 1989; 26:9-13.
HECKERT ALC; PASSOS E; BARROS MEB. An instrumental seminar: humanization of the Brazilian Unified Health System (SUS) under discussion. Interface – Comunic.,Saude, Educ., v.13, supl.1, p.493-502, 2009.
HILBERG O, PEDERSEN OF. Acostic rhinometry: recommendations for technical specifications and standart operating procedures. Thinol Suppl 2000; 16:3-15 [Erratum in: Rhinol 2001; 39:119].
HOGAN VM, SCHAWARTZ MF. Velopharyngeal incompetence. In: Converse JM, editor. Reconstructive plastic surgery: principles and procedures in correction, reconstruction and transplantation. Philadelphia: WB Saunders; 1977. p. 2268-95.
HOGAN VM. A clarification of the surgical goals in cleft palate speech and the introduction of the lateral port control (LPC) pharyngeal flap. Cleft Palate J 1973; 10:331-45.
HOSSNE, S,W,; SIQUEIRA, J,E,; PESSINI Lr. (org.) Bioética em Tempos de Incertezas. São Paulo: Loyola, 2010.
HUNT O, BURDEN D, HEPPER P, JOHNSTON C. The psychosocial effects of cleft lip and palate: a systematic review. Eur J Orthod. 2005; 27(3):274–85.
HYNES W. Observations on pharyngoplasty. BR J Plast Surg 1967; 20:244-56.
HYNES W. Pharyngoplasty by muscle transplantation. Br J Plast Surg 1950; 3:128-35.
HYNES W. The results of pharygoplasty by muscle transplantation failed cleft palates cases, with special reference to the influence of the pharynox on voice production; Hunterian lecture, 1953. Ann R Coll Surg Engl 1953; 13:17-35.
INNIS, M.A. et al. (ed.) PCR protocols: a guide to methods and apllications. San Diego: Academic Press, 1990. 482p.
JACKSON IT, SILVERTON JS. The sphincter pharyngoplasty as a secondary procedure in cleft palates. Plast Reconstr Surg 1977; 59:518-24.
JACKSON IT. A review of 236 patients treated with dynamic muscle sphincter (discussion). Plast Reconstr Surg 1983; 71:187-8.
JACOBS, P.A. Epidemiology of chromosome abnormalities in man. Amer. J. Epidemiol., v.105, n.3, p.180-191, Mar. 1977.
JANTSCH, A. P. et. all. “Interdisciplinaridade: para além da filosofia do sujeito”. Petrópolis: Vozes, 1995.
JAPIASSU, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976.
JESUS, MSV, PENIDO, FA, VALENTE, P. Avaliações Fonoaudiológicas Clínica e Instrumental em indivíduos com Fissura Labiopalatina. In: Di Ninno, CQMS, Jesus, MSV. Fissura Labiopalatina:¬Fundamentos para a Prática Fonoaudiológica. São Paulo: Roca, 2009.
JORDAN, B. Viagem ao redor do genoma: volta ao mundo em 80 laboratórios. Ribeirão Preto:Sociedade Brasileira de Genética, 1996. 194p.
JUGESSUR A, MURRAY JC. Orofacial clefting: recent insights into a complex trait. Curr Opin Genet Dev. 2005 Jun;15(3):270-8).
JUNIOR SILVA, A.G.; ALVES, C.A. Modelos Assistenciais em Saúde: desafios e perspectivas. In: MOROSINI, M.V.G.C., CORBO, A.D.A. (orgs.) Modelos de atenção e a saúde da família. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz; 2007. P. 27-41. Disponível em: http://www.epsjv.fiocruz.br/index.php?Area=Material&MNU=&Tipo=1&Num=26
KAMIYA, T. Y. Pesquisa de sítio frágil no cromossomo X (FRAXA) em pacientes do sexo masculino, portadores de fissura de palato. Botucatu 1994. 67p. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) – Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista, 1994.
KILNER TP. Cleft lip and palate repair technique. St. Thomas Hosp Rep 1937; 2:127-35.
KRIENS OB. Fundamental anatomic findings for na intravelar veloplasty. Cleft Palate J 1970; 7:27-36.
KRIENS OB. Na anatomical approach to veloplasty. Plast Reconstr Surg 1969; 43:29-41.
KULKEL M, HOCHBAN W. Acostic rhinometry: a new diagnostic procedure-experimental and clinical experience. Int J Oral Maxillofac Surg 1994; 23 (6 Pt 2): 409-15.
KULKEL M, WAHLMANN U, WAGNER W. Acoustic airway profiles in unilateral cleft palate patients Cleft Palate Craniofac J 1999; 36:434-40.
KUMMER AW. Velopharyngeal dysfunction (VPD) and resonance disorders. In: Kummer AW. Cleft palate and craniofacial anomalies: the effects on speech and resonance. Canada: Singular Thomson Learning; 2001. p. 145-76.
KUMMER, A.W. Cleft palate & craniofacial anomalies: effects on speech and resonance. San Diego: Singular, 2001.
KUNKEL M, WAHLMANN U, WAGNER W. Nasal airway in cleft-palate patients: acoustic rhinometric data. J Craniomaxillofac Surg 1997; 25:270-4.
LAROSSA D, DONATH G. Primary nasoplasty in unilateral and bilateral cleft nasal deformity. Clin Plast Surg 1993; 20:781-91.
LAROSSA D. The state of the art in cleft lapate surgery. Cleft Palate Craniofac J 2000; 37:225-8.
LEHFELD, N. A. de S.; FILHO, J. M. ( orgs).A prática da pesquisa. Franca:UNESP, 2004.
LEHFELD, N. A. de S.; SILVEIRA M. A. Fundamentos da metodologia científica.2 ed. Ampliada.São Paulo;Makron Books, 2000.
LEMESURIER AB. A method of cutting and suturing the lip in the treatment of complete unilateral clefts. Plast Reconstr Surg 1949; 4:1-5.
LINDER-ARONSON S. Naso-respiratory function and craniofacial growth. In: Mcnamara Junior JA, editor. Naso-respiratory function and craniofacial growth. Ann Arbor: Center for Human Growth and Development, University of Michigan; 1979. p. 121-45.
LIU H, WARREN DW, DRAKE AF, DAVIES JU. Is nasal airway size a marker for susceptibility toward clefting: Cleft Palate Craniofac J 1992; 29: 336-9.
LOPES, J.R. Mínimos sociais, cidadania e assistência social. Serviço Social & Sociedade. São Paulo: Cortez, ano XIX, n.58, pp.94-108, 1998.
MACHADO LD; LAVRADOR MCC. For a clinic to expand life. Interface – Comunic.,Saude, Educ., v.13, supl.1, p.515-21, 2009.
MALEK R. editor. Cleft lip and palate: lesions, pathophysiology and primary treatment. London: Martin Dunitz; 2001.
MANCHESTER WM. The repair of bilateral cleft lip and palate. Br J Surg 1965; 52:878-82.
MARCILIO, M,L,; RAMOS, E,L. Ética na virada do século: “Busca do Sentido da Vida”. São Paulo: LTr. 1997.
MARSIGLIA, R.G. II. Interface com a saúde. Serv. social Hosp., v.4, n.1, p.18-21, 1997.
MARTINELLI, M. L. O Serviço Social na transição para o milênio: desafios e perspectivas. Serviço Social & Sociedade, n. 57, São Paulo: Cortez, Jul. / 1998.
MARTINELLI, M. L. Pesquisa Qualitativa: um instigante desafio. São Paulo:Veras, 1999.
MARTOS, M., BARDUZZI, R.M. O Serviço Social na área da saúde: um estudo sobre a equipe como maior efetivador dos direitos sociais. [TCC] Faculdade de Serviço Social de Bauru. 2008. 109p.
MCCOMB H. Primary correction of the unilateral cleft lip nasal deformity: a 10-year review. Plast Reconstr Surg 1985; 75:791-9.
MCKUSICK, V.A. Mendelian inheritance in man: catalogs of autosomal dominant, autosomal recessive, and X-linked phenotypes. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1996. 2v.
MCWILLIAMS, B.J.; MORRIS, H. L. & SHELTON, R. L. ed. Velopharyngeal valving instrumentation for assessing the velopharyngeal mechanism. In.:Cleft Palate Speech. 2nd ed., Philadelphia, Decker, 1990. P. 163-96.
MELO, A.I.S.C. de; ALMEIDA, G.E.S. de. Interdisciplinaridade: possibilidades e desafios para o trabalho profissional. Programa de Capacitação continuado para assistentes sociais. IN. O trabalho do assistente e as políticas sociais. Modulo 4, CFESS, ABEPSS, CEAD/NED – UNB, 2000.
MENDES, E. V. As políticas de saúde no Brasil nos anos 80: a conformação da reforma. In: _______. Distrito sanitário: o processo social de mudança das práticas sanitárias do SUS. São Paulo: Hucitec, 1994. p. 19 – 91.
MESQUITA S. T. Projeto carona amiga: recurso facilitador do processo realizado e desencadeador da organização popular. Bauru: HPRLLP, USP, 1992 (Relatório final – fundo de pesquisa da USP).
MESTRINER, M.L. Assistência e seguridade social: oposições e aproximações. Dissertação de Mestrado em Serviço Social apresentada à Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 1992.
Metodologia Científica em ciências sociais. 3ed.São Paulo: Cortez, 2001.
MILLARD JR. DR. Closure of bilateral cleft lip and elongation of columella by two operations in infancy. Plast Recnstr Surg 1971; 47: 324-31.
MILLARD JR. DR. The primary camouflage of the unilateral harelip. In: Transactions of the 1st Internatiinal Society of Plastic Surgeon. Stockholm, 1955. Baltimore: Williams & Wilkins, 1955. p. 160-6.
MILLARD JUNIOR DR. A new use of the island flap in wide palate clefts. Plast Reconstr Surg 1966; 38:330-5.
MINAYO MCS, HARTZ ZMA. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciênc Saúde Coletiva 2000; 5(1):7-31.
MINISTÉRIO DA SAÚDE. Política Nacional de Humanização. Disponível em: www.saude.gov.br/humanizasus Acesso em: 23 ago. 2010.
MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria SAS n. º 423, de 9 de Julho de 2002. Detalha as atribuições básicas inerentes a cada nível do governo no controle, regulação e avaliação da assistência à saúde no SUS. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 9 jul. 2002. Seção 1. p. 74.
MINISTÉRIO DA Saúde (Conselho Nacional de Saúde). Resolução Nº. 196/96 sobre pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: 1996
MINUCHIN, S. et al. (1999). Trabalhando com famílias pobres. Porto Alegre: Artmed.
MINUCHIN, S.; FISHMAN, H. (1995). Técnicas de terapia familiar. Porto Alegre: Artes Médicas.
MIRANDA, E. de – Síndrome oro-facio-digitail (OFD) – estudo genético clínico e diagnóstico diferencial. Botucatu, SP, 1990. 321p. Dissertação de mestrado. Instituto de Biociências – Universidade Estadual Paulista, 1990,
MIRANDA, E. de; MARTINELLI, A.J. – Aspectos genéticos das malformações craniofaciais. In: 18o CURSO DE MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS LÁBIO-PALATAIS. Bauru: Hospital Pesquisa e Reabilitação de Lesões Lábio Palatais – Bauru – USP, 1994.
MIRANDA, E. de; MARTINELLI, A.J. Genética e sindromologia. In: FOURNIOL FILHO, A. Pacientes especiais e a odontologia. São Paulo : Editora Santos, 1998. p.237-293.
MIRAULT G. Deux lettres sur I´opération du becde-lièvre considère dans ses divers états de simplicite et de complication. J Chir, Paris, 1844; 2: 257.
MITELMAN, F.(ed.) : An international system for human cytogenetic nomenclature, Basel: Karger, 1995.
MOORE, K. – Embriologia clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1987, 442p.
MOURA, R.M.F. O processo de trabalho da equipe multiprofissional em centros de saúde: vendo e indagando. Anais do Congresso da ABRASCO, Olinda/PE, 1994.
MOURA-RIBEIRO, M.V.L. e GONÇALVES, V.M.G. Neurologia do Desenvolvimento da Criança. SP: Revinter, 2009.
MULLIKEN JB. Principles and techniques of bilateral cleft lip repair. Plast Reconstr Surg 1985; 75: 477-87.
MUNHOZ, D.E.N. Trocando em miúdos. Trabalho interdisciplinar: realidade e utopia. Serviço Social & Sociedade, n. 51, São Paulo: Cortez, Ago. / 1996.
NOGUEIRA, V.M.R. Assimetrias e tendências da seguridade social brasileira. Serv. Social Soc., v.22, n. 65, p. 95-123, mar. 2001.
NOORDHOFF MS. Bilateral cleft lip reconstruction. Plast Reconstr Surg 1986; 78:45-54.
NORA, J.J. et al. Genética médica. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1985. 403p.
OLIVEIRA, C. A. H. S. A prática do assistente social no cotidiano institucional: um estudo na área da saúde em Franca/SP. Dissertação de Mestrado. PUC-São Paulo, 1994.
OPITZ, J. M. (ed.). Blastogenesis: normal and abnormal. BD:OAS, v.29, n.1, 1993
OPITZ, J.M – Tópicos recentes em genética clínica. Ribeirão Preto: Sociedade Brasileira de Genética, 1984. 231p.
ORTICOCHEA M. Construction of a dynamic muscle sphincter in cleft palates. Plast Reconstr Surg 1968; 41:323-7.
ORTICOCHEA M. Results of the dynamic muscle sphincter. Plast Reconstr Surg 1983; 71:180-6.
ORTICOCHEA M. The timing and management of dynamic muscular pharyngeal sphincter construction in velopharyngeal incompetence. Br J Plast Surg 1999; 52:85-7.
PAPALIA, D.E. Desenvolvimento Humano. Porto Alegre: Artmed, 2006
PARIS CONFERENCE (1971), Suplement (1975): Standardization in Human Cytogenetics. Birth Defects: Original Article Series. XI:9,1975.
PARIS CONFERENCE (1971): Standardization in Human Cytogenetics. Birth Defects: Original Article Series. VIII:7, 1972.
PASCHE D. F., PASSOS E. Importância da Humanização a partir do Sistema Único de Saúde. Rev. Saúde públ. Santa Cat., Florianópolis, v. 1, n. 1, jan./jun. 2008.
PEDUZZI, M.; SCHRAIBER, L.B. O trabalho em equipe na formação e na prática dos profissionais de saúde. In: CONGRESSO NACIONAL DA REDE UNIDA, 6., 2005, Belo Horizonte. Anais… Belo Horizonte: s.n., 2005.
PEGORARO-KROOK MI, DUTKA-SOUZA JCR, TELLES-MAGALHÃES LC, FENIMAN MR. Intervenção fonoaudiológica na fissura palatina. In: Ferreira LP, Befi-Lopes DM, Limongi SCO, organizadoras. Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo: Roca; 2004. p. 439-455.
PEGORARO-KROOK, MI, AFERRI, HC, UEMEOKA, E. Prótese de Palato e Obturadores Faríngeos. In: Camila Queiroz de Moraes da Silveira Di Ninno e Marisa Viana Jesus. (Org.). Fissura Palatina: Fundamento para a prática fonoaudiológica. 1 ed. Belo Horizonte – MG: Roca, 2009, v. 1, p. 113-124.
PEGORARO-KROOK, MI. FENIMAN, MR, FUKUSHIRO, AP, DUTKA, JCR. Tratamento em Fissura Labiopalatina: Audição e Fala. In: Berretin-felix, G; Alvarenga, KF; Caldana, ML; Sant’Ana, NC; Santos, MJD; Santos, PRJ, Organizadoras. (RE)Habilitação Fonoaudiológica: Avaliação e Eficácia. Pulso editorial: SP 2009. P.276-287.
PEREIRA, J.C.R.; Análise de Dados Qualitativos
PEREIRA, P.A.P. A assistência social na perspectiva dos direitos: crítica aos padrões dominantes de proteção aos pobres no Brasil. Brasília: Thesaurus, 1996.
PETERSON-FALZONE, S.J.; HARDIN-JONES, M.A; KARNELL, M.P. Cleft palate Speech, Mosby 2001.
PETERSON-FALZONE, S.J.; TROST-CARDAMONE, J., KARNELL, M.P., HARDIN-JONES, M.A. The clinician´s guide to treating cleft palate speech. St Louis: Mosby; 2006.
PIGOTT RW, BENSEN JF, WHITE FD. Nasendoscopy in the diagnosis of velopharyngeal incompetence. Plast Reconstr Surg 1969; 43:141-7.
PIGOTT RW. The nasendoscopic appearance of the normal palato-pharyngeal valve. Plast Reconstr Surg 1969; 43:19-24.
PINHO, M.C. Trabalho em equipe de saúde: limites e possibilidades de atuação eficaz. Ciências & Cognição, ano 3, v.8, 2006. Disponível em: http://www.cienciasecognicao.org/. Acesso em 01 set. 2008.
PLANOS de assistência à saúde: lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998. Disponível: site Jornal do site. URL: http://www.jornaldosite.com.br/leisaude/lei9656.htm. Consultado em 6 ago. 2001.
POMBO, O. GUIMARÃES, H. M., LEVY, T. Interdisciplinaridade: conceito, problemas e perspectivas. In.________ A interdisciplinaridade: reflexão e experiência. Lisboa – Portugal: Texto Educação Hoje, 1994.
PONTES, R.N. A propósito da categoria de mediação. In: Serviço Social & Sociedade, n. 31, São Paulo: Cortez, Dez. /1989.
PRADO-OLIVEIRA. R.; GONÇALVES. R.M.B.; THOMÉ. S.; THEODORO. P.B.; SILVA. R.F.M.A.; TRISTÃO. M.T.C.; CAMPOS. M. S. L. C.; LOPES. I.M.B.; GRIGOLLI. A.A.G. A HUMANIZAÇÃO NO HRAC. II Simpósio de Psicologia e Serviço Social do Hospital Estadual. Bauru 16 a 17setembro de 2010.
PUSCHEL VAA, IDE CAC, CHAVES EC. Instrumento para a abordagem psicossocial do indivíduo e da família na assistência domiciliar: condições de aplicabilidade. Acta Paul Enferm. 2005;18(2):203-12.
RANDALL P. A Triangular flap operation for the primary repair of unilateral clefts of the lip. Plast Reconstr Surg 1959; 23: 331-47.
Regimento do Grupo de Trabalho da Humanização do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo de 12/09/2007.
REICHERT H. The lateral velo-pharyngoplasty: a new method for the correction the open nasality. J Maxilofac Surg 1974; 2:92-5.
RIBEIRO, LLG. Manual dos direitos da pessoa com deficiência. 1ª ed. São Paulo: Editora Verbatim, 2010.
RISKI JE, SERAFIN D, RIEFKOHL R, GEORGIADE GS, GEORGIADE NC. A rationale for modifying the side of insertion of the Orticochea pharyngoplasty. Plast Reconstr Surg 1984; 73:882-90.
RIZOTTI, M. L. A. Trabalho em equipe: um estudo de caso na área da saúde. Dissertação de Mestrado. PUC-São Paulo, 1995.
ROBBINS, H. & FINLEY, M. Por que as equipes não funcionam. Rio de Janeiro, 1997. 254p.
RODRIGUES, M.L. Caminhos da transdisciplinaridade: fugindo às injunções lineares. Serviço Social & Sociedade, n. 64, São Paulo: Cortez, Nov. /2000. p. 124-134.
RODRIGUES,ON., M.L., O Serviço Social e a perspectiva interdisciplinar. In: MARTINELLI, M. L. RODRIGUES ON, M. L. e MUCHAIL, S. T. (org.) O uno e o múltiplo nas relações entre as áreas do saber. São Paulo: Cortez, 1995.
ROSE W. On harelip and cleft palate. London: HK Lewis, 1981.
ROSENTHAL W. (1924) apud Hirschberg J. Velopharyngeal insuficiency. Folia Phoniatr 1986; 38:221-76.
ROSSATO, LA. Estatuto da criança e do adolescente comentado. 2ª ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2011.
SÁ, J. L. M. de. (org.) Serviço Social e interdisciplinaridade: dos fundamentos filosóficos à prática interdisciplinar no ensino, pesquisa e extensão. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 1995. 95p.
SÁ, J. L. M. de. Gerontologia e interdisciplinaridade – fundamentos epistemológicos. Serviço Social & Sociedade, n. 58, São Paulo: Cortez, Nov. /1998. p. 153-161.
SÃO PAULO. Governo do Estado de São Paulo. Secretaria de Estado da Saúde. Direitos do paciente. São Paulo: Imprensa Oficial, 1997.
Sá, A,L. Ética Profissional. São Paulo: Atlas, 1998.
SALYER KE, GENECOV ER, GENECOV DG. Unilateral cleft lip-nose repair-long-term outcome. Clin Plast Surg 2004; 31:191-205.
SALYER KF. Primary correction of the unilateral cleft lip nose: a 15-year experience. Plast Reconstr Surg 1986; 77:558-65.
SAMPAIO, C.C. et al. Interdisciplinaridade em questão: análise de uma política de saúde voltada para à mulher. In: SÁ, J.L.M. (org.): Serviço Social e Interdisciplinaridade: dos fundamentos filosóficos à prática interdisciplinar no ensino, pesquisa e extensão. São Paulo: Cortez, 1989. p.77-95.
SANDHAM A, Solow B. Nasal respiratory resistance in cleft lip and palate. Cleft Palate J 1987; 24:278-85.
SANTOMÉ, J. T. “Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado”. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.
SANTOS-FILHO S. B. Perspectivas da avaliação na Política Nacional de Humanização em Saúde: aspectos conceituais e metodológicos Ciência & Saúde Coletiva, 12(4):999-1010,2007.
SANVENERO-ROSELLI G. (1935) APUD HOGAN VM, SCHWARTZ MF. Velopharyngeal incompetence. In: Converse JM, editor. Reconstructive plastic surgery: principles and procedures in correction, reconstruction, and transplantation. Philadelphia: WB Saunders Company; 1977. p. 2268-95.
SCHÖNBORN D. (1876) apud Hogan VM, Schwartz MF. Velopharyngeal incompetence. In: Converse JM editor. Reconstructive plastic surgery: principles and procedures in correction, reconstruction, and transplantation. Philadelphia: WB Saunders Company; 1977. p. 2268-95.
SCHINZEL ALBERT. Catalogue of Unbalanced Chromosome Aberrations in Man. Berlin-New York , 1984
SCHUCHARDT K. Operations of clefts of the hard and soft palate. In Schuchardt K. Treatment of patients with clefts of the lip, alveolus and palate. Stuttgart: Georg Thieme Verlag; 1964. p. 76-98.
SHAW W C, SEMB G, NELSON P, BRATTSTROM V, MOLSTED K, PRAHL-ANDERSEN B ET AL. The Eurocleft Project 1996-2000: overview. J Maxillofac Surg 2001; 29: 131-40.
SHAW W. Global strategies to reduce the health care burden of craniofacial anomalies: reporto f WHO meetings on international callaborative research on craniofacial anomalies. Cleft Palate Craniofac J 2004; 41:238-43.
SHPRINTZEN RJ, LEWIN ML, CROFT CB, DANILLER AL, ARGAMASO RV, SHIP AG, ET AL. A comprehensive study of pharyngeal flap surgery: tailor made flaps. Cleft Palate J 1979; 16:46-55.
SHPRINTZEN, R.; BARDACH, J. Cleft palate speech management: a multidisciplinary approach. St Louis: Mosby, 1995.
SILVA FILHO OG, FREITAS JAS, OKADA T. Fissuras labiopalatais: diagnóstico e uma filosofia interdisciplinar de tratamento. In: Pinto VG (coord.). Saúde bucal coletiva. São Paulo: Santos; 2000. p. 481-527.
SILVA FILHO OG, SANTO ACS, COSTA GC, OZAWA TO. Fissura bilateral completa de lábio e palato: comportamento dos arcos dentários frente às cirurgias primárias (queloplastia e palatoplastia). Avaliação na dentadura mista. Ortodontia 2003; 36:28-48.
SILVA FILHO OG, VALLADARES NETO J, CAPELLOZA FILHO L, FREITAS JAS. Influence of lip repair on craniofacial morphology of patients with complete bilateral cleft lip and palate. Cleft Palate Craniofac J 2003; 40:144-53.
SILVA FILHO, O. G da, NORMANDO, A. D. de C., CAPELOZZA FILHO, L. Mandibular morphology and spatial position in patients with clefts: intrinsic of iatrogenic? Cleft Palate Craniofac., v. 29, n. 4, p. 369-375, 1992.
SILVA FILHO, O. G. da – Crescimento e Desenvolvimento Facial Pré-Natal. Bauru HPRLLP/USP, 1984.
SILVA FILHO, O. G. da et al. Classificação das fissuras lábio-palatais: breve histórico, considerações clínicas e sugestão de modificação. Rev.bras.Cirurg., v. 82, p. 59-65, 1992.
SILVA FILHO, O. G. da et al. Enxerto ósseo alveolar em pacientes fissurados e perspectiva. Ortodontia, v. 28, n. 1, p. 34-35, 1995.
SILVA FILHO, O. G. da, FREITAS, J. A. de S., OKADA, T. Fissuras labiopalatinas: diagnóstico e uma filosofia interdisciplinar de tratamento. In: Saúde bucal coletiva. 4.ed. São Paulo: Ed.Santos, 2000. p. 481-537.
SILVA FILHO, O. G. da, NORMANDO, A. D. de C., CAPELOZZA FILHO, L. Mandibular growth in patients with cleft lip and/or cleft palate – the influence of cleft type. Amer.J.Orthodont.Dentofac.Orthop., v. 104, n. 3, p. 269-275, 1993.
SILVA FILHO, O. G. da, RAMOS, A. L., ABDO, R. C. C. The influence of unilateral cleft lip and palate on maxillary dental arch morphology. Angle Orthodont., v. 62, n. 4, p. 283-290, 1992.
SILVA FILHO, O. G. da. Secondary bone graft and eruption of the permanent canine in patients with alveolar clefts: literature review and case report. Angle Orthodont., v. 70, n. 2, p. 174-178, Apr. 2000.
SILVA FILHO, O. G., FERRARI, F. M., ROCHA, D. L., FREITAS, J.ªS. Classificação das fissuras lábio-palatais: breve histórico, considerações clínicas e sugestão de modificação. Rev. Bras. Cir. V.82, p59-65, 1992.
SILVA FILHO, O.G. et al. Classificação das fissuras lábio-palatais: breve histórico, considerações clínicas e sugestão de modificação. Rev.bras.Cirurg., v. 82, p. 59-65, 1992.
SILVA FILHO, O.G. et al. Enxerto ósseo alveolar em pacientes fissurados e perspectiva. Ortodontia, v. 28, n. 1, p. 34-35, 1995.
SILVA FILHO, O.G., FREITAS, J.A.S., OKADA, T.. Fissuras labiopalatinas: diagnóstico e uma filosofia interdisciplinar de tratamento. In: Saúde bucal coletiva. 4.ed. São Paulo: Ed.Santos, 2000. p. 481-537.
SILVA FILHO, O.G., NORMANDO, A.D.C., CAPELOZZA FILHO, L. Mandibular morphology and spatial position in patients with clefts: intrinsic of iatrogenic? Cleft Palate Craniofac., v. 29, n. 4, p. 369-375, 1992.
SILVA FILHO, O.G., NORMANDO, A.D.C., CAPELOZZA FILHO, L.. Mandibular growth in patients with cleft lip and/or cleft palate – the influence of cleft type. Amer.J.Orthodont.Dentofac.Orthop., v. 104, n. 3, p. 269-275, 1993.
SILVA FILHO, O.G., RAMOS, A.L., ABDO, R.C.C.. The influence of unilateral cleft lip and palate on maxillary dental arch morphology. Angle Orthodont., v. 62, n. 4, p. 283-290, 1992.
SILVA FILHO, O.G.. Secondary bone graft and eruption of the permanent canine in patients with alveolar clefts: literature review and case report. Angle Orthodont., v. 70, n. 2, p. 174-178, Apr. 2000.
SILVA, OG; SOUZA-FREITAS, JS E OKADA, T. Fissuras Labiopalatais: Diagnóstico e uma filosofia interdisciplinar de tratamentos. In: PINTO, VG. Saude bucal coletiva. São Paulo : Editora Santos, 2000. p. 481-537.
SILVA, R. S. R. M. Os sujeitos sociais no cotidiano institucional: a equipe multiprofissional na educação especial do deficiente mental. NEPI. São Paulo: PUC-SP, 1996.
SILVEIRA, U. A ética Profissional na virada do século. Serviço Social & Realidade, Franca, V. 8, n.2, p. 89-101, 1999.
SIMIONATTO, I. Caminhos e descaminhos da política de saúde no Brasil. Inscrita, v. 1, n. 1, p. 15-20, jul. 1997.
SKOLNICK ML, MCCALL GN, BARNES M. The sphincteric mechanism of velopharyngeal closure. Cleft Palate J 1973; 10:286-305.
SKOOG T. A design for the repair of the unilateral cleft lips. Am J Surg 1958; 95: 223-6.
SKOOG T. Plastic sugery: new nethods and refinements. Philadelphia: WB Saunders: 1974.
SKOOG T. The management of the bilateral cleft of the primary palate (lip and alveolus). I. General considerations and soft tissue repair. Plast Reconstr Surg 1965; 35:34-44.
SLOAN GM, SHAW WC, DOWNEY SE. Surgical management of velopharyngeal insufficiency: pharyngeal flap and sphincter pharyngoplasty. In Turvey TA, Vig KWL, Fonseca RJ, eds. Facial clefts and craniosynostosis. Philadelphia: WB Saunders; 1996. p. 384-95.
SOKAL, R.R.; Rohlf, F.J. – Biometry
SOMMERLAD BC. A technique for cleft repair. Plast Reconstr Surg 2003; 112:1542-8.
SPINA V, LODOVICI O, PIGOSSI N, LAPA F, PORTELLA F, CHAMAS R. Tratamento cirúrgico do lábio leporino total, uni e bilateral. Estudo evolutivo pela craniometria e modelagem. Ver Lat AM Cir Plast 1961; 5:38-58.
SPINA V. KAMAKURA L, LAPA F. Surgical management of bilateral cleft lip. Ann Plast Surg 1978; 1497-505.
SPINA V. The advantages of two stages in repair of bilateral cleft lip. Cleft Palate J 1966; 3:56-60.
SPINK, M. J. (org.). Cidadania em construção: uma reflexão transdisciplinar. São Paulo: Cortez, 1994.
SPOSATI, A. Carta tema: a assistência social no Brasil (1983-1990). São Paulo: Cortez, 1989a.
SPOSATI, A. et all. Assistência na trajetória das políticas sociais brasileiras: uma questão de análise. São Paulo: Cortez, 1985.
SPOSATI, A. Vida urbana e gestão da pobreza. São Paulo: Cortez, 1988.
STEVENSON, A.C.; DAVISON, B.C.C.;OAKES, M.W. Genetic Couselling. Philadelphia: Lippincott, 1970.
STRACHAN,T and READ, AP. Genetica molecular humana. Porto Alegre. Artmed Editora, 2002.
SUZUKI , D.T, et al. Introdução à genética. 4. ed. Rio de Janeiro, Koogan, 1992. 633p.
Syndrome Delineation Involving Orofacial Clefting. Cleft Palate-Craniofacial Journal, v.28, n.1, p.119-120, 1991.
TAVANO LDA. Análise da integração escolar de uma criança portadora de lesão lábio-palatal [dissertação]. São Carlos: Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos; 1994.
TAVANO LDA. Avaliação do desempenho psicossocial de pacientes portadores de fissura lábio-palatina submetidos a tratamento multidisciplinar no Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais-USP [tese] Bauru: Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo; 2000.
TEIXEIRA R R . Humanização e Atenção Primária à Saúde. Ciências e Saúde Coletiva. 10(3) 585-97,2005.
TEIXEIRA, M.J.O., NUNES, S.T. A interdisciplinaridade no Programa Saúde da Família: uma utopia? In: BRAVO, M.I.S. et al. (orgs.). Saúde e Serviço Social. São Paulo: Cortez. Rio de Janeiro: UERJ, 2004. P.117-134.
TENNISON CW. The repair of the unilateral cleft lip by the stencil method. Plast Reconstr Surg 1952; 9:115-20.
THOMPSON J E. An artistic and mathematically accurate method of repairing the defects in cases of harelip. Surg Gynecol Obstet 1912; 14: 498.
THOMPSON, J.S.; THOMPSON, M.W. Genética médica. 4ed. Rio de Janeiro, Interamericana, 1988.
TRENITÉ GJN. Secondary sugery of the cleftlip nose. In:__________. Rhinoplasty: a pratical guide to functional and aesthetic sugery of the nose. New York: Kugler Publications; 1993. p. 105-116.
TRINDADE IE, YAMASHITA RP, SUGUIMOTO RM, MAZZOTTINI R, TRINDADE JUNIOR AS, Effects of orthognathic sugery speech and breathing of subjects with cleft lip and palate: acostic and aerodynamic assessment. Cleft Palate Craniofac J 2003; 40:54-64.
TRINDADE IEK, MANCO JC, TRINDADE JUNIOR AS. Pulmonary function of individuals with congenital cleft palate. Cleft Palate Craniofac J 1992; 29:429-34.
TRINDADE IEK, SAMPAIO ACM, TRINDADE JUNIOR AS, DRAKE AF, WARREN DW. A medida da área de seção transversa nasal como estimativa da função naso-respiratória. In: Livro de Resumos da 10º Reunião Anual da Federação de Sociedades de Biologia Experimental (FESBE); 1995; 23-26 ago; Serra Negra, Brasil. [São Paulo: Federação de Sociedades de Biologia Experimental]; 1995. p.159.
TRINDADE IEK, SAMPAIO ACM, YAMASHITA RP, BONASSI PRM, ORTIGOSO FT, GENARO KF, et al. Dimensões das vias aéreas nasais na inspiração e na expiração. In: Livro de Resumos da 12º Reunião Anual da Federação de Sociedades de Biologia Experimental (FESBE); 1997; 27-30 ago; Caxambu, Brasil. São Paulo: Federação de Sociedades de Biologia Experimental; 1995. 9. 342-3.
TRINDADE IEK. Estudo da função pulmonar de indivíduos com fissura congênita [tese]. Ribeirão Preto: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo; 1990. 131p.
TRINDADE,I.E.K; SILVA FILHO,O.G. Fissuras Labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. 1ª. Ed. São Paulo: Santos, 2007, 239-260 (livro).
VALLINO-NAPOLI LD, RILEY MM, HALLIDAY JL. An epidemiologic study of orofacial clefts with other birth defects in Victoria, Australia. Cleft Palate Craniofac J. 2006 Sep;43(5):571-6).
VAN DER MEULEN, J. et al. Classification of craniofacial malformation. In: STRICKER, M. et al.(ed). Craniofacial malformations. Edinburgh: Churchill Livingstone, 1990. p.149-309.
VASCONCELOS, E. M. “Serviço Social e interdisciplinaridade: o exemplo da saúde mental”. In: Serviço Social e Sociedade, n. 54. São Paulo: Cortez, julho/1997.
VEAU V. Division palatine. Paris: Masson; 1931.
VERONEZ FS. Avaliação da qualidade de vida em pacientes adultos com fissura labiopalatina [dissertação]. Bauru: Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo; 2007.
VIEIRA AR. Unraveling human cleft lip and palate research. J Dent Res. 2008 Feb;87(2):119-25).
VIEIRA, S. – Introdução á Bioestatística
VIG PS, ZAJAC DJ. Age and gender effects on nasal respitatory function in normal subjects. Cleft Palate Craniofac J 1993; 30:279-84.
VON LANGENBECK BRK. Operation der angeborenen totale spaltung dês harten gaumens nach einer neue methode. Dtsch Klinik 1861; 13:231.
WAHLMANN U, KUNKEL M, WAGNER W. Preoperative assessment for airway patency in the planning o corrective cleft nose sugery. Mund Kiefer Gesichtschir 1998; 2 (Suppl 1): 153-5.
WARDILL WEM. Results of operation for cleft palate. Br j Surg 1928; 16:127.
WARDILL WEM. The technique of operation for cleft palate. Br J Surg 1937; 25:117-30.
WARREN DW, DAVIS J, DRAKE A, DALSTON E. The nasal airway in BCLP: a pattern of abnormal development? J Dent Res 1992; 71:746.
WARREN DW, DRAKE AF, Cleft nose: form and function. Clin Plast Surg 1993; 20:769-79.
WARREN DW, DUANY LF, FISHER ND. Nasal pathway resistance in normal and cleft lip and palate subjects. Cleft Palate J 1969; 6:134-40.
WARREN DW, DUBOIS AB. A pressure-flow technique for measuring velopharyngeal orifice área during continous speech. Cleft Palate J 1964; 1:52-71.
WARREN DW, HAIRFIELD WM, DALSTON ET, SIDMAN JD, PILLSBURY HC. Effects of cleft lip and palate on the nasal airway in children. Arch Otolaryngol Head Neck Surg 1988; 114:1987-95.
WARREN DW, HAIRFIELD WM, DALSTON ET. The relationship between nasal airwaysize and nasal oral breathing in cleft lip and palate. Cleft Palate J 1990; 27:46-55.
WARREN DW, HAIRFIELD WM. The nasal airway in cleft palate. In Bardach J. Morris HL, editors. Multidisciplinary management of cleft lip and palate. Philadelphia: WB Saunders; 1990. p. 688-95.
WARREN DW. A quantitative technique for assessing nasal airway impairment. Am J Orthod 1984; 86:306-14.
WEHBY GL, MURRAY JC. Folic acid and orofacial clefts: a review of the evidence. Oral Dis. 2010 Jan;16(1):11-9).
WETMORE RF. Importance of maintaining normal nasal function in the cleft palate patient. Cleft Palate Craniofac J 1996; 29:498-506.
WITH PD, MARSH JL. Advances in assessing outcome of surgical repair of cleft lip and palate. Plast Reconstr Surg 1997; 100:1907-17.
YASBEK, M.C. Classes subalternas e assistência social. São Paulo: Cortez, 1993.
YUNES MAM, SZYMANSKI H. Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. In: Tavares J. organizador. Resiliência e educação. São Paulo: Cortez; 2001. P.13-42.
ZAHA, A. (coord.) Biologia molecular básica. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1996. 336p.
ZAJDSZNAJDER, L. Ética, Estratégia e Comunicação: na passagem da modernidade à pós-modernidade. Rio de Janeiro: FGV, 2002.
ZAR, J. – Biostatistical Analysis

NC – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (clique para fechar)

NÚCLEO COMUM (NC), para alunos R-1 de todas as especialidades: (clique para fechar)

NÚCLEOS ESPECÍFICOS PRÁTICOS (NEP), para alunos R-1 e R-2, divididos por especialidades: (ver mais)

ENFERMAGEM (NEPE) (ver mais)

NEPE - Assistência de Enfermagem ao paciente internado: (ver mais)

Compreende a observação e execução de ações de enfermagem médico-cirúrgica com os pacientes internados, nas diversas fases do desenvolvimento humano, assim como o desenvolvimento de atividades educacionais e de treinamento dos pacientes e/ou familiares para a continuidade dos cuidados no domicílio. Compreende também o treinamento para as práticas administrativas relacionadas ao serviço de enfermagem.

Objetivos:
1. Prestar de assistência/cuidados de enfermagem ao paciente com fissura labiopalatina e/ou outras anomalias craniofaciais (FLP) internado para tratamento clínico e/ou cirúrgico, desenvolvendo ações de enfermagem humanizadas, dentro dos aspectos éticos e legais pertinentes à profissão.
2. Participar de atividades de coordenação e planejamento do serviço de enfermagem na internação.

NEPE – Assistência de Enfermagem ao paciente internado: (clique para fechar)

NEPE - Assistência de Enfermagem em Ambulatório: (ver mais)

Compreende o planejamento do atendimento previsto e a prestação de assistência aos pacientes nas diversas fases do desenvolvimento humano, com o treinamento de competências necessário para o adequado desenvolvimento da prática da profissão. Compreende também o treinamento para as práticas administrativas relacionadas ao serviço de enfermagem.

Objetivos:
1. Prestar de assistência/cuidados de enfermagem a nível ambulatorial ao paciente com fissura labiopalatina e/ou outras anomalias craniofaciais (FLP).desenvolvendo ações de enfermagem humanizadas, dentro dos aspectos éticos e legais pertinentes à profissão.
2. Participar de atividades de coordenação e planejamento ambulatorial, cirúrgico e de gerenciamento de materiais de consumo hospitalar.

NEPE – Assistência de Enfermagem em Ambulatório: (clique para fechar)

NEPE - Atuação da Enfermagem em Centro Cirúrgico e Central de Esterilização: (ver mais)

Compreende a observação e execução de ações de enfermagem em Central de Esterilização e cuidados peri-operatórios com os pacientes submetidos aos diversos tipos de cirurgias que fazem parte do processo de reabilitação, assim como o desenvolvimento de atividades educacionais dos pacientes e/ou familiares. Compreende também o treinamento para as práticas administrativas relacionadas ao serviço de enfermagem.

Objetivos:
1. Aperfeiçoar habilidades e competência para a assistência/cuidados de enfermagem ao paciente com fissura labiopalatina e/ou outras anomalias craniofaciais (FLP) no período peri-operatório, desenvolvendo ações de enfermagem humanizadas, dentro dos aspectos éticos e legais pertinentes à profissão.
2. Aperfeiçoar habilidades e competência para as atividades de limpeza, desinfecção preparo, esterilização, armazenamento e distribuição de materiais para cirurgia.
3. Participar de atividades de coordenação e planejamento do serviço de enfermagem na central de esterilização e centro Cirúrgico.

NEPE – Atuação da Enfermagem em Centro Cirúrgico e Central de Esterilização: (clique para fechar)

NEPE - Programas de Ensino, Pesquisa e Supervisão: (ver mais)

Compreende atividades de ensino e pesquisa, incluindo a supervisão dos residentes.

Objetivos:
1. Desenvolver pesquisas de enfermagem contribuindo para a construção de conhecimentos na área.
2. Colaborar com outros pesquisadores da área de enfermagem ou outros profissionais da equipe.
3. Aperfeiçoar a capacidade didática através de programas de educação em serviço e de saúde.
4. Adquirir e/ou aperfeiçoar a desenvoltura para divulgação de trabalhos técnico-científicos de enfermagem.

Conteúdo Programático:
Participação em eventos científicos.
Desenvolvimento de pesquisas sociais.
Participação em pesquisas interdisciplinares.
Organização e desenvolvimento de programa de educação em serviço para profissionais de enfermagem da Instituição.
Organização e desenvolvimento de programa de educação em saúde para pacientes com anomalias craniofaciais e familiares.

NEPE – Programas de Ensino, Pesquisa e Supervisão: (clique para fechar)

NEPE - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (ver mais)

ALMEIDA, F.A.; SABATÉS, A.L. (orgs) Enfermagem pediátrica: a criança, o adolescente e sua família no hospital. Barueri,/SP: Manole, 2008. 421 p.
ANDRADE, M. M. Introdução à metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação: 10. ed. São Paulo: Atlas, 2010.
ANJOS, M. F.; SIQUEIRA, J. E (orgs) Bioética no Brasil: tendências e perspectivas. Aparecida, SP: Idéias & Letras, 2007.
APECIH – Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar Esterilização de Artigos em Unidades de Saúde, 2ª Ed. 2003.
ARARUNA, R.C.; VENDRÚSCOLO, D. M. S. Alimentação da criança com fissura de lábio e/ou palato-um estudo bibliográfico. Ver. Latino-am.enfermagem, Ribeirão Preto, v.8, n.2, p.99-105, abril 2000.
ATKINSON, L D; MURRAY, M E. Fundamentos de Enfermagem. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 1989.
BARBIER, R. A Pesquisa-Ação. Brasília: Líber Livro. 2007. 159p. (Série Pesquisa, v.3).
BIAZON, J; PENICHE, A de C G. Estudo retrospectivo das complicações pós-operatórias em cirurgia primária de lábio e palato. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 42(3):519-25, 2008.
BRASIL. Ministério da Saúde. Humaniza SUS: política nacional de humanização – documento base para gestores e trabalhadores do SUS. – Brasília: Ministério da Saúde, 2004.
BRUNNER, L S; SUDDARTH, D S. Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 9º Ed., Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009.
CARVALHO, R de; BIANCHI, ER organizadoras. Enfermagem em centro cirúrgico e recuperação. Barueri, SP: Manole, 2007. 456 p.
CARVALHO,M.R.;TAMEZ,R.N.:Amamentação Bases Cientificas.2ª ed.Rio de Janeiro,Editora Guanabara S.A,2005.418 p.
CASSIANI, S. H. B. *Administração de medicamentos*. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 2000. 138p.
CHIZZOTTI, A. Pesquisa Qualitativa em Ciências Humanas e Sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006. 142p.
CHIZZOTTI, A. Pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. 9.ed. São Paulo: Cortez, 2008. 164p.
CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM, Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem, 1993.
CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM, Principais Legislações para o Exercício da Enfermagem. São Paulo, 1996.
COSTA, F.S. Estatística aplicada à pesquisa em educação. Brasília: Plano Ed., 2004. 80p. (Série Pesquisa em Educação, v.7).
CUNHA, KC (coord.). Gerenciamento na enfermagem: novas práticas e competências. São Paulo, Martinari, 2005.
DEMO, P. Pesquisa Participante: saber pensar e intervir juntos. Brasília: Líber Livro. 2004. 140p. (Série Pesquisa em Educação, v.8).
DEMO,P. Saber pensar. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2001.
DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM da NANDA definições e classificação. Porto Alegre: Artmed, 2008.
Diagnósticos de Enfermagem da NANDA: Definições e classificação 2007-2008. Trad. Regina Machado Garcez. Porto Alegre: Artmed; 2008.
DOCHTERMAN JM; BULLECHEK, GM. Classificação das intervenções de enfermagem: NIC. Trad. Regina Machado Garcez. 4a ed. Porto Alegre: Artmed; 2008.
FERNANDES, A. T; FERNANDES, M. O. V.; RIBEIRO FILHO, N.: *Infecção hospitalar e suas interfaces na área da saúde.* São Paulo: Atheneu, 2000. 2v.
FONTES, C M B Fissuras lábio-palatais: diagnósticos de enfermagem no pré e pós-operatório. Dissertação, Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, 2001, 146 p.
FORTES, J. I. *Enfermagem em emergências*. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 2006. 78p.
FRANCO, M.L.P.B. Análise do Conteúdo. Brasília: Plano Editora, 2003. 72p. (Série Pesquisa em Educação, v.6).
GARRAFA, V. & MELLO, D. R. 7 PORTO, D. Bioética e Vigilância Sanitária. Brasília: Anvisa, 2007.
Giovani, A.M.M. Enfermagem, cálculo e administração de medicamentos. São Paulo/SP: Rideel, 2012.407 p.
GRACIANO, M. I. G.; TAVANO, L. D.; BACHEGA, M. I. Aspectos psicossociais da reabilitação. In: TRINDADE, I. E. K.; SILVA FILHO, O. G. (Org.). Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Editora Santos, 2007. p.311-333.
GRIGOLLI, A.A.G. Metodologia do Trabalho Científico e Recursos Informacionais na Área da Saúde. São Paulo: editora Santos, 2008. 208p.
GUYTON, A . C.; HALL, J. E. Tratado de Fisiologia Médica. 10. ed. Guanabara Koogan, 2002
HARAD, M. de J.C.S. (orgs) Gestão em enfermagem: Ferramenta para a prática segura. COREN –SP/ São Caetano do Sul: Yendis – 2011.
HORTA, W. Processo de Enfermagem. São Paulo: EPU, 1979.
LOBIONDO-WOOD, G. & HABER, J. Pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação crítica e utilização. 4.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.
MALAGUTTI, W. Bioética e Enfermagem: controvérsias desafios e conquistas. Rio de Janeiro: Rubio, 2007.
MINAYO, M. C. S. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: _______. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 7 ed. Petrópolis: Vozes. 1994. p. 9-29 (Temas sociais).
MINAYO, M.C.S. O desafio do conhecimento. 9. ed. São Paulo: ABRASCO-HUCITEC, 2006.
MINAYO, M.C.S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9ª ed. Ver. E melhorada. São Paulo: Hucitec, 2006.
MONDINI, C C da S D. Avaliação da capacidade de cuidadores de lactentes com Sequencia de Robin. Tese, Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo, Bauru, 154 p. 2008.
MONDINI, C C da S D.; Marques, IL; Fontes, C M B; Thomé, S Nasopharyngeal intubation in Sequence Robin: technique and management. The Cleft Palate Craniofacial Journal, Pittsburgh, v 46, n 3, p. 258-261, may 2009.
OGUISSO, T, SCHMIDT, M. J. O exercício da enfermagem: uma abordagem ético-legal. São Paulo: LTR, 1999.
OGUISSO, T.; Zoboli, E. (orgs) Ética e bioética: desafios para a enfermagem e a saúde. Barueri – SP: Manole 2012.
PADILHA, KG.; VATTIMO, M. F.F.; SILVA, SC.; KIMURA, M. Enfermagem em UTI: cuidando do paciente crítico. Barueri, SP: Manole, 2010.
PADOVEZE, M. C; MONTE, M. C. C. D. *Esterilização de artigos em unidades de saúde*. 2. ed. São Paulo: Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar, 2003. 156p.
PEDREIRA, M da L G.; HARASA, M.de J C S. (org) Enfermagem dia a dia: Segurança do Paciente. São Caetano do Sul/SP: Yendis, 2009. 214p.
PEREIRA, M G. Epidemiologia Teórica e Prática, 3ª Reimpressão, Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2000.
POLIT, D., HUNGLER, B. Fundamentos de pesquisa em enfermagem. 3. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2002.
POSSARI, J F. Centro de Material e Esterilização: São Paulo: Iátria, 2003.
ROGANTE, M. M.; PADOVEZE, M. C. *Padronização, qualificação e aquisição de materiais e equipamentos médico-hospitalares*. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 2005. 136p.
SALES, P. R. Gestão de ambiente: responsabilidade de todos; benefícios e segurança para todos. Rev. Home Care Brasil 2008;16:2:12-3.
SALES, P. R. O HFAG e a evolução gerencial. Rev. Hosp Força Aérea Galeão 2003; (1):23-4.
SANTOS, B.S. Um discurso sobre as ciências. 6.ed. São Paulo: Cortez, 2007.
SEVERINO, A.J. Metodologia do trabalho científico. 23ed. rev. e atualizada. São Paulo: Cortez, 2007. 296p.
SOBECC. Práticas Recomendadas SOBECC- Centro Cirúrgico, Recuperação pós-Anestésica e Centro de Material e Esterilização. 5ª edição – 2009 Revisada e atualizada.
SZYMANSKI, H.(org.). A entrevista na Pesquisa em Educação: a prática reflexiva. Brasília: Líber Livro Ed. 2004. 87p. (Série Pesquisa em Educação, v.4).
TEIXEIRA, E. As três metodologias: acadêmica, da ciência e da pesquisa. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.
THOMÉ, S. Estudo da prática do aleitamento materno em crianças portadores de malformações congênitas de lábio e/ou palato. Ribeirão Preto, 1990. 245 p. Dissertação. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.
THOMÉ, S. O processo de amamentar para mães de crianças portadoras de malformação congênita de lábio e/ou palato segundo a perspectiva do Interacionismo Simbólico. 2003. Tese (Doutorado) – Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo.
TRINDADE, I. E. K.; SILVA FILHO, O. G. (coord.). Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Editora Santos, 2007. 337p.
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. HOSPITAL DE REABILITAÇÃO DE ANOMALIAS CRANIOFACIAIS. Guia de orientação para elaboração de monografia, dissertação e tese. Bauru: Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo, 2003.

NEPE – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (clique para fechar)

ENFERMAGEM (NEPE) (clique para fechar)

FONOAUDIOLOGIA (NEPF) (ver mais)

NEPF - Distúrbios de fala e audição nas FLP: (ver mais)

Cada residente terá oportunidade de participar de atividades práticas voltadas para o diagnóstico dos distúrbios da comunicação e deglutição num total de 40 horas semanais.

Objetivo:
Avaliar e planejar o tratamento dos distúrbios da comunicação e da deglutição de pacientes com anomalias craniofaciais.

O programa de atividades clínicas para diagnóstico dos distúrbios da comunicação e deglutição envolverá as seguintes atividades nos setores e serviços abaixo identificados:
Setor de Fonoaudiologia FALA
1. Avaliação de fala e linguagem, orientações preventivas e de administração alimentar em crianças menores de 4 anos em atendimento ambulatorial pré e pós palatoplastia primária;
2. Avaliação perceptiva da fala nas rotinas de pré-internação e retornos ambulatoriais pós palatoplastias primárias e secundárias;
3. Gravação da fala pré e pós fonoterapias e nos casos submetidos à correção cirúrgica da DVF;
4. Avaliação nasofaringoscópica e videofluoroscópica da velofaringe para o gerenciamento da disfunção velofaríngea durante os atendimentos ambulatoriais para definição de conduta de tratamento da DVF e após utilização de prótese de palato ou correção cirúrgica da DVF;
5. Terapia fonoaudiológica convencional e intensiva;
6. Realização de relatórios fonoaudiológicos com orientações para os profissionais que realizam o tratamento fonoaudiológico na cidade de origem;
7. Discussão de casos clínicos com as profissionais da equipe;
8. Participação em reuniões de Centro de Estudos com apresentação e discussão de casos clínicos e temas de interesse na área.
Setor de Fonoaudiologia AUDIÇÃO
Avaliação audiológica ambulatorial preventiva;
Avaliação Audiológica ambulatorial de controle;
Avaliação Audiológica na pré-internação.

NEPF – Distúrbios de fala e audição nas FLP: (clique para fechar)

NEPF - Fonoterapia Intensiva: (ver mais)

Os residentes terão a oportunidade de realizar terapia fonoaudiológica, em um programa intensivo, envolvendo entre 2 e 4 terapias diárias, em um período que poderá variar entre 2 e 6 semanas de atendimento fonoterapêutico com pacientes com disfunção velofaríngea e demais alterações de fala observadas em síndromes e anomalias craniofaciais incluindo fissura labiopalatina. Também haverá discussão de todos os casos em andamento, bem como acompanhamento dos mesmos, à distância, por meio de teleassistência, com o fonoaudiólogo ou responsável. Com isso, os residentes deverão estar em contato com a equipe interdisciplinar a fim de propiciara a reabilitação dos distúrbios da comunicação consequentes à DVF.

Objetivo:
Propiciar a atuação do fonoaudiólogo no processo de fonoterapia intensiva para a reabilitação da fala em indivíduos com disfunção velofaríngea.

Conteúdo Programático:
Intepretação da avaliação clínica e instrumental da fala para a indicação de procedimentos físicos ou funcionais para a reabilitação da DVF;
Utilização da prótese de palato como meio de reabilitação física e funcional da fala;
Discussão de casos com a equipe multi e interdisciplinar;
Documentação da fala antes e depois do processo de fonoterapia intensiva;
Elaboração de estratégias terapêuticas adequadas para cada caso;
Aplicação das estratégias terapêuticas e gerenciamentos dos resultados terapêuticos;
Orientações à família e definição de conduta para acompanhamento do caso;
Aplicação práticas dos princípios da Telessaúde – Telefonoaudiologia;

NEPF – Fonoterapia Intensiva: (clique para fechar)

NEPF - Gerenciamento das disfunções orofaciais nas síndromes e anomalias craniofaciais: (ver mais)

O residente terá a oportunidade de participar de atividades interdisciplinares práticas voltadas para o diagnóstico das alterações das funções orofaciais com enfoque na comunicação oral, respiração e alimentação nas síndromes e anomalias craniofaciais.

Objetivo:
Proporcionar atuação prática no que se refere ao desenvolvimento de habilidades para gerenciamento interdisciplinar das disfunções orofaciais em casos com síndromes e anomalias craniofaciais, numa visão interdisciplinar, desenvolvendo o raciocínio clínico necessário para a atuação fonoaudiológica, além de desenvolver, a partir da atuação clínica, conhecimento sobre o processo das funções e disfunções orofaciais, desenvolvendo habilidades para prevenção, diagnóstico e intervenção.

NEPF – Gerenciamento das disfunções orofaciais nas síndromes e anomalias craniofaciais: (clique para fechar)

NEPF - Gerenciamento de casos complexos no Serviço de Prótese de Palato e Laboratório de Fonética Experimental: (ver mais)

Esta disciplina visa propiciar experiências clínicas que permitam o desenvolvimento de conhecimentos sobre a prótese palato e a relação entre o tratamento protético da disfunção velofaríngea e a produção da fala. Os residentes terão a oportunidade de desenvolver habilidades para gerenciamento protético da disfunção velofaríngea e fístulas no palato envolvendo uso das próteses de palato e obturadores faríngeos em combinação com a terapia fonoaudiológica. A prática interdisciplinar nesta disciplina requer a atuação do fonoaudiólogo com as áreas de odontologia, medicina, psicologia, e serviço social.

Objetivos:
Desenvolver habilidades quanto a indicações e contraindicações para o uso de obturadores faríngeos e quanto ao processos de confecção e adaptação dos diversos tipos de prótese de palato.
Adquirir competência para atuar em equipe inter e transdiciplinar desenvolvendo habilidades para realização de exames complementares e para discussão de casos e acompanhamento dos trabalhos da equipe interdisciplinar fonoaudiologiaodontologia-cirurgia.

Conteúdo Programático:
Conhecimento da prótese palato e mecanismos da produção da fala.
Indicações e contraindicações das próteses de palato e obturadores faríngeos.
Tipos de próteses de palato.
Próteses de palato para auxílio nas terapias fonoaudiológicas.
Processos de confecção das próteses de palato e obturadores faríngeos.
Exames complementares que auxiliam na confecção da prótese de palato.
Exames realizados após a conclusão da prótese.
Intepretação da avaliação clínica e instrumental da fala para a indicação, confecção da prótese de palato. Utilização da prótese de palato como meio de reabilitação física e funcional da fala.
Discussão de caso com a equipe multi e interdisciplinar.
Treinamento na realização de prova terapêutica, terapia diagnóstica e intervenção fonoaudiológica com prótese de palato.

NEPF – Gerenciamento de casos complexos no Serviço de Prótese de Palato e Laboratório de Fonética Experimental: (clique para fechar)

NEPF - Prevenção e intervenção nos distúrbios da alimentação, deglutição e fala: (ver mais)

Cada residente terá oportunidade de participar de atividades práticas voltadas para o diagnóstico e intervenção dos distúrbios da alimentação, deglutição e da comunicação num total de 40 horas semanais.

Objetivo:
Avaliar e planejar o tratamento dos distúrbios da deglutição e da comunicação de pacientes com anomalias craniofaciais ou síndromes genéticas.

O programa de atividades clínicas para prevenção, diagnóstico e intervenção nos distúrbios da deglutição e da comunicação envolverá as seguintes atividades nos setores e serviços abaixo identificados:
Setor de Fonoaudiologia: Avaliação Clínica e Instrumental da Alimentação e Deglutição.
Setor de Internação: Avaliação Clínica e Instrumental da Alimentação e Deglutição em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e Unidade de Cuidados Especiais (UCE).
Setor de Fonoaudiologia – Clínica Robin: Avaliação Clínica da Comunicação Oral e Documentação Digital na Clínica Robin.
Setor de Fonoaudiologia: Intervenção Fonoaudiológica Preventiva.

NEPF – Prevenção e intervenção nos distúrbios da alimentação, deglutição e fala: (clique para fechar)

NEPF - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (ver mais)

Abraham SS, Wolf EL. Swallowing Physiology of Toddlers with Long-Term Tracheostomies: A Preliminary Study. Dysphagia 2000; 15:206–12.
AFERRI, HC. Avaliação das etapas de confecção da prótese de palato em crianças com fissura palatina [dissertação]. Bauru (SP), Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo, 2011.
ALMEIDA BK. Ocorrência do anel de Passavant com o uso do obturador faríngeo em indivíduos com fissura de palato [dissertação]. Bauru (SP): Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo; 2009. BISPO, NHM, WHITAKER ME, AFERRI HC, NEVES JDA, DUTKA JCR, PEGORARO-KROOK MI. Speech therapy for compensatory articulations and velopharyngeal function: a case report. J. Appl. Oral Sci., 2011; 19(6):679684.
Anderson KD, Cole A, Chuo CB, Phil D. Home Management of Upper Airway Obstruction in Pierre Robin Sequence Using a Nasopharyngeal Airway. Cleft Palate Craniofac J 2007; 44:269-73.
Antoneli MZ, Giacheti CM, Genaro KF, Zorzetto NL, Richieri-Costa A. Frontonasal dysplasia: clinical evaluation on audiological and brainstem electrophysiological profiles. Braz J Otorhinolaryngol. 2011;77(5):611-5. Bergonse GFR, Arakem FC, Vassoler TMF, Atresia de coana: análise de 16 casos – a experiência do HRACUSP de 2000 a 2004. Rev Bras Otorrinolaringol.2005 ; 71: 730-3.
Arvedson JC, Brodsky L. Pediatric swallowing and feending: assessment and management. 2nd ed. Australia: Singular, 2002.
Bordbar P, Blumenow W, Duncan C, Richardson D. Resonance and speech articulation after midface advancement in craniofacial dysostosis. J Craniofac Surg. 2012; 23(2): 100-3. Cohen MM, Rollnick Jr BR, Kaye CI. Oculoauriculovertebral spectrum: an update critique. Cleft Palate Craniofacial Journal, Pittsburgh, v. 26, p. 276-86, 1989.
BZOCH KR. A battery of clinical perceptual tests, techniques and observations for reliable clinical assessment evaluation, and management of 11 categorical aspects of cleft speech disorders In: Bzoch KR. Communicative disorders related to cleft lip and palate. Austin: Pro-ed, 2004.
BZOCH, K. R. Communicative disorders related to cleft lip and palate. 5ª ed., Austin: Pro-ed, 2004. DI NINNO CQMS, JESUS MSV. Terapia Fonoaudiológica para alterações de fala decorrentes de fissura labiopalatina. In: Di NINNO CQMS, JESUS MSV. Fissura Labiopalatina: Fundamentos para a Prática Fonoaudiológica. São Paulo: Roca, 2009.
CARVALHO-TELES V, PEGORARO-KROOK MI, LAURIS JRP. Speech evaluation with and without palatal obturator in patients submitted to maxillectomy. J. Appl. Oral Sci., 2006; 14(6):421-426.
Chau KH, Kung CM. Patient dose during videofluoroscopy swallowing studies in a Hong Kong public hospital. Dysphagia. 2009;24(4):387-90.
Cole A, Lynch P, Slator R. A New Grading of Pierre Robin Sequence. Cleft Palate Craniofac J 2008; 45:603-6. Costa MMB, Lemme EMO. Coordination of respiration and swallowing: functional pattern and relevance of vocal folds closure. Arq Gastroenterol. 2010; 47(1):42-8.
Costa MMB, Nova JLL, Carlos MT, Pereira AA, Koch HA. Videofluoroscopia: um novo método. Radiol Bras 1992; 25(1):11-8.
Crary MA, Mann GDC, Groher. Initial Psychometric Assessment of a Functional Oral Intake Scale for Dysphagia in Stroke Patients. Arch Phys Med Rehabil 2005 86:1516-20
DeMatteo C, Matovich D, Hjartarson A. Comparison of clinical and videofluoroscopic evaluation of children with feeding and swallowing difficulties Developmental Medicine & Child Neurology 2005;47: 149–57.
DI NINNO CQMS. Abordagem fonoaudiológica atual nas fissuras labiopalatinas. In: Britto ATBO. Livro de Fonoaudiologia. São José dos Campos: Pulso, 2005. p. 325-38.
DI NINNO, CQMS, JESUS, MSV. Abordagem fonoaudiológica atual nas fissuras labiopalatinas. São Paulo: Roca, 2009.
Drent LV, Pinto EALC . Problemas de alimentação em crianças com doença do refluxo gastroesofágico. Pró-Fono Revista de Atualização Científica. 2007; 19:59-66.
DUTKA JCR, UEMEOKA E, AFERRI HC, PEGORARA-KROOK MI, MARINO VCC. Total obturation of velopharynx for treatment of velopharyngeal hypodynamism: case report. Cleft Palate Craniofac J. In press, 2011. LOPES JFSM, PINTO JHN, ALMEIDA ALPF, LOPES MMW, DALBEN GS. Cleft palate obturation with Branemark protocol implant-supported fixed denture and removable obturator. Cleft Palate Craniofacial J. 2010;47(2):21115.
Firmin F. State-of-the-art autogenous ear reconstruction in cases of microtia. In: Staudenmaier R (ed): Aesthetics and functionality en ear reconstruction. Adv Otorhinolaryngol. Basel. Karger. 2010; vol 68; pp 2552.
Furkim AM, Duarte ST, Sacco AFB, Sória FS. O uso da ausculta cervical na inferência de aspiração traqueal em crianças com paralisia cerebral. Rev. CEFAC. 2009; 11:624-29.
GENARO KF, FUKUSHIRO AP, SUGUIMOTO, MLFCP. Avaliação e tratamento dos distúrbios da fala. In: Trindade IEK, Silva Filho OG. editores. Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Santos, 2007.
Genaro KF, Yamashita RP, Trindade IEK. Avaliação clínica e instrumental na fissura labiopalatina. In: Fernandes FDM, Mendes BCA, Navas ALPGP (org.). Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo, Roca. 2009. p. 456-477. Miguel HC, Genaro KF, Trindade IEK Avaliação perceptiva e instrumental da função velofaríngea na fissura de palato submucosa assintomática. Pró-Fono;19:105-12, 2007
GENARO KF, YAMASHITA RP, TRINDADE IEK. Avaliação clínica e instrumental na fissura labiopalatina. In: Ferreira LP, Befi-Lopes DM, Limongi SCO, organizadoras. Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo: Roca; 2004. p.456-77.
GOLDING-KUSHNER KJ. Therapy techniques for cleft palate speech and related disorders. San Diego: Singular Thompson Learning, 2001.
Gorlin JJ, Cohen Jr MM, Hennekan RC. Syndromes of the head and neck, London: Oxford University Press, 2001. p.790-7.
JESUS MSV, DI NINNO CQMS. Ampliando o olhar sobre a terapia fonoaudiológica para indivíduos com fissura labiopalatina. In: Di Ninno CQMS, Jesus MSV. Fissura Labiopalatina: Fundamentos para a Prática Fonoaudiológica. São Paulo: Roca, 2009.
JESUS MSV, PENIDO FA, VALENTE P. Avaliações Fonoaudiológicas Clínica e Instrumental em indivíduos com Fissura Labiopalatina. In: Di Ninno CQMS, Jesus MSV. Fissura Labiopalatina: Fundamentos para a Prática Fonoaudiológica. São Paulo: Roca, 2009.
Jones KL. Smith’s recognizable patterns of human malformation. California: Elsevier; 2006.
KUMMER AW. Cleft palate and craniofacial anomalies. ed. San Diego: Singular Thompson Learning; 2001. LIMA RC, SILVA EB, ROCHA CMG, FERREIRA RH. Síndromes associadas às fissuras labiopalatina: atuação fonoaudiológica In: Di Ninno, CQMS, Jesus, MSV. Fissura Labiopalatina: ¬ Fundamentos para a Prática Fonoaudiológica. São Paulo: Roca, 2009.
KUMMER AW. Cleft palate and craniofacial anomalies. ed. San Diego: Singular Thompson Learning; 2008. KUMMER, A.W. Cleft palate & craniofacial anomalies: effects on speech and resonance. San Diego: Singular, 2001.
Lefton-Greif MA, Carroll JL, Loughlin JM. Long-Term Follow-Up of Oropharyngeal Dysphagia in Children Without Apparent Risk Factors. Pediatric Pulmonology 2006; 41:1040–48 .
Leirião VHV; Oliveira RP, Marques IL. Relação entre o espessamento da dieta e riscos de aspiração laringotraqueal na seqüência de Pierre Robin. Anais: 1º Simpósio Internacional de Nutrologia Pediátrica; Março 16-18, 2006, São Paulo, v.1, p. 63.
Leslie P, Drinnan MJ, Finn P, Ford GA, Wilson JA. Reliability and validity of cervical auscultation: a controlled comparison using videofluoroscopy. Dysphagia. 2004;19:231-40.
Lim SH, Lieu PK, Phua SY, Seshadri R, Venketasubramanian N, Lee SH, et al.Accuracy of bedside clinical methods compared with fiberoptic endoscopic examination of swallowing (FEES) in determining the risk of aspiration in acute stroke patients. Dysphagia. 2001;16:1-6
LIMA RC, SILVA EB, ROCHA CMG, FERREIRA RH. Síndromes associadas às fissuras labiopalatina: atuação fonoaudiológica In: Di Ninno, CQMS, Jesus, MSV. Fissura Labiopalatina: Fundamentos para a Prática Fonoaudiológica. São Paulo: Roca, 2009.
Logemann JA. Evaluation and treatment of swallowing disorders. Am J Speech Lang Pathol 1994 ; 3: 41-44. Manrique D, Melo ECM, Buhler RB. Avaliação nasofibrolaringoscópica da deglutição em crianças. Rev Bras Otorrinolaringol 2001; 67: 796-801.
Marques IL, Barbieri MA, Betiol H. Etiopathogenesis of isolated with Robin sequence. Cleft Palate Craniofac J. 1998; 35: 517-25.
Marques IL, Prado-Oliveira R, Leirião VHV, Jorge JC, Souza L. Clinical and Fiberoptic Endoscopic Evaluation of Swallowing in Robin Sequence Treated with Nasopharyngeal Intubation. The Importance of Feeding Facilitating Techniques. DOI: 10.1597/09-002.1 (in press). Cleft Palate Craniofac J. 2010.
Marques IL, Sousa TV, Carneiro AF, Barbieri MA, Bettiol H, Gutierrez MRP. Clinical experience with infants with Robin sequence. A prospective study. Cleft Palate Craniofac J. 2001; 38:171-8.
Marques IL, Sousa TV, Carneiro AF, Peres SPBA, Barbieri MA, Bettiol H. Seqüência de Robin:protocolo único de tratamento. J. Pediatr. 2005; 81 : 14-22.
Marques IL, Sousa TV, Carneiro AF. A large experience with infants with Robin sequence. A prospective study on 159 cases. In: Transactions of the 9th International Congress on Cleft Palate And Related Craniofacial Anomalies; 2001 jun 25-29; Göteborg, Sweden, Göteborg:Cleft Palate Craniofacial Association; 2001. p.81-7. Marques IL, Peres SPBA, Bettiol H, Barbieri MA, Andréa M, Souza L. Growth of children with isolated Robin sequence treated by nasopharyngeal intubation; importance of a hypercaloric diet. Cleft Palate Craniofac J. 2004; 41:53-8.
Marques IL, Thomé S, Peres SPBA. Aspectos pediátricos. In: Trindade IEK, Silva Filho OG organizadores. Fissuras labiopalatinas uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Santos; 2007.p 51-71.
Marrara JL, Duca AP, Dantas RO, Trawitzki LVV, Lima RAC, Pereira JC. Swallowing in children with neurologic disorders: clinical and videofluoroscopic evaluations (original title: Deglutição em crianças com alterações neurológicas: avaliação clínica e videofluoroscópica). Pró-Fono Revista de Atualização Científica. 2008; 20:2316.
Martin-Harris B, Brodsky MB, Michel Y, Castell DO, Schleicher M, Sandidge J, Maxwell R, Blair J. MBS measurement tool for swallow impairment-MBSImp: establishing a standard. Dysphagia. 2008;23(4):392-405. Mondini CCSD, Marques IL, Fontes CMB, Thome S. Nasopharyngeal Intubation in Robin Sequence:Technique and Management .Cleft Palate Craniofac J 2009; 46: 258-61.
MCWILLIAMS, B. J.; MORRIS, H. L. & SHELTON, R. L. – Cleft palate speech. Philadelphia: Decker, 1984. PEGORARO-KROOK MI, DUTKA-SOUZA JCR, TELLES-MAGALHÃES LC, FENIMAN MR. Intervenção fonoaudiológica na fissura palatina. In: Ferreira LP, Befi-Lopes DM, Limongi SCO, organizadoras. Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo: Roca; 2004. p. 439-455.
MCWILLIAMS, B.J.; MORRIS, H. L. & SHELTON, R. L. ed. Velopharyngeal valving instrumentation for assessing the velopharyngeal mechanism. In.:Cleft Palate Speech. 2nd ed., Philadelphia, Decker, 1990. P. 163-96.
Nakata NMK. Síndromes genéticas e ambientais em distúrbios da audição.[Tese]. Bauru: Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo; 2006.
Nassar E, Marques IL, Trindade Junior AS, Bettiol H. Feeding-facilitating techniques for nursing infant with Robin Sequence. Cleft Palate Craniofac J. 2006; 43:55-60.
O’Neil KH, Purdy M, Falk J, Gallo L. The Dysphagia Outcome and Severity Scale. Dysphagia. 1999; 14:139– 145.
ORTELAN RR. Prótese de palato em sujeitos com disfunção velofaríngea: Expectativa e ansiedade [dissertação]. Bauru (SP): Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo; 2007.
Padovani AR, AndradeCRF Perfil funcional da deglutição em unidade de terapia intensiva clínica. Einstein. 2007; 5:358-62.
Padovani AR, Moraes DP, Mangili LD, AndradeCRF. Protocolo Fonoaudiológico de Avaliação do Risco para Disfagia (PARD ) Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2007;12:199-205
Paula A, Botelho I, Silva AA, Rezende, JMM, Farias C, Mendes L. Avaliação da disfagia pediátrica através da videoendoscopia da deglutição. Rev Bras Otorrinolaringol. 2002; 68: 91-96.
PEGORARO-KROOK, MI, AFERRI, HC, UEMEOKA, E. Prótese de Palato e Obturadores Faríngeos. In: Camila Queiroz de Moraes da Silveira Di Ninno e Marisa Viana Jesus. (Org.). Fissura Palatina: Fundamento para a prática fonoaudiológica. 1 ed. Belo Horizonte – MG: Roca, 2009, v. 1, p. 113-124.
PEGORARO-KROOK, MI. FENIMAN, MR, FUKUSHIRO, AP, DUTKA, JCR. Tratamento em Fissura Labiopalatina: Audição e Fala. In: Berretin-felix, G; Alvarenga, KF; Caldana, ML; Sant’Ana, NC; Santos, MJD; Santos, PRJ, Organizadoras. (RE)Habilitação Fonoaudiológica: Avaliação e Eficácia. Pulso editorial: SP 2009. P.276-287. PETERSON-FALZONE S.J, TROST-CARDAMONE JE, KARNELL, M.P.; HARDIN-JONES, M.A. (ed) Effects of cleft and non-cleft VPI on speech in older children. In: The clinician’s guide to treating cleft palate speech. Mosby 2006.
Pereira V, Sacher P, Ryan M, Hayward R. Dysphagia and Nutrition Problems in Infants With Apert Syndrome Cleft Palate Craniofac J, 2009; 46:285-291.
Peterson-Falzone S, Pruzansky S. Cleft palate and congenital palatopharyngeal incompetency in mandibulofacial dysostosis: frequency and problems in treatment. Cleft Palate J. 1976; 13:354-60.
PETERSON-FALZONE S.J, TROST-CARDAMONE JE, KARNELL, M.P.; HARDIN-JONES, M.A. (ed) Effects of cleft and non-cleft VPI on speech in older children. In: The clinician’s guide to treating cleft palate speech. Mosby 2006.
PETERSON-FALZONE SJ, HARDIN-JONES MA, KARNELL MP, EDITORS. Cleft Palate Speech. St Louis, Missouri: Mosby, 2001.
Peterson-Falzone SJ, Hardin-Jones MA, Karnell MP. Instrumental for assessing the velopharyngeal mechanism. In: Peterson-Falzone SJ, Hardin-Jones MA, Karnell MP, editor. Cleft Palate Speech. 3ª ed. St Louis, Missouri: Mosby, 2001. p. 243-72.
PETERSON-FALZONE, S.J.; TROST-CARDAMONE, J., KARNELL, M.P., HARDIN-JONES, M.A. The clinician´s guide to treating cleft palate speech. St Louis: Mosby; 2006.
PIAZENTIN-PENNA SHA, JORGE JC. Avaliação e Tratamento dos distúrbios da audição. In: Trindade IEK, Silva Filho OG. editores. Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Santos, 2007. SHPRINTZEN, R.; BARDACH, J. Cleft palate speech management: a multidisciplinary approach. St Louis: Mosby, 1995.
Pinheiro Neto CD, Alonso N, Sennes LU, Goldenberg DC, Santoro PP. Avaliação polissonográfica e de videoendoscopia da deglutição de pacientes portadores da sequência de Pierre-Robin. Braz J Otorhinolaryngol.2009;75(6):852-6.
PINTO JHN, DALBEN G, PEGORARO-KROOK MI. Speech intelligibility of patients with cleft lip and palate after placement of speech prosthesis. Cleft Palate Craniofac J. 2007; 44(6): 635-41.
PINTO JHN, PEGORARO-KROOK MI. Evaluation of palatal prosthesis for the treatment of velopharyngeal dysfunction. J Appl Oral Sci., 2003; 11(3): 192-7
Pitolli SVP. Investigação radiológica e tomográfica da mandíbula de indivíduos com anomalias de 1º e 2º arcos faríngeos. 2010. 164p. Tese (Doutorado – Área de concentração: Fissuras Orofaciais e Anomalias Relacionadas) – Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo, Bauru, 2010. Price N, Bahra M, Griffin D, Hanna G, Stock A. Cornelia de Lange Syndrome in association with a balanced reciprocal translocation involving chromosomes 3 and 5. Prenat Diagn. 2005;25: 602-3.
Santos RS, Macedo Filho ED. Sonar Doppler como Instrumento de Avaliação da Deglutição. Int. Otorrinolaringol. / Intl. Arch. Otorhinolaryngol.2006; 10: 182-91.
Sher AE. Mechanisms of airway obstruction in Robin Sequence: implications for treatment. Cleft Palate Craniofac J. 1992; 29:224-34.
Shipster C, Hearst D, Dockrel JE, Kilby E, Hayward R. Speech and language skills and cognitive functioning in children with Apert syndrome: a pilot study. Int J Lang Commun Disord. England 2002; 37(3): 325-343. Souza TV, Marques IL, Carneiro AF, Bettiol H, Freitas JA. Nasopharyngoscopy in Robin Sequence: clinical and predictive value. The Cleft Palate Craniofac J. 2003; 40: 618-623.
SOUZA OMV. Movimentação da faringe após o uso do obturador faríngeo [dissertação]. Bauru (SP): Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo; 2009.
Souza TV, Marques IL, Carneiro AF, Bettiol H, Freitas JA. Nasopharyngoscopy in Robin Sequence: clinical and predictive value. The Cleft Palate Craniofac J. 2003; 40: 618-623.
Tessier P. Anatomical classification facial, cranio-facial and latero-facial clefts. J Maxillofac Surg. 1976; 4(2): 69-92; Thompson JT, Anderson PJ, David DJ. Treacher Collins syndrome: protocol management from birth to maturity. J Craniofac Surg. 2009; 20(6):2028-35.
Trindade IEK, Silva Filho OG. Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Santos, 2007.
TRINDADE IEK, YAMASHITA RP, GONÇALVES, CGAB. Diagnóstico instrumental da disfunção velofaríngea. In: Trindade IEK, Silva Filho OG. editores. Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Santos, 2007.
Vendramini S. Avaliação genética-clínica e audiológica de indivíduos com anomalias de 1º e 2º arcos branquiais associados à anomalia radial. 2006. 175p. Dissertação (Mestrado em Ciências – Área de Concentração: Distúrbios da Comunicação Humana) – Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais – Universidade de São Paulo, Bauru, 2006.
Wan DC, Levi B, Kawamoto H, Tanna N, Tabit C, do Amaral CR, Bradley JP. Correction of hypertelorbitism: evaluation of relapse on long-term follow-up. J Craniofac Surg. 2012; 23(1): 113-7.
Weir K, McMahon S, Barry L, Ware R, Masters B, Chang AB. Oropharyngeal Aspiration and Pneumonia in Children. Pediatric Pulmonology. 2007;42:1024–31.

NEPF – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (clique para fechar)

FONOAUDIOLOGIA (NEPF) (clique para fechar)

ODONTOLOGIA (NEPO) (ver mais)

NEPO - Cirurgia Oral Menor: (ver mais)

Objetivo:
Observação e atendimento de pacientes na especialidade odontológica de Cirurgia Bucomaxilofacial.

Programa de atividades:
Atendimento a extração de dentes irrompidos e não irrompidos sob anestesia local.
Observação de enxertos ósseos, expansões maxilares cirurgicamente assistidas e cirurgias ortognáticas, sob anestesia geral; participação em planejamentos.
Observação de atendimento sob anestesia geral e atendimento clínico em extrações sob anestesia local.

NEPO – Cirurgia Oral Menor: (clique para fechar)

NEPO - Dentística: (ver mais)

Objetivo:
Observar e atender pacientes na especialidade odontológica de Dentística.

Programa de atividades:
Atendimento de pacientes ambulatoriais e pré-cirúrgicos para realização de restaurações simples de amálgama, resina composta e ionômero de vidro;
Observação de dentisteria no centro cirúrgico; acompanhamento da rotina de internação.
Atendimento Clínico.

NEPO – Dentística: (clique para fechar)

NEPO - Endodontia: (ver mais)

Objetivo:
Observação e atendimento de pacientes na especialidade odontológica de Endodontia.

Programa de atividades:
Observação e atendimento realizado a pacientes com fissuras labiopalatinas e sídromes.
Observação e atendimento Clínico.

NEPO – Endodontia: (clique para fechar)

NEPO - Implantodontia: (ver mais)

Objetivo:
Observação de pacientes na especialidade odontológica de Implantodontia.

Programa de atividades:
Observação de Cimentação de coroas provisórias;
confecção de coroas provisórias;
moldagens em geral;
participação em planejamentos;
observação de cirurgias para instalação de implantes.
Observação Clínica.

NEPO – Implantodontia: (clique para fechar)

NEPO - Odontologia em Saúde Coletiva: (ver mais)

Objetivo:
Observar e atender pacientes na especialidade odontológica de Odontologia em Saúde Coletiva.

Programa de atividades:
Orientação de higiene bucal para pacientes da clínica de Higienização, com fissuras labiopalatinas, usuários de próteses e aparelhos ortodônticos, e na internação em período pós-operatório.
Atendimento Clínico.

NEPO – Odontologia em Saúde Coletiva: (clique para fechar)

NEPO - Odontopediatria: (ver mais)

Objetivo:
Observar e atender pacientes na especialidade odontológica de Odontopediatria.

Programa de atividades:
Orientação de higiene bucal, dieta e transmissibilidade de cárie aos pais ou responsáveis de crianças de 0 a 3 anos, que comparecerem para atendimento na Clínica de Bebês;
controle de tratamento ambulatorial;
auxiliar os alunos do curso de Especialização em Odontopediatria;
observação de atendimentos na clínica de Odontopediatria;
auxiliar de atendimento odontológico sob anestesia geral.
Atendimento Clínico.

NEPO – Odontopediatria: (clique para fechar)

NEPO - Ortodontia: (ver mais)

Objetivo:
Observação de pacientes na especialidade odontológica de Ortodontia.

Programa de atividades:
Observação clínica e de planejamento de casos;
Observação da rotina de Caso Novo.
Atendimento Clínico.

NEPO – Ortodontia: (clique para fechar)

NEPO - Periodontia: (ver mais)

Objetivo:
Observar e atender pacientes na especialidade odontológica de Periodontia.

Programa de atividades:
Orientação de higiene bucal;
profilaxia profissional;
controle de tratamento periodontal;
raspagem e polimento corono-radicular;
remoção de sutura e troca de cimento cirúrgico;
auxiliar de atendimento odontológico sob anestesia geral.
Atendimento Clínico.

NEPO – Periodontia: (clique para fechar)

NEPO - Prótese de Palato: (ver mais)

Objetivo:
Observação de pacientes no ambulatório de Prótese de Palato.

Programa de atividades:
Discussão de casos com a equipe;
Observação de todas as etapas de confecção protética dos casos clínicos.
Observação Clínica.

NEPO – Prótese de Palato: (clique para fechar)

NEPO - Prótese Dentária: (ver mais)

Objetivo:
Observação de pacientes na especialidade odontológica de Prótese Dentária.

Programa de atividades:
Observação de Cimentação de coroas provisórias;
confecção de coroas provisórias;
moldagens em geral;
participação em planejamentos.
Observação Clínica.

NEPO – Prótese Dentária: (clique para fechar)

NEPO - Prótese Extraoral: (ver mais)

Objetivo:
Observação de pacientes no ambulatório de Prótese Extra-Oral.

Programa de atividades:
Discussão de casos com a equipe;
observação de todas as etapas de confecção protética dos casos clínicos;
observação do atendimento dos pacientes do setor, após conclusão da etapa de observação.
Confecção em laboratório de próteses oculares e modeladores de cavidade;
confecção em laboratório de prótese extra-orais sobre implantes.
Observação clínica.

NEPO – Prótese Extraoral: (clique para fechar)

NEPO - Radiologia: (ver mais)

Objetivo:
Observação de pacientes na especialidade odontológica de Radiologia.

Programa de atividades:
Observação de realização de tomadas radiográficas odontológicas;
emissão de laudos radiográficos;
processamento de radiografias;
acompanhamento na realização de tomografias da face;
processamento de imagens digitais;
elaboração de laudos em imagens digitais.
Observação Clínica.

NEPO – Radiologia: (clique para fechar)

NEPO - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (ver mais)

TRINDADE, I.E.K; SILVA FILHO, O.G DA (orgs). Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Ed. Santos, 2007.

NEPO – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (clique para fechar)

ODONTOLOGIA (NEPO) (clique para fechar)

PSICOLOGIA (NEPP) (ver mais)

NEPP - Atendimento / Ambulatório: Setor de Internação U.C.E. (Unidade de Cuidados Especiais); Ambulatório - Fissura; e Ambulatório - Anomalias Craniofaciais - S.Pierre Robin: (ver mais)

Objetivo:
1. Atender a demanda relacionada aos casos em andamento.
2. Orientar pais e pacientes em situação pré e pós operatória, possibilitar espaço recreativo, lúdico, de descanso e reflexão.

Descrição do Serviço Psicológico:
1. Caracterização dos problemas, condução e acompanhamento dos casos em andamento.
2. Adoção de Atividades Remediativas de Estimulação Psicomotora para crianças em fase do ensino fundamental. Emprego de atividades focadas nas habilidades cognitivas e/ou psicossociais específicas, com ações planejadas para um ou mais encontros.

NEPP – Atendimento / Ambulatório: Setor de Internação U.C.E. (Unidade de Cuidados Especiais); Ambulatório – Fissura; e Ambulatório – Anomalias Craniofaciais – S.Pierre Robin: (clique para fechar)

NEPP - Estimulação - Orientação/Internação: Ambulatório - U.C.E (não internação) e Recreação: (ver mais)

Objetivo:
1. Realizar atendimentos psicológicos com o emprego de procedimentos de avaliação e reabilitação da criança com deficiência auditiva, em rotina no setor de Implante Coclear.
2. Destina-se ao treinamento de competências e orientações sobre a prática profissionalizante.

Descrição do Serviço Psicológico:
1. Emprego técnicas de avaliação do desenvolvimento motor, cognitivo, da comunicação, socialização e auto-cuidado, de crianças na faixa etária de zero a seis anos. Procedimentos de orientação à família, referente ao ajustamento psicossocial.
2. Discussão de casos e outras atividades práticas, com a participação de preceptores e tutoria, em reuniões sistemáticas.

NEPP – Estimulação – Orientação/Internação: Ambulatório – U.C.E (não internação) e Recreação: (clique para fechar)

NEPP - Estudo Temático / Supervisão: Centro de Pesquisas Audiológicas - C.P.A.; Supervisão: (ver mais)

Objetivo:
1. Realizar atendimentos psicológicos com o emprego de procedimentos de avaliação e reabilitação da criança com deficiência auditiva, em rotina no setor de Implante Coclear.
2. Destina-se ao treinamento de competências e orientações sobre a prática profissionalizante.

Descrição do Serviço Psicológico:
1. Emprego técnicas de avaliação do desenvolvimento motor, cognitivo, da comunicação, socialização e auto-cuidado, de crianças na faixa etária de zero a seis anos. Procedimentos de orientação à família, referente ao ajustamento psicossocial.
2. Discussão de casos e outras atividades práticas, com a participação de preceptores e tutoria, em reuniões sistemáticas.

NEPP – Estudo Temático / Supervisão: Centro de Pesquisas Audiológicas – C.P.A.; Supervisão: (clique para fechar)

NEPP - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (ver mais)

HUTZ, C.S. (Org.) Avanços em Avaliação psicológica e Neuropsicológica de crianças e adolescentes. SP:Casa do Psicólogo, 2010.
MELLO, C.B., MIRANDA, M.C. e MUSZKAT, M.C. Neuropsicologia do Desenvolvimento.SP:Memnon, 2006.
TRINDADE, I.E.K. e SILVA FILHO, O.G. Fissuras Labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. SP:Santos, 2007.

NEPP – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (clique para fechar)

PSICOLOGIA (NEPP) (clique para fechar)

SERVIÇO SOCIAL (NEPSS) (ver mais)

NEPSS - Programas de Ensino e Pesquisa do Serviço Social: (ver mais)

Compreende atividades de ensino e pesquisa, incluindo a supervisão dos residentes.

Programas Objetivos:
Organização e participação em eventos científicos Divulgar trabalhos técnico-científicos do Serviço Social em diferentes eventos (nacionais e internacionais), participando do processo de reciclagem, de formação e troca de experiências entre profissionais e pesquisadores.
Desenvolvimento de pesquisas sociais Desenvolver e/ou (co)orientar pesquisas de Serviço Social, contribuindo para a construção de conhecimentos na área
Participação em pesquisas interdisciplinares Colaborar na análise da realidade social.

NEPSS – Programas de Ensino e Pesquisa do Serviço Social: (clique para fechar)

NEPSS - Serviço Social Ambulatorial, Internos: Ambulatorial; e Internos: (ver mais)

Compreende os atendimentos individuais e grupais aos casos novos e em seguimento no HRAC-USP. Compreende os atendimentos individuais, grupais e visitas aos leitos da Unidade de Internação. Atendimento diário com escala de plantões aos finais de semana e feriados.

Programas Objetivos:
1. Ambulatorial
    • Acolhimento e atendimento de casos novos Contribuir no processo de humanização e acolhimento aos casos novos preparando-os para o início e seguimento do tratamento.
    • Atendimento ambulatorial: plantão social “in loco” e agendamento Atender as demandas sociais dos usuários prestando assistência e serviços sociais enquanto direito de cidadania.
    • Acolhimento e humanização na sala de espera: “Sinta-se em casa” Qualificar o tempo na sala de espera por meio de atividades educativas, culturais e recreativas.
    • Atendimento à gestante e familiares com diagnóstico de bebê portador de anomalia craniofacial (ultrassonografia) Prestar apoio psicossocial e orientação a gestante e/ou família.
    • Atendimento social a casos de Bauru (“Projeto Bauru”) e Região Prestar acolhimento, atendimento e assistência contínua a casos novos e em seguimento; prevenir e intervir nos casos de abandono de tratamento e propiciar a adoção nacional ou internacional nos casos de abandono familiar.
2. Internos
    • Programas/Indicadores Objetivos.
    • Integração e dinamização hospitalar (internação, acompanhamento, alta e óbito) Prestar apoio psicossocial e contribuir no processo de integração e humanização durante o período de internação.
    • Assistência hospitalar aos usuários: plantão social “in loco” e emergencial Atender as demandas sociais dos usuários no período de hospitalização prestando assistência e serviços sociais.
    • Acolhimento e humanização de acompanhantes da Unidade de Cuidados Especiais (U.C.E.) e da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) – “Bem Estar” Favorecer a convivência social grupal, proporcionando acolhimento, integração e humanização durante o período de internação.

NEPSS – Serviço Social Ambulatorial, Internos: Ambulatorial; e Internos: (clique para fechar)

NEPSS - Serviço Social de Projetos Comunitários: (ver mais)

Compreende atendimentos individuais, grupais e procedimentos indiretos aos diferentes programas.

Programas Objetivos:
Agentes multiplicadores: pais coordenadores Capacitar pais e/ou pacientes adultos para atuarem no país como agentes multiplicadores do HRAC.
Parceria com Prefeituras Municipais Manter intercâmbio com as prefeituras municipais viabilizando o encaminhamento de casos, bem como apoio locomoção e designação de representantes do Serviço Social para a parceria.
Carona Amiga Propiciar a união das pessoas e racionalização de uso de transporte, agrupando os pacientes por município, de forma a facilitar o processo de reabilitação e organização popular.
Capacitação de representantes comunitários Capacitar profissionais dos diversos municípios para atuarem como representantes comunitários, visando apoio no processo de reabilitação.
Parceria com Promotorias Públicas Prevenir e/ou intervir nos casos de abandono de tratamento, assegurando-lhes direitos de cidadania.
Prevenção e intervenção a casos de abandono de tratamento Viabilizar o acesso e seguimento do tratamento dos usuários do HRAC, visando sua inclusão.
Assessoria às associações, núcleos e subsedes do país Colaborar no processo de capacitação de recursos humanos com as associações e núcleos.
Assessoria à REDE PROFIS (Rede Nacional de Associações de Pais e Portadores de Fissuras Lábio Palatais) Participar nas ações de fortalecimento da REDE PROFIS, cujo objetivo é congregar, integrar, representar e defender os interesses institucionais de suas associadas.
Mobilização do Tratamento Fora do Domicílio (TFD) do Sistema Único de Saúde (SUS) Assegurar o benefício – TFD – aos usuários do SUS, (passagens de ida e volta e ajuda de custo ao paciente/ acompanhante em tratamento no HRAC).
Assistência social integrada: HRAC e PROFIS Desenvolver programas de assistência integrados entre o HRAC e PROFIS, viabilizando o acesso e a continuidade do tratamento através da mediação do Serviço Social.

NEPSS – Serviço Social de Projetos Comunitários: (clique para fechar)

NEPSS - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (ver mais)

CONSELHO FEDERAL DO SERVIÇO SOCIAL. Código de ética do/a assistente social, Lei 8.662/93 de regulamentação da profissão. 10 ed. rev. atual. Brasília: Conselho Federal do Serviço Social, 2012. 60p. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/CEP_CFESS-SITE.pdf. Acesso em: 7 jun 2013
CONSELHO FEDERAL DO SERVIÇO SOCIAL. Diretrizes curriculares para o curso de Serviço Social. Resolução n° 15, de 13 de março de 2002. Disponível em: http://www.cfess.org.br/visualizar/menu/local/diretrizes-curriculares. Acesso em: 19 de maio 2015
CONSELHO FEDERAL DO SERVIÇO SOCIAL. Parâmetros para a atuação de assistentes sociais na política de saúde. Brasília: Conselho Federal do Serviço Social, 2014. 79p. (Série: Trabalho e Projeto Profissional nas Políticas Sociais).
GRACIANO, M.I.G, et al. Plano de Ação do Serviço Social: Manual de Serviços do Programa de Anomalias Craniofaciais. Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo. Bauru, 2013/2014. 76 p.
GRACIANO, M.I.G. Desafios do Serviço Social no Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo: Assistência, Ensino e Pesquisa. In: Serviço Social Hospitalar. São Paulo: FMUSP. V.6-7. 1999/2000. p.17-24.
TRINDADE, I. E. K.; SILVA FILHO, O. G. da. (Coord.). Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Editora Santos, 2007. 337p.

NEPSS – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (clique para fechar)

SERVIÇO SOCIAL (NEPSS) (clique para fechar)

NÚCLEOS ESPECÍFICOS PRÁTICOS (NEP), para alunos R-1 e R-2, divididos por especialidades: (clique para fechar)

NÚCLEOS ESPECÍFICOS TEÓRICOS (NET), para alunos R-2, divididos por especialidades: (ver mais)

ENFERMAGEM (NETE) (ver mais)

NETE - Assistência de Enfermagem nas FLP e anomalias craniofaciais: (ver mais)

A disciplina será conduzida de forma a subsidiar os alunos para a prestação de cuidados de enfermagem através do aprofundamento e atualização de conhecimentos técnico-científicos de enfermagem e anomalias craniofaciais, em especial as fissuras labiopalatinas, com enfoque na qualidade e integralidade da assistência/cuidado de enfermagem de forma humanística, ao indivíduo em todas as fases de desenvolvimento, família e sociedade. Destina ainda, enfoque especial à importância da participação da família e das relações de interdisciplinaridade para a atuação competente do profissional de enfermagem.

Objetivos:
1. Instrumentalizar os alunos para a prestação de assistência/cuidados de enfermagem a nível ambulatorial e de internação, ao paciente com fissura labiopalatina e/ou outras anomalias craniofaciais (FLP).
2. Fornecer meios para que os alunos desenvolvam ações de enfermagem humanizadas, baseadas em conhecimentos técnicos-científicos atualizados sobre o trabalho em equipe e a sistematização da assistência de enfermagem ao paciente com FLP.

Conteúdo Programático:
1. Primeiros cuidados com o RN que apresenta FLP.
2. Assistência/cuidados perioperatórios de enfermagem ao paciente com FLP.
3. Desenvolvimento de ações de enfermagem no contexto multiprofissional.
4. Sistematização da Assistência de Enfermagem no processo de cuidar do paciente com FLP.
5. Importância dos registros em saúde.
6. Atuação do enfermeiro nas urgências/emergências junto aos pacientes com FLP.
7. Prestação de cuidados especiais a pacientes com FLP.

NETE – Assistência de Enfermagem nas FLP e anomalias craniofaciais: (clique para fechar)

NETE - Ética, bioética e organização de serviços de Enfermagem: (ver mais)

A disciplina pretende oferecer introdução a alguns dos principais temas e problemas dos fundamentos éticos – filosóficos.
O Conflito ético e as situações de vida e morte, estimulando atitude reflexiva perante. Explicitação dos fundamentos da Ética e Bioética, Código de Ética dos profissionais de Enfermagem, bem como estudo de situações éticas e o modo de ação.
Planejamento geral acerca do funcionamento e Organização de Serviços de Enfermagem (área física, equipamentos e legislação) e tecnologia de saúde.

Objetivos:
1- Analisar e refletir sobre os princípios ético-filosóficos relacionados com a Profissão de Enfermagem, bem como situações éticas emergidas do cotidiano profissional.
2- Discutir o código de Ética dos Profissionais da Enfermagem e Lei do Exercício profissional.
3- Discutir a organização hospitalar e do Serviço de Enfermagem.

Conteúdo Programático:
1- A Ética e Bioética na Enfermagem.
2- A Ética, moral, valores, vontade, autonomia, liberdade.
3- Responsabilidades e verdade, respeito e reciprocidade.
4- Ética Profissional e Lei do Exercício dos Profissionais de Enfermagem.
5- Declaração Universal dos Direitos Humanos.
6- Planejamento e Organização Hospitalar e do Serviço de Enfermagem.
7- Modelos gerenciais e Gestão de Qualidade.
8- Relações de trabalho e o gerenciamento de qualidade dos Serviços.

NETE – Ética, bioética e organização de serviços de Enfermagem: (clique para fechar)

NETE - Pesquisa em Enfermagem: Orientação, elaboração e apresentação do TCC: (ver mais)

A disciplina será conduzida de forma a proporcionar ao aluno a revisão e o aprimoramento de conhecimentos relativos às estruturas básicas de projeto e desenvolvimento da pesquisa para a realização TCC. Para tanto, a abordagem envolverá os critérios de seleção do tema, da problemática, do percurso metodológico e bibliográfico.

Objetivo:
Capacitar o aluno para a realização de pesquisas em situações concretas da realidade, sistematizando a elaboração do projeto de pesquisa, a coleta, análise e interpretação de dados bem como do relatório de pesquisa sob a forma de trabalho científico.

NETE – Pesquisa em Enfermagem: Orientação, elaboração e apresentação do TCC: (clique para fechar)

NETE - Seminário de Acompanhamento e Avaliação do Programa II: (ver mais)

Objetivos:
Acompanhar o desenvolvimento do programa de residência em Síndromes e Anomalias Craniofaciais.
Identificar junto aos residentes, preceptores e tutores, as dificuldades e facilidades encontradas.
Levantar necessidades de adequações a fim de aperfeiçoar o andamento do programa e a formação dos residentes.
Colher sugestões dos residentes, preceptores, tutores, docentes e colaboradores, que contribuam para o melhor desenvolvimento do programa de residência.

Programa de atividades:
Reuniões com os residentes ao final de cada bimestre, para discussão sobre o andamento do programa e disponibilização dos questionários a serem preenchidos e devolvidos posteriormente.
Reuniões bimestrais da Coremu, com todos os tutores, oportunizando discussão dos resultados das avaliações.
Reuniões periódicas sempre que necessário, dos tutores com os preceptores de cada área, para orientação, esclarecimento de dúvidas e discussão de propostas de melhoria.
Reuniões eventuais com todos os preceptores, para acompanhamento das atividades (no mínimo uma a cada semestre).

NETE – Seminário de Acompanhamento e Avaliação do Programa II: (clique para fechar)

NETE - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (ver mais)

ALMEIDA, F.A.; SABATÉS, A.L. (orgs) Enfermagem pediátrica: a criança, o adolescente e sua família no hospital. Barueri,/SP: Manole, 2008. 421 p.
ANDRADE, M. M. Introdução à metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação: 10. ed. São Paulo: Atlas, 2010.
ANJOS, M. F.; SIQUEIRA, J. E (orgs) Bioética no Brasil: tendências e perspectivas. Aparecida, SP: Idéias & Letras, 2007.
APECIH – Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar Esterilização de Artigos em Unidades de Saúde, 2ª Ed. 2003.
ARARUNA, R.C.; VENDRÚSCOLO, D. M. S. Alimentação da criança com fissura de lábio e/ou palato-um estudo bibliográfico. Ver. Latino-am.enfermagem, Ribeirão Preto, v.8, n.2, p.99-105, abril 2000.
ATKINSON, L D; MURRAY, M E. Fundamentos de Enfermagem. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 1989.
BARBIER, R. A Pesquisa-Ação. Brasília: Líber Livro. 2007. 159p. (Série Pesquisa, v.3).
BIAZON, J; PENICHE, A de C G. Estudo retrospectivo das complicações pós-operatórias em cirurgia primária de lábio e palato. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 42(3):519-25, 2008.
BRASIL. Ministério da Saúde. Humaniza SUS: política nacional de humanização – documento base para gestores e trabalhadores do SUS. – Brasília: Ministério da Saúde, 2004.
BRUNNER, L S; SUDDARTH, D S. Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 9º Ed., Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009.
CARVALHO, R de; BIANCHI, ER organizadoras. Enfermagem em centro cirúrgico e recuperação. Barueri, SP: Manole, 2007. 456 p.
CARVALHO,M.R.;TAMEZ,R.N.:Amamentação Bases Cientificas.2ª ed.Rio de Janeiro,Editora Guanabara S.A,2005.418 p.
CASSIANI, S. H. B. *Administração de medicamentos*. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 2000. 138p.
CHIZZOTTI, A. Pesquisa Qualitativa em Ciências Humanas e Sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006. 142p.
CHIZZOTTI, A. Pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. 9.ed. São Paulo: Cortez, 2008. 164p.
CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM, Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem, 1993.
CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM, Principais Legislações para o Exercício da Enfermagem. São Paulo, 1996.
COSTA, F.S. Estatística aplicada à pesquisa em educação. Brasília: Plano Ed., 2004. 80p. (Série Pesquisa em Educação, v.7).
CUNHA, KC (coord.). Gerenciamento na enfermagem: novas práticas e competências. São Paulo, Martinari, 2005.
DEMO, P. Pesquisa Participante: saber pensar e intervir juntos. Brasília: Líber Livro. 2004. 140p. (Série Pesquisa em Educação, v.8).
DEMO,P. Saber pensar. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2001.
DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM da NANDA definições e classificação. Porto Alegre: Artmed, 2008.
Diagnósticos de Enfermagem da NANDA: Definições e classificação 2007-2008. Trad. Regina Machado Garcez. Porto Alegre: Artmed; 2008.
DOCHTERMAN JM; BULLECHEK, GM. Classificação das intervenções de enfermagem: NIC. Trad. Regina Machado Garcez. 4a ed. Porto Alegre: Artmed; 2008.
FERNANDES, A. T; FERNANDES, M. O. V.; RIBEIRO FILHO, N.: *Infecção hospitalar e suas interfaces na área da saúde.* São Paulo: Atheneu, 2000. 2v.
FONTES, C M B Fissuras lábio-palatais: diagnósticos de enfermagem no pré e pós-operatório. Dissertação, Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, 2001, 146 p.
FORTES, J. I. *Enfermagem em emergências*. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 2006. 78p.
FRANCO, M.L.P.B. Análise do Conteúdo. Brasília: Plano Editora, 2003. 72p. (Série Pesquisa em Educação, v.6).
GARRAFA, V. & MELLO, D. R. 7 PORTO, D. Bioética e Vigilância Sanitária. Brasília: Anvisa, 2007.
Giovani, A.M.M. Enfermagem, cálculo e administração de medicamentos. São Paulo/SP: Rideel, 2012.407 p.
GRACIANO, M. I. G.; TAVANO, L. D.; BACHEGA, M. I. Aspectos psicossociais da reabilitação. In: TRINDADE, I. E. K.; SILVA FILHO, O. G. (Org.). Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Editora Santos, 2007. p.311-333.
GRIGOLLI, A.A.G. Metodologia do Trabalho Científico e Recursos Informacionais na Área da Saúde. São Paulo: editora Santos, 2008. 208p.
GUYTON, A . C.; HALL, J. E. Tratado de Fisiologia Médica. 10. ed. Guanabara Koogan, 2002
HARAD, M. de J.C.S. (orgs) Gestão em enfermagem: Ferramenta para a prática segura. COREN –SP/ São Caetano do Sul: Yendis – 2011.
HORTA, W. Processo de Enfermagem. São Paulo: EPU, 1979.
LOBIONDO-WOOD, G. & HABER, J. Pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação crítica e utilização. 4.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.
MALAGUTTI, W. Bioética e Enfermagem: controvérsias desafios e conquistas. Rio de Janeiro: Rubio, 2007.
MINAYO, M. C. S. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: _______. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 7 ed. Petrópolis: Vozes. 1994. p. 9-29 (Temas sociais).
MINAYO, M.C.S. O desafio do conhecimento. 9. ed. São Paulo: ABRASCO-HUCITEC, 2006.
MINAYO, M.C.S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9ª ed. Ver. E melhorada. São Paulo: Hucitec, 2006.
MONDINI, C C da S D. Avaliação da capacidade de cuidadores de lactentes com Sequencia de Robin. Tese, Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo, Bauru, 154 p. 2008.
MONDINI, C C da S D.; Marques, IL; Fontes, C M B; Thomé, S Nasopharyngeal intubation in Sequence Robin: technique and management. The Cleft Palate Craniofacial Journal, Pittsburgh, v 46, n 3, p. 258-261, may 2009.
OGUISSO, T, SCHMIDT, M. J. O exercício da enfermagem: uma abordagem ético-legal. São Paulo: LTR, 1999.
OGUISSO, T.; Zoboli, E. (orgs) Ética e bioética: desafios para a enfermagem e a saúde. Barueri – SP: Manole 2012.
PADILHA, KG.; VATTIMO, M. F.F.; SILVA, SC.; KIMURA, M. Enfermagem em UTI: cuidando do paciente crítico. Barueri, SP: Manole, 2010.
PADOVEZE, M. C; MONTE, M. C. C. D. *Esterilização de artigos em unidades de saúde*. 2. ed. São Paulo: Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar, 2003. 156p.
PEDREIRA, M da L G.; HARASA, M.de J C S. (org) Enfermagem dia a dia: Segurança do Paciente. São Caetano do Sul/SP: Yendis, 2009. 214p.
PEREIRA, M G. Epidemiologia Teórica e Prática, 3ª Reimpressão, Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2000.
POLIT, D., HUNGLER, B. Fundamentos de pesquisa em enfermagem. 3. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2002.
POSSARI, J F. Centro de Material e Esterilização: São Paulo: Iátria, 2003.
ROGANTE, M. M.; PADOVEZE, M. C. *Padronização, qualificação e aquisição de materiais e equipamentos médico-hospitalares*. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 2005. 136p.
SALES, P. R. Gestão de ambiente: responsabilidade de todos; benefícios e segurança para todos. Rev. Home Care Brasil 2008;16:2:12-3.
SALES, P. R. O HFAG e a evolução gerencial. Rev. Hosp Força Aérea Galeão 2003; (1):23-4.
SANTOS, B.S. Um discurso sobre as ciências. 6.ed. São Paulo: Cortez, 2007.
SEVERINO, A.J. Metodologia do trabalho científico. 23ed. rev. e atualizada. São Paulo: Cortez, 2007. 296p.
SOBECC. Práticas Recomendadas SOBECC- Centro Cirúrgico, Recuperação pós-Anestésica e Centro de Material e Esterilização. 5ª edição – 2009 Revisada e atualizada.
SZYMANSKI, H.(org.). A entrevista na Pesquisa em Educação: a prática reflexiva. Brasília: Líber Livro Ed. 2004. 87p. (Série Pesquisa em Educação, v.4).
TEIXEIRA, E. As três metodologias: acadêmica, da ciência e da pesquisa. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.
THOMÉ, S. Estudo da prática do aleitamento materno em crianças portadores de malformações congênitas de lábio e/ou palato. Ribeirão Preto, 1990. 245 p. Dissertação. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.
THOMÉ, S. O processo de amamentar para mães de crianças portadoras de malformação congênita de lábio e/ou palato segundo a perspectiva do Interacionismo Simbólico. 2003. Tese (Doutorado) – Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo.
TRINDADE, I. E. K.; SILVA FILHO, O. G. (coord.). Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Editora Santos, 2007. 337p.
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. HOSPITAL DE REABILITAÇÃO DE ANOMALIAS CRANIOFACIAIS. Guia de orientação para elaboração de monografia, dissertação e tese. Bauru: Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo, 2003.

NETE – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (clique para fechar)

ENFERMAGEM (NETE) (clique para fechar)

FONOAUDIOLOGIA (NETF) (ver mais)

NETF - Distúrbios fala e audição na FLP: (ver mais)

A disciplina envolve o conteúdo relacionado a prevenção, diagnóstico e tratamento dos distúrbios da fala e audição em indivíduos com fissura labiopalatina e anomalias craniofaciais relacionadas. Serão abordados conteúdos teóricos e práticos sobre as alterações de linguagem, distúrbios da fala e ressonância relacionados à disfunção velofaríngea, avaliação fonorticulatória, avaliação instrumental da velofaringe, prevenção do desenvolvimento de articulações compensatórias, diagnóstico dos distúrbios auditivos e tratamento dos distúrbios da fala e linguagem.

Objetivos:
Desenvolver o conhecimento sobre a avaliação das habilidades de linguagem e intervenção fonoaudiológica a tempo, diagnóstico e tratamento dos distúrbios articulatórios compensatórios e da ressonância da fala relacionado às fissuras labiopalatinas e anomalias craniofaciais, e avaliação da audição;
Desenvolver a capacidade do residente em interpretar os exames diagnósticos da audição, da fala e da função velofaríngea;
Desenvolver o raciocínio clínico, a partir dos resultados obtidos nas avaliações, para que ele estabeleça uma conduta terapêutica adequada para cada caso;
Favorecer a aplicação de técnicas terapêuticas adequadas para a reabilitação da fala e linguagem; Promover a discussão de casos clínicos que envolvam os aspectos estudados na teoria; Capacitar o aluno a desenvolver um trabalho inter e multidisciplinar.

Conteúdo Programático:
1. Avaliação das habilidades de linguagem e intervenção fonoaudiológica a tempo;
2. Orientação quanto a administração alimentar;
3. Proposta de prevenção das articulações compensatórias;
4. Avaliação fonoarticulatória e análise de gravações da fala;
5. Avaliação instrumental da função velofaríngea: nasofaringoscopia e videofluoroscopia;
6. Planejamento terapêutico para os distúrbios da fala;
7. Avaliação dos distúrbios da audição: avaliação audiológica, entrevista audiológica; inspeção visual do meato acústico externo; audiometria tonal limiar ; avaliação audiológica comportamental; medidas da imitância acústica; avaliação eletrofisiológica;
8. Documentação clínica e interface com outras especialidades.

NETF – Distúrbios fala e audição na FLP: (clique para fechar)

NETF - Gerenciamento das disfunções orofaciais nas síndromes e anomalias craniofaciais: (ver mais)

A disciplina envolve conteúdo relacionado à interdisciplinaridade voltada para o diagnóstico das alterações das funções orofaciais com enfoque na comunicação oral, respiração e alimentação nas síndromes e anomalias craniofaciais.

Objetivo:
Proporcionar o desenvolvimento de habilidades para gerenciamento interdisciplinar das disfunções orofaciais em casos com síndromes e anomalias craniofaciais, numa visão interdisciplinar, desenvolvendo o raciocínio clínico necessário para a atuação fonoaudiológica, além de desenvolver o conhecimento sobre o processo das funções e disfunções orofaciais, desenvolvendo habilidades para prevenção, diagnóstico e intervenção.

NETF – Gerenciamento das disfunções orofaciais nas síndromes e anomalias craniofaciais: (clique para fechar)

NETF - Gerenciamento de Casos Complexos: (ver mais)

A abordagem aos casos complexos será realizada por meio de seminários envolvendo estudo e apresentação de casos clínicos com disfunção velofaríngea. velofaringe hipodinâmica, articulação compensatória e outras alterações do funcionamento velofaríngeo e da produção da fala relacionadas às FLP e anomalias craniofaciais. Assuntos relacionados à experiência cotidiana em um serviço de Prótese de Palato e Fonoterapia Intensiva serão abordados de forma a suscitar dúvidas e o desenvolvimento de raciocínio teórico-prático.

Objetivos:
Ampliar a base de informações dos casos com disfunção velofaríngea, velofaringe hipodinâmica, articulação compensatória e outras alterações do funcionamento velofaríngeo e da produção da fala relacionadas às FLP e anomalias craniofaciais;
Possibilitar a análise dos aspectos clínicos e práticos no atendimento dos casos;
Oportunizar experiências compartilhadas de estudo sobre diferentes casos;
Permitir o desenvolvimento de habilidades de análise e interpretação de achados clínicos favorecendo a definição de condutas de tratamento mais adequadas;
Favorecer a integração entre práticas em alta complexidade e serviços de atenção básica oferecidos nas cidades de origem dos pacientes.

Conteúdo Programático:
1. Avaliação Clínica e Instrumental da Comunicação Oral
2. Avaliação e Indicação de Tratamento Protético da DVF
3. Planejamento terapêutico para prevenção e reabilitação de distúrbios da fala, audição, linguagem e deglutição
4. Tratamento dos distúrbios da comunicação de pacientes com anomalias craniofaciais.
5. Interpretação diagnóstica
6. Encaminhamento
7. Monitoramento
8. Documentação clinica
9. Intervenção
10. Parcerias com demais áreas
11. Orientação e aconselhamento
12. Fonoterapia Tradicional e Intensiva
13. Teleassistência
14. Tratamento Protético da DVF
15. Reabilitação protética em odontologia e técnicas de confecção das próteses de palato e obturadores faríngeos
16. Reabilitação de fala por meio de fonoterapia intensiva de pacientes que fazem uso de prótese de palato ou obturadores faríngeos
17. Documentação Clínico-Científica
18. Abordagem Preventiva

NETF – Gerenciamento de Casos Complexos: (clique para fechar)

NETF - Orientação e desenvolvimento do TCC: (ver mais)

A prática baseada em evidencia é necessária para a fundamentação do tratamento e requer a revisão sistemática dos resultados. A construção de conhecimento científico, portanto, é essencial para a capacitação do aluno como profissional crítico e compromissado com o desenvolvimento de políticas públicas de saúde voltadas para um gerenciamento adequado das anomalias craniofaciais e síndromes.

Objetivo:
Esta disciplina tem como objetivo capacitar o aluno para a realização de projetos voltados tanto para a produção de conhecimentos quanto a atuação de fonoaudiologia nas anomalias e síndromes quanto para desenvolvimento de materiais e programas que favoreçam a capacitação de colegas e demais profissionais da área da saúde e educação.

Conteúdo Programático:
1. O projeto
    a. Pesquisa
    b. Inovação
2. O tema de interesse
    a. Justificativa e Fundamentação Teórica
3. Objetivos
4. Metodologia
5. Forma de análise dos dados
    a. Sistematização de Dados
6. Compreensão dos Dados
    a. Análise de Conteúdo
    b. Relatório de Pesquisa

NETF – Orientação e desenvolvimento do TCC: (clique para fechar)

NETF - Prevenção e intervenção nos distúrbios da alimentação, deglutição e fala: (ver mais)

A presença de anomalias craniofaciais e síndromes são associadas às alterações da alimentação e comunicação. O gerenciamento adequado destas condições requer que o processo de reabilitação seja realizado com uma equipe interdisciplinar. O desenvolvimento de habilidades e competências para prevenção e intervenção nas anomalias craniofaciais e síndromes é essencial tanto para profissionais atuando em instituições que oferecem serviços de alta complexidade quanto aqueles na atenção básica.

Objetivos:
Esta disciplina visa favorecer a aquisição de conhecimentos teórico-práticos que embasem o desenvolvimento de habilidades e competências para o gerenciamento dos processos de alimentação e comunicação nas anomalias craniofaciais e síndromes genéticas.

Conteúdo Programático:
1. Avaliação dos distúrbios da deglutição e da comunicação em pacientes com anomalias craniofaciais e síndromes genéticas;
2. Avaliação dos distúrbios da deglutição;
3. Avaliação interdisciplinar de pacientes disfágicos;
4. Avaliação clínica e instrumental da alimentação e deglutição;
5. Interpretação diagnóstica;
6. Discussão de casos e definição de condutas;
7. Avaliação dos distúrbios da comunicação em pacientes com anomalias craniofaciais complexas e síndromes genéticas;
8. Avaliação interdisciplinar de pacientes com anomalias craniofaciais complexas e síndromes genéticas;
9. Avaliação clínica da comunicação oral em pacientes com anomalias craniofaciais complexas e síndromes genéticas;
10. Interpretação diagnóstica;
11. Discussão de casos e definição de estratégias e ordem de tratamento;
12. Planejamento terapêutico para prevenção e reabilitação de distúrbios da deglutição, fala audição e linguagem em pacientes com anomalias craniofaciais e síndromes genéticas;
13. Intervenção em pacientes disfágicos;
14. Reabilitação audiológica em pacientes com anomalias craniofaciais complexas;
15. Encaminhamentos, monitoramento, documentação clinica, parcerias com demais áreas.

NETF – Prevenção e intervenção nos distúrbios da alimentação, deglutição e fala: (clique para fechar)

NETF - Seminário de Acompanhamento e Avaliação do Programa II: (ver mais)

Objetivos:
Acompanhar o desenvolvimento do programa de residência em Síndromes e Anomalias Craniofaciais.
Identificar junto aos residentes, preceptores e tutores, as dificuldades e facilidades encontradas.
Levantar necessidades de adequações a fim de aperfeiçoar o andamento do programa e a formação dos residentes.
Colher sugestões dos residentes, preceptores, tutores, docentes e colaboradores, que contribuam para o melhor desenvolvimento do programa de residência.

Programa de atividades:
Reuniões com os residentes ao final de cada bimestre, para discussão sobre o andamento do programa e disponibilização dos questionários a serem preenchidos e devolvidos posteriormente.
Reuniões bimestrais da Coremu, com todos os tutores, oportunizando discussão dos resultados das avaliações.
Reuniões periódicas sempre que necessário, dos tutores com os preceptores de cada área, para orientação, esclarecimento de dúvidas e discussão de propostas de melhoria.
Reuniões eventuais com todos os preceptores, para acompanhamento das atividades (no mínimo uma a cada semestre).

NETF – Seminário de Acompanhamento e Avaliação do Programa II: (clique para fechar)

NETF - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (ver mais)

Abraham SS, Wolf EL. Swallowing Physiology of Toddlers with Long-Term Tracheostomies: A Preliminary Study. Dysphagia 2000; 15:206–12.
ALMSTALDEN-MENDES LA, GIL-DA-SILVA-LOPES,VL. Fenda de lábio e/ou palato: recursos para alimentação antes da correção cirúrgica. Rev. Ciên. Méd. Campinas, v.15, n.5, p.437-448,set./out. 2006.
ALPER CM, LOSEE JE, MANDEL EM, SEROKY JT, SWARTS JD, DOYLE WJ. Postpalatoplasty eustachian tube function in young children with cleft palate. Cleft Palate Craniofac J. 2012 Jul;49(4):504-7. Epub 2011 Jul 8. ANTONELLI, PATRICK J ; JORGE, JOSÉ C ; FENIMAN, MARIZA R ; PIAZENTIN-PENNA, SÍLVIA H.A ; DUTKASOUZA, JENIFFER C.R ET AL . Otologic and Audiologic Outcomes With the Furlow and von Langenbeck With Intravelar Veloplasty Palatoplasties in Unilateral Cleft Lip and Palate. The Cleft Palate-Craniofacial Journal (Print), v. 48, p. 412-418, 2011.
ALTMAN, E. Fissuras Labiopalatinas, Editora Pro-FONO.
AMERICAN CLEFT PALATE-CRANIOFACIAL ASSOCIATION. Parameters for evaluation and treatment of evaluation and treatment of patients with cleft lip/palate or others craniofacial anomalies. [homepage]. Chapel Hill: American Cleft Palate-Craniofacial Association; 2000. http://www.acpa-cpf.org/teamcare/parameters00rev.pdf.
Anderson KD, Cole A, Chuo CB, Phil D. Home Management of Upper Airway Obstruction in Pierre Robin Sequence Using a Nasopharyngeal Airway. Cleft Palate Craniofac J 2007; 44:269-73.
Antoneli MZ, Giacheti CM, Genaro KF, Zorzetto NL, Richieri-Costa A. Frontonasal dysplasia: clinical evaluation on audiological and brainstem electrophysiological profiles. Braz J Otorhinolaryngol. 2011;77(5):611-5.
Arvedson JC, Brodsky L. Pediatric swallowing and feending: assessment and management. 2nd ed. Australia: Singular, 2002.
BARBIER, R. A Pesquisa-Ação. Brasília: Líber Livro. 2007. 159p. (Série Pesquisa, v.3).
BARROS, A.J.P. e LEHFELD, N.A.S. Projeto de Pesquisa: Propostas Metodológicas. Rio de Janeiro: Vozes, 1990. COSTA, F.S. Estatística aplicada à pesquisa em educação. Brasília: Plano Ed., 2004. 80p. (Série Pesquisa em Educação, v.7).
BENTO-GONÇALVES CGA, DUTKA-SOUZA JCR. Utilização da videofluoroscopia na obtenção de medidas quantificáveis do mecanismo velofaríngeo. In: Anais do 6o Encontro Científico de Pós-Graduação do HRAC-USP; 25-26 nov 2005; Bauru, Brasil. Bauru: Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo; 2005. p.70.
Bergonse GFR, Arakem FC, Vassoler TMF, Atresia de coana: análise de 16 casos – a experiência do HRACUSP de 2000 a 2004. Rev Bras Otorrinolaringol.2005 ; 71: 730-3.
Bordbar P, Blumenow W, Duncan C, Richardson D. Resonance and speech articulation after midface advancement in craniofacial dysostosis. J Craniofac Surg. 2012; 23(2): 100-3.
BZOCH KR. A battery of clinical perceptual tests, techniques and observations for reliable clinical assessment evaluation, and management of 11 categorical aspects of cleft speech disorders In: Bzoch KR. Communicative disorders related to cleft lip and palate. Austin: Pro-ed, 2004.
BZOCH KR. Introduction to the study of communicative disorders in cleft palate and related craniofacial anomalies. In: Bzoch KR, editor. Communicative disorders related to cleft lip and palate. 5th. ed. Austin: Proed; 2004. p.3-65.
BZOCH, K. R. Communicative disorders related to cleft lip and palate. 5ª ed., Austin: Pro-ed, 2004. DI NINNO CQMS, JESUS MSV. Terapia Fonoaudiológica para alterações de fala decorrentes de fissura labiopalatina. In: Di NINNO CQMS, JESUS MSV. Fissura Labiopalatina: Fundamentos para a Prática Fonoaudiológica. São Paulo: Roca, 2009.
Chau KH, Kung CM. Patient dose during videofluoroscopy swallowing studies in a Hong Kong public hospital. Dysphagia. 2009;24(4):387-90.
Cohen MM, Rollnick Jr BR, Kaye CI. Oculoauriculovertebral spectrum: an update critique. Cleft Palate Craniofacial Journal, Pittsburgh, v. 26, p. 276-86, 1989.
Cole A, Lynch P, Slator R. A New Grading of Pierre Robin Sequence. Cleft Palate Craniofac J 2008; 45:603-6.
COSTA FILHO OA, PIAZENTIN SHA. Aspectos otológicos. In: Altmann EBC, editora. Fissuras labiopalatinas. Carapicuiba: Pró-Fono; 1997.p. 485-98.
Costa MMB, Lemme EMO. Coordination of respiration and swallowing: functional pattern and relevance of vocal folds closure. Arq Gastroenterol. 2010; 47(1):42-8.
Costa MMB, Nova JLL, Carlos MT, Pereira AA, Koch HA. Videofluoroscopia: um novo método. Radiol Bras 1992; 25(1):11-8.
Crary MA, Mann GDC, Groher. Initial Psychometric Assessment of a Functional Oral Intake Scale for Dysphagia in Stroke Patients. Arch Phys Med Rehabil 2005 86:1516-20
DeMatteo C, Matovich D, Hjartarson A. Comparison of clinical and videofluoroscopic evaluation of children with feeding and swallowing difficulties Developmental Medicine & Child Neurology 2005;47: 149–57.
DEMO, P. Pesquisa Participante: saber pensar e intervir juntos. Brasília: Líber Livro. 2004. 140p. (Série Pesquisa em Educação, v.8).
DI NINNO CQMS. Abordagem fonoaudiológica atual nas fissuras labiopalatinas. In: Britto ATBO. Livro de Fonoaudiologia. São José dos Campos: Pulso, 2005. p. 325-38.
DI NINNO, CQMS, JESUS, MSV. Abordagem fonoaudiológica atual nas fissuras labiopalatinas. São Paulo: Roca, 2009.
Drent LV, Pinto EALC . Problemas de alimentação em crianças com doença do refluxo gastroesofágico. Pró-Fono Revista de Atualização Científica. 2007; 19:59-66.
FERNANDES, H. Questão em debate: técnicas qualitativas e quantitativas de pesquisa: oposição ou convergência? Cadernos CERU, n.3, série 11, p.148-160, 1991.
FILHO, J.M.; LEHFELD N.A .S. (Orgs.). Prática de Pesquisa. Franca: UNESP, 2004.178p.
Firmin F. State-of-the-art autogenous ear reconstruction in cases of microtia. In: Staudenmaier R (ed): Aesthetics and functionality en ear reconstruction. Adv Otorhinolaryngol. Basel. Karger. 2010; vol 68; pp 2552.
Furkim AM, Duarte ST, Sacco AFB, Sória FS. O uso da ausculta cervical na inferência de aspiração traqueal em crianças com paralisia cerebral. Rev. CEFAC. 2009; 11:624-29.
GARCEZ, L. W. Estudo sobre a prática do aleitamento materno de crianças nascidas com fissura labiopalatina na cidade de Porto Alegre. 2004. 74f. Dissertação (Mestrado em Ciências Médicas) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.
GENARO KF, FUKUSHIRO AP, SUGUIMOTO, MLFCP. Avaliação e tratamento dos distúrbios da fala. In: Trindade IEK, Silva Filho OG. editores. Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Santos, 2007.
GENARO KF, YAMASHITA RP, TRINDADE IEK. Avaliação clínica e instrumental da fala na fissura labiopalatina. In: Fernandes FDM, Mendes BCA, Navas ALPGP organizadores. Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo: Roca; 2010. p. 488-503.
Genaro KF, Yamashita RP, Trindade IEK. Avaliação clínica e instrumental na fissura labiopalatina. In: Fernandes FDM, Mendes BCA, Navas ALPGP (org.). Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo, Roca. 2009. p. 456-477.
Miguel HC, Genaro KF, Trindade IEK Avaliação perceptiva e instrumental da função velofaríngea na fissura de palato submucosa assintomática. Pró-Fono;19:105-12, 2007
GENARO KF, YAMASHITA RP, TRINDADE IEK. Avaliação clínica e instrumental na fissura labiopalatina. In: Ferreira LP, Befi-Lopes DM, Limongi SCO, organizadoras. Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo: Roca; 2004. p.456-77.
GOLDING-KUSHNER KJ. How speech is produced … and what goes wrong. In: GOLDIN-KUSHNER HJ. Therapy techniques for cleft palate speech and related disorders. San Diego:Singular, 2001
GOLDING-KUSHNER KJ. Therapy techniques for cleft palate speech and related disorders. San Diego: Singular Thompson Learning, 2001.
Gorlin JJ, Cohen Jr MM, Hennekan RC. Syndromes of the head and neck, London: Oxford University Press, 2001. p.790-7.
GRIGOLLI, A.A.G. Metodologia do Trabalho Científico e Recursos Informacionais na Área da Saúde. São Paulo: editora Santos, 2008. 208p.
JESUS MSV, DI NINNO CQMS. Ampliando o olhar sobre a terapia fonoaudiológica para indivíduos com fissura labiopalatina. In: Di Ninno CQMS, Jesus MSV. Fissura Labiopalatina: Fundamentos para a Prática Fonoaudiológica. São Paulo: Roca, 2009.
JESUS MSV, PENIDO FA, VALENTE P. Avaliações Fonoaudiológicas Clínica e Instrumental em indivíduos com Fissura Labiopalatina. In: Di Ninno CQMS, Jesus MSV. Fissura Labiopalatina: Fundamentos para a Prática Fonoaudiológica. São Paulo: Roca, 2009.
Jones KL. Smith’s recognizable patterns of human malformation. California: Elsevier; 2006.
KUMMER AW. Cleft palate and craniofacial anomalies. ed. San Diego: Singular Thompson Learning; 2008. KUMMER, A.W. Cleft palate & craniofacial anomalies: effects on speech and resonance. San Diego: Singular, 2001.
KUMMER AW. Perceptual assessment. In: Kummer AW. Cleft palate and craniofacial anomalies: the effects on speech and resonance. San Diego: Singular Thomson Learning; 2001a. p.265-90.
KUMMER AW. Velopharyngeal dysfunction and resonance disorders. In: Kummer AW. Cleft palate and craniofacial anomalies: the effects on speech and resonance. San Diego: Singular Thomson Learning; 2001b. p.145-76.
LAKATOS, E. M. e MARCONI, M. A. Metodologia do Trabalho Científico – 2a ed. São Paulo: Atlas, 1989.
Lefton-Greif MA, Carroll JL, Loughlin JM. Long-Term Follow-Up of Oropharyngeal Dysphagia in Children Without Apparent Risk Factors. Pediatric Pulmonology 2006; 41:1040–48 .
LEIRIÃO VHV. Estudo comparativo em crianças com e sem fissura labiopalatina através do protocolo de triagem do desenvolvimento da linguagem até 3 anos de idade. 2003. Tese (Doutorado em Distúrbios da Comunicação) – Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo, Bauru, 2003.
Leirião VHV; Oliveira RP, Marques IL. Relação entre o espessamento da dieta e riscos de aspiração laringotraqueal na seqüência de Pierre Robin. Anais: 1º Simpósio Internacional de Nutrologia Pediátrica; Março 16-18, 2006, São Paulo, v.1, p. 63.
Leslie P, Drinnan MJ, Finn P, Ford GA, Wilson JA. Reliability and validity of cervical auscultation: a controlled comparison using videofluoroscopy. Dysphagia. 2004;19:231-40.
Lim SH, Lieu PK, Phua SY, Seshadri R, Venketasubramanian N, Lee SH, et al.Accuracy of bedside clinical methods compared with fiberoptic endoscopic examination of swallowing (FEES) in determining the risk of aspiration in acute stroke patients. Dysphagia. 2001;16:1-6
LIMA RC, SILVA EB, ROCHA CMG, FERREIRA RH. Síndromes associadas às fissuras labiopalatina: atuação fonoaudiológica In: Di Ninno, CQMS, Jesus, MSV. Fissura Labiopalatina: Fundamentos para a Prática Fonoaudiológica. São Paulo: Roca, 2009.
Logemann JA. Evaluation and treatment of swallowing disorders. Am J Speech Lang Pathol 1994 ; 3: 41-44.
Manrique D, Melo ECM, Buhler RB. Avaliação nasofibrolaringoscópica da deglutição em crianças. Rev Bras Otorrinolaringol 2001; 67: 796-801.
Marques IL, Barbieri MA, Betiol H. Etiopathogenesis of isolated with Robin sequence. Cleft Palate Craniofac J. 1998; 35: 517-25.
Marques IL, Peres SPBA, Bettiol H, Barbieri MA, Andréa M, Souza L. Growth of children with isolated Robin sequence treated by nasopharyngeal intubation; importance of a hypercaloric diet. Cleft Palate Craniofac J. 2004; 41:53-8.
Marques IL, Prado-Oliveira R, Leirião VHV, Jorge JC, Souza L. Clinical and Fiberoptic Endoscopic Evaluation of Swallowing in Robin Sequence Treated with Nasopharyngeal Intubation. The Importance of Feeding Facilitating Techniques. DOI: 10.1597/09-002.1 (in press). Cleft Palate Craniofac J. 2010.
Marques IL, Sousa TV, Carneiro AF, Barbieri MA, Bettiol H, Gutierrez MRP. Clinical experience with infants with Robin sequence. A prospective study. Cleft Palate Craniofac J. 2001; 38:171-8.
Marques IL, Sousa TV, Carneiro AF, Peres SPBA, Barbieri MA, Bettiol H. Seqüência de Robin:protocolo único de tratamento. J. Pediatr. 2005; 81 : 14-22.
Marques IL, Sousa TV, Carneiro AF. A large experience with infants with Robin sequence. A prospective study on 159 cases. In: Transactions of the 9th International Congress on Cleft Palate And Related Craniofacial Anomalies; 2001 jun 25-29; Göteborg, Sweden, Göteborg:Cleft Palate Craniofacial Association; 2001. p.81-7.
Marques IL, Thomé S, Peres SPBA. Aspectos pediátricos. In: Trindade IEK, Silva Filho OG organizadores. Fissuras labiopalatinas uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Santos; 2007.p 51-71.
Marrara JL, Duca AP, Dantas RO, Trawitzki LVV, Lima RAC, Pereira JC. Swallowing in children with neurologic disorders: clinical and videofluoroscopic evaluations (original title: Deglutição em crianças com alterações neurológicas: avaliação clínica e videofluoroscópica). Pró-Fono Revista de Atualização Científica. 2008; 20:2316.
Martin-Harris B, Brodsky MB, Michel Y, Castell DO, Schleicher M, Sandidge J, Maxwell R, Blair J. MBS measurement tool for swallow impairment-MBSImp: establishing a standard. Dysphagia. 2008;23(4):392-405.
MCWILLIAMS, B. J.; MORRIS, H. L. & SHELTON, R. L. – Cleft palate speech. Philadelphia: Decker, 1984. PEGORARO-KROOK MI, DUTKA-SOUZA JCR, TELLES-MAGALHÃES LC, FENIMAN MR. Intervenção fonoaudiológica na fissura palatina. In: Ferreira LP, Befi-Lopes DM, Limongi SCO, organizadoras. Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo: Roca; 2004. p. 439-455.
MCWILLIAMS, B.J.; MORRIS, H. L. & SHELTON, R. L. ed. Velopharyngeal valving instrumentation for assessing the velopharyngeal mechanism. In.:Cleft Palate Speech. 2nd ed., Philadelphia, Decker, 1990. P. 163-96.
Mondini CCSD, Marques IL, Fontes CMB, Thome S. Nasopharyngeal Intubation in Robin Sequence:Technique and Management .Cleft Palate Craniofac J 2009; 46: 258-61.
Nakata NMK. Síndromes genéticas e ambientais em distúrbios da audição.[Tese]. Bauru: Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo; 2006.
Nassar E, Marques IL, Trindade Junior AS, Bettiol H. Feeding-facilitating techniques for nursing infant with Robin Sequence. Cleft Palate Craniofac J. 2006; 43:55-60.
O’Neil KH, Purdy M, Falk J, Gallo L. The Dysphagia Outcome and Severity Scale. Dysphagia. 1999; 14:139– 145.
Padovani AR, AndradeCRF Perfil funcional da deglutição em unidade de terapia intensiva clínica. Einstein. 2007; 5:358-62.
Padovani AR, Moraes DP, Mangili LD, AndradeCRF. Protocolo Fonoaudiológico de Avaliação do Risco para Disfagia (PARD ) Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2007;12:199-205
Paula A, Botelho I, Silva AA, Rezende, JMM, Farias C, Mendes L. Avaliação da disfagia pediátrica através da videoendoscopia da deglutição. Rev Bras Otorrinolaringol. 2002; 68: 91-96.
PEGORARO-KROOK MI, SOUZA JCRD, MAGALHÃES LCT, FENIMAN MR. Intervenção fonoaudiológica na fissura palatina. In: Ferreira LP, Befi-Lopes DM, Limongi SCO, organizadores. Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo: Roca; 2004. P.439-53.
PEGORARO-KROOK, MI, AFERRI, HC, UEMEOKA, E. Prótese de Palato e Obturadores Faríngeos. In: Camila Queiroz de Moraes da Silveira Di Ninno e Marisa Viana Jesus. (Org.). Fissura Palatina: Fundamento para a prática fonoaudiológica. 1 ed. Belo Horizonte – MG: Roca, 2009, v. 1, p. 113-124.
PEGORARO-KROOK, MI. FENIMAN, MR, FUKUSHIRO, AP, DUTKA, JCR. Tratamento em Fissura Labiopalatina: Audição e Fala. In: Berretin-felix, G; Alvarenga, KF; Caldana, ML; Sant’Ana, NC; Santos, MJD; Santos, PRJ, Organizadoras. (RE)Habilitação Fonoaudiológica: Avaliação e Eficácia. Pulso editorial: SP 2009. P.276-287.
Pereira V, Sacher P, Ryan M, Hayward R. Dysphagia and Nutrition Problems in Infants With Apert Syndrome Cleft Palate Craniofac J, 2009; 46:285-291.
Peterson-Falzone S, Pruzansky S. Cleft palate and congenital palatopharyngeal incompetency in mandibulofacial dysostosis: frequency and problems in treatment. Cleft Palate J. 1976; 13:354-60.
PETERSON-FALZONE S.J, TROST-CARDAMONE JE, KARNELL, M.P.; HARDIN-JONES, M.A. (ed) Effects of cleft and non-cleft VPI on speech in older children. In: The clinician’s guide to treating cleft palate speech. Mosby 2006.
PETERSON-FALZONE SJ, HARDIN-JONES MA, KARNELL MP, EDITORS. Cleft Palate Speech. St Louis, Missouri: Mosby, 2001.
Peterson-Falzone SJ, Hardin-Jones MA, Karnell MP. Instrumental for assessing the velopharyngeal mechanism. In: Peterson-Falzone SJ, Hardin-Jones MA, Karnell MP, editor. Cleft Palate Speech. 3ª ed. St Louis, Missouri: Mosby, 2001. p. 243-72.
PETERSON-FALZONE, S.J.; TROST-CARDAMONE, J., KARNELL, M.P., HARDIN-JONES, M.A. The clinician´s guide to treating cleft palate speech. St Louis: Mosby; 2006.
PIAZENTIN-PENNA SHA, JORGE JC. Avaliação e Tratamento dos distúrbios da audição. In: Trindade IEK, Silva Filho OG. editores. Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Santos, 2007.
SHPRINTZEN, R.; BARDACH, J. Cleft palate speech management: a multidisciplinary approach. St Louis: Mosby, 1995.
Pinheiro Neto CD, Alonso N, Sennes LU, Goldenberg DC, Santoro PP. Avaliação polissonográfica e de videoendoscopia da deglutição de pacientes portadores da sequência de Pierre-Robin. Braz J Otorhinolaryngol.2009;75(6):852-6.
Pitolli SVP. Investigação radiológica e tomográfica da mandíbula de indivíduos com anomalias de 1º e 2º arcos faríngeos. 2010. 164p. Tese (Doutorado – Área de concentração: Fissuras Orofaciais e Anomalias Relacionadas) – Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo, Bauru, 2010. Price N, Bahra M, Griffin D, Hanna G, Stock A. Cornelia de Lange Syndrome in association with a balanced reciprocal translocation involving chromosomes 3 and 5. Prenat Diagn. 2005;25: 602-3.
Price N, Bahra M, Griffin D, Hanna G, Stock A. Cornelia de Lange Syndrome in association with a balanced reciprocal translocation involving chromosomes 3 and 5. Prenat Diagn. 2005;25: 602-3.
QUEIROZ, M.L. O pesquisador, o problema da pesquisa, a escolha de técnicas: algumas reflexões. In: LANG, A.B.S.G.(org.). Reflexões sobre a pesquisa sociológica. São Paulo: CERU, 1992. p.13-29 (Textos CERU, 2, n.3). SEVERINO, A.J. Metodologia do trabalho científico. 23ed. rev. e atualizada. São Paulo: Cortez, 2007. 296p.
Santos RS, Macedo Filho ED. Sonar Doppler como Instrumento de Avaliação da Deglutição. Int. Otorrinolaringol. / Intl. Arch. Otorhinolaryngol.2006; 10: 182-91.
SANTOS, FRANCINE RAQUEL; PIAZENTIN-PENNA, SÍLVIA H. A. ; BRANDÃO, GIOVANA RINALDE . Avaliação audiológica pré cirurgia otológica de indivíduos com fissura labiopalatina operada. Revista CEFAC (Impresso), v. 13, p. 271-280, 2011.
Sher AE. Mechanisms of airway obstruction in Robin Sequence: implications for treatment.Cleft Palate Craniofac J. 1992; 29:224-34.
Shipster C, Hearst D, Dockrel JE, Kilby E, Hayward R. Speech and language skills and cognitive functioning in children with Apert syndrome: a pilot study. Int J Lang Commun Disord. England 2002; 37(3): 325-343.
Souza TV, Marques IL, Carneiro AF, Bettiol H, Freitas JA. Nasopharyngoscopy in Robin Sequence: clinical and predictive value. The Cleft Palate Craniofac J. 2003; 40: 618-623.
SZYMANSKI, H.(org.). A entrevista na Pesquisa em Educação: a prática reflexiva. Brasília: Líber Livro Ed. 2004. 87p. (Série Pesquisa em Educação, v.4).
Tessier P. Anatomical classification facial, cranio-facial and latero-facial clefts. J Maxillofac Surg. 1976; 4(2): 69-92;
Thompson JT, Anderson PJ, David DJ. Treacher Collins syndrome: protocol management from birth to maturity. J Craniofac Surg. 2009; 20(6):2028-35.
Trindade IEK, Silva Filho OG. Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Santos, 2007.
TRINDADE IEK, YAMASHITA RP, BENTO-GONÇALVES CGA. Diagnóstico instrumental da disfunção velofaríngea. In: Trindade IEK, Silva Filho OG, coordenação. Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Editora Santos; 2007. p.123-43.
Trindade IEK, Yamashita RP, Gonçalves CGA. Diagnóstico instrumental da disfunção velofaríngea. In: Fissuras labiopalatinas: uma abordagem multidisciplinar. São Paulo: Santos, 2007, p. 123- 144.
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. HOSPITAL DE REABILITAÇÃO DE ANOMALIAS CRANIOFACIAIS. Guia de orientação para elaboração de monografia, dissertação e tese. Bauru: Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo, 2003.
Vendramini S. Avaliação genética-clínica e audiológica de indivíduos com anomalias de 1º e 2º arcos branquiais associados à anomalia radial. 2006. 175p. Dissertação (Mestrado em Ciências – Área de Concentração: Distúrbios da Comunicação Humana) – Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais – Universidade de São Paulo, Bauru, 2006.
Wan DC, Levi B, Kawamoto H, Tanna N, Tabit C, do Amaral CR, Bradley JP. Correction of hypertelorbitism: evaluation of relapse on long-term follow-up. J Craniofac Surg. 2012; 23(1): 113-7.
Weir K, McMahon S, Barry L, Ware R, Masters B, Chang AB. Oropharyngeal Aspiration and Pneumonia in Children. Pediatric Pulmonology. 2007;42:1024–31.
WILLIAMS WN, HENNINGSSON G, PEGORARO-KROOK MI. Radiographic assessment of velopharyngeal function for speech. In: Bzoch KR, editor. Communicative disorders related to cleft lip and palate. 5th. ed. ustin: Pro-ed; 2004. p.517-67.
YSUNZA A, PAMPLONA C. Disfunción del esfíncter velofaríngeo y su tratamiento. Cir Plast. 2006; 16(1):62-8.

NETF – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (clique para fechar)

FONOAUDIOLOGIA (NETF) (clique para fechar)

ODONTOLOGIA (NETO) (ver mais)

NETO - Diagnóstico Bucal: (ver mais)

Através de aulas expositivas, apresentação de seminários e trabalhos em grupo serão abordados aspectos relacionados aos procedimentos de obtenção e de diagnóstico de imagens radio e tomográficas odontológicas, com ênfase às particularidades relativas ao crescimento facial e dos arcos dentários e à ocorrência de lesões patológicas em pacientes com fissuras labiopalatinas ou com anomalias craniofaciais.

Objetivos:
Capacitar os residentes a realizar tomadas radio e tomográficas odontológicas de indivíduos com fissura labiopalatina e anomalias relacionadas.
Propiciar conhecimento em relação ao diagnóstico por imagens de radiografias e tomografias dos indivíduos com fissura labiopalatina e anomalias craniofaciais e a suas peculiaridades.
Propiciar conhecimento da interdisciplinariedade entre a área de imaginologia e radiologia odontológica com as outras especialidades relacionadas ao processo de reabilitação dos pacientes com fissura labiopalatina e anomalias craniofaciais.
Capacitar os residentes a avaliar os protocolos de reabilitação de indivíduos com fissura labiopalatina e anomalias craniofaciais, permitindo avaliar resultados dos centros de reabilitação de fissuras, através da análise de imagens tomo e radiográficas da face e maxilares.

Conteúdo Programático:
Técnicas Radiográficas Intra e Extrabucais
Radiobiologia e Radioproteção
Radiografias Panorâmicas
Anatomia Radiográfica Dento-Maxilo-Facial
Patologia Radiográfica Dento-Maxilo-Facial
Lesões Bucais
Interpretação Radiográfica
Tomografias Odonto – Face
Seminários e apresentação de estudos de casos

NETO – Diagnóstico Bucal: (clique para fechar)

NETO - Odontopediatria e Saúde Coletiva: (ver mais)

A disciplina incluirá aulas expositivas e trabalhos em grupo onde serão abordados principalmente os aspectos peculiares das características bucais e atendimento odontopediátrico em crianças com fissuras labiopalatinas e anomalias relacionadas.

Objetivos:
Capacitar os residentes a diagnosticar as alterações dos tecidos duros e moles da cavidade bucal de crianças com fissura labiopalatina e anomalias relacionadas
Capacitar os residentes a realizar prevenção e manutenção da saúde bucal

Conteúdo Programático:
Educação e Saúde em Odontologia
Políticas Públicas em Saúde Bucal
Epidemiologia Geral
Manejo da Criança
Anestesia em Odontopediatria
Odontologia para Bebês
Clínica em Odontopediatria (Pulpotomia e Pulpectomia em Dentes Decíduos, Cirurgia)
Anomalias de tecidos duros e tecidos moles
Anamnese, exame clínico e radiográfico
Tratamento Odontológico sob Anestesia Geral
Pacientes Especiais
Cariologia
Prevenção em Odontopediatria
Síndromes de Interesse Odontológico
Genética da Odontogênese e Anomalias Dentárias
Seminários e apresentação de estudos de casos( 20 hs)

NETO – Odontopediatria e Saúde Coletiva: (clique para fechar)

NETO - Ortodontia e Cirurgia Bucomaxilofacial: (ver mais)

A disciplina será ministrada por meio de aulas expositivas e trabalhos em grupo onde serão abordados principalmente os aspectos relacionados ao tratamento ortodôntico,cirúrgico e ortodôntico- cirúrgico, além de considerações sobre crescimento facial e dos arcos dentários de pacientes com fissuras labiopalatinas e os indicadores para avaliações de resultados.

Objetivos:
Capacitar os residentes a diagnosticar planejar acompanhar o tratamento e a proservação das alterações morfológicas, dentárias e esqueléticas de indivíduos com fissura labiopalatina e anomalias relacionadas.
Propiciar conhecimento dos aspectos do crescimento facial e dos arcos dentários dos indivíduos com fissura labiopalatina e anomalias craniofaciais e a suas peculiaridades.
Propiciar conhecimento da interdisciplinariedade dos tratamentos ortodônticos, e ortodônticos-cirúrgicos(cirurgias ortognáticas e enxertos ósseos alveolares) para a reabilitação com fissura labiopalatina e anomalias craniofaciais.
Capacitar os residentes a avaliar os protocolos de reabilitação de indivíduos com fissura labiopalatina e anomalias craniofaciais, permitindo avaliar resultados dos centros de reabilitação de fissura

Conteúdo Programático:
Crescimento nas fissuras labiopalatinas
Indicadores para avaliações de resultados
Tratamento ortodôntico em pacientes com fissuras labiopalatinas
Enxerto ósseo alveolar
Cirurgia ortognática em pacientes com fissuras labiopalatinas
Seminários e apresentação de estudos de casos

NETO – Ortodontia e Cirurgia Bucomaxilofacial: (clique para fechar)

NETO - Pesquisa em Odontologia: Orientação, Elaboração e Apresentação do TCC: (ver mais)

A pesquisa é um fundamental instrumento de trabalho do Assistente Social, bem como condição fundamental para a construção de conhecimento científico, assim sendo, a disciplina se torna fundamental para a capacitação do aluno como profissional crítico e compromissado com construção e alargamento da teoria das ciências sociais.

Objetivo:
Capacitar o aluno para a realização de pesquisas em situações concretas da realidade, sistematizando a elaboração do projeto de pesquisa, a coleta, análise e interpretação de dados bem como do relatório de pesquisa sob a forma de trabalho científico.

Conteúdo Programático:
1 – O projeto de pesquisa
    1.1 – A escolha do tema
    1.2 – Justificativa e Fundamentação Teórica
    1.3 – Objetivos (geral e específicos)
    1.4 – Metodologia: Universo, Amostra e Instrumental
    1.5 – Forma de análise dos dados
    1.6 – Cronograma
    1.7 – Referências
2 – Tipologia da Pesquisa
    2.1 – Pesquisa Qualitativa
    2.2 – Pesquisa Quantitativa
3 – Instrumentos de coleta de Dados
    3.1 – Observação
    3.2 – Entrevista
    3.3 – Questionário
    3.4 – Formulário
    3.5 – Depoimento
    3.6 – História de Vida
    3.7 – Grupo Focal
    3.8 – Análise Documental
4 – Elaboração dos Instrumentos de Coleta de Dados
5 – Pré-teste
6 – Aplicação dos Instrumentos
7 – Sistematização de Dados
8 – A Compreensão dos Dados
9 – Análise de Conteúdo
10 – Relatório de Pesquisa

NETO – Pesquisa em Odontologia: Orientação, Elaboração e Apresentação do TCC: (clique para fechar)

NETO - Prótese de Palato e Próteses Extraorais: (ver mais)

A disciplina será ministrada por meio de aulas expositivas, observação clínica, discussão de casos e acompanhamento dos trabalhos em laboratório, onde serão abordados principalmente os aspectos relacionados às próteses de palato e obturadores faríngeos como auxiliares na terapia fonoaudiológica e á reabilitação protética de malformações oculares e de outras regiões craniofaciais.

Objetivos:
Propiciar introdução ao conhecimento da prótese palato e mecanismos da produção da fala nos aspectos de indicações e contra-indicações, processos de confecção e exames complementares.
Propiciar introdução ao conhecimento da reabilitação por meio das próteses oculares e implantosuportadas de orelha, nariz e outras para indivíduos com anomalias craniofaciais e confeccionar em laboratório próteses oculares e modeladores de cavidade.

Conteúdo Programático:
Introdução ao conhecimento da prótese palato e mecanismos da produção da fala
Indicações e contra-indicações das próteses de palato e obturadores faríngeos
Tipos de próteses de palato
Próteses de palato para auxílio nas terapias fonoaudiológicas
Processos de confecção das próteses de palato e obturadores faríngeos
Exames complementares que auxiliam na confecção da prótese de palato
Exames realizados após a conclusão da prótese
Avaliação sobre o conteúdo será realizada mediante entrega de trabalho individual ou pesquisa em prontuários de pacientes do setor.
Introdução à reabilitação por meio das próteses faciais – Conceito, histórico, etiologia das deformidades faciais, meios de retenção, indicação e objetivos; Prótese Ocular – Histórico etiologia das lesões na região ocular, aspectos anatômicos de interesse, procedimentos cirúrgicos relacionados á prótese ocular,método de confecção de prótese ocular individualizada e modeladores de cavidade
Próteses Extra-orais sobre implantes osseointegrados – Implantes extra-orais; Prótese de orelha (indicação, etiologia das perdas do pavilhão auditivo, aspectos anatômicos de interesse, método de confecção da prótese); Prótese nasal (indicação, etiologia das perdas do nariz,aspectos anatômicos de interesse, método de confecção da prótese); Prótese óculo-palpebral (indicação, etiologia das perdas extensas na região ocular,aspectos anatômicos de interesse, método de confecção da prótese)
Importância do tratamento interdisciplinar

NETO – Prótese de Palato e Próteses Extraorais: (clique para fechar)

NETO - Reabilitação Oral: (ver mais)

Conteúdo Programático:
Materiais Odontológicos: amálgama, resina composta, cimento de ionômero de vidro
Prevenção em Reabilitação Oral
Instrumentos operatórios em Dentística
Princípios gerais dos preparos cavitários
Proteção do complexo dentinopulpar
Adesão aos tecidos dentários
Restaurações diretas com resinas compostas
Anatomia, histologia e fisiologia do periodonto
Tratamento periodontal básico
Exame clínico e radiográfico em Periodontia
Epidemiologia e etiopatogenia da Doença Periodontal
Classificação e diagnóstico da Doença Periodontal
Manutenção do tratamento periodontal
Medicina Periodontal
Inter-relação Periodontia e Odontologia Reabilitadora
Anatomia radicular
Abertura coronária
Instrumentos e instrumentação em Endodontia
Irrigação em Endodontia
Obturação – materiais e técnicas
Curativo endodôntico
Radiologia em Endodontia
Acidentes e complicações em Endodontia
Reabilitação Oral: Fixa, Prótese Total e Prótese Parcial Removível
Oclusão em Reabilitação Oral convencional e prótese implantossuportada
Implantes na Reabilitação de indivíduos com fissuras labiopalatinas

NETO – Reabilitação Oral: (clique para fechar)

NETO - Seminário de Acompanhamento e Avaliação do Programa II: (ver mais)

Objetivos:
Acompanhar o desenvolvimento do programa de residência em Síndromes e Anomalias Craniofaciais.
Identificar junto aos residentes, preceptores e tutores, as dificuldades e facilidades encontradas.
Levantar necessidades de adequações a fim de aperfeiçoar o andamento do programa e a formação dos residentes.
Colher sugestões dos residentes, preceptores, tutores, docentes e colaboradores, que contribuam para o melhor desenvolvimento do programa de residência.

Programa de atividades:
Reuniões com os residentes ao final de cada bimestre, para discussão sobre o andamento do programa e disponibilização dos questionários a serem preenchidos e devolvidos posteriormente.
Reuniões bimestrais da Coremu, com todos os tutores, oportunizando discussão dos resultados das avaliações.
Reuniões periódicas sempre que necessário, dos tutores com os preceptores de cada área, para orientação, esclarecimento de dúvidas e discussão de propostas de melhoria.
Reuniões eventuais com todos os preceptores, para acompanhamento das atividades (no mínimo uma a cada semestre).

NETO – Seminário de Acompanhamento e Avaliação do Programa II: (clique para fechar)

NETO - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (ver mais)

ASSED A. Odontopediatria – bases científicas para a prática clínica. São Paulo: Artes Médicas; 2005.
BARATIERI, L. N. et al. Odontologia Restauradora: Fundamentos e Técnicas. São Paulo: Editora Santos, 2010. 802p.
BARBIER RA Pesquisa-Ação. Brasília: Líber Livro. 2007. 159p. (Série Pesquisa, v.3).
BARROS AJP, LEHFELD, NAS. Projeto de Pesquisa: Propostas Metodológicas. Rio de Janeiro: Vozes, 1990.
BISHARA EB. Ortodontia. São Paulo: Santos; 2004.
BOTTINO MA. Estética em reabilitação oral (metal free). São Paulo: Artes Médicas; 2001.
CARDOSO RJA, GONÇALVES EAN. Oclusão/ATM: prótese sobre implante e prótese bucomaxilofacial. São Paulo: Artes Médicas; 2002.
CARRANZA JR FA, NEWMAN MG. Periodontia clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2004.
CASATI ALVARES L, TAVANO O. Curso de radiologia em odontologia. São Paulo: Santos; 2009.
CHIZZOTTI A. Pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. 9.ed. São Paulo: Cortez, 2008. 164p.
COSTA FS. Estatística aplicada à pesquisa em educação. Brasília: Plano Ed., 2004. 80p. (Série Pesquisa em Educação, v.7).
DEMO P. Pesquisa Participante: saber pensar e intervir juntos. Brasília: Líber Livro. 2004. 140p. (Série Pesquisa em Educação, v.8).
FERNANDES H. Questão em debate: técnicas qualitativas e quantitativas de pesquisa: oposição ou convergência? Cadernos CERU, n.3, série 11, p.148-160, 1991.
FILHO JM, LEHFELD NAS. (Orgs.). Prática de Pesquisa. Franca: UNESP, 2004.178p.
FLICK U. Pesquisa qualitativa e quantitativa. In: Introdução à Pesquisa Qualitativa. Tradução Costa, J.E. 3ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. p.39-49.
FRANCO MLPB. Análise do Conteúdo. Brasília: Plano Editora, 2003. 72p. (Série Pesquisa em Educação, v.6).
GATTI BA. A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília: Plano Editora, 2002. 87p. (Série Pesquisa em Educação, v.1).
GRIGOLLI AAG. Metodologia do Trabalho Científico e Recursos Informacionais na Área da Saúde. São Paulo: editora Santos, 2008. 208p.
HUTZ, C.S. (Org.) Avanços em Avaliação psicológica e Neuropsicológica de crianças e adolescentes. SP:Casa do Psicólogo, 2010.
INTERLANDI S. Ortodontia – bases para a iniciação. São Paulo: Artes Médicas; 1994.
LAKATOS EM, MARCONI MA. Metodologia do Trabalho Científico – 2a ed. São Paulo: Atlas, 1989.
LEONARDO MR, LEONARDO RT. Endodontia: conceitos biológicos e recursos tecnológicos. São Paulo: Artes Médicas; 2009.
LEONARDO MR. Endodontia: tratamento de canais radiculares – princípios técnicos e biológicos. São Paulo: Artes Médicas; 2005.
LINDHE J. Tratado de periodontia clínica e implantodontia oral. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2004. MISCH CE. Implantes dentários contemporâneos. São Paulo: Santos; 2006.
MARTINELLI ML(org.). Pesquisa qualitativa: um instigante desafio. São Paulo: Veras, 1999.
MAZZOTTINI R, FREITAS JAS, SILVA FILHO OG. A cirurgia ortognática no protocolo de MEZZOMO E. Reabilitação oral para o clínico. São Paulo: Santos; 1994.
MELLO, C.B., MIRANDA, M.C. e MUSZKAT, M.C. Neuropsicologia do Desenvolvimento.SP:Memnon, 2006.
MONDELLI J. Estética e cosmética em clínica integrada restauradora. São Paulo: Editora Santos, 2003.
MONDELLI, J. et al. Fundamentos de Dentística Operatória. São Paulo: Editora Santos, 2006. 343p.
MONDELLI, J. et al. Proteção do Complexo Dentinopulpar. São Paulo: Editora Artes Médicas, 1998. 316p.
MOROZ M, GIANFALDONI MHTA. O Processo de Pesquisa Iniciação. Brasília: Líber Livro Ed. 2a.ed. 2006. 124p. (Série Pesquisa, v.2).
OKESON JP. Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusão. São Paulo: Artes Médicas; 2000.
PEGORARO LF, VALLE AL, ARAÚJO CRP, BONFANTE G, CONTI PCR, BONACHELA V. Prótese fixa. São Paulo: Artes Médicas; 1998.
PETERSON LJ, ELLIS E, HUPP JR, TUCKER MR. Contemporary oral and maxillofacial surgery. St Louis: Mosby; 2003.
SEVERINO AJ. Metodologia do trabalho científico. 23ed. rev. e atualizada. São Paulo: Cortez, 2007. 296p.
SILVA E SOUZA Jr MH, CARVALHO RM, MONDELLI RL. Odontologia estética: fundamentos e aplicações clínicas. São Paulo: Santos; 2001.
TELLES D, HOLLWEG H, CASTELLUCCI L. Prótese total: convencional e sobre implantes. São Paulo: Santos; 2009. TODESCAN R, SILVA EEB, SILVA OJ. Atlas de prótese parcial removível. São Paulo: Santos; 1996.
TRINDADE IEK, SILVA FILHO OG. Fissuras labiopalatinas – uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Santos; 2007.
TURANO JC, TURANO LM. Fundamentos de prótese total. São Paulo: Santos ;2000.
VAN DER LINDEN, FPGM. Desenvolvimento da oclusão. Rio de Janeiro: Quintessence; 1986.

NETO – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (clique para fechar)

ODONTOLOGIA (NETO) (clique para fechar)

PSICOLOGIA (NETP) (ver mais)

NETP - Acompanhamento Familiar e da Reabilitação Psicossocial nas Fissuras Labiopalatinas: (ver mais)

Visão globalizada da pessoa com deficiência, especificamente as com anomalias craniofaciais, e as repercussões psicossociais nos diferentes contextos individual, familiar e social, propiciando ao aluno o desenvolvimento de ações tanto preventivas como de intervenção.

Objetivos:
Fornecer ao aluno conhecimentos para a compreensão dos aspectos psicossociais e familiares na reabilitação de pessoas com anomalias craniofaciais.
Oferecer subsídios para o avanço da reflexão sobre as questões sociais que permeiam as relações familiares e comunitárias.

Conteúdo Programático:
Unidade I – Anomalias Craniofaciais e Aspectos Psicossociais
    1.1 – A família: conceituação, impacto e enfrentamento diante do nascimento de crianças com fissuras labiopalatais
    1.2 – Repercussões psicossociais nas diferentes fases do desenvolvimento
        1.2.1 – socialização
        1.2.2 – escolarização
        1.2.3 – profissão
        1.2.4 – idade adulta
Unidade II – A família e os aspectos psicossociais
    2.1 – A família e proteção social
    2.2 – O perfil da família brasileira
    2.3 – Família e o contexto emocional
    2.4 – O vínculo profissional-família no contexto hospitalar
    2.5 – A importância da família no processo de saúde e reabilitação
    2.6 – Internação hospitalar: impacto no cliente e na família

NETP – Acompanhamento Familiar e da Reabilitação Psicossocial nas Fissuras Labiopalatinas: (clique para fechar)

NETP - Estudos de Temas Específicos da Área: Desenvolvimento Humano e Neuropsicologia: (ver mais)

Revisão dos conceitos do desenvolvimento embrionário, da infância, adolescência e maturidade, necessários para a compreensão da ação clínica do profissional de psicologia. Descrição do Modelo Neuropsicológico envolvendo os sistemas de modularidade, a organização cerebral e as funções motora, perceptual, da linguagem, memória, atencional e executivas.

Objetivos:
1. Aprofundar e atualizar conhecimentos técnico-científicos nas áreas do desenvolvimento humano de natureza cognitiva, emocional e social; Possibilitar a transposição de conceitos de desenvolvimento para a prática profissional na área de psicologia clínica.
2. Aprofundar e atualizar conhecimentos técnico-científicos em neuropsicologia, à prática profissional clínica direcionada à capacitação de profissionais da área;Refletir sobre o papel do neuropsicólogo na equipe interdisciplinar.

Conteúdo Programático:
1. Introdução: Conceito e Modelos Teóricos de Neurodesenvolvimento; Maturação e Aprendizagem. Desenvolvimento Cognitivo e Neuropsicomotor: Pré-natal; Peri-natal (RN); 1ª Infância (Pré-escolar); 2ª Infância (Fase Escolar); Adolescência, Adulto e Idoso.
2. Neuropsicólogo e o paciente; Função Atencional e de Memória; Funções Executivas e Linguagem; Praxias e Visuoconstrução; Cognição Social.

NETP – Estudos de Temas Específicos da Área: Desenvolvimento Humano e Neuropsicologia: (clique para fechar)

NETP - Orientação, Elaboração e Apresentação do TCC: (ver mais)

Elaboração e construção do projeto de pesquisa. Discussão da estrutura básicas de projeto e esclarecimento da organização do trabalho monográfico de conclusão de curso, desde os critérios de seleção do tema, da problemática, do percurso metodológico e bibliográfico.

Objetivo:
Capacitar o aluno para a realização de pesquisas em situações concretas da realidade, sistematizando a elaboração do projeto de pesquisa, a coleta, análise e interpretação de dados bem como do relatório de pesquisa sob a forma de trabalho científico.

Conteúdo Programático:
Unidade I – Planejamento de Pesquisa
    1.1 – O projeto de pesquisa
        1.1.1 – A escolha do tema
        1.1.2 – Justificativa e Fundamentação Teórica
        1.1.3 – Objetivos (geral e específicos)
        1.1.4 – Metodologia: Universo, Amostra e Instrumental
        1.1.5 – Forma de análise dos dados
        1.1.6 – Cronograma
        1.1.7 – Referências
    1.2 – Tipologia da Pesquisa
        1.2.1 – Pesquisa Qualitativa
        1.2.2 – Pesquisa Quantitativa
    1.3 – Instrumentos de coleta de Dados
        1.3.1 – Observação
        1.3.2 – Entrevista
        1.3.3 – Questionário
        1.3.4 – Formulário
        1.3.5 – Depoimento
        1.3.6 – História de Vida
        1.3.7 – Grupo Focal
        1.3.8 – Análise Documental
Unidade II – Coleta de Dados
    2.1 – Elaboração dos Instrumentos de Coleta de Dados
    2.2 – Pré- teste
    2.3 – Aplicação dos Instrumentos
Unidade III – Análise de dados
    3.1 – Sistematização de Dados
    3.2 – A Compreensão dos Dados
    3.3 – Análise de Conteúdo
    3.4 – Relatório de Pesquisa

NETP – Orientação, Elaboração e Apresentação do TCC: (clique para fechar)

NETP - Seminário de Acompanhamento e Avaliação do Programa II: (ver mais)

Objetivos:
Acompanhar o desenvolvimento do programa de residência em Síndromes e Anomalias Craniofaciais.
Identificar junto aos residentes, preceptores e tutores, as dificuldades e facilidades encontradas.
Levantar necessidades de adequações a fim de aperfeiçoar o andamento do programa e a formação dos residentes.
Colher sugestões dos residentes, preceptores, tutores, docentes e colaboradores, que contribuam para o melhor desenvolvimento do programa de residência.

Programa de atividades:
Reuniões com os residentes ao final de cada bimestre, para discussão sobre o andamento do programa e disponibilização dos questionários a serem preenchidos e devolvidos posteriormente.
Reuniões bimestrais da Coremu, com todos os tutores, oportunizando discussão dos resultados das avaliações.
Reuniões periódicas sempre que necessário, dos tutores com os preceptores de cada área, para orientação, esclarecimento de dúvidas e discussão de propostas de melhoria.
Reuniões eventuais com todos os preceptores, para acompanhamento das atividades (no mínimo uma a cada semestre).

NETP – Seminário de Acompanhamento e Avaliação do Programa II: (clique para fechar)

NETP - Seminários e Apresentação de Estudos de Casos: (ver mais)

Seminários e apresentação de estudos de casos buscam contribuir para a discussão dos casos por meio de informações que possam guiar a revisão ou o aperfeiçoamento da ação. Assuntos relacionados à experiência cotidiana nas atividades de campo, as quais suscitem dúvidas ou problemas, bem como os casos com êxitos que sirvam de referência.

Objetivos:
Ampliar a base de informações dos casos com Síndromes e Anomalias Craniofaciais;
Possibilitar a análise dos aspectos éticos e práticos no atendimento dos casos;
Oportunizar experiências compartilhadas de estudo sobre diferentes casos;
Possibilitar a análise crítica de estudos na área e suas aplicações.

NETP – Seminários e Apresentação de Estudos de Casos: (clique para fechar)

NETP - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (ver mais)

ABRISQUETA-GOMEZ, J. E SANTOS, F.H. Reabilitação Neuropsicológica: da teoria à prática. P.Alegre: Artes Médicas, 2006.
ALCOFORADO, M.G. Elaboração de projetos de pesquisa. In: Serviço Social: Direitos Sociais e Competências Profissionais. Brasília: CFESS/ABEPSS, 2009. v.1. p.719-738.
ALCOFORADO, M.G. Monografia Final. In: Serviço Social: Direitos Sociais e Competências Profissionais. Brasília: CFESS/ABEPSS, 2009. v.1. p.741-760.
AMARAL, V.L.A.R. do. Aspectos Psicossociais. In: ALTMANN, E.B.C. Fissuras labiopalatinas. São Paulo: Pro-fono. 4ed. Departamento editorial. p. 501-514, 1997.
ANDRADE, V.M.; SANTOS, F.H. E BUENO, O.F.A. Neuropsicologia Hoje. P.Alegre: Artes Médicas, 2004.
BACHEGA, M.I. Indicadores psicossociais e repercussões ma qualidade de vida de adolescentes com fissura labiopalatal. Botucatu, 2002. Tese (Doutorado em Pediatria) – Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista, 2002.
BACHEGA, M.I. Má-formação lábio-palatal em pacientes de 14 a 18 anos, atendidos há cinco anos ou mais, em hospital especializado: percepção do defeito e percepção sobre a instituição – Bauru, SP, 1992. São Paulo, 1993. 173p. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Escola Paulista de Medicina, 1993.
BARBIER, R. A Pesquisa-Ação. Brasília: Líber Livro. 2007. 159p. (Série Pesquisa, v.3).
BARROS, A.J.P. e LEHFELD, N.A.S. Projeto de Pesquisa: Propostas Metodológicas. Rio de Janeiro: Vozes, 1990.
BASTID, R. Introdução a Dois Estudos Sobre a Técnica das Histórias de Vida Sociológica. São Paulo: 1953.
BEE, H. A Criança em Desenvolvimento, no Brasil, pela ARTMED, 2003, 9ª ed
BOURGUIGNON, J.A. A particularidade histórica da pesquisa no Serviço Social. São Paulo: Veras ed. 2008. 232p.
CALDERÓN, A. I: GUIMARÂES R.F. Família: a crise de um modelo hegemônico.In: Revista serviço social e sociedade nº 46. São Paulo: Cortez,1994. p.21-34
CAMARGO, R. B. O desvelamento das relações sociais e a busca dos efeitos do início tardio do tratamento dos pacientes portadores de fissuras no HPRLLP. Bauru: Hospital de Pesquisa e Reabilitação de Lesões Lábio-Palatais, Universidade de São Paulo, 1994. 102 p.
CAMARGO, S., LEHFELD, N.A.S., CUSTÓDIO, S.A.M. Deficiência na adolescência: um estigma de exclusão social? Bauru, 1998. 80p. Monografia (Especialização em Serviço Social) Hospital de Pesquisa e Reabilitação de Lesões Lábio-Palatais, Universidade de São Paulo. 1998.
CARDOSO, A. de L. Preparando hoje os pais do amanhã. Bauru, 2000. 101 p. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso em Serviço Social) – Faculdade de Serviço Social de Bauru, Instituição Toledo de Ensino, 2000.
CARVALHO, A.P.B., TAVANO, L.D’.A. Avaliação das reações dos pais, diante do nascimento e tratamento dos filhos portadores de fissura lábio-palatal, no Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais – USP/Bauru. II Encontro Científico da Pós-Graduação do HRAC, 4 a 6 de dezembro de 1998, HRAC, Bauru-SP. p.59.
CHIZZOTTI, A. Pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. 9.ed. São Paulo: Cortez, 2008. 164p.
CHIZZOTTI, A. Pesquisas Qualitativa em Ciências Humanas e Sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006. 142p.
CIASCA, S.M. (org) Distúrbio de Aprendizagem: proposta de avaliação interdisciplinary. SP:Casa do psicólogo, 2003.
COSTA, F.S. Estatística aplicada à pesquisa em educação. Brasília: Plano Ed., 2004. 80p. (Série Pesquisa em Educação, v.7).
DEMO, P. Pesquisa Participante: saber pensar e intervir juntos. Brasília: Líber Livro. 2004. 140p. (Série Pesquisa em Educação, v.8).
DESSEN, M.A. e COSTA JUNIOR, A.L. A Ciência do Desenvolvimento Humano: tendências atuais e perspectivas futuras. P.Alegre:Artmed, 2005.
FERNANDES, H. Questão em debate: técnicas qualitativas e quantitativas de pesquisa: oposição ou convergência? Cadernos CERU, n.3, série 11, p.148-160, 1991.
FILHO, J.M.; LEHFELD N.A .S. (Orgs.). Prática de Pesquisa. Franca: UNESP, 2004.178p.
FLICK, U. Pesquisa qualitativa e quantitativa. In: Introdução à Pesquisa Qualitativa. Tradução Costa, J.E. 3ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. p.39-49.
FONSECA, V. da Cognição, Neuropsicologia e Aprendizagem. SP:Vozes, 2007.
FRANCO, M.L.P.B. Análise do Conteúdo. Brasília: Plano Editora, 2003. 72p. (Série Pesquisa em Educação, v.6).
GARCIA, J.R.L. Auto-imagem em pacientes adultos com fissura lábio-palatal: uma análise através do desenho da figura humana. Bauru. 1997. 69p. Monografia (Especialização em Psicologia Clínica) Hospital de Pesquisa e Reabilitação de Lesões Lábio-Palatais, Universidade de São Paulo, 1997.
GATTI, B.A. A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília: Plano Editora, 2002. 87p. (Série Pesquisa em Educação, v.1).
GATTI, B.A. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Líber Livro. 2005. 77p. (Série Pesquisa em Educação, v.10).
GIL, A.C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas, 1991. _______. Como elaborar projetos de pesquisa .São Paulo: Atlas, 1989.
GIL, R. Neuropsicologia. SP:Santos, 2002.
GRIGOLLI, A.A.G. Metodologia do Trabalho Científico e Recursos Informacionais na Área da Saúde. São Paulo: editora Santos, 2008. 208p.
KAP-SIMON, K.A., SIMON, D.J., KRISSOVICH, S. Self-perception, social skills, adjustment, and inhibition in young adolescentes with craniofacial anomalies. Cleft Palate-Craniofacial J, 1992; 29:352-6.
LAKATOS, E. M. e MARCONI, M. A. Metodologia do Trabalho Científico – 2a ed. São Paulo: Atlas, 1989.
LEFEVRE, F., LEFEVRE, A.M. Depoimentos e Discursos: uma proposta de análise em pesquisa social. Brasília: Líber Livro Ed. 2005. 97p. (Série Pesquisa, v.12).
LEFRANÇOIS, G.R. Teorias da Aprendizagem. Cengage Learning. 2008.
LURIA, A.R., LEONTIEV, L. e VYGOTSKY, L.S.. Bases psicológicas da aprendizagem e do desenvolvimento. Ed. Moraes, 1991.
MALLOY-DINIZ, L.F et al. Avaliação Neuropsicológica. P.Alegre:Artmed, 2010.
MARSIGLIA, R.M.G. O projeto de pesquisa em Serviço Social. In: Capacitação em Serviço Social: Mód. 5 – Intervenção e Pesquisa em Serviço Social. Brasília: UnB Centro de Educação Aberta, Continuada, a Distância, 2001. p.19-44.
MARTINELLI, M.L. O uso de abordagens qualitativas na pesquisa em Serviço Social. In: O uso de abordagens qualitativas na pesquisa em Serviço Social: Um instigante desafio. Programa de Estudos Pós-Graduados em Serviço Social. PUCSP – NEPI. 2ed. n.1. 1994. p.11-18. _______. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1999.
MARTINELLI, M.L.(org.). Pesquisa qualitativa: um instigante desafio. São Paulo: Veras, 1999.
MARTINS, H.H.T.S. Técnicas qualitativas e quantitativas de pesquisa: oposição ou convergência? Cadernos CERU, n.3, série 11, p.161-165, 1991.
MAZZOTTI, A. J. A.; GEWANDSZNAJDER, F. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira, 1998.
MINAYO, M. C. S. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: _______. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 7 ed. Petrópolis: Vozes. 1994. p. 9-29 (Temas sociais).
MINAYO, M.C.S. A pesquisa qualitativa. Desafios da pesquisa em Saúde. In: SIMPÓSIO DE SERVIÇO SOCIAL DE SAÚDE/1998. São Paulo. Tv Med. 1998. [1 vídeo cassete].
MINAYO, M.C.S.(org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 7ed. 1994. 80p.
MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo, Rio de Janeiro: HUCITEC-ABRASCO, 1992.
MOROZ, M. E GIANFALDONI, M.H.T.A. O Processo de Pesquisa Iniciação. Brasília: Líber Livro Ed. 2a.ed. 2006. 124p. (Série Pesquisa, v.2).
QUEIROZ, M. I. P. Variações Sobre a Técnica de Gravador no Registro da Informação Viva. São Paulo: CERU, 1983.
QUEIROZ, M.L. O pesquisador, o problema da pesquisa, a escolha de técnicas: algumas reflexões. In: LANG, A.B.S.G.(org.). Reflexões sobre a pesquisa sociológica. São Paulo: CERU, 1992. p.13-29 (Textos CERU, 2, n.3).
RODRIGUES, M.L. Refletindo sobre análise e interpretação de dados em pesquisa. In: _______. Cultivando a Pesquisa: reflexões sobre a investigação em ciências sociais e humanas. Franca: UNESP, 1998. 63p. p.53-63.
RODRIGUES, M.L., NEVES, P.N. (orgs.) Cultivando a Pesquisa: reflexões sobre a investigação em ciências sociais e humanas. Franca: Unesp, 1998.
SEVERINO, A.J. Metodologia do trabalho científico. 23ed. rev. e atualizada. São Paulo: Cortez, 2007. 296p.
STENBERG, R.J. Psicologia Cognitiva. P.Alegre:Artmed, 2000.
SZYMANSKI, H.(org.). A entrevista na Pesquisa em Educação: a prática reflexiva. Brasília: Líber Livro Ed. 2004. 87p. (Série Pesquisa em Educação, v.4).
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. HOSPITAL DE REABILITAÇÃO DE ANOMALIAS CRANIOFACIAIS. Guia de orientação para elaboração de monografia, dissertação e tese. Bauru: Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo, 2003.
VIANNA, H.M. Pesquisa em Educação a observação. Brasília: Líber Livro. 2007. 108p. (Série Pesquisa, v.5).
VYGOTSKY, L.S. Pensamento e linguagem. SP: Martins Fontes, 1987.

NETP – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (clique para fechar)

PSICOLOGIA (NETP) (clique para fechar)

SERVIÇO SOCIAL (NETSS) (ver mais)

NETSS - Aspectos Psicossociais, Familiares e Legais na Reabilitação das Fissuras Orofaciais: (ver mais)

Fornecer uma visão globalizada da pessoa com deficiência (especialmente as com anomalias craniofaciais) e as repercussões psicossociais nas diferentes fases: nascimento, socialização, escolarização, adolescência e idade adulta, propiciando ao aluno o desenvolvimento de ações tanto preventivas como de intervenção no contexto individual, familiar e social. Transmitir aos profissionais de Serviço Social os direitos constitucionais do cidadão brasileiro de forma a garantir o exercício de sua plena cidadania.

Objetivos:
Fornecer ao aluno conhecimentos para a compreensão dos aspectos psicossociais e familiares na reabilitação de pessoas com deficiências.
Oferecer subsídios para o avanço da reflexão sobre as questões sociais que permeiam a relação entre o Serviço Social, a Cidadania, a Família e o Trabalho em sua articulação com a área da Saúde.
Explorar o alcance dos aspectos legais no desenvolvimento das ciências sociais, com ênfase na Constituição Federativa de 1988 e Código Civil Brasileiro.

Conteúdo Programático:
Unidade I – Anomalias Craniofaciais e Aspectos Psicossociais
    1.1 – A família: conceituação, impacto e enfrentamento diante do nascimento de crianças com fissuras labiopalatais
    1.2 – Repercussões psicossociais nas diferentes fases do desenvolvimento
        1.2.1 – socialização
        1.2.2 – escolarização
        1.2.3 – adolescência
        1.2.4 – idade adulta
Unidade II – A família e o serviço social
    2.1 – A família e proteção social
    2.2 – O perfil da família brasileira
    2.3 – Família e o serviço social
    2.4 – O vínculo assistente social-família no contexto hospitalar
    2.5 – A importância da família no processo de saúde e reabilitação
    2.6 – Internação hospitalar: impacto no cliente e na família
Unidade III – Aspectos legais
    3.1 – Direitos da Pessoa com deficiência
        3.1.1 – Benefício de prestação continuada
        3.1.2 – Transporte gratuito
        3.1.3 – Reserva de cotas no mercado de trabalho e concursos públicos
        3.1.4 – Outros

NETSS – Aspectos Psicossociais, Familiares e Legais na Reabilitação das Fissuras Orofaciais: (clique para fechar)

NETSS - Estudos de Temas Específicos da Área: Prática do Serviço Social na Área da Saúde e Reabilitação Interdisciplinar; Estudo Social: Fundamentos, Indicadores e Instrumentos; e Sociedade Civil e Terceiro Setor (ver mais)

Propiciar ao aluno a revisão de conceitos necessários para a compreensão da ação profissional do assistente social na área da saúde, instrumentalizando-o para o exercício da prática e da pesquisa, bem como a reflexão teórica sobre questões atuais no campo da saúde e reabilitação. O curso, que tem como eixo central a interdisciplinaridade na área de saúde, insere o aluno no atual debate desta temática, analisando suas possibilidades e limites no cotidiano institucional, destacando o papel do Serviço Social na efetivação do trabalho interdisciplinar. O estudo social está intimamente relacionado com as condições de vida das famílias na sociedade brasileira. Neste contexto cabe ao assistente social definir e operacionalizar instrumentais para o conhecimento da realidade socioeconômica dos usuários das políticas sociais e intervir nesta realidade, facilitando o seu processo de inclusão. A consciência cidadã tem levado a sociedade civil a se organizar na defesa dos direitos articulando-se ao terceiro setor que, no caso, tem complementado a rede de serviços na área da saúde e assistência.

Objetivos:
1. Aprofundar e atualizar conhecimentos técnico-científicos em políticas de saúde/reabilitação e prática profissional, direcionados à capacitação de profissionais de Serviço Social; Possibilitar uma capacitação reflexiva sobre os fundamentos teóricos, técnicos, políticos e éticos da profissão, preparando os profissionais para enfrentar os desafios da atualidade; Refletir sobre a realidade concreta das políticas de saúde/reabilitação, buscando instrumentalizar-se para intervir nesta realidade; Refletir sobre o papel do Serviço Social na equipe interdisciplinar.
2. Discutir e sistematizar conhecimentos sobre o processo de construção do estudo social e sua relação com as políticas sociais; Refletir sobre o significado do estudo social no contexto familiar; Oferecer subsídios para o avanço da reflexão sobre o estudo socioeconômico na realidade brasileira.
3. Propiciar uma reflexão sobre a participação da sociedade civil nas políticas públicas e o papel do terceiro setor nesse movimento.

Conteúdo Programático:
 1. Unidade I: O Serviço Social na área da saúde:
        1.1 – A questão social e as dimensões da prática do Serviço Social;
        1.2 – A questão da saúde e o Serviço Social;
        1.3 – O Serviço Social na saúde e sua trajetória histórica;
        1.4 – Reflexões sobre a prática profissional do Assistente Social na saúde;
        1.5 – Internação hospitalar: impacto no cliente e na família;
        1.6 – A prática profissional na área da saúde e seus saberes.
    Unidade II – Serviço Social e Reabilitação:
        2.1 – A deficiência: aspectos sociais da reabilitação e trabalho interdisciplinar;
        2.2 – A política nacional de integração da pessoa portadora de deficiência;
        2.3 – A inclusão social.
    Unidade III – O cotidiano profissional na saúde e reabilitação: relação teórico-prático:
        3.1 – Apresentação de experiências práticas e visitas institucionais.
 2. Unidade I – Revisão teórico-metodológica do instrumental do Serviço Social.
    Unidade II – O estudo social: fundamentos teóricos-metodológicos e éticos .
    Unidade III – Políticas Sociais:
        3.1 – Universalidade e seletividade;
        3.2 – Famílias e sua centralidade nas políticas sociais.
    Unidade IV – Indicadores e instrumentais no estudo socioeconômico:
        4.1 – Indicadores sociais;
        4.2 – Instrumentais técnico operativos.
    Unidade V – Critérios de avaliação socioeconômica;
        5.1 – A configuração dos estratos sociais.
    Unidade VI – Protocolos de estudo social.
    Unidade VII – O instrumental frente às novas exigências da profissão.
3. O Terceiro Setor:
    1.1 – O terceiro setor;
    1.2 – O terceiro setor e a tradição filantrópica;
    1.3 – As organizações do terceiro setor;
    1.4 – Constituição e organização: aspectos legais e administrativos;
    1.5 – Parcerias e alianças;
    1.6 – Captação de diferentes recursos para organizações da sociedade civil;
    1.7 – Redes: uma nova forma de atuação.

NETSS – Estudos de Temas Específicos da Área: Prática do Serviço Social na Área da Saúde e Reabilitação Interdisciplinar; Estudo Social: Fundamentos, Indicadores e Instrumentos; e Sociedade Civil e Terceiro Setor: (clique para fechar)

NETSS - Organização e Gestão de Serviços e Ética em Serviço Social: (ver mais)

A Gestão Social como ferramenta importante para o Serviço Social, tanto na administração pública como em empresas e organizações de Terceiro Setor. A Ética como elemento fundante na construção teórico-metodológico do Serviço Social, possibilitando uma postura ética e comprometida com os usuários.

Objetivos:
1. Explicitar gestão social caracterizada pela democracia, flexibilidade e envolvimento e comunicação entre os participantes – abordando: processos administrativos para a administração de organizações sociais; à tecnologia de gerencia social; os contextos de gestão privada e pública, suas diferenças, especificidades e interações.
2. Propor subsídios que apontam para uma nova práxis profissional. Estimular uma postura ética comprometida com os usuários diante dos aspectos da política da saúde e reabilitação. Preparar os alunos para o exercício de suas funções na prática profissional com fundamentos na ética profissional do Serviço Social.

Conteúdo Programático:
1. Gestão Social e a sua Abrangência: Gestão social e as políticas públicas; Gestão social e a transformação da sociedade. O Assistente Social enquanto gestor no processo de descentralização; Atuação do assistente social em empresas públicas e privadas; O social: Um poderoso articulador; Sistema descentralizado e participativo. Gestão do trabalho em saúde: Política de gestão do trabalho em saúde; Estratégias e modelos de gestão na saúde.
2. Ética Profissional no mundo de hoje: Aspectos fundamentais do Código de Ética do Serviço Social; Ética profissional do Serviço Social; Aspectos do Projeto ético-político do Serviço Social; Ética e prática profissional: Serviço Social e saúde; Estudos sobre os aspectos éticos na prática profissional.

NETSS – Organização e Gestão de Serviços e Ética em Serviço Social: (clique para fechar)

NETSS - Pesquisa em Serviço Social: Orientação, Elaboração e Apresentação do TCC: (ver mais)

A pesquisa é um fundamental instrumento de trabalho do Assistente Social, bem como condição fundamental para a construção de conhecimento científico, assim sendo, a disciplina se torna fundamental para a capacitação do aluno como profissional crítico e compromissado com construção e alargamento da teoria das ciências sociais.

Objetivo:
Capacitar o aluno para a realização de pesquisas em situações concretas da realidade, sistematizando a elaboração do projeto de pesquisa, a coleta, análise e interpretação de dados bem como do relatório de pesquisa sob a forma de trabalho científico.

Conteúdo Programático:
Unidade I – Planejamento de Pesquisa
    1.1 – O projeto de pesquisa
        1.1.1 – A escolha do tema
        1.1.2 – Justificativa e Fundamentação Teórica
        1.1.3 – Objetivos (geral e específicos)
        1.1.4 – Metodologia: Universo, Amostra e Instrumental
        1.1.5 – Forma de análise dos dados
        1.1.6 – Cronograma
        1.1.7 – Referências
    1.2 – Tipologia da Pesquisa
        1.2.1 – Pesquisa Qualitativa
<strong        >1.2.2 – Pesquisa Quantitativa
    1.3 – Instrumentos de coleta de Dados
        1.3.1 – Observação
        1.3.2 – Entrevista
        1.3.3 – Questionário
        1.3.4 – Formulário
        1.3.5 – Depoimento
        1.3.6 – História de Vida
        1.3.7 – Grupo Focal
        1.3.8 – Análise Documental
Unidade II – Coleta de Dados
    2.1 – Elaboração dos Instrumentos de Coleta de Dados
    2.2 – Pré-teste
    2.3 – Aplicação dos Instrumentos
Unidade III – Análise de dados
    3.1 – Sistematização de Dados
    3.2 – A Compreensão dos Dados
    3.3 – Análise de Conteúdo
    3.4 – Relatório de Pesquisa

NETSS – Pesquisa em Serviço Social: Orientação, Elaboração e Apresentação do TCC: (clique para fechar)

NETSS - Seminário de Acompanhamento e Avaliação do Programa II: (ver mais)

Objetivos:
Acompanhar o desenvolvimento do programa de residência em Síndromes e Anomalias Craniofaciais.
Identificar junto aos residentes, preceptores e tutores, as dificuldades e facilidades encontradas.
Levantar necessidades de adequações a fim de aperfeiçoar o andamento do programa e a formação dos residentes.
Colher sugestões dos residentes, preceptores, tutores, docentes e colaboradores, que contribuam para o melhor desenvolvimento do programa de residência.

Programa de atividades:
Reuniões com os residentes ao final de cada bimestre, para discussão sobre o andamento do programa e disponibilização dos questionários a serem preenchidos e devolvidos posteriormente.
Reuniões bimestrais da Coremu, com todos os tutores, oportunizando discussão dos resultados das avaliações.
Reuniões periódicas sempre que necessário, dos tutores com os preceptores de cada área, para orientação, esclarecimento de dúvidas e discussão de propostas de melhoria.
Reuniões eventuais com todos os preceptores, para acompanhamento das atividades (no mínimo uma a cada semestre).

NETSS – Seminário de Acompanhamento e Avaliação do Programa II: (clique para fechar)

NETSS - Seminários e Apresentação de Estudos de Casos: (ver mais)

Seminários e apresentação de estudos de casos buscam contribuir para a discussão dos casos por meio de informações que possam guiar a revisão ou o aperfeiçoamento da ação. Assuntos relacionados à experiência cotidiana nas atividades de campo, as quais suscitem dúvidas ou problemas, bem como os casos com êxitos que sirvam de referência.

Objetivos:
Ampliar a base de informações dos casos com Síndromes e Anomalias Craniofaciais;
Possibilitar a análise dos aspectos éticos e práticos no atendimento dos casos;
Oportunizar experiências compartilhadas de estudo sobre diferentes casos;
Possibilitar a análise crítica de estudos na área e suas aplicações.

NETSS – Seminários e Apresentação de Estudos de Casos: (clique para fechar)

NETSS - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (ver mais)

ALCOFORADO, M.G. Elaboração de projetos de pesquisa. In: Serviço Social: Direitos Sociais e Competências Profissionais. Brasília: CFESS/ABEPSS, 2009. v.1. p.719-738.
ALCOFORADO, M.G. Monografia Final. In: Serviço Social: Direitos Sociais e Competências Profissionais. Brasília: CFESS/ABEPSS, 2009. v.1. p.741-760.
AMARAL, V.L.A.R. do. Aspectos Psicossociais. In: ALTMANN, E.B.C. Fissuras labiopalatinas. São Paulo: Pro-fono. 4ed. Departamento editorial. p. 501-514, 1997.
BACHEGA, M.I. Indicadores psicossociais e repercussões ma qualidade de vida de adolescentes com fissura labiopalatal. Botucatu, 2002. Tese (Doutorado em Pediatria) – Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista, 2002.
BACHEGA, M.I. Má-formação lábio-palatal em pacientes de 14 a 18 anos, atendidos há cinco anos ou mais, em hospital especializado: percepção do defeito e percepção sobre a instituição – Bauru, SP, 1992. São Paulo, 1993. 173p. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Escola Paulista de Medicina, 1993.
BAPTISTA, M. N.; CAMPOS, D.C.. Metodologias de pesquisa em ciências: análises quantitativas e qualitativas. Rio de Janeiro: LTC, 2010. 299 p.
BAPTISTA, M.V. A investigação em Serviço Social. São Paulo: Veras Editora; Lisboa [Portugal]: CPIHTS – Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social, 2006. 104p.
BARBIER, R. A Pesquisa-Ação. Brasília: Líber Livro. 2007. 159p. (Série Pesquisa, v.3).
BARROS, A. J. S.; LEHFELD, N. A. S. A pesquisa científica e a iniciação científica. In: BARROS, A. J. P.; LEHFELD, N. A. Fundamentos da metodologia científica: um guia para a iniciação científica. 2. ed. ampl. São Paulo: Markron Books, 2000. p.67-88.
BARROS, A.J.P. e LEHFELD, N.A.S. Projeto de Pesquisa: Propostas Metodológicas. Rio de Janeiro: Vozes, 1990.
BASTID, R. Introdução a Dois Estudos Sobre a Técnica das Histórias de Vida Sociológica. São Paulo: 1953.
BLATTNER, S.H.B. Portadores de lesões lábio-palatais e suas relações no trabalho: estigma e realidade. Franca, 2000. 151 p. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Faculdade de História, Direito e Serviço Social, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, 2000.
BOURGUIGNON, J.A. A particularidade histórica da pesquisa no Serviço Social. São Paulo: Veras ed. 2008. 232p.
BRASIL. Constituição, 1988. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado; 1988. 48p.
BRASIL. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com deficiência: protocolo facultativo à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: decreto legislativo n 186, de 09 de julho de 2008; decreto n 6949 de 25 de agosto de 2009 – 5 ed., ver. E atual. – Brasília; Secretaria de Direitos Humanos, Secretaria Nacional de Promoção dos direitos da pessoa com deficiência, 2014. 100p.
BRASIL. Lei nº 10.406, de 10 de Janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10406.htm. Acesso em: 22 de maio de 2015.
BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional da Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. [Resolve aprovar as seguintes diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos]. Diário Oficial da União, Brasília, 13 jun. 2013. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf Acesso em: 21 maio 2015.
BRASIL. Presidência da República. Decreto n. 3298, de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a lei n° 7853 de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/dec3298.pdf Acesso em: 22 maio 2015
BRASIL. Presidência da República. Decreto n. 5296, de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis n. 10048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências.Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm. Acesso 2m 22 de maio de 2015.
BRASIL. Presidência da República. Lei n. 8.742 de 6 de dezembro de 1993. Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências. Diário oficial da União, Brasília, 7 dez. 1993. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8742.htm Acesso em: 22 mai. 2015.
CALDERÓN, A. I: GUIMARÂES R.F. Família: a crise de um modelo hegemônico.In: Revista serviço social e sociedade nº 46. São Paulo: Cortez,1994. p.21-34
CAMARGO, R. B. O desvelamento das relações sociais e a busca dos efeitos do início tardio do tratamento dos pacientes portadores de fissuras no HPRLLP. Bauru: Hospital de Pesquisa e Reabilitação de Lesões Lábio-Palatais, Universidade de São Paulo, 1994. 102 p.
CAMARGO, S., LEHFELD, N.A.S., CUSTÓDIO, S.A.M. Deficiência na adolescência: um estigma de exclusão social? Bauru, 1998. 80p. Monografia (Especialização em Serviço Social) Hospital de Pesquisa e Reabilitação de Lesões Lábio-Palatais, Universidade de São Paulo. 1998.
CAMPOS, C. B. et al. Proposta I: PROPOSTA DE ENQUADRAMENTO DA FISSURA LABIOPALATINA COMO DEFICIÊNCIA: JUSTIFICATIVA. Disponível em http://www.redeprofis.com.br/admin/webeditor/uploads/files/Proposta%20de%20enquadramento%20I.pdf. Acesso em 22 de maio de 2015.
CARDOSO, A. de L. Preparando hoje os pais do amanhã. Bauru, 2000. 101 p. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso em Serviço Social) – Faculdade de Serviço Social de Bauru, Instituição Toledo de Ensino, 2000.
CARVALHO, A.P.B., TAVANO, L.D’.A. Avaliação dos pais, diante do nascimento e tratamento dos filhos portadores de fissura lábio-palatal, no Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais – USP/Bauru. Disponível em: http://www.moreirajr.com.br/revistas.asp?id_materia=454&fase=imprime. Acesso em: 22 maio 2015.
CHIZZOTTI, A. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. 12.ed. São Paulo: Cortez, 2011. 144p.
CHIZZOTTI, A. Pesquisas Qualitativa em Ciências Humanas e Sociais. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. 144 p.
COSTA, F.S. Estatística aplicada à pesquisa em educação. Brasília: Plano Ed., 2004. 80p. (Série Pesquisa em Educação, v.7).
CRUZ NETO, O. O trabalho de campo como descoberta e criação. In: MINAYO, M.C.S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 23. ed. Petrópolis: Vozes, 2004. p.51-66.
DEMO, P. Pesquisa Participante: saber pensar e intervir juntos. Brasília: Líber Livro. 2004. 140p. (Série Pesquisa em Educação, v.8).
DEMO. P.. Metodologia cientifica em ciências sociais. 2. ed. São Paulo: Atlas. 1989. 287 p.
FERNANDES, H. Questão em debate: técnicas qualitativas e quantitativas de pesquisa: oposição ou convergência? Cadernos CERU, n.3, série 11, p.148-160, 1991.
FERNANDES, T. F. S. ; MESQUITA, S. T. . Aspectos Sociais e Econômicos das Famílias Casos Novos de um Programa de Implante Coclear. Textos & Contextos (Porto Alegre), v. 13, p. 143, 2014.
FERNANDES, T. F. S. As repercussões sociais em indivíduos com distúrbios da comunicação associados às fissuras labiopalatinas com e sem perda auditiva. Audiol Commun Res. 2015;20 (1): 40-7
FILHO, J.M.; LEHFELD N.A .S. (Orgs.). Prática de Pesquisa. Franca: UNESP, 2004.178p.
FLICK, U. Pesquisa qualitativa e quantitativa. In: Introdução à Pesquisa Qualitativa. Tradução Costa, J.E. 3ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. p.39-49.
Fraga CK. A atitude investigativa no trabalho do assistente social. Serv. Soc Soc. 2010: (101):40-64.
FRANCO, M.L.P.B. Análise do Conteúdo. Brasília: Plano Editora, 2003. 72p. (Série Pesquisa em Educação, v.6).
GARCIA, J.R.L. Auto-imagem em pacientes adultos com fissura lábio-palatal: uma análise através do desenho da figura humana. Bauru. 1997. 69p. Monografia (Especialização em Psicologia Clínica) Hospital de Pesquisa e Reabilitação de Lesões Lábio-Palatais, Universidade de São Paulo, 1997.
GARCIA, M. L. T. Há pedras no meio do caminho: reflexões sobre a produção científica em periódicos da área de Serviço Social. Argumentum, Vitória, v. 1, n. 1, p. 6-15, jul./dez. 2009.
GARCIA, R. C.M. Aspectos Psicossociais e familiares de Indivíduos com e sem distúrbios da comunicação decorrentes a Fissura Labiopalatina. 2006. 101f. Dissertação (Mestrado em Distúrbios da Comunicação Humana) Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, USP, Bauru, 2006.
GATTI, B.A. A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília: Plano Editora, 2002. 87p. (Série Pesquisa em Educação, v.1).
GATTI, B.A. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Líber Livro. 2005. 77p. (Série Pesquisa em Educação, v.10).
GIL, A. C.. Como elaborar projetos de pesquisa. 5 ed. São paulo: Atlas, 2010. 184 p. _______. Como elaborar projetos de pesquisa .São Paulo: Atlas, 1989.
GIL, A.C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5 ed. São Paulo: Atlas; 2007. 207 p.
GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro, 2012. 158p.
GRACIANO, M. I. G.; GALVÃO, K. A. Modelos e arranjos familiares: um estudo na área da fissura labiopalatina na realidade brasileira. Arquivos de Ciências da Saúde, São Paulo, v.21, n.2, p.56-63, Abr./Jun.2014.
GRACIANO, M. I. G.; TAVANO, L. D.; BACHEGA, M. I. Aspectos psicossociais da reabilitação. In: TRINDADE, I. E. K.; SILVA FILHO, O. G. (Org.). Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Editora Santos, 2007. p.311-333.
GRACIANO, M.I.G, et al. Aspectos sociofamiliares constitutivos do estudo social de adolecentes com fissura labiopalatina. Arq. Cienc. Saúde. 2015 jan-mar; 22 (1) 79-84
GRACIANO, M.I.G. De cliente a agente: os pais coordenadores e a sua ação multiplicadora num programa com portadores de lesões lábio-palatais. 1988. 156p. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.
GRACIANO, M.I.G.; BENEVIDES, E.S.; SPOSITO, C.. O acesso a direitos das pessoas com fissura labiopalatina: as repercurssões do laudo de deficiencia. Arq Cienc Saúde 2012 jul-set 19(3) 82-90.
GRACIANO, M.I.G.; SPOSITO, C.. A pessoa com fissura labiopalatina: conhecimento e concepção sobre deficiencia. Arq Cienc Saúde 2011 out-dez 18 (4) 143-51
Graciano, MIG et al. Proposta II:CRITÉRIOS PARA ENQUADRAMENTO DA FISSURA LABIOPALATINA COMO DEFICIÊNCIA SEGUNDO GRAU E TIPO DE COMPROMETIMENTO. Disponível em http://www.redeprofis.com.br/admin/webeditor/uploads/files/Proposta%20de%20enquadramento%20I.pdf. Acesso em 22 de maio de 2015.
GRIGOLLI, A.A.G. Metodologia do Trabalho Científico e Recursos Informacionais na Área da Saúde. São Paulo: editora Santos, 2008. 208p.
GUEIROS.D.A. Família e proteção social questões atuais e limites da solidariedade família.In: revista serviço social sociedade nº 71, ano XXIII, Especial 2002. p.102 –121.
JOSÉ FILHO, M. A família como espaço privilegiado para a construção da cidadania. Franca. UNESP – FHDSS. 2002. 158p.
KALOUSTIAN, S. M. (org.) Família brasileira a base de tudo. São Paulo: Cortez.2011.183 p.
KAP-SIMON, K.A., SIMON, D.J., KRISSOVICH, S. Self-perception, social skills, adjustment, and inhibition in young adolescentes with craniofacial anomalies. Cleft Palate-Craniofacial J, 1992; 29:352-6.
LAKATOS, E. M. e MARCONI, M. A. Metodologia do Trabalho Científico – 2a ed. São Paulo: Atlas, 1989.
LEFEVRE, F., LEFEVRE, A.M. Depoimentos e Discursos: uma proposta de análise em pesquisa social. Brasília: Líber Livro Ed. 2005. 97p. (Série Pesquisa, v.12).
LOPES J.R. Das famílias “desestruturadas as famílias recombinadas”: transição, intimidade, feminilidade. In: Revista serviço social e sociedade. São Paulo, n°. 46, 1994, p.5-20
MARSIGLIA, R.M.G. O projeto de pesquisa em Serviço Social. In: Capacitação em Serviço Social: Mód. 5 – Intervenção e Pesquisa em Serviço Social. Brasília: UnB Centro de Educação Aberta, Continuada, a Distância, 2001. p.19-44.
MARTINELLI, M.L. O uso de abordagens qualitativas na pesquisa em Serviço Social. In: O uso de abordagens qualitativas na pesquisa em Serviço Social: Um instigante desafio. Programa de Estudos Pós-Graduados em Serviço Social. PUCSP – NEPI. 2ed. n.1. 1994. p.11-18. _______. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1999.
MARTINELLI, M.L.(org.). Pesquisa qualitativa: um instigante desafio. São Paulo: Veras, 1999.
MARTINS, H.H.T.S. Técnicas qualitativas e quantitativas de pesquisa: oposição ou convergência? Cadernos CERU, n.3, série 11, p.161-165, 1991.
MAZZOTTI, A. J. A.; GEWANDSZNAJDER, F. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira, 1998.
MESQUITA, S. T. . Abordando a pesquisa qualitativa. In: Mário José Filho; Neide Aparecida de Souza Lehfeld. (Org.). Prática de Pesquisa. Franca: Franca – UNESP, 2004, v. , p. 15-38.
MESQUITA, Sonia Tebet. As repercussões sociais das malformações congênitas lábio-palatais no cotidiano de seus portadores. Bauru: Hospital de Pesquisa e Reabilitação de Lesões Lábio-Palatais, Universidade de São Paulo, 1991. 136p. (Relatório Final – CNPq, processo nº 821013/88-2).
MICHEL, M. H. Metodologia e pesquisa cientifica em ciências sociais. 2. ed – São Paulo: Atlas, 2009. 204 p.
MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 31. ed. Petrópolis: Vozes, 2012. 108p.
MINAYO, M. C. S. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: _______. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 7 ed. Petrópolis: Vozes. 1994. p. 9-29 (Temas sociais).
MINAYO, M.C.S. A pesquisa qualitativa. Desafios da pesquisa em Saúde. In: SIMPÓSIO DE SERVIÇO SOCIAL DE SAÚDE/1998. São Paulo. Tv Med. 1998. [1 vídeo cassete].
MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: HUCITEC-ABRASCO, 2010. 407 p.
MINERVINO-PEREIRA, A.C.M. Auto-conceito e auto-estima em indivíduos com fissura lábio-palatina: influência do tipo de fissura e do tempo de convivência com a mesma. Bauru. Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo, 2000. 126p. (Tese de Mestrado em Ciências – Área de concentração: Distúrbios da Comunicação Humana). HRAC-USP.
MORAES, M. C. A. F. Contribuições das atividades expressivas recreativas durante a hospitalização da pessoa com fissura labiopalatina, 2012. 125f. Tese (Doutorado em Ciências da Reabilitação) – Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo. 2012.
MOROZ, M. E GIANFALDONI, M.H.T.A. O Processo de Pesquisa Iniciação. Brasília: Líber Livro Ed. 2a.ed. 2006. 124p. (Série Pesquisa, v.2).
OLIVEIRA, S.L.. Tratado de metodologia cinetifica: projetos de pesquisas. São Paulo: Pioneira. 1997. 320 p.
PENTEADO, L.H. Internação Hospitalar: impacto no cliente e na família. Serviço Social Hospitalar, São Paulo, 1996. p. 21-24
QUEIROZ, M. I. P. Variações Sobre a Técnica de Gravador no Registro da Informação Viva. São Paulo: CERU, 1983.
QUEIROZ, M.L. O pesquisador, o problema da pesquisa, a escolha de técnicas: algumas reflexões. In: LANG, A.B.S.G.(org.). Reflexões sobre a pesquisa sociológica. São Paulo: CERU, 1992. p.13-29 (Textos CERU, 2, n.3).
RODRIGUES, M.L. Refletindo sobre análise e interpretação de dados em pesquisa. In: _______. Cultivando a Pesquisa: reflexões sobre a investigação em ciências sociais e humanas. Franca: UNESP, 1998. 63p. p.53-63.
RODRIGUES, M.L., NEVES, P.N. (orgs.) Cultivando a Pesquisa: reflexões sobre a investigação em ciências sociais e humanas. Franca: Unesp, 1998.
ROSA, J.A.; GRACIANO, M.I.G.. Gravidez na adolescência: estudo social de mães de crianças com fissura labiopalatina. Bauru: Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo; 2011. Relatório de Pesquisa – PIBIC: n.125007/2010/8.
SÁ-SILVA, J.R.; ALMEIDA, C.D.; GUINDANI, J.F. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais,São Leopoldo, v. 1, n. 1, p.1-15, jul. 2009.
SALLES, R. A. ; FARIA, M. E. B. ; GRACIANO, M. I. G. . Família: base pra a (re) habilitação profissional do deficiente auditivo.. Construindo o Serviço Social, p. 139-157, 2002
SANTOS, L.R.S., GRACIANO, M.I.G., VALENTIM, R.C.A.P. Trabalho e qualidade de vida de pessoas com fissura labiopalatina inseridas no mercado profissional em Bauru. Rev. Serviço Social & Realidade, v.16, n.2, 2007. Franca/SP. p.87-127.
SASSAKI, R. K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 2005. 174p.
SETÚBAL,A.A. Desafios à pesquisa no Serviço Social:da formação acadêmica à pratica profissional . Rev.Katál.Florianópolis v.10 n. Esp.p.64-72, 2007.
SEVERINO, A.J. Metodologia do trabalho científico. 23ed. rev. e atualizada. São Paulo: Cortez, 2007. 296p.
SILVA, J. A. P. O papel da entrevista na pratica do serviço social. Em pauta, Rio de Janeiro, n.6, 1995.
SIMÕES, C. Curso de direito do serviço social. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008. 556p.
SPÓSITO, C.; GRACIANO, M. I. G. A pessoa com fissura labiopalatina: concepção sobre deficiência e viabilização de direitos. Temas Desenvolv., São Paulo, v.16, n.95, p.245-251, nov./dez. 2008.
SZYMANSKI, H.(org.). A entrevista na Pesquisa em Educação: a prática reflexiva. Brasília: Líber Livro Ed. 2004. 87p. (Série Pesquisa em Educação, v.4).
TAVANO, L.D. Avaliação do desempenho psicossocial de pacientes portadores de fissuras lábio-palatinas submetidas a tratamento multidisciplinar no Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo. Bauru. Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo, 2000. 200p. (Tese de Doutorado em Ciências – Área de concentração: Distúrbios da Comunicação Humana). HRAC-USP.
TRIVIÑOS, A.N.S. Introdução à pesquisa em ciências sociais:a pesquisa qualitativa em educação. 1. ed. – 20 reimpr. – São Paulo: Atlas, 2011. 175 p.
TURATO, E.R.. Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: construção teórico-epstemiológica, discussão comparada e aplicada nas áreas da saúde e humanas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003. 685 p.
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. HOSPITAL DE REABILITAÇÃO DE ANOMALIAS CRANIOFACIAIS. Guia de orientação para elaboração de monografia, dissertação e tese. Bauru: Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo, 2003.
VERONEZ, F. S. ; GRACIANO, M.I.G ; TAVANO, L. D. ; Lauris, JRP . Instrumento de avaliação do desempenho psicossocial para pessoas com fissura labiopalatina. Arquivos de Ciências da Saúde (FAMERP), v. 18, p. 87-93, 2011.
VERONEZ, F. S. Avaliação da qualidade de vida em pacientes adultos com fissura labiopalatina. Bauru, 2007. Dissertação de mestrado. Universidade de são Paulo: Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais. 102 p.
VERONEZ, F. S. et al.. ASPECTOS PSICOSSOCIAIS DOS PACIENTES COM FISSURA LABIOPALATINA: REVISÃO SISTEMÁTICA. OMNIA Saúde, v. 6, p. 27-33, 2009.
VIANNA, H.M. Pesquisa em Educação a observação. Brasília: Líber Livro. 2007. 108p. (Série Pesquisa, v.5).
YIN, R.K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. – Porto Alegre: Bookman, 2010. 248 p.

Prática do Serviço Social na Área da Saúde e Reabilitação Interdisciplinar:

BAPTISTA, M. V. A ação profissional no cotidiano. In: MARTINELLI, M. L.; RODRIGUES ON, M. L.; MUCHAIL, S. T. (Org.). O uno e o múltiplo nas relações entre as áreas do saber. São Paulo: Cortez, 1995. p.110–121.
BAPTISTA, M. V.; BATTINI, O. A prática profissional do Assistente Social: teoria, ação, construção do conhecimento. São Paulo: Veras Editora, 2009. 178p.
BORGES NETO, B. A. Programa de reestruturação e contratualização dos hospitais de ensino. In: SÃO PAULO. (Estado). Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Hospitais de ensino no Estado de São Paulo. São Paulo: Imprensa Oficial, 2007. p.11-22.
BOSCHETTI, I. Seguridade social e projeto ético-político do serviço social: que direitos para qual cidadania? Serv. Social Soc., São Paulo, v.25, n.79, p.108-132. set. 2004. (especial).
BRASIL. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com deficiência: protocolo facultativo à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: decreto legislativo n 186, de 09 de julho de 2008; decreto n 6949 de 25 de agosto de 2009 – 5 ed., ver. E atual. – Brasília; Secretaria de Direitos Humanos, Secretaria Nacional de Promoção dos direitos da pessoa com deficiência, 2014. 100p.
BRASIL. Ministério da Saúde. Carta dos direitos dos usuários da saúde. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. 30 p. Disponível em: http://www.conselho.saude.gov.br/biblioteca/livros/AF_Carta_Usuarios_Saude_site.pdf. Acesso em: 19 maio. 2015.
BRASIL. Ministério da Saúde. Lei n.8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 19 set. 1990. Disponível em: Acesso em: 20 jul. 2014.
BRASIL. Ministério da Saúde. O SUS de A a Z. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/sus_az_garantindo_saude_municipios_3ed_p1.pdf. Acesso em: 19 maio 2015.
BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização: humaniza SUS, documento base para gestores e trabalhadores do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. 72p. (Série B: Textos Básicos de Saúde). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humanizasus_gestores_trabalhadores_sus_4ed.pdf. Acesso em: 21 maio 2015.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 399/GM, de 22 de fevereiro de 2006. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 – Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Diário Oficial da União, Brasília, 22 fev 2006a. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0399_22_02_2006.html Acesso em: 19 maio de 2015.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria Interministerial n. 2400/MEC/MS, de 2 de outubro de 2007. Certificação de unidades hospitalares como Hospitais de Ensino. Diário Oficial da União, Brasília, 3 out. 2007b. Seção 1. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2007/pri2400_02_10_2007.html. Acesso em: 19 maio de 2015.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria SAS n. 55, de 24 de fevereiro de 1999. Dispõe sobre a rotina do Tratamento Fora de Domicílio no Sistema Único de Saúde – SUS com inclusão dos procedimentos específicos na tabela de procedimentos do Sistema de Informações Ambulatoriais do SIA/SUS e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 1999
BRASIL. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, 5 out de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm Acesso em: 21 maio 2015. [ Título I – Dos Princípios fundamentais; Título II Cap. II – Dos direitos sociais; Título VIII – Da Ordem Social; Cap. II – Da Seguridade Social].
BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências. Diário oficial da União, Brasília, 21 dez. 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3298.htm Acesso em: 21 maio 2015.
BRAVO, M. I. S. A política de saúde na década de 90: projetos em disputa. Cadernos do Serviço Social do Hospital Universitário Pedro Ernesto, Rio de Janeiro, v.4, 1999.
BRAVO, M. I. S. Política de saúde no Brasil. In: MOTA, A. E. et al. (org.). Serviço social e saúde: formação e trabalho profissional. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2009. p.88-110.
BRAVO, M. I. S. Serviço social e reforma sanitária: lutas sociais e práticas profissionais. Rio de Janeiro: Cortez, 1999. 286p.
BRAVO, M. I. S.; MATOS M. C. Projeto ético-político do serviço social e sua relação com a reforma sanitária. In: MOTA, E. (Org.). Serviço social e saúde: formação e trabalho profissional. São Paulo: Cortez, 2006. p.197–217.
BRAVO, M. I. S.; MATOS, M. C. A saúde no Brasil: A reforma sanitária e ofensiva neoliberal. In: BRAVO, M. I. S.; PEREIRA, P. A. P. (Org.). Política social e democracia. São Paulo: Cortez, 2001. p.197- 215.
BRAVO, M. I. S.; MATOS, M. C. Assessoria, Consultoria e Serviço Social. 2ed. São Paulo: Cortez, 2010. 309p.
BRAVO, M. I. S.; MATOS, M. C. Saúde e serviço social. São Paulo: Cortez, 2004. 264p.
BRAVO, M.I.S. et. al. Saúde e Serviço Social – 5 ed. – São Paulo: Cortez; Rio de Janeiro UERJ, 2012. 288 p
BRAVO, M.I.S. Serviço Social e Reforma Sanitária: lutas sociais e práticas profissionais – 4 ed. São Paulo: Cortez, 2011. 380p.
BRAVO, M.I.S., MATTOS, M.C. Reforma sanitária e projeto ético político do Serviço Social: elementos para o debate. In: BRAVO et al. Saúde e Serviço Social São Paulo: Cortez; 2004. p.25–47.
BRAVO, M.I.S.Saúde e Serviço Social no capitalismo.São Paulo: Cortez, 2013. 191p.
BRAZ, M. O governo Lula e o projeto ético-político do serviço social. Serv. Social Soc., São Paulo, v.9, n.78, p.48-68, jul. 2004.
BRAZ, M. O governo Lula e o projeto ético-político do serviço social. Serv. Social Soc., São Paulo, v.9, n.78, p.48-68, jul. 2004.
CAMPOS, G. W. S. Reflexões temáticas sobre equidade e saúde: o caso SUS. Saúde Soc. São Paulo, v. 15, n.2, p.23-33, maio 2006.
CARDOSO,M. F. M. Reflexões sobre Instrumentais em Serviço Social: observação sensível, entrevista, relatório, visitas e teorias de base no processo de intervenção social.São Paulo : LCTE. 2008. 123p.
CONSELHO FEDERAL DO SERVIÇO SOCIAL- CFESS / ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENSINO E PESQUISA EM SERVIÇO SOCIAL – ABEPSS. Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília, DF. 2009. 760 p.
CONSELHO FEDERAL DO SERVIÇO SOCIAL. Parâmetros para a atuação de assistentes sociais na política de saúde. Brasília: Conselho Federal do Serviço Social, 2014. 79p. (Série: Trabalho e Projeto Profissional nas Políticas Sociais).
CONSELHO FEDERAL DO SERVIÇO SOCIAL. Proposta do Conselho Federal de Serviço Social do Brasil (CFESS) para definição de Serviço Social [Anexo]. In __________________________________ A definição de trabalho social da FITS: por que revisar?. Serviço Social & Sociedade. São Paulo, n. 108, p. 743-744, out./dez. 2011
COSTA, M. D. H. O trabalho nos serviços de saúde e a inserção dos (as) assistentes sociais. In: MOTA, A. E. et al. (org.). Serviço social e saúde: formação e trabalho profissional. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2009. p.304-351.
CUSTÓDIO, S. A. M. et al.. A mediação do Serviço Social na busca da cidadania: relato da prática de acolhimento a casos novos e adoção dos portadores de anomalias craniofaciais. Construindo o Serviço Social, Bauru/SP, v. 8, p. 273-295, 2001.
FRAGA, C.K. A atitude investigativa no trabalho do assistente social. Serv. Social Soc., São Paulo, n.101 p. 40-64, jan/mar. 2010.
GRACIANO M. I. G. Construindo espaços: a história das associações de pais e portadores de lesões labio-palatais e a contribuição do serviço social. 328 f.Tese (Doutorado em Serviço Social) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1996.
GRACIANO, M. I. G.; TAVANO, L. D.; BACHEGA, M. I. Aspectos psicossociais da reabilitação. In: TRINDADE, I. E. K.; SILVA FILHO, O.G. (Coord.). Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Editora Santos, 2007. p.311-331.
GRACIANO, M.I.G.; BENEVIDES, E.S.; SPOSITO, C.. O acesso a direitos das pessoas com fissura labiopalatina: as repercurssões do laudo de deficiencia. Arq Cienc Saúde 2012 jul-set 19(3) 82-90.
GRACIANO, M.I.G.; SPOSITO, C.. A pessoa com fissura labiopalatina: conhecimento e concepção sobre deficiencia. Arq Cienc Saúde 2011 out-dez 18 (4) 143-51
IAMAMOTO, M. V. O serviço social na cena contemporânea. In: CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Serviço social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social, 2009. p.15 – 50.
IAMAMOTO, M. V. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 22. ed. São Paulo: Cortez, 2012. 326 p.
IAMAMOTO, M. V. Projeto profissional, espaços ocupacionais e trabalho do(a) assistente social na atualidade. In: CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Atribuições privativas do/a assistente social em questão. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social, 2012. p.33-72.
KOGA,D. GANEV,E. FAVERO,E. (Org) Cidades e Questões Sociais. São Paulo: Andross, 2008. 287p.
LIMA, D. Z.; MARTINS, L.C.O.; BLATTNER, S.H.B.. A experiência do Serviço Social na internação: o desafio da prática. Construindo o Serviço Social, v. 8, p. 107-140, 2001
MARTINELLI, M. L. O exercício profissional do assistente social na área da saúde: algumas reflexões éticas. Serv. Social Saúde, Campinas, v.6, n.6, p.21-33, maio 2007.
MARTINELLI, M. L. O trabalho do assistente social em contextos hospitalares: desafios cotidianos. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n.107, p.497-508, jul./set. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282011000300007&lng=en&nrm=iso Acesso em: 21 maio 2015.
MATOS, M. C. O debate do serviço social na saúde na década de 90. Serv. Social Soc., São Paulo, v.24, n.74, p.85-117, jul. 2003.
MATOS, M.C. Serviço Social, ética e saúde: relexões para o exercício profissional. São Paulo: Cortez, 2013. 164p.
MENDES, E.V. As políticas de saúde no Brasil nos anos 80: a conformação da reforma sanitária e a construção da hegemonia do projeto neoliberal. In: TEIXEIRA, C. F. et al. Distrito sanitário: o processo social de mudança das práticas sanitárias do Sistema Único de Saúde. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1994. p.19 – 91..
MESQUITA, S. T. ; COSTA FILHO, O ; CANOAS, J W . Implante Coclear: quem são seus usuários. Jornal Brasileiro de Fonoaudiologia, Curitiba, v. 3, p. 267-273, 2003.
MESQUITA, S. T. ; OLIVEIRA, Richarla de Fátima Fortunato de ; SILVA, Cleonice da . A formação profissional, interdisciplinaridade e seu processo de aquisição. Serviço Social & Saúde, v. 4, n.4, p. 135-146, 2005.
MIOTO, R. C. T. Orientação e acompanhamento de indivíduos, grupos e famílias. In: CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Serviço social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social, 2009. p.497-512. Disponível em: http://xa.yimg.com/kq/groups/22603673/49517938/name/Texto-base_2.pdf . Acesso em 21 maio 2015.
MIOTO, R.; NOGUEIRA, V. M. R. Sistematização, planejamento e avaliação das ações dos assistentes sociais no campo da saúde. In: MOTA. Serviço social e saúde: formação e trabalho profissional.São Paulo: Cortez, 2009. p. 273-303.
MOTA, A. E. As dimensões da prática profissional. Presença Ética. Ética política e Emancipação Humana. Rev. Anual Grupos Estudos Pesquisa sobre Ética. v. 3; p.9-14, dez. 2003.
MOTA, E. (Org.). Serviço social e saúde: formação e trabalho profissional. São Paulo: Cortez, 2006. 408p.
MURBAK, S M ; GRACIANO, M. I. G. ; GARCIA, Regina Célia Meira . Desafios do Serviço Social do HRAC/USP: reconstruindo sua história no período de 1991 a 2001. Serviço Social Saúde, Campinas/SP, v. 3, p. 51-75, 2004.
NICOLAU, M.C.C. Formação e fazer profissional do Assistente Social: trabalho e representações sociais. Serv. Social Soc., São Paulo, n.79 p. 82-107, Ano XXV Especial 2004.
NOGUEIRA, V. M. R.; MIOTO, R. C. T. Desafios atuais do Sistema Único de Saúde ¬ SUS e as exigências para os assistentes sociais. In: MOTA, A. E. et al. (org.). Serviço social e saúde: formação e trabalho profissional. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2009. p.218-241.
RODRIGUES ON, M. L. O serviço social e a perspectiva interdisciplinar. In: MARTINELLI, M. L.; RODRIGUES ON, M. L.; MUCHAIL, S. T. (Org.). O uno e o múltiplo nas relações entre as áreas do saber. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2001. p.152-158.
RODRIGUES, M. L. Elucidação de alguns conceitos básicos: prática profissional e dinâmica da ação. In: RODRIGUES, M. L. Ações e interlocuções: estudos sobre a prática profissional do assistente social. São Paulo: Veras, 1999. p.15-19.
SAMPAIO, C. C. et al. Interdisciplinaridade em questão: análise de uma política de saúde voltada à mulher. In: SÁ, J. L. M. (Org.). Serviço social e interdisciplinaridade: dos fundamentos filosóficos à prática interdisciplinar no ensino, pesquisa e extensão. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2010. p.77-95.
SANT´ANA, R. S. O desafio da implantação do projeto ético-político do Serviço Social. Serv. Social Soc., São Paulo, v.21, n.62, p.73-79, mar. 2000.
SANTOS, Daniela dos ; GRACIANO, M. I. G. ; GARCIA, Regina Célia Meira . A prática do Serviço Social em Unidades de Internação de Hospitais da Universidade de São Paulo: enfoque ao projeto ético-político. Serviço Social Hospitalar, v. 10 e 1, p. 16-37, 2006.
SASSAKI, R.K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. 2. ed. Rio de Janeiro: WVA, 1997. 171p.
SCHEFFER, M.; FLEURY, S. A verdadeira reforma sanitária. Folha de São Paulo, São Paulo, 24 Jul. 2009. Seção: Tendências /Debates, Opinião A: 3.
SERVIÇO SOCIAL E SAÚDE: MULTIPLAS DIMENSÕES. Serv. Soc.Soc. São Paulo: Cortez, 102, jun.2010.
SIMIONATTO, I. Caminhos e descaminhos da política de saúde no Brasil.Inscrita, Rio de Janeiro, v.1, n.1, p.15-20, nov. 1997.
SOUSA, C. T. A prática do assistente social: conhecimento, instrumentalidade e intervenção profissional. Emancipação, Ponta Grossa, v. 8, n.1, p. 119-132, 2008.
SPOSITO, C. ; GRACIANO, M. I. G. . A pessoa com fissura labiopalatina: concepção sobre deficiência e viabilização de direitos. Temas sobre Desenvolvimento, v. 16, p. 245-251, 2008.
VASCONCELOS, A. M. A prática do serviço social: cotidiano, formação e alternativas na área da saúde. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2011. 559p.
VASCONCELOS, E.M. O poder que brota da dor e da opressão: empowerment, sua história, teorias e estratégias. São Paulo: Paulus, 2003. 383.p
YASBEK, M. C.; MARTINELLI, M. L.; RAICHELIS, R. O serviço social brasileiro em movimento: fortalecendo a profissão na defesa de direitos. Serv. Social Soc., São Paulo, n.95, p.5-32, set 2008. Especial

Estudo Social – Fundamentos, Indicadores e Instrumentos:

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS E PESQUISAS. Critério de Classificação Econômica Brasil-CCEB. São Paulo: Associação Brasileira de Empresas e Pesquisas, 2015. Disponível em: http://www.abep.org/criterioBrasil.aspx. Acesso em: 20 maio 2015.
BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Classificação Brasileira de Ocupações. Portaria nº 397, de 09 de outubro de 2002. Aprova a Classificação Brasileira de Ocupações – CBO/2002, para uso em todo território nacional e autoriza a sua publicação. Disponível em: http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/legislacao.jsf . Acesso em 18 mar. 2015.
CARDOSO, M. F. M. Reflexões sobre Instrumentais em Serviço Social: Observação sensível, entrevista, relatório, visitas e teorias de base no processo de intervenção social. São Paulo: LCTE, 2008. 125p.
CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Resolução CFESS n 557/2009, de 15 de setembro de 2009. Dispõe sobre a emissão de pareceres, laudos, opiniões técnicas conjuntos entre o assistente social e outros profissionais. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/Resolucao_CFESS_557-2009.pdf Acesso em: 31 jan. 2014
CONSELHO FEDERAL DO SERVIÇO SOCIAL–CFESS. Código de ética do/a assistente social, Lei 8.662/93 de regulamentação da profissão. 10 ed. rev. atual. Brasília: Conselho Federal do Serviço Social, 2012. 60p. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/CEP_CFESS-SITE.pdf Acesso em: 21 jan. 2015.
CONSELHO FEDERAL DO SERVIÇO SOCIAL–CFESS. Parâmetros para a atuação de assistentes sociais na política de saúde. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social. Série: Trabalho e Projeto Profissional nas políticas sociais. Brasília, 2014. 80p
CONSELHO FEDERAL DO SERVIÇO SOCIAL. Diretrizes curriculares para o curso de Serviço Social. Resolução n° 15, de 13 de março de 2002. Disponível em: http://www.cfess.org.br/visualizar/menu/local/diretrizes-curriculares. Acesso em: 19 de maio 2015
FÁVERO, E. T. O estudo social: fundamentos e particularidades de sua construção na área judiciária. In: CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. O estudo social em perícias, laudos e pareceres técnicos: contribuição ao debate no judiciário, penitenciário e na previdência social. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2007a. p.9-51.
GRACIANO, M. I. G. . Aproximação e configuração da realidade socio-econômico dos usuários do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais: uma nova metodologia construída pelo Serviço Social. Construindo o Serviço Social, Bauru, p. 173-211, 2001.
GRACIANO, M. I. G. ; LOURENCAO, C. M. ; MENDES, E. F. O. . Avaliacao da Importancia do Estudo Socio-Economico Familiar Para O Planejamento e Intervencao da Equipe Interdisciplinar do Hospital de Reabilitacao de Anomalias Craniofaciais, Bauru. REVISTA CONSTRUINDO O SERVICO SOCIAL, n.4, p. 121-141, 1998.
GRACIANO, M. I. G. ; PAVÃO, Ana Paula de Araújo Ramos ; BLATTNER, Soraia Helena Bomfim . Os indicadores de estudo sócio econômico na construção do relatório social no Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais. Serviço Social & Saúde, Campinas/SP, v. 5, p. 183-216, 2006.
GRACIANO, M. I. G. ; PEREIRA, A. R. . Estudo Socio-Economico: Um Instrumento Estrategico do Servico Social Na Area da Saude e Reabilitacao. REVISTA CONSTRUINDO O SERVICO SOCIAL, n.4, p. 93-120, 1998.
GRACIANO, M. I. G. Critérios de avaliação para a classificação sócio-econômica. Serv. Social Soc., São Paulo, v.1, n.3, p.81-103, out. 1980.
GRACIANO, M. I. G. Estudo socioeconômico e políticas sociais. In: KOGA, D.; GANEV, E.; FAVERO, E. (Org.). Cidades e questões sociais. São Paulo: Andross, 2008. p.225-244.
GRACIANO, M. I. G.; GALVÃO, K. A. Modelos e arranjos familiares: um estudo na área da fissura labiopalatina na realidade brasileira. Arquivos de Ciências da Saúde, São Paulo, v.21, n.2, p.56-63, Abr./Jun.2014.
GRACIANO, M. I. G.; LEHFELD, N. A. S. Estudo socioeconômico: indicadores e metodologia numa abordagem contemporânea. Serv. Social Saúde, Campinas: v. IX, n. 9, jul.2010. p.157-185.
GRACIANO, M. I. G.; LEHFELD, N. A. S.; NEVES FILHO. A. Critérios de avaliação para classificação sócio-econômica: elementos de atualização, parte II. Serv. Social Realid., Franca, v.5, n.2, p.171-201, 1996.
GRACIANO, M. I. G.; LEHFELD, N. A. S.; NEVES FILHO. A. Critérios de avaliação para classificação sócio-econômica: elementos de atualização. Serv. Social Realid., Franca, v.8, n.1, p.109-128, 1999.
GRACIANO, M.I.G, et al. Aspectos sociofamiliares constitutivos do estudo social de adolecentes com fissura labiopalatina. Arq. Cienc. Saúde. 2015 jan-mar; 22 (1) 79-84
GRACIANO, M.I.G. Estudo socioeconômico: um instrumental técnico-operativo. São Paulo: Veras, 2013. 203 p.
GUERRA, Y. A categoria instrumentalidade do serviço social no equacionamento de “pseudos problemas” da/na profissão. Constr. Serv. Social, Bauru, n.3, p.9-29, 1998.
GUERRA, Y. A. D.2005GUERRA, Y. A. D. . O Serviço Social frente a crise contemporânea: demandas e perspectivas. Revista Ágora (Rio de Janeiro), v. 01, p. 22-45, 2005.
GUERRA, Y. Instrumentalidade do processo de trabalho e serviço social. Serv. Social Soc., São Paulo, v.21, n.62, p.5-34, mar. 2000.
IAMAMOTO, M. V. O serviço social na cena contemporânea. In: CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Serviço social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social, 2009. p.15 – 50.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. Censo demográfico – 2010. Brasília: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, [2010]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/. Acesso em: 20 maio 2015.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. Indicadores sociais mínimos. Brasília: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, [2010]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/default_minimos.shtm. Acesso em: 20 maio 2015.
JANNUZZI, P. M. Indicadores sociais no Brasil: conceitos, fontes de dados e aplicações. 2. ed. Campinas: Alínia, 2003. 141 p.
KAMAKURA, W. A; MAZZON, J. A. Estratificação Socioeconomica e Consumo no Brasil. São Paulo: Blucher, 2013. 286p
MAGALHÃES, S. M.Avaliação e linguagem: relatório, laudos e pareceres. São Paulo: Veras, 2003. 93p.
MARTINELLI, M. L. Concepção de profissão na perspectiva sócio-histórica: premissas analíticas. São Paulo, 2005. Apud. FAVERO, E. T.. Instruções sociais de processos, sentenças e decisões. Disponível em: http://www.cressma.org.br/site/wp-content/uploads/2013/08/Texto_Eunice_F%C3%A1vero.pdf. Acesso em: 21 maio 2015
MARTINELLI, M. L. Reflexões sobre o serviço social e o projeto ético-político profissional. Emancipação, Ponta Grossa,v.6, n.1, p.9-23, 2006.
MARTINELLI, M. L.; KOUMROUYAN, E. Um novo olhar para a questão dos instrumentos técnicos operativos em serviço social. Serv. Social Soc., São Paulo, v.15, n.45, p.137-141, ago. 1994.
MIOTO, R. C. Estudos socioeconômicos. In: CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Serviço social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social, 2009. p.481 – 512.
MIOTO, R. C. Perícia social: proposta de um percurso operativo. Serv. Social Soc., São Paulo, v.22, n.67, p.145-158, set. 2001. (Especial).
MIOTO, R.C.T. Serviço Social e intervenção profissional: contribuições para o debate da dimensão técnico-operativa. Florianópolis: UFSC, 2006 Apud MIOTO, R.; NOGUEIRA, V. M. R. Sistematização, planejamento e avaliação das ações dos assistentes sociais no campo da saúde. In: MOTA. Serviço social e saúde: formação e trabalho profissional.São Paulo: Cortez, 2009. p. 273-303.
MOREIRA, M. C.; ALVARENGA, R. F. C. O parecer social: um instrumento de viabilização de direitos: (relato de uma experiência). In: CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. O estudo social em perícias, laudos e pareceres técnicos: contribuição ao debate no judiciário, penitenciário e na previdência social. 7.ed. São Paulo: Cortez, 2007. p.53 – 67.
PAULO NETTO, J. A construção do projeto ético-político do serviço social. In: MOTA, A. E. Serviço social e saúde: formação e trabalho profissional. São Paulo: Cortez, 2006. p.1-22.
PAVÃO, A. P. A. R.; GRACIANO, M. I. G.; BLATTNER, S. H. B. Os indicadores do estudo sócio econômico na construção do relatório social no Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais. Serv. Social Saúde, Campinas, v.5, n.5, p.183-216, maio 2006.
PEREIRA, P. A. P.; STEIN, R. H. A assistência social no contexto das políticas:focalização X universalização na integração de programas e projetos sociais. Brasília: Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Política Social, 2004. 7 (Série Política Social em Debate, 17).
SANT´ANA, R. S. O desafio da implantação do projeto ético-político do Serviço Social. Serv. Social Soc., São Paulo, v.21, n.62, p.73-79, mar. 2000.
SANTOS, C. M.; NORONHA, K. O estado da arte sobre os instrumentos e técnicas na intervenção profissional do assistente social: uma perspectiva crítica. In: FORTI, V.; GUERRA, Y. (Org.). Serviço social: temas, textos e contextos, coletânea nova de serviço social. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 2010. p.47-63.
SANTOS, C.M.; BACKX, S.; GUERRA,Y. A dimensão tecnico-operativa do serviço social: desafios contemporaneos. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2012. 184 p.
SARMENTO, H. B. M. Instrumentos e técnicas em serviço social: elementos para uma rediscussão. 1994. 315f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1994.
SILVA, J. A. P. O papel da entrevista na pratica do serviço social. Em pauta, Rio de Janeiro, n.6, 1995.
SOUSA, C. T. A prática do assistente social: conhecimento, instrumentalidade e intervenção profissional. Emancipação, Ponta Grossa, v.8,n.1, p.119 – 132, 2008.

Sociedade Civil e Terceiro Setor:

BRASIL. Ministério da Saúde. Nº 2.546, DE 27 DE OUTUBRO DE 2011. Redefine e amplia o Programa Telessaúde Brasil, que passa a ser denominado Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes (Telessaúde Brasil Redes). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2546_27_10_2011.html. Acesso em 21 maio 2015.
BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais. Reimpressão 2013. Disponível em: http://www.mds.gov.br/assistenciasocial/secretaria-nacional-de-assistencia-social-snas/livros/tipificacao-nacional-de-servicos-socioassistenciais/livro,P20Tipificacao,P20Nacional2014.pdf.pagespeed.ce.Sr_boxOpgi.pdf. Acesso em: 21 maio 2015.
BRASIL. Presidência da Republica. Casa Civil. LEI Nº 12.101, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a certificação das entidades beneficentes de assistência social; regula os procedimentos de isenção de contribuições para a seguridade social; altera a Lei no 8.742, de 7 de dezembro de 1993; revoga dispositivos das Leis nos 8.212, de 24 de julho de 1991, 9.429, de 26 de dezembro de 1996, 9.732, de 11 de dezembro de 1998, 10.684, de 30 de maio de 2003, e da Medida Provisória no 2.187-13, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12101.htm. Aceso em: 21 maio 2015.
BRASIL. Presidência da Republica. Casa Civil. LEI Nº 13.019, DE 31 DE JULHO DE 2014. Estabelece o regime jurídico das parcerias voluntárias, envolvendo ou não transferências de recursos financeiros, entre a administração pública e as organizações da sociedade civil, em regime de mútua cooperação, para a consecução de finalidades de interesse público; define diretrizes para a política de fomento e de colaboração com organizações da sociedade civil; institui o termo de colaboração e o termo de fomento; e altera as Leis nos 8.429, de 2 de junho de 1992, e 9.790, de 23 de março de 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13019.htm. Acesso em 21 maio 2015.
CHADAD, M. C. ; CUSTÓDIO, S. A. M.; MARTINS, L. C. O.. O significado da participação para os pais coordenadores do programa agentes multiplicadores do serviço social de projetos comunitários do HRAC. Serviço Social e Realidade (UNESP/Franca), v. 12, p. 21-44, 2003.
CUSTÓDIO, S. A. M ; GONÇALVES, R. M. B.; FARIA, M. E. B . Descentralizando os serviços do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo (HRAC-USP): assessoria no núcleo de Salvador-BA. Construindo o Serviço Social, Bauru/SP, v. 8, p. 297-317, 2001.
CUSTÓDIO, S. A. M.; CAMARGO, R. B.; GRACIANO, M. I. G.. Rede de solidariedade com agentes multiplicadores e associações: a prática do serviço social na saúde. Construindo o Serviço Social, Bauru/SP, v. 8, p. 141-175, 2001.
CUSTÓDIO, S. A. M.; ROQUE, F. S.; GRACIANO, M. I. G.. Parceria cidadã: uma prática do Serviço Social na saúde. Construindo o Serviço Social, Bauru/SP, v. 8, p. 177-204, 2001.
CUSTÓDIO, S. A. M; RODRIGUES, A. F. P.; GRACIANO, M. I. G.. A experiência do Serviço Social na prevenção e no controle de abandono de tratamento em diferentes esferas: da família às promotorias públicas. Construindo o Serviço Social, Bauru/SP, v. 8, p. 205-237, 2001.
CUSTODIO, S.A.M.. Rede Nacional de Associações de Pais e Portadores com Lesões Labiopalatais (Rede PROFIS) e a Telessaúde: Uma parceria para a capacitação profissional da área da fissura labiopalatina. 2013. Relatório final de Pesquisa Projeto CNPq nº 478508/2010-7 Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC/USP). Disponível em: http://www.redeprofis.com.br/admin/webeditor/uploads/files/Rede%20Nacional%20de%20Associa%C3%A7%C3%B5es%20de%20Pais%20e%20Portadores%20com%20Les%C3%B5es%20Labiopalatais%20(Rede%20PROFIS)%20e%20a%20telessa%C3%BAde.pdf. Acesso em: 22 maio 2015.
FERREIRA, M. K. B. ; CUSTÓDIO, Silvana Aparecida Maziero ; MENDES, Eliana F O . Os agentes multiplicadores e representantes de Associações do Brasil na área de anomalias craniofaciais: a inclusão digital em pauta. Serviço Social & Realidade, v. 16, p. 129-160, 2007.
GRACIANO, M. I. G. . Construindo espaços: a história das associações de pais e portadores de lesões lábio-palatais e a contribuição do serviço social. Serviço Social e Realidade (UNESP/Franca), Franca/SP, v. 12, p. 48-68, 2003.
GRACIANO, M. I. G. ; CATINI, L. E. . As relações de parceria entre a PROFIS – Sociedade de Promoção Social do Fissurado Lábio-Palatal e o HRAC – Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais: a assistência enquanto direito de cidadania. Construindo o Serviço Social, Bauru/SP, v. 6, p. 85-109, 2000.
GRACIANO, M. I. G.; et al.. Ações de intercâmbio técnico-científico da Rede Nacional de Associações de Pais e Pessoas com Fissura Labiopalatal. Serviço Social & Saúde, v. 6, p. 89-116, 2007.
INSTITUTO C&A. Organização da Sociedade Civil: Protagonismo e sutentabilidade. Disponível em: http://www.institutocea.org.br/midiateca/217/publicacao/organizacoes-da-sociedade-civil-protagonismo-e-sustentabilidade.aspx. Acesso em 22 maio 2014.
INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL DO SUS. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/ses/perfil/gestor/homepage/veja-tambeM/instrumentos-de-planejamento-na-gestao-municipal-do-sus . Acesso em: 21 maio 2015.
MESQUITA, S. T. ; MARTINS, Eliana B C ; MORAES, Nelson Russo . Os desafios de pensar o terceiro setor. Estudos (Goiânia), Marília – UNIMAR, v. 5, p. 21-33, 2001.
MESQUITA, S. T. ; RUSSO, N. ; CANTEIRO, E.B. . A Empresa e o Terceiro Setor. Serviço Social e Realidade (UNESP/Franca), Ribeirão Preto, v. 12, n.2, p. 145-152, 2003.
MONTAÑO, C. Terceiro setor e questão social; crítica ao padrão emergente de intervenção social. São Paulo: Cortez, 2002. 288 p.
PYL, B. Caminhos para um desenvolvimento justo – a sociedade civil na linha de frente da luta socioambiental. Ed. Observatório da Sociedade Civil e Abong. 20015. 80 p.
SÃO PAULO, Secretaria do Estado de Saúde de São Paulo, Coordenadoria de Planejamento de Saúde e Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de São Paulo – Instrumento de planejamento na gestão municipal do SUS. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/ses/perfil/gestor/homepage/veja-tambem/instrumentos-de-planejamento-na-gestao-municipal-do-sus. Acesso em 21 maio 2015
SZAZI, E. Terceiro setor: regulação no Brasil. – 4. Ed. – São Paulo: Peirópolis, 2006. 439 p.
TENÓRIO, F.G. (Org.). Gestão de ONGs: Principais Funções Gerenciais. Ed. Fundação Getúlio VARGAS. 2008. 11. edição. 140 p.

Organização e Gestão de Serviços:

FUNDAÇÃO ABRINQ; SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC. Guia de gestão para quem dirige entidades sociais. São Paulo. 2002. 159 p.
FUNDAÇÃO TELEFONICA VIVO. Manual de Mobilização de Recursos. Disponível em: http://www.fundacaotelefonica.org.br/Conteudos/Publicacoes/146/manual-de-mobilizacao-de-recursos. Acessado em 22 maio 2015.
GIFE. Financiando a organização de comunidades: a mudança social por meio de participação cidadã. Disponível em: http://gife.issuelab.org/resource/financiando_a_organizacao_de_comunidades_a_mudanca_social_por_meio_de_participacao_cidada. Acesso em 22 maio 2015.
INSTITUTO WALMART. Guia para gestão de organizações sociais de base comunitária: orietações para uma prática eficiente e eficaz. Disponível em: http://iwm.org.br/arquivos/g/gui/guiagestowalmart/1304_GuiaparaGestodeOrganizacoesComunitariassite1pdf.pdf. Acesso em: 22 maio 2015
TORRES, M. M.; LANZA, L. M. B.. Serviço Social: exercício profissional do Assistente Social na gestão de políticas públicas. Argumentum, Vitória (ES), v. 5, n.1, p. 197-215, jan./jun. 2013.

Ética em Serviço Social:

BAPTISTA, M.V.. Planejamento Social. 3. ed.. Veras. 2013. 155 p.
BARROCO, M.L.S..Ética: fundamentos sócio-históricos. São Paulo: Cortez, 2008. 245 p.
CARVALHO, M.I.L.B..Ética, Serviço Social e “responsabilidade social”: o caso das pessoas idosas. R. Katál., Florianópolis, v. 14, n. 2, p. 239-245, jul./dez. 2011.
CONSELHO FEDERAL DO SERVIÇO SOCIAL. Código de ética do/a assistente social, Lei 8.662/93 de regulamentação da profissão. 10 ed. rev. atual. Brasília: Conselho Federal do Serviço Social, 2012. 60p. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/CEP_CFESS-SITE.pdf. Acesso em: 20 maio 2015
GONELLI, V.M.M.. Serviço Social e Ética: convite a uma nova práxis. 13. ed. São Paulo: Cortez. 2012
SARMENTO, H.B.M.. Ética e Serviço Social: fundamentos e contradições. Rev. katálysis vol.14 no.2 Florianópolis July/Dec. 2011.

NETSS – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (clique para fechar)

SERVIÇO SOCIAL (NETSS) (clique para fechar)

NÚCLEOS ESPECÍFICOS TEÓRICOS (NET), para alunos R-2, divididos por especialidades: (clique para fechar)

Residência Multiprofissional em Saúde – Síndromes e Anomalias Craniofaciais (clique para fechar)

 

Residência Multiprofissional em Saúde Auditiva (ver mais)

 

NATUREZA da Formação Profissional: Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Auditiva

DURAÇÃO: 24 meses

CARGA HORÁRIA:

Aulas Teóricas em sala de aula Aulas Práticas ou de campo Total Ministrado Monografia
(não ministrado)
Carga Horária Total
1.152h 4.608h 5.760h 100h 5.860h

PRÉ-REQUISITO: Graduados em Fonoaudiologia, Psicologia ou Serviço Social.

COORDENADORA / Responsável Institucional: Profa. Dra. Wanderléia Quinhoneiro Blasca 

VICE-COORDENADORA / Coordenadora Técnica: Profa. Dra. Ana Paula Fukushiro 

O Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Auditiva, oferecido no HRAC-USP, teve início no ano de 2013 e são oferecidas, anualmente, 20 vagas com processo seletivo realizado, presencialmente, no HRAC. As bolsas de estudo são oferecidas e administradas pelo Ministério da Saúde.

É estruturado com dois anos de duração (R-1 e R-2) e pretende formar profissionais de saúde, especialistas em Saúde Auditiva, com visão humanista, reflexiva e crítica, qualificados para o exercício nas profissões de Fonoaudiologia, Psicologia e Serviço Social, com rigor científico e pautados em princípios éticos, visando a atuação integrada, por meio do treinamento em serviço e capazes de atender às pessas com deficiência auditiva, em todas as faixas etárias, realizando trabalhos de prevenção, orientação e encaminhamento, dentro de uma filosofia interdisciplinar e com conhecimento de novas tecnologias e da aplicação das mesmas. Permite, ainda, ao HRAC disseminar o seu vasto conhecimento e experiência, solidificada por anos de trabalho e pesquisas, de forma a ampliar os serviços necessários para o diagnóstico/prognóstico e a reabilitação das pessoas com deficiência auditiva, repassando competência técnica e a filosofia de trabalho humanizada, que atende os princípios do Sistema Único de Saúde (SUS), da integralidade e do modelo de vigilância à saúde.

O programa visa, ainda, colaborar com a formação de profissionais especializados capazes de realizar os planejamentos, intervenções e, em nível administrativo, assessorar os gestores e demais autoridades, no que concerne às síndromes e anomalias craniofaciais.

OBJETIVO: Ao fim do programa, o profissional de saúde deverá estar capacitado a: exercer ações multi e interdisciplinares nos campos de saber e prática de atenção à saúde; a divulgar o conhecimento e a experiência dos profissionais especializados nas áreas de atuação do HRAC em atendimentos, pesquisas e resultados de condutas e técnicas terapêuticas; a oportunizar aos profissionais interessados complementarem sua formação em programas de prevenção na atenção básica, em diagnóstico e tratamento das deficiências auditivas, nas áreas oferecidas; e também, a ampliar a oferta e o acesso das pessoas a serviços de qualidade, em todo o país, mediante a formação de profissionais especializados com vistas à promoção da saúde auditiva.

PROGRAMA:

NÚCLEO COMUM (NC), para alunos R-1 de todas as especialidades: (ver mais)

NC - Aspectos psicossociais e reabilitação das deficiências auditivas: (ver mais)

Objetivos:
Favorecer a aquisição de conhecimentos teórico-práticos para que o residente adquira e ou desenvolva habilidades para propiciar o desenvolvimento afetivo, emocional, cognitivo, educacional e social da pessoa com deficiência auditiva, contribuindo para a sua inserção social.
Possibilitar aos residentes conhecerem os aspectos psicossociais relacionados à deficiência auditiva e aos dispositivos eletrônicos aplicados à surdez, nas diferentes fases do ciclo vital da família.
Dar subsídios aos residentes para que possam conhecer e refletir sobre o processo de habilitação e a reabilitação, as implicações na trajetória da pessoa com deficiência auditiva e sua família, favorecendo o desenvolvimento das habilidades e competências para o atendimento dessa população.
Compartilhar experiências e promover reflexões na contribuição de outros serviços na área de Saúde Auditiva no Brasil.

Programa de atividades:
História e conceituação da deficiência.
Inclusão social na habilitação e reabilitação da pessoa com deficiência auditiva.
A Política Nacional de Integração da Pessoa com Deficiência.
Direitos e profissionalização.
Aspectos psicossociais relacionados à deficiência auditiva e aos dispositivos eletrônicos aplicados à surdez, nas diferentes fases do ciclo vida da família: casamento, família com filhos pequenos, adolescentes, adulto e idoso.
Surdez e processos psicológicos, na deficiência auditiva congênita e adquirida.
Processo de habilitação e reabilitação, suas implicações na pessoa com deficiência auditiva e na família.
Orientação e aconselhamento ao paciente e família.
Relação profissional/ família.
Equipe interdisciplinar.
Cultura Surda e Língua Brasileira de Sinais.

NC – Aspectos psicossociais e reabilitação das deficiências auditivas: (clique para fechar)

NC - Avaliação e diagnóstico dos problemas auditivos: (ver mais)

Objetivo:
Dar subsídios aos residentes para que possam determinar as diversas formas de apresentação/manifestação das deficiências auditivas para subsidiar as condutas terapêuticas junto ao processo de reabilitação; para avaliar o sistema auditivo em neonatos, crianças, adolescentes, adultos e idosos, envolvendo avaliação comportamental, eletrofisiológica e eletroacústica; avaliar o sistema vestibular em crianças, adolescentes, adultos e idosos, por métodos subjetivos e objetivos.

Programa de atividades:
Triagem auditiva.
Avaliação audiológica comportamental: Anamnese, Audiometria tonal liminar, Audiometria de reforço visual, Testes acumétricos e supralimiares, Logoaudiometria, Medidas da imitancia acústica.
Avaliação eletrofisiológica e eletroacústica: Potenciais evocados auditivos de curta, média e longa latência, Emissões otoacústicas.
Avaliação do sistema vestibular.
Reabilitação vestibular.
Noções teóricas da atuação do fonoaudiólogo na saúde do trabalhador.

NC – Avaliação e diagnóstico dos problemas auditivos: (clique para fechar)

NC - Biossegurança: (ver mais)

Objetivo:
Fornecer aos residentes as informações básicas referentes às ações de prevenção de riscos próprios das varias atividades.

Programa de atividades:
Infecções relacionadas à assistência de saúde: Conceitos, Precauções e Isolamentos, Doenças Transmissíveis.
Higienização das mãos.
Agentes Anti-sépticos e Germicidas.
NR 32 – Saúde Ocupacional: Imunização, EPI, Acidentes com material biológico.
Resíduos Sólidos do Serviço de Saúde.

NC – Biossegurança: (clique para fechar)

NC - Elaboração e apresentação do projeto de pesquisa: (ver mais)

Objetivo:
Capacitar o aluno para elaborar projetos de pesquisa, em todas suas etapas: definição do tema, coleta, análise e interpretação de dados.

Programa de atividades:
Tipos de pesquisa.
Definição do tema.
Justificativa e Fundamentação Teórica.
Objetivos.
Metodologia.
Referências.
Cronograma.

NC – Elaboração e apresentação do projeto de pesquisa: (clique para fechar)

NC - Ética e Bioética: (ver mais)

Objetivo:
Refletir sobre os fundamentos filosóficos que influenciam a construção do pensamento e da prática profissional na área da Saúde na realidade social brasileira.
Propor subsídios que apontam para uma nova práxis profissional fundamentada na Bioética.
Estimular uma postura ética comprometida com os usuários diante dos aspectos da política da saúde.
Refletir sobre as Diretrizes Bioéticas que envolvem o ser humano em todas as fases de sua vida.

Programa de atividades:
Unidade I – Pressupostos filosóficos da Ética Profissional:
    • Ética e Filosofia.
    • Ética e Moral.
    • Critérios de Moralidade.
    • Aspectos fundantes da visão humanista.
Unidade II – Ética e Bioética em saúde:
    • Bioética: Conceito, princípios básicos e campo de atuação.
    • Discussão e Análise sobre a Resolução nº. 196/96.
Unidade III – Ética Profissional no mundo de hoje:
    • As relações éticas diante da finitude humana: O Direito de morrer humanamente.
    • Estudos sobre os aspectos éticos da pesquisa envolvendo seres humanos.

NC – Ética e Bioética: (clique para fechar)

NC - Etiologia e classificação das patologias auditivas: (ver mais)

Objetivo:
Dar subsídios aos residentes para que possam conhecer e identificar as diferentes apresentações/manifestações das deficiências auditivas para subsidiar as condutas terapêuticas junto ao processo de (re) habilitação.

Programa de atividades:
Anátomo-fisiologia do sistema auditivo periférico e central.
Patologias das orelhas externa, média e interna.
Fundamentos em neurofisiologia auditiva.
Classificação das deficiências auditivas.
Genética e as deficiências auditivas.
Estudo das afecções otorrinolaringológicas e suas implicações nas alterações auditivas.

NC – Etiologia e classificação das patologias auditivas: (clique para fechar)

NC - Família e desenvolvimento humano: (ver mais)

Objetivo:
Dar subsídios aos residentes para que possam conhecer e identificar características de famílias de pessoas com deficiência e seu funcionamento, para reconhecer aspectos relacionados à saúde das mesmas e posteriormente encaminhar para atendimento especializado.
Possibilitar o conhecimento do desenvolvimento neurocognitivo, nas diferentes fases do ciclo vital referentes à infância e adolescência.

Programa de atividades:
Conceito de família.
Finalidades da família.
A importância da família na identidade do indivíduo.
A família como sistema que se desenvolve no tempo e em contexto cultural específico.
Um esquema para avaliar a família.
Desenvolvimento, crescimento e os processos de mudança: aspectos biopsicossociais.
Períodos do desenvolvimento cognitivo.
Teorias do desenvolvimento.
Desenvolvimento neurocognitivo na infância.

NC – Família e desenvolvimento humano: (clique para fechar)

NC - Humanização em saúde auditiva: (ver mais)

Objetivo:
Informar sobre os principais aspectos da Política Nacional de Humanização e diretrizes para implantação de um Grupo de Trabalho da Humanização Hospitalar.

Programa de atividades:
Obrigações éticas e humanização no HRAC- USP.
A trajetória da Humanização Hospitalar.
Vertentes da Humanização.
Impactos da Humanização nas Instituições Hospitalares.
Política Nacional da Humanização.
Atividades e programas de humanização do HRAC-USP.

NC – Humanização em saúde auditiva: (clique para fechar)

NC - Interdisciplinaridade e trabalho em equipe: (ver mais)

Objetivos:
Promover a integração e o conhecimento da filosofia e funcionamento do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da USP;
Possibilitar uma aproximação teórica acerca da temática e seu rebatimento na prática profissional;
Refletir sobre o papel da equipe no cotidiano profissional;
Analisar as possibilidades e dificuldades da prática interdisciplinar na saúde.

Programa de atividades:
Apresentação do HRAC/USP e seus serviços.
Filosofia do Tratamento.
Atenção à Saúde Auditiva do HRAC/USP.
Os estudos sobre a interdisciplinaridade e seu processo histórico.
Os diferentes níveis de relações de equipe.
A interdisciplinaridade: conceitos, características e perspectivas.
As relações da equipe no contexto hospitalar.

NC – Interdisciplinaridade e trabalho em equipe: (clique para fechar)

NC - Metodologia de Pesquisa e Bioestatística: (ver mais)

Objetivos:
Informar ao residente os recursos disponíveis para realização de pesquisas e as etapas para aprovação do projeto e publicação de artigos.
Levar o residente a apropriação do método científico para a elaboração da pesquisa científica.
Auxiliar na esquematização dos aspectos técnicos da apresentação e redação gráfica geral do trabalho científico.
Introduzir conceitos básicos de estatística dentro de um trabalho científico.
Orientar sobre registro das variáveis em pesquisa.
Possibilitar a organização, a interpretação e a análise crítica de dados e estudos.
Fazer avaliações qualitativas e quantitativas.
Oportunizar o aluno a refletir sobre o uso da pesquisa na construção de conhecimento e na qualificação da prática profissional.

Programa de atividades:
A construção do conhecimento e a pesquisa.
Paradigmas da pesquisa: empirismo lógico e a teoria crítica.
O débito social da ciência.
A ética e a legitimidade do saber.
Critérios da cientificidade.
Qualidade formal e qualidade política.
A tipologia da pesquisa: quantitativa e qualitativa.
Pesquisa Bibliográfica.
Buscas e fontes de informações online.
Diretrizes para a elaboração de monografia.
O projeto de pesquisa.
Pesquisa envolvendo seres humanos: resolução Nº 196/96.
Comitê de Ética em Pesquisa.
SISNEP.
Plataforma Lattes.
Estatística no trabalho científico.
Estatística descritiva e inferencial.
Tipos de variáveis: qualitativas e quantitativas.
Tabelas, gráficos, medidas de tendência central, medidas de variabilidade.
Teste de hipótese.
Amostragem.
Publicação de artigo; Autoria e co-autoria em trabalhos científicos.

NC – Metodologia de Pesquisa e Bioestatística: (clique para fechar)

NC - Políticas Públicas de Saúde: (ver mais)

Objetivos:
Propiciar aos residentes a compreensão da organização, funcionamento e desafios do SUS e a avaliação crítica da relação entre os modelos de atenção à saúde com a evolução das políticas de saúde no Brasil.
Propiciar a compreensão da organização, funcionamento e desafios da Política de Atenção à Saúde da Criança e do Adolescente, da Política de Saúde Mental, das ações em Saúde Bucal, das práticas de Saúde do Trabalhador e do Programa de Atenção à Saúde da Mulher nos Serviços de Saúde, no âmbito do SUS.
Propiciar o conhecimento e aplicação das políticas públicas em Saúde Auditiva na atenção básica, média e alta complexidade, no âmbito do SUS.
Compreender conceitos de promoção e recuperação da saúde do adulto e idoso e a importância do perfil epidemiológico para planejar e implementar ações direcionadas.
Proporcionar a discussão dos problemas nacionais e regionais de Assistência na Urgência e Emergência, oferecendo conhecimentos para investigar e melhorar a qualidade dos serviços.
Propiciar ao aluno conhecimento sobre Vigilância em Saúde e sua importância na assistência à saúde da população.
Propiciar ao aluno conhecimento sobre a Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF).

Programa de atividades:
Conceitos de saúde, processo saúde-doença e os modelos de atenção à saúde no contexto nacional; a evolução das políticas públicas de saúde no Brasil, a implementação do Sistema Único de Saúde; princípios do SUS, leis que regem sua organização e financiamento; níveis de atenção em saúde, a importância da Atenção Primária (Unidades Básicas de Saúde – UBS e Estratégia de Saúde da Família – PSF); as políticas de saúde para grupos específicos (saúde da mulher, criança, adolescente, adulto, idoso, vigilância em saúde, saúde mental, entre outros).
Política de Saúde do Trabalhador no SUS. Notificação dos Agravos em Saúde do Trabalhador.
Política Nacional de Atenção a Saúde Auditiva, Conhecimento e aplicação das portarias ministeriais GM/MS 2073 de setembro de 2004 e Portarias GM/MS, 587 e 589 de outubro de 2004.
Transição epidemiológica e demográfica. Determinação social do processo saúde-doença. Programas públicos de controle das doenças crônicas não transmissíveis. Programa Municipal de Atenção ao Idoso. Política Nacional de Atenção a pessoa Idosa. Caderneta da Pessoa Idosa.
Panorama da infância e da adolescência no Brasil, indicadores demográficos, socioeconômicos e morbi-mortalidade, coeficientes de mortalidade infantil, principais problemas de saúde por faixa etária. Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), objetivo, aplicabilidade e ações específicas. Programas voltados para a saúde da criança e do adolescente.
Política Nacional de Atenção às Urgências. Dificuldades de implantação e estratégias de ação. Princípios, diretrizes e missão do SAMU 192. Perfil e competências dos profissionais envolvidos. Veículos, tripulações e outras características das ambulâncias.
Serviços na rede de Saúde Mental. O trabalho em equipe nos serviços territoriais. Reabilitação psicossocial no Brasil. Reforma Psiquiátrica.
Política Nacional de Saúde Bucal: Brasil Sorridente, histórico, equipe de saúde bucal na Estratégia de Saúde da Família (ESF). Centro de Especialidades odontológicas (CEO). Fluoretação das águas. Ações Programáticas: Epidemiologia do SB Brasil 2010. Ações educativas, preventivas e de recuperação de saúde.
Perfil de morbi-mortalidade da mulher e Mortalidade Materna local e nacional e o Pacto do SUS. Programa de Atenção à Saúde da Mulher nos Serviços de Saúde.
Conceito de Vigilância em Saúde no contexto histórico da Saúde Pública. Vigilância Epidemiológica, Sanitária, Ambiental.
Fundamentos da CIF, com a identificação de sua utilidade e aplicação prática como ferramenta para acompanhamento/avaliação dos aspectos biopsicossociais durante a reabilitação auditiva.

NC – Políticas Públicas de Saúde: (clique para fechar)

NC - Seminários de Acompanhamento e Avaliação do Programa I: (ver mais)

Objetivos:
Acompanhar o desenvolvimento do programa de residência em Saúde Auditiva.
Identificar junto aos residentes, preceptores e tutores, as dificuldades e facilidades encontradas.
Levantar necessidades de adequação a fim de aperfeiçoar o andamento do programa e a formação dos residentes.

Programa de atividades:
Reuniões com os residentes ao final de cada bimestre, para discussão sobre o andamento do programa e disponibilização dos questionários a serem preenchidos.
Reuniões bimestrais da coordenação com todos os tutores, oportunizando discussão dos resultados das avaliações.
Reuniões periódicas sempre que necessário, dos tutores com os preceptores de cada área, para orientação, esclarecimento de dúvidas e discussão de propostas de melhoria.
Reuniões eventuais com todos os preceptores, para acompanhamento das atividades.

NC – Seminários de Acompanhamento e Avaliação do Programa I: (clique para fechar)

NC - Seminários de Estudos Interdisciplinares: (ver mais)

Objetivos:
Ampliar a base de informações dos residentes.
Introduzir conceitos de metodologia científica.
Possibilitar a análise dos aspectos éticos na pesquisa em saúde.
Oportunizar experiências compartilhadas de estudo sobre diferentes temas e pesquisas.
Possibilitar a análise crítica de estudos na área e suas aplicações.
Possibilitar aos residentes a discussão multidisciplinar de temas relativos ao projeto pesquisa e Trabalho de Conclusão de Curso; gerar perguntas e discutir possibilidades de pesquisa; compartilhar experiências de estudo e pesquisa.

Programa de atividades:
Apresentação individual dos artigos selecionados pelos residentes e discussão pertinente.
Projeção de filme, análise e elaboração de resenha crítica.
Apresentação individual dos projetos de pesquisa pelos residentes e discussão pertinente.

NC – Seminários de Estudos Interdisciplinares: (clique para fechar)

NC - Telessaúde em Saúde Auditiva: (ver mais)

Objetivo:
Fornecer subsídios teóricos e práticos para a capacitação do residente no fornecimento de serviços ligados aos cuidados com a saúde realizados à distância, por meio de tecnologias de informação e de comunicação, para o intercâmbio de informações que visam a prevenção, o diagnóstico e tratamento dos distúrbios da audição.

Programa de atividades:
1. Ética e Telessaúde.
2. Segurança das informações eletrônicas.
3. Etica de informação médica na internet.
4. Telepratica e telehomecare.
5. Tecnologias de automação.
6. Treinamento em teleprática: aplicações sincrônicas e assíncronas.
7. Treinamento no uso do Cyberambulatório para promoção de segunda opinião formativa baseada na internet.
8. Familiarização no uso de ferramentas para disponibilizar de casos clínicos na internet.
9. Treinamento no uso de lista de discussão para organizar fóruns de debates.

NC – Telessaúde em Saúde Auditiva: (clique para fechar)

NC - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (ver mais)

Alvarenga, K.F.; Corteletti, L.C.B.J. O Mascaramento na Avaliação Audiológica: Um Guia Prático. Ed. Pulso, 2006.
ANDRADE, M.M. Introdução à Metodologia Do Trabalho Científico. 6.ed.São Paulo:Atlas, 2003.
ARAUJO, L.A.D.; RAGAZZI, J.L.; COELHO, P. M. C.; et al. A Proteção da Pessoa Portadora de Deficiência: um Instrumento de Cidadania. Bauru: EDITE, 2006. 560 p.
ARGUS, A. A interdisciplinaridade como instrumento de gestão para o terceiro setor. 2001. Tese (Doutorado em Serviço Social) Faculdade de História, Direito e Serviço Social – Campus de Franca, Universidade Estadual Paulista, Franca, São Paulo.
ARROYO, M. Exclusão x inclusão. Fraternidade Cristã de pessoas com deficiência no Brasil. Disponível em: Acesso em: 24 mar. 2007.
ASPESI, C.C.; DESSEN, M.A.; CHAGAS, J.F. A ciência do desenvolvimento humano: uma perspectiva interdisciplinar. In: DESSEN, M.A.; COSTA JUNIOR, A.L. (Org.). A ciência do desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artmed, 2005.
ASSOCIAÇÃO Brasileira de Normas Técnicas – NBR. 14724: introdução e documentação: trabalhos acadêmicos. Rio de Janeiro, 2005.
BAHIA. Secretaria da Saúde. Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde. Diretoria de Vigilância e Controle Sanitário. BRASIL. Universidade Federal da Bahia. Instituto de Ciências da Saúde. Manual de Biossegurança. Salvador. 2001.
Balen, S.A. et al. Saúde Auditiva: da Teoria à Prática. Ed. Santos. 2010.
Balieiro, C.R., Ficker L.B. Reabilitação Aural: a clínica fonoaudiológica e o deficiente auditivo. In: Lopes Filho, O.C. Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo: Roca,1997.
BALIEIRO, C.R.; FICKER, L.B. O adolescente deficiente auditivo: algumas reflexões da Clinica Fonoaudiológica. In: FONSECA , V. R. J. R (org). Surdez e deficiência auditiva: a trajetória da infância à idade adulta. Sao Paulo. Casa do Psicólogo, 2001.
BALLONE, G.J. Humanização do Atendimento em Saúde, in. PsiqWeb, Internet. Disponível em: , 2004
BARBIER, R.A. Pesquisa-Ação. Brasília: Líber Livro. 2007. 159p. (Série Pesquisa, v.3).
BARCHIFONTAINE, C.P. Bioética, ética da vida. Serviço Social & Realidade, Franca, 6(1): 141-146, 1997-1998.
BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2004. 223p.
BEE, H. A Criança em desenvolvimento. 9 ed. Porto Alegre: Artmed, 2003. 612p.
BERTOLLI F.C. História da Saúde Pública no Brasil. 3° ed. Ática: São Paulo, 1999.
BERVIAN, P.A.; CERVO, A.L. Metodologia Científica. 5 ed. São Paulo: Graal, 2000.
BEVILACQUA, M.C.(org.). Tratado de Audiologia. São Paulo: Santos, 2011. 880p.
Bevilacqua, M.C., Moret, A.L.M. Deficiência Auditiva: Conversando com Familiares e Profissionais de Saúde. Ed Pulso, 2005.
BEVILACQUA, M.C.; COSTA, A.O.; MARTINHO, A.C.F. Implante coclear. In: Ferreira LP, Befi-Lopes DM; Limongi SCO. Tratado de Fonoaudiologia. 2004. Cap.60, p.751-761.
Bevilacqua, M.C.; Formigoni, G.M.P. Audiologia Educacional: uma opção terapêutica para a criança deficiente auditiva. Carapicuíba: Pró-fono Departamento Editorial, 1997.
BOFF, L. Saber Cuidar – Ética do humano – compaixão pela terra. Petrópolis: Vozes, 1999.
BOSCOLO, C. C.; SANTOS, T. M. M. A deficiência auditiva e a família: sentimentos e expectativas de um grupo de pais de crianças com deficiência da audição. Distúrb. Comum., São Paulo, v.17, n.1, p.69-75, abr. 2005.
BRASIL Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde / Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006.182 p. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos) ISBN 85-334-1176-6. 1. Gerenciamento de resíduos. 2. Serviços de saúde. I. Título. II. Série.
BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Higienização das mãos em serviços de saúde/ Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Brasília: Anvisa, 2007. ISBN 978-85-88233-26-3. 1. Vigilância Sanitária. 2. Saúde Pública. I. Título.
BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Segurança do Paciente em Serviços de Saúde: Higienização das Mãos / Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Anvisa, 2009. 105p. 1. Vigilância Sanitária. 2. Saúde Pública. I. Título.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. São Paulo: Saraiva, 2010. 9ª. ed. 3-127p.
BRASIL. Decreto nº. 5.296 de 02 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nos 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em: http://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/97181/decreto-5296-04> Acesso em: jun de 2015.
BRASIL. Decreto n. 3.298/99 de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei n. 7.853 de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D3298.htm >. Acesso em 15 jun 2015.
BRASIL. Lei n º 10.098/2000 de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L10098.htm. Acesso em 15 jun 2015.
BRASIL. Lei n. 7853 /89 de 24 de outubro de 1989. Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência, sua integração social, sobre a Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência – Corde, institui a tutela jurisdicional de interesses coletivos ou difusos dessas pessoas, disciplina a atuação do Ministério Público, define crimes, e dá outras providências. Disponível em http://www.pge.sp.gov.br/centrodeestudos/bibliotecavirtual/dh/volume%20i/deflei7853.htm. Acesso em 15 de jun 2015.
BRASIL. Lei n. 8.213/91 de 24 de julho de 1991. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8213cons.htm Acesso em 03 nov 2011.
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Disponível em: www.saude.gov.br. Acesso em 19 jul. 2011.
BRASIL. Ministério da Saúde. AIDPI Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância. Ministério da Saúde, Organização Mundial de Saúde, Organização Pan-Americana da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2003
BRASIL. Ministério da Saúde. Caderneta de Saúde. Departamento de Atenção à Saúde. Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno. 5ª edição. Brasília: Editora MS, 2008.
BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos da Atenção Básica – Programa de Saúde da Família: A implantação da unidade de saúde da família. Secretaria de Políticas de Saúde. Ministério da Saúde. Cadernos da Atenção Básica nº 1. Ministério da Saúde. Brasília. 2000.
BRASIL. Ministério Da Saúde. Doenças Ocupacionais Relacionadas ao Trabalho. Manual de Procedimentos para os Serviços de Saúde. (Capítulo 10) ( Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doencas_relacionadas_trabalho1.pdf).
BRASIL. Ministério da Saúde. Estatuto da Criança e do Adolescente. Ministério da Saúde. 3ª edição. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2008.
BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de Normas de Vacinação. Disponível no link: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes /funasa/manu_normas_vac.pdf
BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de Vigilância do óbito infantil e fetal e do Comitê de Prevenção do óbito infantil e fetal. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas. Saúde da Criança e Aleitamento Materno. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009.
BRASIL. Ministério da Saúde. O SUS de A a Z: garantindo saúde nos municípios. Brasília: Ministério da Saúde, 344p. 2005.
BRASIL. Ministério da Saúde. O SUS de A a Z: garantindo saúde nos municípios. Ministério da Saúde, Conselho Nacional das Secretarias Municipais de Saúde. 3ª ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 2073/o4 – Dispõe sobre a Instituir a Política Nacional de Atenção à Saúde Auditiva a ser implantada em todas as unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 587 e 589 de outubro de 2004 – Regulamentam a Atenção à Saúde Auditiva.
BRASIL. Ministério Da Saúde. Portaria GM/MS No. 2437, de 07 de dezembro de 2005 – Dispõe sobre a ampliação e o fortalecimento da Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador – RENAST no Sistema Único de Saúde – SUS e dá outras providências.
BRASIL. Ministério Da Saúde. Portaria GM/MS No. 2728, de 11 de novembro de 2009 – Dispõe sobre a Rede Nacional de Atenção Integral Á Saúde do Trabalhador (RENAST) e dá outras providências.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria Nº 399/GM. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 – Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Brasília. 2006.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Programa Nacional. DST/AIDS. Hepatites, AIDS, e Herpes na Prática Odontológica.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa – Cadernos de Atenção Básica nº 19 (Série A. Normas e Manuais Técnicos) – Brasília: Ed. Ministério da Saúde, 2006.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde (Série B. Textos Básicos de Saúde) Brasília: Ed. Ministério da Saúde, 2006.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Departamento de Apoio à Descentralização. Pacto de gestão: garantindo saúde para todos (Série B. Textos Básicos de Saúde) – Brasília: Ed. Ministério da Saúde, 2005.
BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 8080, de 19 de setembro de 1990: Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília. 1990.
BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 8142, de 28 dezembro de 1990: Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Brasília. 1990.
BRASIL. Relatório mundial sobre a deficiência. São Paulo: SEDPcD, 2012. 334p.
BRASIL. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Convenção Nacional para os Direitos da Pessoa com Deficiência: protocolo facultativo à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Brasília 2007. 48 p.
BRASIL. Senado Federal – Constituição Federal de 1988. Titulo VIII – Capítulo II – Seção II, da Saúde, Artigos 196; 197; 198: Brasília, 1988.
BRAZELTON, T. B.; SPARROW, J. Momentos decisivos do desenvolvimento infantil 3 a 6 anos. Porto Alegre: Artmed. 2003.
BRONFENBRENNER, U. A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. 267p.
Campos, C.A.H., Costa, H.O.O. Tratado de Otorrinolaringologia. 1ª Edição. Ed. Roca, 2003, v. 2, p. 268-277
CANHO, P. G. M.; NEME, C. M. B.; YAMADA, M. O. A vivência do pai no processo de reabilitação da criança com deficiência auditiva. Estud. Psicol., Campinas, v.23, n.3, p.261-269, jul./set. 2006.
Caovilla, H.H. et al. Equilibriometria clínica. Ed. Atheneu, 2000.
CARTER, B., MCGOLDRICK, M. As mudanças no ciclo de vida familiar. 2a. ed. Porto Alegre: Artes Médicas; 1995.
CARTER, B.; MAC GOLDRICK, M. (1995). As mudanças no ciclo de vida familiar. Porto Alegre: Artes Médicas.
CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Guidelines for infection control in dental health-care settings. MMWR, Dec.19, v.52, n.RR-17, 2003.
CERVENY, C.M.O.; BERTHOUD, C. (2002). Visitando a família em diferentes fases do ciclo vital. São Paulo: Casa do Psicólogo.
CERVENY; C.M.O. (2002). A família como modelo. Campinas: Livro Pleno.
CHIZZOTTI, A. Pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2008. 164p.
CNPQ. Arquivos de Ajuda da Plataforma Lattes. Disponível em: http://ajuda.cnpq.br/index.php/M%C3%B3dulo_Projetos. Acesso em 08 jul. 2011.
CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE SURDOS. Leis e Projetos. Disponível em: . Acesso em: 08 maio. 2005.
CONTINI, M. de L.; KOLLER, S. H.; BARROS, M.N. S. Adolescência & Psicologia: concepções praticas e reflexões criticas. Conselho Federal de Psicologia. Brasilia/DF, 2002.
COSTA, F.S. Estatística aplicada à pesquisa em educação. Brasília: Plano Ed., 2004. 80p. (Série Pesquisa em Educação, v.7).
COSTA, O.A.; BEVILACQUA, M.C. Implantes cocleares. In: Costa SS. Otorrinolaringologia: Princípios e Prática. Porto Alegre: Artmed; 2006. cap.11.12, p. 447-453.
Costa, S.S et.al. Otorrinolaringologia: Princípios e Prática. 2ª Edição. Ed. Artmed, 2006.
DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000.
DEMO, P. “Interdisciplinaridade”. In: “Conhecimento moderno sobre ética e intervenção no conhecimento. Petrópolis: Vozes, 1997”.
DEMO, P. Metodologia Científica em ciências sociais. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2001.
DEMO, P. Pesquisa Participante: saber pensar e intervir juntos. Brasília: Líber Livro. 2004. 140p. (Série Pesquisa em Educação, v.8).
DINIZ, D. O Que é Deficiência? São Paulo: Brasiliense, 2007.
DRANE, J; PESSINI, L. Bioética, Medicina e Tecnologia: Desafios éticos na fronteira do conhecimento humano. São Paulo: Loyola, 2005.
DUPAS, G. Ética e poder na Sociedade da informação. São Paulo: UNESP, 2001.
ECO, U. Cinco escritos morais. Rio de Janeiro: Record. 1998.
ELKAIM, M. (1998). Panorama das terapias familiares. São Paulo: Summus.
FALEIROS V.P, SILVA J.F.S. VASCONCELOS L.C.F SILVEIRA R.M.G, A construção do SUS – Histórias da Reforma Sanitária e do Processo Participativo. Brasília, 2006: 300p
FAZENDA, I.C. “Interdisciplinaridade: Dicionário em construção”. São Paulo/SP: Cortez, 2001. 270p.
FAZENDA, I.C. (org.) “A virtude da força nas práticas interdisciplinares”. Campinas/SP: Papirus, 1999.
FERNANDES, A.T.; FERNANDES, M.O.V.; RIBEIRO FILHO, N. Infecção hospitalar e suas interfaces na área de saúde. São Paulo: Editora Atheneu, 2000
Fernandes, F.D.M., Mendes, B.C.A., Navas, A.L.P.G. Tratado de Fonoaudiologia. 2ª Edição. Ed. Roca, 2010.
FERNANDES, T.F.S.; MESQUITA, S.T.; FENIMAN, M. R. As repercussões sociais em indivíduos com distúrbios da comunicação associados às fissuras labiopalatinas com e sem perda auditiva. Audiol Comumn Res. 2015; 20(1):40-7.
FERREIRA, L. A. M. A inclusão da pessoa portadora de deficiência e o Ministério Público. Instituto Integrar. Disponível em: FERNANDES, T.F.S.; MESQUITA, S.T. Aspectos sociais e econômicos das famílias “casos novos” de um programa de implanta coclear. Textos & Contextos. Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 143-158, jan/jun.2014.
Figueiredo, M.S. Emissões Otoacústicas e BERA. Ed. Pulso; 2003.
FILHO, J.M., LEHFELD, N.A.S. (Orgs.) Prática de Pesquisa. Franca: UNESP, 2004.178p.
FILHO, N.A. Transdisciplinaridade e o paradigma pós-disciplinar na saúde. Saúde e Sociedade, v.14, n.3, p.30-50, set./dez. 2005.
FLICK, U. Pesquisa qualitativa e quantitativa. In: Introdução à Pesquisa Qualitativa. Tradução Costa, J.E. 3ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. p.39-49.
FRANCELIN, M.A.S. As implicações sociais da deficiência auditiva adquirida em adultos. Saude Soc. São Paulo, v.19, n. 1 p. 180-192, 2010.
FRANCO, M.L.P.B. Análise do Conteúdo. Brasília: Plano Editora, 2003. 72p. (Série Pesquisa em Educação, v.6).
Frota, S. Fundamentos em Fonoaudiologia: Audiologia. 2 ª Edição. Ed. Guanabara Koogan, 2003.
Ganança, M.M, Vieira, R.M., Caovilla, H.H. Princípios de Otoneurologia. Ed. Atheneu, 1998.
Ganança, M.M. et al. Estratégias Terapêuticas em Otoneurologia. Ed. Atheneu, 2000.
GARRAFA, V; KOTTOW, M,; SAADA, A. Bases conceituais da Bioética: enfoque latino-americano. São Paulo: Gaia, 2006.
GATTI, M.A. A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília: plano Editora, 2002. 77p. (Série Pesquisa em Educação, v.1).
GIOVANELLA, L (org.) Políticas e Sistemas de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2008.
GOMIDE, P.I.C. Pais presentes, pais ausentes. Vozes: Petrópolis, 2004, 86p.
GRACIANO, M.I.G., FIGUEIRA, E. A deficiência: aspectos sociais da reabilitação e trabalho interdisciplinar. Temas em Desenvolvimento, V. 9, n.49, p. 40-51, 2000.
GRIGOLLI, A.A.G. Metodologia do Trabalho Científico e Recursos Informacionais na Área da Saúde. São Paulo: editora Santos, 2008. 208p.
HARRISON, K.M.P.; LODI, A.C.B.; MOURA, M.C. Escola e escolhas: processo educacional dos surdos. In: LOPES FILHO, O.C. Tratado de fonoaudiologia. São Paulo: Roca, 1997. p.359-400.
HECK, A. Uma radiografia da população brasileira com deficiência. Educação & Família. Edição 05. Ano I. São Paulo: editora Escala Ltda. 2005.
HECKERT, A.L.C.; PASSOS, E.; BARROS, M.E.B. An instrumental seminar: humanization of the Brazilian Unified Health System (SUS) under discussion. Interface – Comunic.Saude, Educ., v.13, supl.1, p.493-502, 2009.
Herdman, S.J. Reabilitação Vestibular. Ed. Manole, 2012.
HOSSNE, S,W,; SIQUEIRA, J,E,; PESSINI Lr. (org.) Bioética em Tempos de Incertezas. São Paulo: Loyola, 2010.
HYDE, M.; PUNCH, R.; KOMESAROFF, L. Coming to a decision about cochlear implantation: parents making choices for their deaf children. J. Deaf. Stud. Deaf. Educ., Cary, v.15, n.2, p.162-178, Spring 2010.
JACKSON, C. W.; TRAUB, R. J.; TURNBULL, A. P. Parents experiences with childhood deafness: implications for family-centered services. Commun. Disord. Q., Austin, v.29, n.2, p.82-98, 2008.
JAIME, L.R.; CARMO, J.C. A inserção da pessoa com deficiência no mundo do trabalho: o resgate de um direito de cidadania. São Paulo: Autores, 2005. 204 p.
JANTSCH, A.P. et al. “Interdisciplinaridade: para além da filosofia do sujeito”. Petrópolis: Vozes, 1995.
Jerger, S., Jerger, J. Alterações Auditivas- Um manual para avaliação Clínica. Ed. Atheneu; 1989.
JUNIOR SILVA, A.G.; ALVES, C.A. Modelos Assistenciais em Saúde: desafios e perspectivas. In: MOROSINI, M.V.G.C., CORBO, A.D.A. (orgs.) Modelos de atenção e a saúde da família. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz; 2007. P. 27-41. Disponível em: http://www.epsjv.fiocruz.br/publicacao/livro/modelos-de-atencao-e-saude-da-familia
KÜBLER-ROSS, E. Sobre a morte e o morrer. 9 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008. 304p.
Katz, J. Tratado de Audiologia Clinica. 4ª Edição. Ed. Manole, 1999.
KURTZER-WHITE, E.; LUTERMAN, D. Families and children with hearing loss: Grief and coping. Mental Retardation and Developmental Disabilities Research Reviews, 9: 232-235, 2003.
LAKATOS, E.M., MARCONI, M.A. Metodologia do Trabalho Científico – 2a ed. São Paulo: Atlas, 1989.
LEHFELD, N.A.S.; FILHO, J.M. (orgs.) A prática da pesquisa. Franca: UNESP, 2004.
LEHFELD, N.A.S.; SILVEIRA, M.A. Fundamentos da metodologia científica. 2 ed. Ampliada. São Paulo; Makron Books, 2000.
LUTERMAN, D. Counseling parents of hearing-impaired children. Boston: Little, Brown, 1979. 193p. ______. Deafness in the family. Boston: Little Brown, 1987. 123p.
LUTERMAN, D.; ROSS, M. When your child is deaf: a guide for parents. Parkton: York Press, 1991. 182p.
Luterman, D.M. Counseling parents of hearing-impaired children. USA, Little&Brown, 1979.
LUZ, A.A.; WOSNIAK, F.L.; SAVI, C.A. Vulnerabilidade ao abuso de drogas e a outras situações de risco. Educar em Revista, América do sul, v.15, 2004.
MACHADO, L.D.; LAVRADOR, M.C.C. For a clinic to expand life. Interface – Comunic.Saude, Educ., v.13, supl.1, p.515-21, 2009.
MARCILIO, M,L,; RAMOS, E,L. Ética na virada do século: “Busca do Sentido da Vida”. São Paulo: LTr. 1997.
MARIN, C.R.; GÓES, M.C.R. A experiência de pessoas surdas em esferas de atividade do cotidiano. Cadernos CEDES, Campinas, v. 26, n. 69, 231-249, mai./ago. 2006.
MARTINELLI, M.L. Pesquisa Qualitativa: um instigante desafio. São Paulo: Veras, 1999.
MARTOS, M., BARDUZZI, R.M. O Serviço Social na área da saúde: um estudo sobre a equipe como maior efetivador dos direitos sociais. [TCC] Faculdade de Serviço Social de Bauru. 2008. 109p.
MINAYO, M.C.S. (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1999. 80p.
MINISTÉRIO DA SAÚDE. Controle de infecções e a prática odontológica em tempos de AIDS. Brasília: Manual de Condutas. 2000, 118p.
MINISTÉRIO DA SAÚDE. Política Nacional de Humanização. Disponível em: www.saude.gov.br/humanizasus Acesso em: 23 ago. 2010.
MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria SAS n. º 423, de 9 de Julho de 2002. Detalha as atribuições básicas inerentes a cada nível do governo no controle, regulação e avaliação da assistência à saúde no SUS. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 9 jul. 2002. Seção 1. p. 74.
MINISTÉRIO DA Saúde (Conselho Nacional de Saúde). Resolução Nº. 196/96 sobre pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: 1996
MINUCHIN, S. et al. (1999). Trabalhando com famílias pobres. Porto Alegre: Artmed.
MINUCHIN, S.; FISHMAN, H. (1995). Técnicas de terapia familiar. Porto Alegre: Artes Médicas.
MOROZ, M., GIANFALDONI, M.H.T.A. O Processo de Pesquisa Iniciação. Brasília: Líber Livro Ed. 2a.ed. 2006. 124p. (Série Pesquisa, v.2).
MOURA-RIBEIRO, M.V.L. e GONÇALVES, V.M.G. Neurologia do Desenvolvimento da Criança. SP: Revinter, 2009.
MUNHOZ, D.E.N. Trocando em miúdos. Trabalho interdisciplinar: realidade e utopia. Serviço Social & Sociedade, n. 51, São Paulo: Cortez, Ago. / 1996.
NICOLAU, L. R.; YAMADA, M. O.; BEVILACQUA, M. C. O implante coclear sob a ótica da criança. Temas desenvolv., São Paulo, v.14, n.80/81, p.61-67, maio/ago. 2005.
NORTHERN, J.L.; DOWNS, M.P. Audição na infância. Guanabara Koogan. Rio de Janeiro, 5 ed., p. 103-126, 2005.
PAPALIA, D.E. Desenvolvimento Humano. Porto Alegre: Artmed, 2006
PASCHE, D.F., PASSOS, E. Importância da Humanização a partir do Sistema Único de Saúde. Rev. Saúde públ. Santa Cat., Florianópolis, v. 1, n. 1, jan./jun. 2008.
PEDUZZI, M.; SCHRAIBER, L.B. O trabalho em equipe na formação e na prática dos profissionais de saúde. In: CONGRESSO NACIONAL DA REDE UNIDA, 6. 2005, Belo Horizonte. Anais… Belo Horizonte: s.n., 2005.
PIGATTO, C.S; KLEIN, E.T ; WISNESKY, R. R. Orientação profissional no contexto da deficiência auditiva. Curitiba: Juruá, 2000. 260p.
PINHEIRO, A. B. S. M.; YAMADA, M. O.; BEVILACQUA, M. C.; CRENITTE, P. A. P. Avaliação das habilidades escolares de crianças com implante coclear. Rev. CEFAC [online]. 2012, vol.14, n.5 [cited 2013-08-28], pp.826-835.
PINHO, M.C. Trabalho em equipe de saúde: limites e possibilidades de atuação eficaz. Ciências & Cognição, ano 3, v.8, 2006. Disponível em: http://www.cienciasecognicao.org/. Acesso em 01 set. 2008.
Portarias de saúde auditiva (Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/sas/mac/area.cfm?id_area=848): § GM 2.073/04 de 28 de setembro de 2004. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2004/GM/GM-2073.htm § SAS 587 de 07 de outubro de 2004. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2004/PT-587.htm
Regimento do Grupo de Trabalho da Humanização do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo de 12/09/2007.
Revista de Endodontia Pesquisa e Ensino On Line – Ano 2, Número 3, Janeiro/Junho, 2006. 1ISSN – (Aguardando Registro) – http://www.ufsm.br/endodontiaonline.
RIBEIRO, S. F. R.; YAMADA, M. O.; SILVA, C. Grupo de acompanhantes de pacientes com implante coclear: uma ação interdisciplinar da psicologia e do serviço social. Rev. SPAGESP., Ribeirão Preto, v.6, n.1, p.48-56, jan./jun. 2005.
ROBBINS, H.; FINLEY, M. Por que as equipes não funcionam. Rio de Janeiro, 1997. 254p.
RODRIGUES, A. F.; PIRES, A. Surdez infantil e comportamento parental. Anal. Psicol., Lisboa, v.3, n.20, p.3889-3400, 2002.
RODRIGUES, EDWAL A. C.; RICHTMANN, ROSANA, IRAS: Infecção Relacionada à Assistência à Saúde. São Paulo: Editora SARVIER, 2008.
RODRIGUES, M.L. Caminhos da transdisciplinaridade: fugindo às injunções lineares. Serviço Social & Sociedade, n. 64, São Paulo: Cortez, Nov. /2000. p. 124-134.
ROMERO,E. As Formas de Sensibilidade: emoções e sentimentos na vida humana. 5.ed.São José dos Campos: Della Bídia Editora. 2011. 290p.
Russo, I.C.P.; Santos, T.M.M. Audiologia Infantil. 4ª Edição. Ed. Cortez, 2001.
SÁ, J.L.M. de. Gerontologia e interdisciplinaridade – fundamentos epistemológicos. Serviço Social & Sociedade, n. 58, São Paulo: Cortez, Nov. /1998. p. 153-161.
Sá, A,L. Ética Profissional. São Paulo: Atlas, 1998.
SANTOMÉ, J. T. “Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado”. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.
SANTOS-FILHO, S.B. Perspectivas da avaliação na Política Nacional de Humanização em Saúde: aspectos conceituais e metodológicos Ciência & Saúde Coletiva, 12(4): 999-1010, 2007.
SASSAKI, R.K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. 6. ed. Rio de Janeiro: WVA, 2005. 176 p.
SCHENKER, M.; MINAYO, M.C.S. Fatores de risco e de proteção para o uso de drogas na adolescência. Revista Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.10, n.3, p. 707-717, jul-set, 2005.
SEVERINO, A.J. Metodologia do trabalho científico. 23ed. rev. e atualizada. São Paulo: Cortez, 2007. 296p.
SIGOLO, S.R.R. L. Educação de crianças com atraso de desenvolvimento na perspectiva bioecológica de Bronfenbrenner. In: SIGOLO, S.R.R.L.; MANZOLI, L.P. (Org.). Educação especial face ao desenvolvimento e à inserção social. Araraquara: Cultura Acadêmica, 2002. p.11-39.
SILVA, A.B.B. Bullying: Mentes perigosas nas escolas. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010
SILVA, A.V. Direitos a prestações positivas e igualdade: a deficiência em perspectiva constitucional. São Paulo: LTr, 2007. 157 p.
SILVA, R. P. da S.; CASTANHO, R.M.; MASSOLA, J.O. 2012. Extroversão em idosos deficientes auditivos antes e depois da adaptação de aparelho de amplificação sonora individual. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Psicologia Clínica-Hospitalar) HRAC/USP, Bauru, 2012.
SILVEIRA, U. A ética Profissional na virada do século. Serviço Social & Realidade, Franca, V. 8, n.2, p. 89-101, 1999.
SOKAL, R.R.; ROHLF, F.J. Biometry.
Sousa, L.C.A. et al. Eletrofisiologia da audição e emissões otoacústicas. 1ª ed. Ed. São Paulo: Novo conceito Saúde, 2008.
SOUZA, D.L.; SOUZA, P.L. Representações de surdos no contexto da relação empregado-empregador. Monografia (Curso de Especialização em Educação Especial). Universidade Estadual de Ponta Grossa, 2004.
SOUZA, V.C.; NEVES, N.P. Enfrentando o mundo do trabalho: relatos orais de pessoas com deficiências. Serviço Social & Realidade, v. 14, n. 2, p. 1-258, 2005.
STELLING, E. A relação da pessoa surda com sua família. Espaço, Rio de Janeiro, n.11, p.44-47, 1999.
TEIXEIRA, M.J.O., NUNES, S.T. A interdisciplinaridade no Programa Saúde da Família: uma utopia? In: BRAVO, M.I.S. et al. (orgs.). Saúde e Serviço Social. São Paulo: Cortez. Rio de Janeiro: UERJ, 2004. P.117-134.
TEIXEIRA, R.R. Humanização e Atenção Primária à Saúde. Ciências e Saúde Coletiva. 10(3) 585-97, 2005.
TURATO, E.R. Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: construção teórico-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2003. 685 p.
Tye-Murray, N. Foundations of aural rehabilitation: children, adults, and their family members. Singular Publishing Group, 2005.
VIEIRA, S. Introdução à Bioestatística 4 ed. – Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.
VILLAS BOAS, A. C. V. B.; RODRIGUES, O. M. P. R.; YAMADA, M. O. Promovendo a interação mãe-criança com implante coclear: um estudo de caso. Psicol. Teor. Pesqui., Brasília, v.22, n.3, p.268-268, set./dez. 2006.
WAGNER, A.; FALCKE, D.; SILVEIRA, L.M.B.O; MOSMANN, C.P. A comunicação em famílias com filhos adolescentes. Psicologia em estudo: Maringá, v.7, n.1, p. 75-80, jan/jun. 2002.
World Health Organization. Iniquidades em saúde no Brasil, nossa mais grave doença. Disponível em: www.determinantes.fiocruz.br. Acesso em: 15 jun. 2015.
YAMADA, M. O.; BEVILACQUA, M. C. Dimensão afetiva da pessoa com surdez adquirida, antes e após o implante coclear. Estud. Psicol., Campinas, v.29, n.1, p.63-69, jan./mar. 2012.
YAMADA, M. O.; BEVILACQUA, M. C. O papel do psicólogo no programa de implante coclear do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais. Estud. Psicol., Campinas, v.22, n.3, p.255-262, jul./set. 2005.
YAMADA, M.O.; VALLE, E. R. M. Vivência de mães na trajetória de seus filhos com implante coclear: fatores afetivos e emocionais. 2. Ed. Ribeirão Preto: Book Toy, 2014. 310p.
ZAJDSZNAJDER, L. Ética, Estratégia e Comunicação: na passagem da modernidade à pós-modernidade. Rio de Janeiro: FGV, 2002.
ZANARDI, M. M. B.; YAMADA, M. O.; BEVILACQUA, M. C. A experiência do adolescente usuário de implante coclear. Psicol. Rev., Belo Horizonte, v.15, n.1, p. 69-89, abr. 2009.
ZUGLIANI, A.P.; MOTTI, T.F.G.; CASTANHO, R.M. O autoconceito do adolescente deficiente auditivo e sua relação com o uso do aparelho de amplificação sonora individual. Rev.Bras.de Ed.Esp, v.13; n.1, Marilia, Jan/Apr., 2007.

NC – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (clique para fechar)

NÚCLEO COMUM (NC), para alunos R-1 de todas as especialidades: (clique para fechar)

NÚCLEOS ESPECÍFICOS PRÁTICOS (NEP), para alunos R-1 e R-2, divididos por especialidades: (ver mais)

FONOAUDIOLOGIA (NEPF) (ver mais)

NEPF - Diagnóstico e reabilitação da deficiência auditiva: (ver mais)

Objetivo:
Possibilitar ao residente construir sua prática clínica com base no conhecimento teórico-prático, através da observação e execução dos diferentes procedimentos utilizados, desde o estabelecimento do diagnóstico clinico, até a definição das condutas. A prática clínica permitirá ao residente: interpretar o diagnóstico, planejar e executar o processo terapêutico, nos diferentes tipos de alterações auditivas, bem como encaminhar, monitorar, documentar, e elaborar relatórios dos casos.

Programa de atividades:
Executar procedimentos audiológicos de triagem e avaliação, em pacientes de diferentes faixas etárias, compreendendo: Anamnese, Audiometria tonal via aérea/ósseo, Audiometria de reforço visual, Testes acumétricos e supralimiares, Logoaudiometria, Medidas da imitancia acústica.
Avaliação eletrofisiológica: Potenciais evocados de tronco cerebral de curta, média e longa latência, Emissões otoacústicas.
Avaliação vestibular e reabilitação vestibular.
Realização do pré-molde auricular.
Seleção, indicação e adaptação de dispositivos eletrônicos (AASI, implante coclear e dispositivos eletrônicos semi-implantáveis).
Avaliação do benefício com os dispositivos eletrônicos (medidas in situ, medidas do ganho funcional e testes de percepção de fala).
Avaliação da satisfação dos usuários (questionários de auto-avaliação).
Realização do mapeamento eletroacústico (IC).
Realizar terapia fonoaudiológica com ênfase na habilitação e reabilitação auditiva em crianças, em adultos e em idosos: testes de percepção auditiva da fala e de leitura orofacial; avaliação de linguagem; acompanhamento de usuários de AASI crianças, adultos e idosos, envolvendo orientação e aconselhamento ao paciente, família e fonoaudiólogo da cidade de origem; avaliação de satisfação e benefício.
Elaborar relatórios clínicos e analisar prontuários.

NEPF – Diagnóstico e reabilitação da deficiência auditiva: (clique para fechar)

NEPF - Estudo Temático e Supervisão: (ver mais)

Objetivo:
Fundamentar a atuação do residente com discussão de temas e casos clínicos. Permitir ao residente aprimorar sua prática e ampliar competências mediante orientações individuais e em grupo, com a participação de preceptores.

Programa de atividades:
Seleção de temas e materiais para estudo.
Leitura e discussão dos textos.
Construção de portfólio.
Análise de casos clínicos em atendimento frente às discussões e materiais estudados.
Orientação quanto à postura e conduta do residente.

NEPF – Estudo Temático e Supervisão: (clique para fechar)

FONOAUDIOLOGIA (NEPF) (clique para fechar)

PSICOLOGIA (NEPP) (ver mais)

NEPP - Diagnóstico e reabilitação da deficiência auditiva: (ver mais)

Objetivos:
Realizar atendimentos psicológicos com o emprego de procedimentos próprios da área a pacientes casos novos ou acompanhamentos, familiares e cuidadores.
Orientar pais e pacientes quanto ao diagnóstico e reabilitação.
Discutir os casos com a equipe e colaborar no planejamento do tratamento.

Programa de atividades:
Atendimento a pacientes, familiares e cuidadores, de casos novos e acompanhamentos, das diferentes faixas etárias.
Discussão de casos.
Elaboração de relatórios.
Encaminhamentos diversos.

NEPP – Diagnóstico e reabilitação da deficiência auditiva: (clique para fechar)

NEPP - Estudo Temático e Supervisão: (ver mais)

Objetivo:
Fundamentar a atuação do residente com discussão de temas e casos clínicos. Permitir ao residente aprimorar sua prática e ampliar competências mediante orientações individuais e em grupo, com a participação de preceptores.

Programa de atividades:
Seleção de temas e materiais para estudo.
Leitura e discussão dos textos.
Construção de portfólio.
Análise de casos clínicos em atendimento frente às discussões e materiais estudados.
Orientação quanto à postura e conduta do residente.

NEPP – Estudo Temático e Supervisão: (clique para fechar)

PSICOLOGIA (NEPP) (clique para fechar)

SERVIÇO SOCIAL (NEPSS) (ver mais)

NEPSS - Diagnóstico e reabilitação da deficiência auditiva: (ver mais)

Objetivos:
Avaliar casos utilizando instrumentais próprios da área.
Analisar os resultados encontrados e discussão em equipe.
Colaborar no planejamento do tratamento.
Orientar sobre o diagnóstico e o planejamento terapêutico.
Documentar, encaminhar e acompanhar o processo de reabilitação junto aos pacientes, familiares e cuidadores.

Programa de atividades:
Atendimento a casos novos.
Atendimento ambulatorial em plantão e agendamento.
Atendimento indiretos envolvendo atividades de prevenção e intervenção a casos de abandono de tratamento.
Elaboração de laudos.
Caracterização de prontuários clínicos.
Encaminhamentos diversos.

NEPSS – Diagnóstico e reabilitação da deficiência auditiva: (clique para fechar)

NEPSS - Estudo Temático e Supervisão: (ver mais)

Objetivo:
Fundamentar a atuação do residente com discussão de temas e casos clínicos. Permitir ao residente aprimorar sua prática e ampliar competências mediante orientações individuais e em grupo, com a participação de preceptores.

Programa de atividades:
Seleção de temas e materiais para estudo.
Leitura e discussão dos textos.
Construção de portfólio.
Análise de casos clínicos em atendimento frente às discussões e materiais estudados.
Orientação quanto à postura e conduta do residente.

NEPSS – Estudo Temático e Supervisão: (clique para fechar)

SERVIÇO SOCIAL (NEPSS) (clique para fechar)

NÚCLEOS ESPECÍFICOS PRÁTICOS (NEP), para alunos R-1 e R-2, divididos por especialidades: (clique para fechar)

NÚCLEOS ESPECÍFICOS TEÓRICOS (NET), para alunos R-2, divididos por especialidades: (ver mais)

FONOAUDIOLOGIA (NETF) (ver mais)

NETF - Audiologia Educacional: (ver mais)

Objetivos:
Fornecer subsídios teóricos ao residente no que se refere ao atendimento de indivíduos deficientes auditivos nas diferentes faixas etárias; possibilitar a atuação junto a escolas comuns e especiais; participar em equipes interdisciplinares de prevenção e diagnóstico precoce da deficiência auditiva.

Conteúdo Programático:
1. Delimitação da área de audiologia educacional.
1. Histórico da construção da audiologia educacional no Brasil – Revisão das diferentes concepções.
2. Histórico do atendimento ao deficiente auditivo.
3. Conceituação e caracterização das deficiências auditivas e suas implicações educacionais.
4. Conseqüências da privação sensorial.
5. Alternativas educacionais para o deficiente auditivo.
6. Avaliação do comportamento auditivo da criança portadora de deficiência auditiva.
7. Testes de percepção da fala para crianças.
8. (Re)habilitação da criança deficiente auditiva.
9. Atendimento de pacientes.
10. Orientação e aconselhamento familiar.

NETF – Audiologia Educacional: (clique para fechar)

NETF - Estudo de temas específicos da área: (ver mais)

Objetivos:
Favorecer o aprofundamento de conhecimentos teórico-praticos na área de deficiência auditiva no contexto individual, familiar e social de forma a promover a saúde global da pessoa com deficiência auditiva, favorecendo a socialização, inclusão, escolarização e profissionalização.

Conteúdo Programático:
Triagem auditiva, Avaliação audiológica e eletrofisiológica.
Avaliação e reabilitação vestibular.
Pré-molde auricular.
Dispositivos eletrônicos (AASI, implante coclear e dispositivos semi-implantáveis).
Avaliação do benefício e satisfação com os dispositivos eletrônicos.
Habilitação e reabilitação auditiva em crianças, em adultos e em idosos.
Orientação e aconselhamento do paciente, família e do fonoaudiólogo.

NETF – Estudo de temas específicos da área: (clique para fechar)

NETF - Estudo e apresentação de casos: (ver mais)

Objetivos:
Ampliar a base de informações sobre deficiência auditiva.
Possibilitar a análise dos aspectos clínicos e práticos no atendimento dos casos.
Oportunizar experiências compartilhadas de estudo sobre diferentes casos.
Permitir o desenvolvimento de habilidades de análise e interpretação de achados clínicos favorecendo a definição de condutas de tratamento mais adequadas.
Favorecer a integração entre praticas em alta complexidade e serviços de atenção básica oferecidos nas cidades de origem dos pacientes.

Conteúdo Programático:
Temas a serem indicados para os residentes selecionarem e apresentarem casos clínicos, fundamentados em leituras e estudos de bibliografia pertinente.

NETF – Estudo e apresentação de casos: (clique para fechar)

NETF - Implante Coclear: (ver mais)

Objetivos:
Fornecer conteúdo teórico ao profissional sobre os diferentes tipos de implante coclear (IC) no que se refere as características eletrônicas e de adaptação ao paciente.
Capacitar o profissional para atuar em equipe na indicação dos candidatos ao IC (crianças e adultos) levando em consideração os diferentes critérios de seleção.

Conteúdo Programático:
1 – História e desenvolvimento dos implantes cocleares.
2 – Conceitos gerais:
    a) sistema multicanal;
    b) bases eletrônicas dos processadores de fala
3 – Conceitos clínicos:
    a) critérios de seleção do paciente adulto;
    b) critérios de seleção do paciente criança;
    c) seleção audiológica: estimulação elétrica do promontório, limite do aproveitamento do AASI;
    d) avaliação da percepção da fala;
    e) avaliação da comunicação oral;
    f) avaliação psico-social;
    g) outras avaliações.
4 – Prova terapêutica em crianças pré e pós-linguais: aspectos cirúrgicos dos implantes cocleares.
5 – Casos clínicos:
        a) etapas pré-cirúrgicas;
    b) período de internação;
    c) etapa pós-cirúrgica.
6 – Diferentes estratégias decodificação dos diferentes tipos de processadores de fala:
    a) princípios das estratégias de calibração;
    b) programação dos implantes Nucleus, Med-el, Clarion;
    c) habilitação e reabilitação: habilitação da criança implantada; reabilitação da criança implantada;
    d) atualização nos procedimentos do trabalho à nível de leitura oro-facial e de estratégias de comunicação;
    e) utilização do sistema FM em pacientes implantados.
7 – Procedimentos de aconselhamento pré e pós-cirúrgico.

NETF – Implante Coclear: (clique para fechar)

NETF - Indicação e adaptação de próteses e aparelhos de amplificação sonora individual e coletiva: (ver mais)

Objetivo:
Propiciar ao residente o raciocínio teórico-prático dos diferentes circuitos empregados em sistemas de amplificação sonora bem como do processo de seleção, verificação e adaptação dos aparelhos de amplificação sonora individuais (AASIs) e equipamentos auxiliares de audição.

Conteúdo Programático:
1. Princípios gerais da indicação dos AASIs.
2. Moldes auriculares.
3. Características físicas e eletroacústicas dos AASIs.
4. Sistemas limitadores da saída: corte de picos e compressão.
5. Aplicação da tecnologia digital nos AASIs.
6. Métodos prescritivos lineares e não lineares para seleção do ganho e resposta de freqüência.
7. Métodos de prescrição da saída máxima.
8. Verificação dos AASIs: Medidas com Microfone Sonda e Medidas em Campo Livre.
9. Princípios gerais da seleção e indicação de AASI em crianças.
10. Validação dos AASIs: testes de percepção da fala e questionários de auto avaliação.
11. Orientação e aconselhamento ao usuário.
12. Equipamentos auxiliares de audição.

NETF – Indicação e adaptação de próteses e aparelhos de amplificação sonora individual e coletiva: (clique para fechar)

NETF - Métodos de avaliação da audição nas diversas faixas etárias: (ver mais)

Objetivo:
Fornecer conhecimentos fundamentais na utilização de métodos e técnicas básicas e complementares no diagnóstico dos distúrbios da audição nas diversas faixas etárias.

Conteúdo Programático:
1. Avaliação audiológica infantil.
    1.1 Adequação dos procedimentos de avaliação auditiva e faixa etária:
        a) 0 a 6 meses;
        b) 6 meses a 2a1/2;
        c) 2a1/2 em diante.
    1.2. Audiometria de reforço visual:
        a) tipos de respostas consideradas;
        b) tipos diferentes de reforço visual (TV e luz);
        c) Condicionamento: técnicas, cuidados necessários, reforçador, freqüência de resposta.
2. Anamnese audiológica.
3. Audiometria tonal limiar.
4. Mascaramento Clínico.
5. Logoaudiometria.
6. Medida da Imitância Acústica: Medida da Complacência: estática; dinâmica: Timpanometria, Pesquisa do Reflexo Acústico; Aplicações Clínicas.
7. Potenciais evocados auditivos: Eletrococleografia; Potenciais evocados auditivos de tronco encefálico.
8. Emissões otoacústicas: Classificação; Aplicabilidade clínica.
9. Achados audiológicos nas patologias condutivas, neurossensoriais cocleares e retrococleares, e centrais.

NETF – Métodos de avaliação da audição nas diversas faixas etárias: (clique para fechar)

NETF - Reabilitação da Audição no Adulto e no Idoso: (ver mais)

Objetivos:
Fornecer subsídios teóricos ao profissional no que se refere ao atendimento da população adulta e idosa portadora de deficiência auditiva.
Atualizar os conhecimentos sobre tecnologia e sobre a importância do uso da amplificação inserido em um programa de reabilitação auditiva voltado para o deficiente auditivo adulto/idoso, por meio de orientação e aconselhamento, necessários para auxiliá-lo a conviver melhor com as desvantagens e incapacidades geradas pela deficiência auditiva.

Conteúdo Programático:
1. Aspectos bio-psicossociais do envelhecimento.
2. A presbiacusia e os fatores predisponentes.
3. Histórico da reabilitação auditiva em adultos
4. A psicologia do deficiente auditivo e o uso do AAS: a arte de adaptá-lo.
5. Fatores que determinam a necessidade da amplificação.
6. Acústica da fala; a adaptação e o processo de orientação ao usuário; sistemas auxiliares de audição; a tecnologia digital e os aparelhos programáveis.
7. Reações à amplificação.
8. Avaliação do handicap auditivo e do desempenho do aparelho por meio de questionários.
9. Etapas do programa de reabilitação global destinado a adultos/idosos deficientes auditivos:
    9.1. Avaliação Global
    9.2. Adaptação de AAS e equipamentos auxiliares de audição.
    9.3. Orientação e aconselhamento ao portador de deficiência auditiva, bem como a seus familiares.
    9.4. Percepção auditivo-visual da fala e importância da audição.
    9.5. O uso de estratégias para auxiliar a comunicação.
10. Qualidades exigidas por parte do profissional que atuará na reabilitação auditiva do adulto/idoso.

NETF – Reabilitação da Audição no Adulto e no Idoso (clique para fechar)

NETF - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (ver mais)

ALFORD, B.R.& JERGER, S. – Clinical audiology. San diego, Singular Publ. Group, 1993.
ALMEIDA, K e IORIO, MCM Próteses Auditivas: Fundamentos Teóricos e Aplicações Clínicas. 2a ed. Revisada e ampliada. São Paulo, Editora Lovise, 2003.
Alvarenga, K.F.; Corteletti, L.C.B.J. O Mascaramento na Avaliação Audiológica: Um Guia Prático. Ed. Pulso, 2006.
ALVES, A.M.V.S. – As metas terapêuticas na habilitação da criança deficiente auditiva usuária do implante coclear. Dissertação (mestrado), PUC-SP, 2002
AMANTINI, R.C.B. – O estudo do zumbido em indivíduos com implante colear multicanal. Tese (Doutorado em Ciências), HRAC-USP, 2002
ANDRADE, C.R.F. – Fonoaudiologia em berçário, atualidades em fonoaudiologia. Lovise, 1996. v.I
ANN, E.G. & JEAN, S. MOOG – Effectiveness of cochlear implants and tactile aids for deaf children. The sensori aids study at Central Study for the Deaf. Volta Review, v.96, n.5, 1994.
AZEVEDO, M.F.; VIEIRA, R.M. & VILANOVA, L.C.P. – Desenvolvimento auditivo de crianças normais e de alto risco. Plexus, 1995.
Balen, S.A. et al. Saúde Auditiva: da Teoria à Prática. Ed. Santos. 2010.
BALIEIRO, C.R. et al. – Programa clínico para deficientes auditivos de 0 à 5 anos: atividades terapêuticas. Cadernos Distúrbios da Comunicação, Série Audiologia Educacional, n.4, 1985.
Balieiro, C.R., Ficker L.B. Reabilitação Aural: a clínica fonoaudiológica e o deficiente auditivo. In: Lopes Filho, O.C. Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo: Roca, 1997.
BARRETO, S.R.; FERRARI, D.V. – Compressão: estudo teórico. Pró-fono Revista de Atualização Científica [prelo].
BERG, F.S. & FLETCHER, S.G. – The hard of hearing child. N.Y., Grune and Stratton, 1970.
BERGER, K.W. – The hearing aids, its operation and development. Livonia, M.I., National Hearing Society, 1984.
BERLIN, C. (ed) Hair cells and hearing aids. San Diego, Singular Publishing, 1996.
BESS, F.; GRAVEL, J.; THARPE, A.M. – Amplification for children with auditory deficits. Nashville, Bill Wilkerson Center Press, 1996.
BESS, F.R.; GRAVEL, J.S. & THARPE, A.M. – Amplification for children with auditory deficits. Bill Wilkerson Center Press, 1996.
BEVILACQUA MC, MEDEIROS MC. Avaliação da percepção da fala de crianças deficientes auditivas não-oralizadas pela análise de vídeos. Pró-fono 2002; 14 (1): 73-84.
BEVILACQUA, M.C. & BALIEIRO, C.R. – Programa clínico para deficientes auditivos de 0 à 5 anos. Cadernos Distúrbios da Comunicação – Série Audiologia Educacional, n.1, São Paulo, 1984.
BEVILACQUA, M.C. & FORMIGONI, G.M.P. – Audiologia educacional: uma opção terapêutica para a criança deficiente auditiva. Carapicuiba-SP, Pró-Fono, 1987.
BEVILACQUA, M.C. & FORMIGONI, G.M.P. – audiologia educacional: uma opção terapêutica para a criança deficiente auditiva. Pró-Fono, 1997
BEVILACQUA, M.C. & MORET, A.L.M. – Reabilitação e implante coclear. In: LOPES FILHO, O. Tratado de fonoaudiologia. Roca Ltda. (18) p.401-14, 1997.
BEVILACQUA, M.C. & TECH, E.A. – Elaboração de um procedimento de avaliação de percepção de fala em crianças deficientes auditivas profundas a partir de cinco anos de idade. In: Tópicos de Fonoaudiologia. CEFAC, Lovise, (27) 411-33, 1996.
BEVILACQUA, M.C. & TECK, E.A. – Elaboração de um procedimento de avaliação de percepção de fala em crianças deficientes auditivas profundas a partir de cinco anos de idade. In: MARCHESAN, I.Q. et al. – Tópicos em fonoaudiologia. Lovise, 1996.
BEVILACQUA, M.C. – Audiologia educacional: considerações sobre audição em crianças de 1a. série do 1o. grau de Escolas públicas. Dissertação de Mestrado, PUC-SP, 1978.
BEVILACQUA, M.C. et al. – Triagem auditiva em escolares. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, 1985.
Bevilacqua, M.C. et al. Tratado de Audiologia. Ed. Santos, 2011.
Bevilacqua, M.C., Moret, A.L.M. Deficiência Auditiva: Conversando com Familiares e Profissionais de Saúde. Ed Pulso, 2005.
BEVILACQUA, M.C.; COSTA, O.A.; MORET, A.L.M. Implante coclear em crianças. In: Tratado de Otorrinolaringologia, vol 2, Editora Rocca Ltda. 2003, cap 26, p. 268-276.
BEVILACQUA, M.C.; COSTA, O.A.; TABANEZ, N.L.; BANHARA, M.R. O uso combinado do implante coclear e o aparelho de amplificação sonora individual em adultos. Rev. Dist. Comunicação, São Paulo, vol. 16, n.1, p. 27-33, 2004
Bevilacqua, M.C.; Formigoni, G.M.P. Audiologia Educacional: uma opção terapêutica para a criança deficiente auditiva. Carapicuíba: Pró-fono Departamento Editorial, 1997.
BEVILACQUA, M.C.; MORET, A.L.M. COSTA, O.A.; TABANEZ, N.L.; BANHARA, M.R. Implantes cocleares em crianças portadoras de deficiência auditiva decorrente de meningite. Rev. Bras. Otorrinol. Vol. 69, n.6, 2003, 760-4.
BLASCA, WQ O aproveitamento da audição através do uso do aparelho de amplificação sonora individual digitalmente programável. São Paulo, 1994. [Dissertação de Mestrado – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo].
BOÉCHAT, E.M. – Microcanal – Nova categoria de aparelhos auditivos. Ouça – Informativo Técnico do CAS Produtos Médicos, ano 9, out./dez. 1994.
BOÉCHAT, EM Ouvir sob o prisma da estratégia. São Paulo, 1992. [Dissertação de Mestrado –Pontifícia Universidade Católica de São Paulo].
Boéchat, E. M. et al Tratado de Audiologia Clínica 2ª Edição Ed Guanabara Koogan, 2015
BOOTHROYD, A. – Hearing aids, cochlear implants and profoundly deaf children. In: OWENS, & KESSLER, D.K. – Cochlear implants in young deaf children. San Francisco, College-Hill, 1989.
BOOTHROYD, A. – Hearing impairments in youg children. N.J., Englewood Cliffs, Prentice-Hall, 1982.
BOOTHROYD, A. – Profound deafness. In: TYLER, R.S. – Cochlear implants: audiological foundation. california, singular Publishing Group, 1993.
BOOTHROYD, A. – Speech perception capacity an its assessment in hearing-impaired persons. In: Encontro Internacional de audiologia, 9o. . Bauru, Anais Bauru: Hospital de Pesquisa e Reabilitação de Lesões Lábio-Palatais, USP, 1994.
BURTON, P.L. – PMC e triton: an expanding comprehensive programmable product line. In: SANDLIN, R.E. – Understanding digitally programmable hearing aids. Allyn and Bacon, 1994.
Campos, C.A.H., Costa, H.O.O. Tratado de Otorrinolaringologia. 1ª Edição. Ed. Roca, 2003, v. 2, p. 268-277
Caovilla, H.H. et al. Equilibriometria clínica. Ed. Atheneu, 2000.
CARLOS, RC O idoso no sistema público de saúde e o processo de reabilitação auditiva: um estudo exploratório. São Paulo, 1994 [Dissertação de Mestrado – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo].
CASANOVA, J.P. – Manual de fonoaudiologia. Artes Médicas, 1992.
CASTIQUINI EAT, BEVILACQUA MC. Escala de integração auditiva significativa: procedimento adaptado para a avaliação da percepção da fala. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia 2000; 6: 51-60.
CAYTON, H. – Problems ans issues in developing a cochlear programe for children. J. Med. Engineering & Technol., v.15, p.49-52, 1991.
CLARK, G.M. et al. – Cochlear protheses. Chulchill Livingstone, 1990.
CLARK, JG e MARTIN, F.N. – Effective Counseling in Audiology Perspectives and Practice. New Jersey, Prentice Hall, 1994.
COSTA, E.A. – Estudo da correlação entre a audiometria tonal e o reconhecimento de monossílabos mascarados por fala competitiva nas perdas auditivas induzidas por ruído. São Paulo, 1992. Dissertação de Mestrado em Distúrbios da comunicação. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.
COSTA, O.A.; BEVILACQUA, M.C.& MORET, A.L.M. – Critérios de seleção de crianças candidatas ao implante coclear do Hospital de Pesquisa e Reabilitação de Lesões Lábio-Palatais/USP, Rev. Bras. Otorrinol., v.62, n.4, 1996.
COSTA, O.A.; BEVILACQUA, M.C.; AMANTINI, R.C.B.; NETO, D.L. Implante coclear em adultos. In: Tratado de Otorrinolaringologia, vol 2, Editora Rocca Ltda. 2003, cap 27, p. 278-289
Costa, S.S et.al. Otorrinolaringologia: Princípios e Prática. 2ª Edição. Ed. Artmed, 2006.
CUDAHY, E. & LEVITT, H. – Digital hearing aids: a hiistological perspective. In: SANDLIN, R.E. – Understanding digitally hearing aids. Allyn and Bacon, 1994.
DE FELIPPO, C. – Speechreading trainning: believe it or not? Ascha, April, 1990.
DELGADO EMC, BEVILACQUA MC. Lista de palavras como procedimento de avaliação da percepção dos sons da fala para crianças deficientes auditivas. Pró-fono Revista de Atualização Científica, 1999; 11(1): 59-64.
DORMAN, M.F. & HANNLEY, M.T.- Identifications of speech and speechlike signals by hearing impaired listeners. In: DANILOFF, R.G. – Speech science. San Diego, College Hill Press, 1985.
ERBER, N.P. – Auditory trainning. Washington, Alexander Graham Bell Association for the Deaf, 1982.
ERBER, P. – Norman – Communication therapy for hearing – Impaired adults. Clavis Publ., 1988.
ESTABROOKS, W. – Auditory – Verbal therapy for parents and professionals. Washington, Alexander Graham Bell Association for the Deaf, 1982.
ESTABROOKS, W. – Auditory-verbal therapy for parents and professionals. Alexander Graham Bell Association for t he Deaf, 1994.
EVANS, P.I.P. – Speech audiometry for diferencial diagnosis. In: MARTIN, M. – Speech audiometry. Whurr Publishers, 1987.
EWING, S.a. & EWING, L.E.G. – Hearing impaired children Five. Great Britain Manchester, University Press, 1971.
Fernandes, F.D.M., Mendes, B.C.A., Navas, A.L.P.G. Tratado de Fonoaudiologia. 2ª Edição. Ed. Roca, 2010.
FERRARI, D.V. – Aparelhos de amplificação sonora individuais digitais: caracterização e utilização em adultos com deficiência auditiva neurossensorial. [Dissertação Mestrado] Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. 1999.
Figueiredo, M.S. Emissões Otoacústicas e BERA. Ed. Pulso; 2003.
FORTUNATO CAU. RDLS: uma opção para analisar a linguagem de crianças surdas usuárias de implante coclear [dissertação]. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos, 2003.
FREIRE, KGM Proposta de protocolo de seleção e avaliação do idoso candidato à reabilitação audiológica. São Paulo, 1999. [Mestrado – PUCSP].
Frota, S. Fundamentos em Fonoaudiologia: Audiologia. 2ª Edição. Ed. Guanabara Koogan, 2003.
GAMA, M.R. – Avaliação qualitativa da percepção da fala como instrumento na seleção de aparelhos de amplificação sonora individual. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1991.
GAMA, M.R. – Avaliação qualitativa da percepção de fala como instrumento de seleção de aparelhos de amplificação sonora individual. São Paulo, 1991. Dissertação de Mestrado. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.
Ganança, M.M, Vieira, R.M., Caovilla, H.H. Princípios de Otoneurologia. Ed. Atheneu, 1998.
Ganança, M.M. et al. Estratégias Terapêuticas em Otoneurologia. Ed. Atheneu, 2000.
GEERS AE. Techniques for assessing auditory speech perception and lipreading enhancement in young deaf children. The Volta Review, 1994; 96(5) (monograph): 85-96.
GM 2.073/04 de 28 de setembro de 2004. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2004/GM/GM-2073.htm
HALL, J.W. – Handbook of auditory evoked responses. Copyright, 871pp., 1992.
HALL, J.W. Handbook of otoacoustic emissions. San Diego, Calif. : Singular, 635 p., 2000.
HEIDE, V. – Project Phoenix, Inc., 1984-1989: the development of a weareable digital signal processing hearing aids. In: SANDLIN, R.E. – Understanding digitally programmable hearing aids. Allyn and Bacon, 1994.
Herdman, S.J. Reabilitação Vestibular. Ed. Manole, 2012.
IÓRIO M.C.M.; ALMEIDA, K. Próteses auditivas: fundamentos teóricos e aplicações clínicas. São Paulo, Lovise, 2003 (2ed).
IÓRIO, M.C. & ALMEIDA, K. – Próteses auditivas: histórico e tendências atuais. Acta AWHO, v.9, n.2, p.44-51, 1990.
Jerger, S., Jerger, J. Alterações Auditivas- Um manual para avaliação Clínica. Ed. Atheneu; 1989.
JOINT Committee on Infant Hearing 1990 Position Statement, ASHA 33 (Suppl. 5) p.3-6, 1991.
KATZ, J. – Handbook of Clinical Audiology, 5.ed, Baltimore, 814p, Williams & Wilkins Ca., 2002.
KATZ, J. Tratado de audiologia clínica.
Katz, J. Tratado de Audiologia Clinica. 4ª Edição. Ed. Manole, 1999.
KEIDSER, G. – Programmable hearing aids. and multiple memories. NAL Workshop, 19-21, October, 1994.
KEMP, D.T. & RYAN, M. – The use of transient evoked otoacustic emissions in neonatal hearing screening programs. Seminars Hearing, v.14, n.1, 1993.
KILENY, P.R.; KEMINK, J.L. & ZIMMERMAN-PHILLIPS, M.S. – Cochlear implants in children. Amer. J. Otolaringol., v.12, p.144-46, 1991.
KONKLE, D.F. & MOLLOY, J.M. – The application of speech stimuli in hearing aid selection and evaluation. In: SANDLIN, R.E. – Handbook of hearing aid amplification. College Hill Press, 1988. v.II
KRICOS, PB e LESNER, SA Hearing care for older adult audiologic rehabilitation. Boston, Butterworth-Heinemann, 1995.
KRUGER, B. MAZOR, R.M. – Speech audiometry in the USA. In: MARTIN, M. – Speech audiometry. Whurr Publ., 1987.
LÜDERS, D As dificuldades enfrentadas por familiares de deficientes auditivos idosos no processo de comunicação. São Paulo, 1999. [Dissertação de Mestrado – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo].
LACERDA, A.P. – Audiologia clínica. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1976.
LEWIS, D.R. – Audição: um procedimento de avaliação para crianças entre 5 meses e 2 anos de idade. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 1987.
LIBBY, R.E.; WESTERMANN, S. – Principles of accoustic measurement and ear canal resonances. In: SANDLIN, R.E. – Handbook of hearing amplification. College Hill Press, 1988. v.I.
LICHTIG, I.; CARVALLO, R.M.M. – Audição: abordagens atuais. Carapicuíba, Pró Fono, 1997.
LING D. Speech and hearing impaired child: theory and pratice. Whashington: Alexander Ghran Bell; 1976.
LOPES AC, CASTIQUINI EAT, DELGADO EMC, BEVILACQUA MC. Procedimentos de avaliação da percepção da fala em deficientes auditivos. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia 2000; 6:24-7.
LOPES FILHO, O.C. – Tratado de fonoaudiologia. São Paulo, Rocca, 1997.
LUBINSKI, R e HIGGINBOTHAM, DJ Communication technologies for the elderly. Vision, hearing and speech. San Diego, Singular Publishing Group, 1997.
LUTERMAN, D. – Counselling parents of hearing. Impaired children. Boston. Little Brown, 1979.
Luterman, D.M. Counseling parents of hearing-impaired children. USA, Little&Brown, 1979.
LYBARGER, S.F. – Características físicas e eletroacústicas das próteses auditivas. In: KATZ, J. – Tratado de audiologia clínica. 3a. ed. Manole, 1989.
MARCHINI, E.B. – Ouvir sobre o prisma da estratégia. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 1992.
MAUK, G.w. et al. – Historical, political and technological context associated with early identification of hearing loss. Seminars Hearing, v.14, n.1, 1993.
MCCANDLESS, G.A. – Hearing aid formulae and their apliccation. In: SANDLIN, R.E. – Handbook of hearing aid amplification. College Hill Press, 1988.
MCCORMICK, B. – Paediatric audiology 0 – 5 years. London, Whurr Publ., 1990.
MOOG, J.S. & GEERS, A.E. – Early speech perception test for profoundly hearing-impaired children recordings for audio,cassete tape or randon. Acess computer presentation by Gerald R. Popelka, and Mary H.Huno, M.S.
MORET, A.L.M. – Implante coclear: audição e linguagem em crianças deficientes auditivas neurossensoriais profundas pré-linguais, Tese (Doutorado em Ciências), HRAC-USP, 2002
MORET, ALM. Princípios básicos da habilitação da criança deficiente auditiva com implante coclear. In: Bevilacqua MC, Moret ALM, organizadoras. Deficiência auditiva: conversando com familiares e profissionais de saúde. São José dos Campos: Pulso Editorial; 2005. p. 225-34.
MUELLER, G.H.; HAWKINS, D.B.; NORTHERN, J.L. – Probe microphone measurements: hearing aid selection and assessment. San Diego, Singular Publishing, 1992.
MURRAY, N.T. – Foundations of aural rehabilitation. San Diego, Singular Publishing Group, 1998.
MUSIEK,FE & RINTELMANN,WF. Perspectivas atuais em avaliação auditiva. Manole, 522pp, 2001.
MYIAMOTO, M.D. et al. – Cochlear implants for deaf children. Laryngoscope, v.96, p.990-96, 1986.
NÁBELEK, A.K. & NÁBELEK, I.V. – Acústica ambiental e percepção de fala. In:
NENCHER, G.T. & GERBER, S.E. – Early management of hearing loss. New York, Grune Stratton, 1981.
NIH Consensus Statement – Early identification of hearing impairment. Infants and Young Children, v.11, n.1, p.1-3, 1993.
NORONHA SOUZA, AE Um Programa de Reabilitação Audiológica para Idosos Novos Usuários de AASI. São Paulo, 1997[Dissertação de Mestrado – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo].
NORTHERN, J.L. et al. – Selection of children for cochlear implantation. Seminars in Hearing, v.7, p.341-47, 1986.
Northern, J.L.; Downs, M.P. Audição na Infância. 5ª ed. Ed. Guanabara Koogan S.A., 2005.
NORTHERN,J.L. & DOWNS,M.P. Audição na infância. 5ª Ed., Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 359p, 2005.
NOVAES B.C.A.C., BALIEIRO C.R. Terapia fonoaudiológica da criança surda. In: Ferreira LP, Lopes DMB, Limongi SCO, editores. Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo: Editora Roca, 2004. p. 732-39.
OLIVEIRA, S.T. – Avaliação da percepção da fala utilizando sentenças do dia-a-dia. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 1992.
ORLANDI ACL, BEVILACQUA MC. Deficiência auditiva profunda nos primeiros anos de vida: procedimento para a avaliação da percepção da fala. Pró-fono 1999; 10 (2): 87-91.
OSBERGER, M.J.; MASO, M.; SAM, L.K. – Speech inteligibility of children with cochlear implants, tectile aids, of hearing aids. J. Speech. Hear. Res., v.36, p.186-203, 1993.
OWENA, E. & KASSLER, D.K. – Cochlear implant in young deaf children. Boston, College-Hill Publ., 1989.
PELANDA, C. ; FERRARI, D.V. – Microfones direcionais nos aparelhos de amplificação sonora individuais: estudo literário e relato de caso. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia [prelo].
PINHEIRO EMCD, CASTIQUINI EAT, LOPES AC, BEVILACQUA MC. Parâmetros considerados nos procedimentos de avaliação da percepção dos sons da fala. Pró-fono Revista de Atualização Científica, 2003; 15(3): 317-24.
POLLACK, D. – Educational audiology for the limited haearing infant. Illinois, Charles G. Thomas Publ., 1970.
Portarias de saúde auditiva (Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/sas/mac/area.cfm?id_area=848):
Protocolo de avaliação da percepção da fala. [Coletânea de textos – Material apostilado]. Centro de Pesquisas Audiológicas do HRAC/USP. 2001.
RADINI, E Uso e Efetividade dos Aparelhos de Amplificação Sonora Individual Analógicos e Digitalmente Programáveis em Indivíduos Adultos e Idosos: Estudo Comparativo. São Paulo, 1994 [Dissertação de Mestrado – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo].
RASING, E.J. – Effects of a multifaceted trainning procedure on the social behavior of hearing-impaired children with severe language disabilities: a replicatioon. J. Appl-Behav. Anal., v.26, n.3, p.405-6, 1993.
ROBBINS AMC. Rehabilitation after cochlear implantation. In: Niparko JK, Kirk KI, Mellon NK, Robbins AC, Tucci DL, Wilson BS, editors. Cochlear implants: principles & practices. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins; 2000. p. 323-67.
Robins AM, Renshaw JJ, Berry SW. Evaluating meaningful auditory integration in profoundly hearing-impaired children. Am J Otol 1991; Suppl 12: 144-50.
Russo, I.C.P.; Santos, T.M.M. Audiologia Infantil. 4ª Edição. Ed. Cortez, 2001.
RUSSO, ICP – A reabilitação auditiva do idoso. In: CAMPOS, CAH; OLIVAL, H Tratado de Otorrinolaringologia da SBORL, vol.2: cap. 25, pg. 256 – 267., São Paulo: Roca, 2002.
RUSSO, ICP e ALMEIDA, K – O Processo de Reabilitação Audiológica do Deficiente Auditivo Idoso – In: Marchesan,I; Bolaffi,C.,Gomes,I.; Zorzi,J.: Tópicos em Fonoaudiologia -cap.10:89-106, São Paulo, Ed. Lovise, 1995.
RUSSO, ICP e BEHLAU, M – Percepção da Fala: Análise Acústica do Português Brasileiro. São Paulo, Editora Lovise, 1993.
RUSSO, ICP(org.) Intervenção fonoaudiológica na terceira idade. Rio de Janeiro, Revinter, (1999) 136 p. ISBN – 85-7309-286-6.
SANDLIN, R. (ed) Textbook of hearing aid amplification. San Diego, Singular Publishing,1998.
SANDLIN, R.E. – Observation and future considerations. In: SANDLIN, R.E. – Handbook of hearing amplification. College Hill Press, 1988. v.I.
SANDRES, A.D. – Aural rehabilitation a management model. Prentice Hall, Inc. Englewood Cliffis, N.J. 07632, 1982.
SANDRES, D.a. – Auditory perception of speech: an introduction to principles and problems. New Jersey,Prentice Hall, 1977.
SAS 587 de 07 de outubro de 2004. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2004/PT-587.htm
SCHOW, L.R. & NERBONNE, A.M. – Introduction to aural-rehabilitation. University Park Press, 1980.
SILVEIRA, KMM A percepção da deficiência auditiva em um grupo de idosos institucionalizados da cidade de Franca-SP. São Paulo, 1997[Dissertação de Mestrado – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo].
SNDERS, D.a. – Aural rehabiltiation. Englewood Cliffs, Pretece-Hall, 1971.
Sousa, L.C.A. et al. Eletrofisiologia da audição e emissões otoacústicas. 1ª ed. Ed. São Paulo: Novo conceito Saúde, 2008.
SOUSA, L.C.A., Piza,M.R.T., ALVARENGA, K. F., CÓSER,P.L. Eletrofisiologia da audição e emissões otoacústicas. São Paulo : Novo conceito Saúde, 2008 p.372.
STOCKDELL, K.G. – Clinical aproaches to measuring discrimination efficiency via word lists. In: RUPP, R.R.& STOCKDELL, K.G. – Spech protocols in audiology. Grune & Stratton, 1980.
SWEETON, R.B. – Application and fitting strategies for programmable hearing instruments. In: SANDLIN, R.E. – Understanding digitally programmable hearing aids. Allynb and Bacon, 1994.
SWEETOW, R Counseling for hearing aid fittings. San Diego, Singular Publishing Inc., 1999.
TYE-MURRAY, N. – Communication training for hearing-impaired children and teenagers: sppechreading, listening, and using repair strategies. Austin, T.X.: pro-ED.
TYE-MURRAY, N. – Laser videodisc applications in the aural rehabilitation setting: good newa for the severely and profundly hearing-impaired patieent. Amer. J. Audiol., v.1, p.33-36, 1991.
Tye-Murray, N. Foundations of aural rehabilitation: children, adults, and their family members.San Diego: Singular Publishing Group, 1998.
Valente S.L.O. Elaboração de listas de sentenças construídas na língua portuguesa [dissertação]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica; 1998.
VALENTE, M. et al. – Clinical comparisons of digitally programmable hearing aids. In: SANDLIN, R.E. – Understanding digitally programmable hearing aids. Allyn and Bacon, 1994.
VALENTE, M. Hearing aids: selection and verification strategies. New York, Thieme, 1996.
VALENTE, M. Hearing aids: standards, options and limitations. New York, Thieme, 1996.
VENEMA, T.H. Compression for the clinician. San Diego, Singular Publishing, 1998.
VIUDE, A Fatores associados a presbiacusia em idosos.São Paulo, 2002 [Doutorado – Saúde Pública – Universidade de São Paulo].
WESTERMANN, S. – Principles and application of the widex multiprogrammable hearing aid system. In: – Understanding digitally programmable hearing aids. Allyn and Bacon, 1994.
WIIG, E.H. et al. – Multiple perceptions of word realtionships: evidence of growth in elementary school children. Folia phoniat, v.43, n.1, p.1-6, 1991.
Zimmerman-Phillips S; Osberger MJ; Robbins AM. Infant-Toddler: Meaningful Auditory Integration Scale (IT-MAIS). Sylmar, Advanced Bionics Corporation, 1997.
____ A criança deficiente auditiva e a escola. Coleção Ensinando e Aprendendo, 1987.
____ Aural rehabiltiation: the foudantions of verbal learning in hearing. Impaired Children. Washington D.C. The alexander Graham Assocaition for the Deaf, Inc., 1978.
____ Educacional audiology: hearing and speech management. N.Y. Grune and Stratton, 1976.

Sites recomendados:

www.audiologyonline.com
www.hearingreview.com
www.listen-up.org
www.audiology.org
www.siemens-hearing.com
www.gnresound.com
www.starkey.com
www.widexusa.com
www.phonicear.com
www.phonak.com
www.oticonus.com

NETF – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (clique para fechar)

FONOAUDIOLOGIA (NETF) (clique para fechar)

PSICOLOGIA (NETP) (ver mais)

NETP - Diagnóstico, reabilitação e aspectos psicológicos da deficiência auditiva: (ver mais)

Objetivos:
Favorecer a aquisição de conhecimentos teórico-práticos para que os residentes adquiram e ou desenvolvam habilidades e competências para identificar e implementar ações preventivas e reabilitativas no contexto individual e grupal, de forma a promover a saúde global da pessoa com deficiência auditiva e o envolvimento da família no processo de reabilitação.
Aprofundar e atualizar conhecimentos técnico-científicos do diagnóstico, reabilitação e aspectos emocionais relacionados à deficiência auditiva, assim como, no que se refere à prática profissional clínica/hospitalar e refletir sobre o papel do psicólogo na equipe interdisciplinar.

Conteúdo programático:
Avaliação psicológica e o diagnóstico diferencial da deficiência auditiva: Transtorno do Espectro Autista-TEA, Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade-TDAH e outras psicopatologias.
Preparo psicológico para cirurgias.
Processo de reabilitação e mudanças na dinâmica familiar.
Adolescência: identidade, autoconceito e estigma.
Depressão no idoso.
Plantão psicológico.
Grupo de apoio psicológico.

NETP – Diagnóstico, reabilitação e aspectos psicológicos da deficiência auditiva: (clique para fechar)

NETP - Estudo de temas específicos da área: (ver mais)

Objetivo:
Aprofundar e atualizar conhecimentos técnico-científicos. Possibilitar a transposição de conceitos para a prática profissional a fim de que possam reconhecer seus diferentes aspectos e características.

Conteúdo programático:
Conhecimento e avanços sobre o tratamento das deficiências auditivas, fissura labiopalatina e anomalias relacionadas.
Estratégias e ferramentas para cuidadores/familiares de pessoas com deficiência auditiva.
Habilidades educativas parentais e profissionais.

NETP – Estudo de temas específicos da área: (clique para fechar)

NETP - Estudo e apresentação de casos: (ver mais)

Objetivo:
Ampliar a base de informações dos residentes sobre deficiência auditiva. Possibilitar a análise compartilhada das experiências e condutas clínicas.

Programa de atividades:
Indicação de temas para os residentes selecionarem e apresentarem casos clínicos, fundamentados em leituras e estudos de bibliografia pertinente.

NETP – Estudo e apresentação de casos (clique para fechar)

NETP - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (ver mais)

ABRAMIDES, D.V.M. Aspectos psicossociais da aquisição e desenvolvimento da linguagem. In: LAMONICA, D.A.C. Estimulação da Linguagem: aspectos teóricos e práticos. São José dos Campos: Pulso, p.29-41, 2008.
ABREU, C.N., et al.Síndromes Psiquiátricas: diagnóstico e entrevista para profissionais de saúde mental. Porto Alegre: Artmed, 2006.224p.
AGUIAR, E. Desenho livre Infantil: leituras fenomenológicas. Rio de Janeiro: E-papers Serviços editoriais Ltda, 2004. 112 p.
AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. DSM-V – Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 5ª edição. Artmed. 2014.
ANGERAMI, V.A.(org). Psicoterapia Fenomenológico-Existencial. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002. 158p.
BARALDI, D.M.; SILVARES, E.F.M. Treino de HS em grupo com crianças agressivas, associado à orientação dos pais: Analise empírica de uma proposta de atendimento. In Del Prette, A.; Del Prette, Z.A.P. (Orgs.). Habilidades Sociais, Desenvolvimento e Aprendizagem: Questões conceituais, Avaliação e Intervenção. Campinas: Alínea, p. 235-258, 2003.
BEERS, N.A. et al. Autism and peripheral hearing loss: A systematic review. International Journal of Pediatric Otorhinolaryngology. v.78, p.96-101, 2014.
BERGAMINI, C. Motivação: uma viagem ao centro do conceito. 2002. Disponível em: Acesso em: 24/04/2011.
BEUTLER, L. E.; HARWOOD, T. M. What is and can be attributed to the therapeutic relationship? Journal of Contemporary Psychotherapy, v. 32, p. 25-33, 2002.
BISOL, C.A.; SIMIONI,J.,SPERB,T. Contribuições da Psicologia brasileira para o estudo da surdez. Psicol. Reflex. Crit.v.21, n.3. Porto Alegre, 2008.
BOLSONI-SILVA, A,T.; Marturano, E.M.; Silveira, F.F. Cartilha informativa. Orientação para pais e mães. São Carlos: Suprema Editora, 2006.
BOLSONI-SILVA, A.T. et al. Práticas educativas parentais de crianças com deficiência auditiva e de linguagem. Práticas educativas parentais e educação especial. v.6, n.2, p.265-282, 2010.
BOSCOLO, C. C.; SANTOS, T. M. M. A deficiência auditiva e a família: sentimentos e expectativas de um grupo de pais de crianças com deficiência da audição. Distúrb. Comum., São Paulo, v.17, n.1, p.69-75, abr. 2005.
BROERING,C.V.; CREPALDI, M.A. Preparação psicológica para a cirurgia em pediatria: importância, técnicas e limitações. Paidéia, v.18, n.39, p.61-72, 2008.
CANHO, P. G. M.; NEME, C. M. B.; YAMADA, M. O. A vivência do pai no processo de reabilitação da criança com deficiência auditiva. Estud. Psicol., Campinas, v.23, n.3, p.261-269, jul./set. 2006.
CERON, Mariana. Habilidades de Comunicação: Abordagem Centrada na Pessoa. Disponível em: Acesso em: 12/06/2015.
DEL PRETTE, A.; DEL PRETTE, Z. A. P. (Eds.). Habilidades sociais: Intervenções efetivas em grupo. São Paulo:Casa do Psicólogo, 2011.
DEL PRETTE, A.; PEREIRA, C. S. Procedimentos de observação em situações estruturadas para avaliação de habilidades sociais profissionais de adolescentes. Revista Psicolog, n. 1, p. 55-67, 2008.
DEL PRETTE, Z.A.P., BANDEIRA, B., DEL PRETTE, A. (orgs.). Estudo sobre Habilidades Sociais e Relacionamento Interpessoal. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2006.
DEL PRETTE, Z.A.P.; DEL PRETTE, A. Psicologia das relações interpessoais. Vivências para o trabalho em grupo. Petrópolis: Vozes, 2001.
DONALDSON, A. I.; HEAVNER K. S.; ZWOLAN, T. A. Measuring Progress in Children With Autism Spectrum Disorder Who Have Cochlear Implants. Arch Otolaryngol Head Neck Surg, v. 130, p.666-671, 2004.
FIORINI, H.J. Teoria e Técnica de Psicoterapias. São Paulo: Martins Fontes, 2008. 253p.
FORGUIERI,Y.C. Aconselhamento terapêutico: origens, fundamentos e prática. São Paulo: Thomson Learning, 2007. 150p.
FORNERO, E.G. Autismo infantil x surdez: um estudo sobre o diagnóstico diferencial. disponível em: Acesso em 20/04/2015.
FUZIKAUA, Alberto Kazuo. O Método Clínico Centrado na Pessoa: um Resumo. Disponível em: . Acesso em: 12/06/2015.
GOMIDE, P.I.C. Estilos parentais e comportamentos anti-sociais. In: DEL PRETTE, A.; DEL PRETTE, Z.A.P. Habilidades Sociais, Desenvolvimento e Aprendizagem: Questões Conceituais, Avaliação e Intervenção. Campinas: Alínea, p. 21-60, 2003.
GRACIANO, M. I. G.; et al.. Ações de intercâmbio técnico-científico da Rede Nacional de Associações de Pais e Pessoas com Fissura Labiopalatal. Serviço Social & Saúde, v. 6, p. 89-116, 2007.
GRACIANO, M. I. G.; TAVANO, L. D.; BACHEGA, M. I. Aspectos psicossociais da reabilitação. In: TRINDADE, I. E. K.; SILVA FILHO, O. G. (Org.). Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Editora Santos, 2007. p.311-333.
HYDE, M.; PUNCH, R.; KOMESAROFF, L. Coming to a decision about cochlear implantation: parents making choices for their deaf children. J. Deaf. Stud. Deaf. Educ., Cary, v.15, n.2, p.162-178, Spring 2010.
JOHNSON, K.C. et al. Assessing Joint Attention and Symbolic Play in Children With Cochlear Implants and Multiple Disabilities: Two Case Studies. Otology & Neurotology, v. 29, p. 246-250, 2008.
KURTZER-WHITE, E.; LUTERMAN, D. Families and children with hearing loss: grief and coping. Ment. Retard. Dev. Disabil. Res. Rev., New York, v.9, n.4, p. 232-235, 2003.
LEBLANC, et al. Examination of characteristics and management of children with hearing loss and autism spectrum disorders. International Journal of Audiology. v.53, p.577-586, 2014.
LEMES, L. C. ; BARBOSA, M. A. M. Comunicando à mãe o nascimento do filho com deficiência. Acta Paul. Enferm., São Paulo, v.20, n.4, p.441-445, out./dez. 2007.
LEVY, C.A.C.(org.). Manual de audiologia pediátrica. Barueri: Manole, 2015. 318p.
LUTERMAN, D.M.; ROSS, M. When your child is deaf: a guide for parents. Parkton: York Press, 1991. 182p.
MARCELLI, D.; COHEN,D. Infância e Psicopatologia.8.ed. Porto Alegre: Artmed, 2010. 600p.
MEINZEN-DERR, J. et al. Autism spectrum disorders in 24 children who are deaf or hard of hearing. International Journal of Pediatric Otorhinolaryngology. v.78, p.112-118, 2014.
MESQUITA, C. T.; MEDINA E. L.; LOQUES FILHO, O. Redes Sociais de Saúde como Grupos de Suporte Online na Vida de Pacientes com Doenças Cardiovasculares. Arq Bras Cardiol, v. 101, n. 2, p.39-45, 2013.
MESQUITA, S. T. ; RUSSO, N. ; CANTEIRO, E.B. . A Empresa e o Terceiro Setor. Serviço Social e Realidade (UNESP/Franca), Ribeirão Preto, v. 12, n.2, p. 145-152, 2003.
MILLER, W. R., ROLLNICK, S. Entrevista Motivacional: Preparando as pessoas para a mudança de comportamentos adictivos. Porto Alegre: Atmed, 2001.
MILLER, W. R., ROLLNICK, S. Motivational interviewing: preparing people for change. 2. ed. New York:The Guilford Press, 2002.
MILLER, W. R.; ROSE, G. S. Motivational Interviewing in Relational Context. American Psychologist, v. 65, n. 4, p. 298-99, 2010.
NICOLAU, L. R.; YAMADA, M. O.; BEVILACQUA, M. C. O implante coclear sob a ótica da criança. Temas desenvolv., São Paulo, v.14, n.80/81, p.61-67, maio/ago. 2005.
PARKES,C.M. Amor e perda: raízes do luto e suas complicações. São Paulo: Summus Editorial, 2009. 446p.
PICCINI, C.A.; MORA, M. L.(org.). Observando a interação pais-bebê-criança. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007. 287p.
PORTO, B. L. et al. Desempenho auditivo e comportamentos atípicos em crianças usuárias de implante coclear. Distúrb Comun, v. 26, n. 1, p. 35-41, 2014.
PROCHASKA, J. O. Decision Making in the Transtheoretical Model of Behavior Change. Med Decis Making, v. 28, n. 6, p. 845-49, 2008.
PROCHASKA, J.O., DiCLEMENTE, C. C. 1982. Transtheoretical therapy: toward a more integrative model of change. Psychother Theor Res Pract., v.19, n.3, p. 276-88.
RIBEIRO, S. F. R.; YAMADA, M. O.; SILVA, C. Grupo de acompanhantes de pacientes com implante coclear: uma ação interdisciplinar da psicologia e do serviço social. Rev. SPAGESP., Ribeirão Preto, v.6, n.1, p.48-56, jan./jun. 2005.
RISPO.P. La Experiencia Terapéutica Existencial de Grupo. Buenos Aires: Ediciones Fundación CAPAC,2002. 294p.
RODRIGUES, O.M.P.R. et al. Práticas educativas parentais: a deficiência auditiva pode fazer a diferença? Revista Pensando Famílias. v.14, n.1, p.141-162, 2010.
ROHDE, L.A.; HALPERN, R. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade: atualização. Jornal de Pediatria. v.80, n.2, p.S61-S70. 2004.Emitido em 03/06/2015
ROMERO, E. Estações no Caminho da vida. São José dos Campos: Della Bídia Editora, 2010. 201p.
ROMERO, E. O Encontro de Si na Trama do Mundo: personalidade, subjetividade e singularidade. São José dos Campos: Della Bídia Editora, 2011. 252p.
ROMERO,E. Entre a Alegria e o Desespero Humano: sobre os estados de ânimo. São José dos Campos: Della Bídia Editora, 2011. 224p.
SILVA, A. B. P.; ZANOLLI, M. L.; PEREIRA, M. C. C. Surdez: relato de mães frente ao diagnóstico. Estud. Psicol., Natal, v.13, n.2, p.175-183, maio/ago. 2008.
SILVERMAN, J.; KURTZ, S.; DRAPER, J. Skills for communicating with patients. London:Radcliff Publishing, 2013.
SPAHN, C. et al. The need for psychosocial support in parents with cochlear implanted children. International Journal of Pediatric Otorhinolaryngology, v. 57, p. 45–53, 2001.
STEWART, M. et al. Medicina centrada na pessoa: transformando o método clínico. 2. ed., Porto Alegre:Artmed, 2010.
VALLE, E.R.M., et al. Acompanhamento Psicológico em Oncologia Pediátrica. In: Angerami, V.A. O atendimento Infantil na Ótica Fenomenológico-Existencial. São Paulo: Thomson, 2004. 150p.
VILLAS BOAS, A. C. V. B.; RODRIGUES, O. M. P. R.; YAMADA, M. O. Promovendo a interação mãe-criança com implante coclear: um estudo de caso. Psicol. Teor. Pesqui., Brasília, v.22, n.3, p.268-268, set./dez. 2006.
YALOM, I.D.; LESZCZ, M. Psicoterapia de Grupo: teoria e prática. 5ª ed., Porto Alegre: Artmed, 2006 528p.
YAMADA, M. O.; BEVILACQUA, M. C.; COSTA FILHO, O. A. A intervenção do psicólogo no pré e pós operatório do programa de implante coclear. Pediatr. Mod., São Paulo, v.35, n.3, p.92-96, mar. 1999.
YAMADA, M.O. Como desenvolver a autoestima da criança com deficiência auditiva. In: BEVILACQUA, M. C.; MORET, A.L.M. Conversando com familiares e profissionais de saúde. São José dos Campos, SP: Pulso Editorial, 2005. 320p.
YAMADA, M.O.; VALLE, E.R.M. A vivência dos pais no diagnóstico da deficiência auditiva no filho. Boletim Academia Paulista de Psicologia. São Paulo, v.80, n.01/11, p. 136-147, jan./jun. 2011.
YAMADA, M.O.; VALLE, E.R.M. Vivência de mães na trajetória de seus filhos com implante coclear: fatores afetivos e emocionais. 2. Ed. Ribeirão Preto: Book Toy, 2014. 310p.
YAMADA, M.O; BEVILACQUA, M.C. Dimensão afetiva da pessoa com surdez adquirida antes e após o implante coclear. Estud. Psicol., Campinas, v. 29, n.1, p. 63-69, jan./ mar. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v29n1/a07v29n1.pdf
YUCEL, E.; DERIM, D.; CELIK, D. The needs of hearing impaired children’s parents who attend to auditory verbal therapy-counselingprogram. International Journal of Pediatric Otorhinolaryngology, v. 72, p. 1097-1111, 2008.
ZAIDMAN-ZAIT, A.; JAMIESON, J. R. Providing web-based support for families of infants and young children with established disabilities. Infants Young Child., Hagerstown, v.20, n.1, p.11-25, Jan./Mar. 2007.
ZAIDMAN-ZAIT, A.; MOST, T. Cochlear implants in children with hearing loss: maternal expectations and impact on the family. Volta Rev., Washington, v.105, n.2, p.129-150, Fall 2005.
ZAIDMAN-ZAIT, A.; YOUNG, R.A. Parental involvement in the habilitation process following children’s cochlear implantation: an action theory. J. Deaf. Stud. Deaf. Educ., Cary, v.13, n.2, p.193-214, Spring 2008.
ZANARDI, M. M. B.; YAMADA, M. O.; BEVILACQUA, M. C. A experiência do adolescente usuário de implante coclear. Psicol. Rev., Belo Horizonte, v.15, n.1, p. 69-89, abr. 2009.

NETP – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (clique para fechar)

PSICOLOGIA (NETP) (clique para fechar)

SERVIÇO SOCIAL (NETSS) (ver mais)

NETSS - Diagnóstico, reabilitação e aspectos sociais da deficiência auditiva: (ver mais)

Objetivo:
Aprofundar e atualizar conhecimentos técnico e científicos para que os residentes adquiram e ou desenvolvam habilidades e competências para identificar e implementar ações preventivas e reabilitativas no contexto individual, familiar e social de forma a promover a saúde global da pessoa com deficiência auditiva, favorecendo a socialização, inclusão, escolarização e profissionalização.

Conteúdo programático:
A deficiência auditiva e os aspectos sociais:
Repercussões sociais nas diferentes fases do desenvolvimento.
Socialização, escolarização, profissão, idade adulta.
A família e proteção social.
A importância da família no processo de saúde e reabilitação.
O Serviço Social na área da saúde:
A questão social e as dimensões da prática do Serviço Social;
A questão da saúde e o Serviço Social;
O Serviço Social na saúde e sua trajetória histórica;
Reflexões sobre a prática profissional do Assistente Social na saúde.
Serviço Social e Reabilitação:
A deficiência: aspectos sociais da reabilitação e trabalho interdisciplinar;
A política nacional de integração da pessoa portadora de deficiência;
A inclusão social.
O cotidiano profissional na saúde e reabilitação: relação teórico-prático:
Apresentação de experiências práticas e visitas institucionais.
Políticas Sociais: Universalidade e seletividade;
Famílias e sua centralidade nas políticas sociais.
O Terceiro Setor:
O terceiro setor e a tradição filantrópica;
As organizações do terceiro setor;
Constituição e organização: aspectos legais e administrativos;
Parcerias e alianças; Captação de diferentes recursos para organizações da sociedade civil;
Redes: uma nova forma de atuação.

NETSS – Diagnóstico, reabilitação e aspectos sociais da deficiência auditiva: (clique para fechar)

NETSS - Estudo de temas específicos da área: (ver mais)

Objetivo:
Aprofundar e atualizar conhecimentos técnico-científicos. Possibilitar a revisão e transposição de conceitos necessários para a compreensão da ação e prática profissional.

Conteúdo Programático:
Conhecimento e avanços sobre o tratamento da deficiência auditiva, fissura labiopalatina e anomalias relacionadas.
Estratégias e ferramentas para cuidadores/familiares de pessoas com deficiência auditiva.
Habilidades educativas parentais e profissionais.
Indicadores e instrumentais no estudo socioeconômico:
Indicadores sociais;
Instrumentais técnico operativos;
Critérios de avaliação socioeconômica;
A configuração dos estratos sociais;
Protocolos de estudo social;
O instrumental frente às novas exigências da profissão.

NETSS – Estudo de temas específicos da área: (clique para fechar)

NETSS - Estudo e apresentação de casos: (ver mais)

Objetivo:
Ampliar a base de informações dos residentes sobre a deficiência auditiva. Possibilitar a análise compartilhada das experiências e condutas clínicas.

Programa de atividades:
Indicação de temas para os residentes selecionarem e apresentarem casos clínicos, fundamentados em leituras e estudos de bibliografia pertinente.

NETSS – Estudo e apresentação de casos: (clique para fechar)

NETSS - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (ver mais)

ARAUJO, L.A.D. Defesa dos direitos das pessoas portadoras de deficiência. 1ª ed. São Paulo: RT, 2006.
ASSIS, O.Q.; POZZOLI, L. Pessoa portadora de deficiência: direitos e garantias. 2. ed. São Paulo: Editora Damásio de Jesus, 2005.
BACHEGA, M.I. Indicadores psicossociais e repercussões na qualidade de vida de adolescentes com fissura labiopalatal. Botucatu, 2002. Tese (Doutorado em Pediatria) – Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista, 2002.
BALLANTYNE, J.; MARTIN, M.C.; MARTIN, A. Surdez. 5. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995. 312p.
BEE, H. A Criança em desenvolvimento. 12 ed. Porto Alegre: Artmed, 2011. 567p.
BEVILACQUA, M.C,; MORET, A.L.M. Deficiência Auditiva: Conversando com Familiares e Profissionais de Saúde. Ed Pulso, 2005.
Bevilacqua, M.C.; Formigoni, G.M.P. Audiologia Educacional: uma opção terapêutica para a criança deficiente auditiva. Carapicuíba: Pró-fono Departamento Editorial, 1997.
BISOL, C.A.; SIMIONI,J.,SPERB,T. Contribuições da Psicologia brasileira para o estudo da surdez. Psicol. Reflex. Crit.v.21, n.3. Porto Alegre,2008.
BLATTNER, S.H.B. Portadores de lesões lábio-palatais e suas relações no trabalho: estigma e realidade. Franca, 2000. 151 p. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Faculdade de História, Direito e Serviço Social, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, 2000
BOLSONI-SILVA, A,T.; Marturano, E.M.; Silveira, F.F. (2006). Cartilha informativa. Orientação para pais e mães. São Carlos: Suprema Editora, 2006.
BOLSONI-SILVA, A.T. et al. Práticas educativas parentais de crianças com deficiência auditiva e de linguagem. Práticas educativas parentais e educação especial. v.6, n.2, p.265-282, 2010.
BOSCOLO, C.C.; SANTOS, T.M.M.S. A deficiência auditiva e a família: sentimentos e expectativas de um grupo de pais de crianças com deficiência da audição. Distúrbios da Comunicação. v.17, n.1, p.69-75, 2005.
BRASIL. Decreto nº 1.744 – de 8 de Dezembro de 1995 – Dou de 11/12/95 – Revogado. (Revogado pelo DECRETO Nº 6.214 – DE 26 DE SETEMBRO DE 2007 – DOU 28/9/2007). Regulamenta o benefício de prestação continuada devido à pessoa portadora de deficiência e ao idoso, de que trata a Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993, e dá outras providências. Disponível em: < http://www010.dataprev.gov.br/sislex/paginas/23/1995/1744.htm. Acesso em: 20 abr. 2012.
BRASIL. Presidência da República. Decreto n. 3298, de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a lei n° 7853 de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 21 dez. 1999. Disponível em: Acesso em: 24/4/2012.
BRASIL. Presidência da República. Decreto n. 5296, de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis n. 10048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 2 dez. 2004. Disponível em: acesso em 24/4/2012.
BRASIL. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: protocolo facultativo à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Brasília: Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, 2007. 47p.
BRAVO, M.I.S.; MATOS, M.C. Saúde e serviço social. São Paulo: Cortez, 2004. 264p.
CARDOSO, M. F. M. Reflexões sobre Instrumentais em Serviço Social: Observação sensível, entrevista, relatório, visitas e teorias de base no processo de intervenção social. São Paulo: LCTE, 2008. 125p.
CONSELHO FEDERAL DO SERVIÇO SOCIAL. Parâmetros para a atuação de assistentes sociais na saúde. Brasília: Conselho Federal do Serviço Social, 2010. 79p. Série: Trabalho e Projeto Profissional nas Políticas Sociais.
CUNHA, J.A (org). Psicodiagnóstico-R. 4ª edição revisada. Artes Médicas, Porto Alegre, 1993.
CUSTÓDIO, S. A. M.; CAMARGO, R. B.; GRACIANO, M. I. G.. Rede de solidariedade com agentes multiplicadores e associações: a prática do serviço social na saúde. Construindo o Serviço Social, Bauru/SP, v. 8, p. 141-175, 2001.
DEL PRETTE, Z.A.P.; DEL PRETTE, A. Psicologia das relações interpessoais. Vivências para o trabalho em grupo. Petrópolis: Vozes, 2001.
DESSEN, M.A.; COSTA JUNIOR, A.L. A ciência do desenvolvimento humano: tendências atuais e perspectivas futuras. Porto Alegre: Artmed, 2005. 278p.
FALEIROS, V. de P. Relatório final de consultoria ao Conselho Nacional de Assistência Social sobre regulamentação dos artigos 3º e 9º da LOAS. Brasília: Entidades de Assistência Social, 1997.
FERNANDES, T.F.S.; MESQUITA, S.T. Aspectos sociais e econômicos das famílias “casos novos” de um programa de implanta coclear. Textos & Contextos. Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 143-158, jan/jun.2014.
FERNANDES, T.F.S.; MESQUITA, S.T.; FENIMAN, M. R. As repercussões sociais em indivíduos com distúrbios da comunicação associados às fissuras labiopalatinas com e sem perda auditiva. Audiol Comumn Res. 2015; 20(1):40-7.
FRANCELIN, M.A.S. As implicações sociais da deficiência auditiva adquirida em adultos. Saude Soc. São Paulo, v.19, n. 1 p. 180-192, 2010.
GOMES, A.L. A nova regulamentação da filantropia e o marco legal do terceiro setor. Serv. Social Soc., n. 62, p. 91-108, nov. 1999.
GOMIDE, P.I.C. Estilos parentais e comportamentos anti-sociais. In: DEL PRETTE, A.; DEL PRETTE, Z.A.P. Habilidades Sociais, Desenvolvimento e Aprendizagem: Questões Conceituais, Avaliação e Intervenção. Campinas: Alínea, p. 21-60, 2003.
GRACIANO M. I. G. Construindo espaços: a história das associações de pais e portadores de lesões labio-palatais e a contribuição do serviço social. 328 f.Tese (Doutorado em Serviço Social) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1996.
GRACIANO, M. I. G.; et al.. Ações de intercâmbio técnico-científico da Rede Nacional de Associações de Pais e Pessoas com Fissura Labiopalatal. Serviço Social & Saúde, v. 6, p. 89-116, 2007.
GRACIANO, M. I. G.; TAVANO, L. D.; BACHEGA, M. I. Aspectos psicossociais da reabilitação. In: TRINDADE, I. E. K.; SILVA FILHO, O. G. (Org.). Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Editora Santos, 2007. p.311-333.
GRACIANO, M.I.G. Estudo socioeconômico e políticas sociais. In: KOGA, D.; GANEV, E.;
GRACIANO, M.I.G.; LEHFELD, N.A.S. Estudo socioeconômico: indicadores e metodologia numa abordagem contemporânea. Serv. Social Saúde, Campinas: v. IX, n. 9, jul.2010. p.157-185.
GRACIANO, M.I.G.; LEHFELD, N.A.S.; NEVES FILHO. A. Critérios de avaliação para classificação sócio-econômica: elementos de atualização, parte II. Serv. Social Realid., Franca, v.5, n.2, p.171-201, 1996.
GRACIANO, M.I.G.; LEHFELD, N.A.S.; NEVES FILHO. A. Critérios de avaliação para classificação sócio-econômica: elementos de atualização. Serv. Social Realid., Franca, v.8, n.1, p.109-128, 1999.
GUERRA, Y. A categoria instrumentalidade do serviço social no equacionamento de “pseudos problemas” da/na profissão. Constr. Serv. Social, Bauru, n.3, p.9-29, 1998.
HAZARD, D. Direitos à vista no Brasil da deficiência. Vida Brasil. Disponível em: Acesso em: 24 abr. 2012.
INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL DO SUS. Disponível em: . Acesso em: 23 ago 2010.
JANNUZZI, P.M. Indicadores sociais no Brasil: conceitos, fontes de dados e aplicações. 2. ed. Campinas: Alínia, 2003. 141 p. MIOTO, R. C. Estudos socioeconômicos. In: CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Serviço social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social, 2009. p.481 – 512. JANNUZZI, P.M. Indicadores sociais no Brasil: conceitos, fontes de dados e aplicações. 2. ed. Campinas: Alínia, 2003. 141 p.
MENDONÇA, E. Inclusão social: seu papel na transformação da sociedade. Revista Mercado. Disponível em Acesso em 15 fev. 2007.
MERCADANTE, A. Direitos do cidadão especial: um guia para pessoas com deficiência. Brasília: Senado Federal, 2004. 87p.
MESQUITA, S. T. ; RUSSO, N. ; CANTEIRO, E.B. . A Empresa e o Terceiro Setor. Serviço Social e Realidade (UNESP/Franca), Ribeirão Preto, v. 12, n.2, p. 145-152, 2003.
MIOTO, R. C. Estudos socioeconômicos. In: CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Serviço social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social, 2009. p.481 – 512.
O QUE É O TERCEIRO SETOR. Disponível em: www.filantropia.org.br. Acesso em: 23 ago 2010.
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. CIF: Classificação Internacional de Funcionalidades, Incapacidades e Saúde. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2003. 325p.
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório Mundial sobre a Deficiência. São Paulo: SEDPcD, 2012. 490p.
PASSAURA, L. A família na contemporaneidade e os impactos sociais. Serviço Social e Realidade, Franca, v. 14, n. 2, p. 197-208, 2005.
PERLIN, G.T.T. Identidades surdas. In: SKLIAR, C. (org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 1998. p. 51-74.
RODRIGUES, O.M.P.R. et al. Práticas educativas parentais: a deficiência auditiva pode fazer a diferença? Revista Pensando Famílias. v.14, n.1, p.141-162, 2010.
SASSAKI, R.K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. 6. ed. Rio de Janeiro: WVA, 2005. 176 p.
SERVIÇO SOCIAL E SAÚDE: MULTIPLAS DIMENSÕES. Serv. Soc.Soc. São Paulo: Cortez, 102, jun.2010.
SILVA, E.J. da. Tutela Jurídica do Direito à Saúde da Pessoa Portadora de Deficiência. Curitiba: Juruá, 2009. 158 p.
TENÓRIO, F.G. (Org.). Gestão de ONGs: Principais Funções Gerenciais. Ed. Fundação Getúlio VARGAS. 1997. 1.ª edição. 140 p.
TERCEIRO SETOR. Disponível em: www.rits.org.br Acesso em: 23 ago 2010.
VILHENA, O. Direitos Humanos: base para uma sociedade inclusiva. Disponível em: http://www.bancoreak.cin.br/sustentabilidade/pdf/artigo_oscar_vilhena_v.final.pdf. Acesso em: 15 fev. 2007
World Health Organization. Iniquidades em saúde no Brasil, nossa mais grave doença. Disponível em: www.determinantes.fiocruz.br. Acesso em: 15 jun. 2015.
ZIMERMAN, G.I. Velhice: aspectos biopsicossociais. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000

NETSS – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (clique para fechar)

SERVIÇO SOCIAL (NETSS) (clique para fechar)

NÚCLEOS ESPECÍFICOS TEÓRICOS (NET), para alunos R-2, divididos por especialidades: (clique para fechar)

NÚCLEOS ESPECÍFICOS TEÓRICOS (NETFPSS), para alunos R-2, comuns à todas as especialidades: (ver mais)

NETFPSS - Orientação, elaboração e defesa do TCC: (ver mais)

Objetivo:
Capacitar o aluno para a realização de pesquisas sistematizando a elaboração do projeto de pesquisa, a coleta, análise e interpretação de dados bem como do relatório de pesquisa sob a forma de trabalho científico, visando à produção de conhecimentos, a atuação profissional nas deficiências auditivas, o desenvolvimento de materiais e programas que favoreçam a capacitação de colegas e demais profissionais da área da saúde e educação.

Conteúdo Programático:
O projeto.
Pesquisa.
Inovação.
O tema de interesse.
Justificativa e Fundamentação Teórica.
Forma de análise dos dados.
Sistematização de Dados.
Compreensão dos Dados.
Análise de Conteúdo.
Relatório de Pesquisa.

Referências Bibliográficas: (ver mais)

BARBIER, R.A. Pesquisa-Ação. Brasília: Líber Livro. 2007. 159p. (Série Pesquisa, v.3).
Boéchat, E. M. et al Tratado de Audiologia Clínica 2ª Edição Ed Guanabara Koogan, 2015
CHIZZOTTI, A. Pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. 9.ed. São Paulo: Cortez, 2008. 164p.
COSTA, F.S. Estatística aplicada à pesquisa em educação. Brasília: Plano Ed., 2004. 80p. (Série Pesquisa em Educação, v.7).
DEMO, P. Pesquisa Participante: saber pensar e intervir juntos. Brasília: Líber Livro. 2004. 140p. (Série Pesquisa em Educação, v.8).
FILHO, J.M., LEHFELD, N.A.S. (Orgs.). Prática de Pesquisa. Franca: UNESP, 2004.178p.
FLICK, U. Pesquisa qualitativa e quantitativa. In: Introdução à Pesquisa Qualitativa. Tradução Costa, J.E. 3ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. p.39-49.
FRANCO, M.L.P.B. Análise do Conteúdo. Brasília: Plano Editora, 2003. 72p. (Série Pesquisa em Educação, v.6).
GATTI, B.A. A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília: Plano Editora, 2002. 87p. (Série Pesquisa em Educação, v.1).
GRIGOLLI, A.A.G. Metodologia do Trabalho Científico e Recursos Informacionais na Área da Saúde. São Paulo: editora Santos, 2008. 208p.
MOROZ, M., GIANFALDONI, M.H.T.A. O Processo de Pesquisa Iniciação. Brasília: Líber Livro Ed. 2a.ed. 2006. 124p. (Série Pesquisa, v.2).
SEVERINO, A.J. Metodologia do trabalho científico. 23ed. rev. e atualizada. São Paulo: Cortez, 2007. 296p.

Referências Bibliográficas: (clique para fechar)

NETFPSS – Orientação, elaboração e defesa do TCC: (clique para fechar)

NETFSSP - Seminários de acompanhamento e avaliação do programa II: (ver mais)

Objetivos:
Acompanhar o desenvolvimento do programa de residência em Saúde Auditiva.
Identificar junto aos residentes, preceptores e tutores, as dificuldades e facilidades encontradas.
Levantar necessidades de adequação a fim de aperfeiçoar o andamento do programa e a formação dos residentes.
Colher sugestões dos residentes, preceptores, tutores, docentes e colaboradores, que contribuam para o melhor desenvolvimento do programa de residência.

Conteúdo Programático:
Reuniões com os residentes ao final de cada bimestre, para discussão sobre o andamento do programa e disponibilização dos questionários a serem preenchidos.
Reuniões bimestrais da coordenação com todos os tutores, oportunizando discussão dos resultados das avaliações.
Reuniões periódicas sempre que necessário, dos tutores com os preceptores de cada área, para orientação, esclarecimento de dúvidas e discussão de propostas de melhoria.
Reuniões eventuais com todos os preceptores, para acompanhamento das atividades.

NETFSSP – Seminários de acompanhamento e avaliação do programa II: (clique para fechar)

NÚCLEOS ESPECÍFICOS TEÓRICOS (NETFPSS), para alunos R-2, comuns à todas as especialidades: (clique para fechar)

Residência Multiprofissional em Saúde Auditiva (clique para fechar)